sexta-feira, 21 de junho de 2019

A “Teoria do Antes” aplicada a Bolsonaro



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
Siga-nos no Twitter - @alertatotal

Já tem apressado e precipitado indicando que Sérgio Moro é o candidato favorito à sucessão presidencial de 2022. Os profetas nas redes sociais podem prever o que quiserem. Nada garante que a previsão tem chance de se concretizar. Jair Bolsonaro mal entrou no segundo dos oito semestres previstos de governo. No Brasil das incertezas e espertezas, cabe perguntar: Fará boa gestão – aprovada pelo eleitorado? Concluirá o mandato? Disputará a própria sucessão? Vai indicar o sucessor?

Aí entra a “Teoria do Antes”... Antes é fundamental indagar ao Moro se ele alimenta o ousado objetivo de poder presidencial. Antes, Moro precisa sobreviver aos ataques dos inimigos que pretendem acabar com ele e o governo Bolsonaro. Antes, Moro tem de vencer muitas batalhas, muitas delas sanguinárias, contra o Crime Institucionalizado que inviabiliza o Brasil. Antes, Moro, os militares e Bolsonaro terão de neutralizar completamente a esquerda, que purga na entrada do interno, porém ainda tem muita grana (roubada) malocada para investir em um renascimento, no curto ou no médio prazos.

Ainda na “Teoria”, antes Bolsonaro tem um problema imediato a solucionar: a economia... Ela derruba ou consagra governos... Antes de tudo, Jair Bolsonaro tem de governar, com competência e equilíbrio, para viabilizar a retomada do crescimento e o caminho estável para o desenvolvimento. Se fracassar na economia, nem termina seu governo – que é de transição.

Bolsonaro e os militares terão de dialogar com os melhores brasileiros para a formulação do até agora inédito Projeto Estratégico de Nação. Antes, isto precisa acontecer. Do contrário, o Brasil será o mais do mesmo que sempre foi: uma colônia de exploração, com potencial de riqueza, porém mantida artificialmente na miséria e no subdesenvolvimento.

Ontem, no feriado de Corpus Christi, Jair Messias Bolsonaro se tornou o primeiro Presidente da República a comparecer à já tradicional “Marcha para Jesus” – que leva uma multidão de evangélicos às principais avenidas da Zona Norte de São Paulo. Bolsonaro e muitos políticos investem neste segmento político-religioso. Nada de ilegítimo... O problema é que não basta a fé transcendental para solucionar um Brasil que parece endemoniado. Fazer Política de verdade, com estratégia correta, é imprescindível e urgente.

Por falar em santos e demônios, Bolsonaro tem todos os motivos para ficar muito pt da vida com seu ex-colaborador na Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz. No entanto, em vez de reagir emocionalmente, como tem sido seu hábito, o Presidente deveria levar a sério as duras críticas do articulado General de Divisão na reserva, que ficou famoso mundialmente por chefiar as tropas de paz (?) da ONU no Congo. Em entrevista à revista Época, Santos Cruz reclamou que Bolsonaro perde tempo com bobagens e intrigas familiares, em vez de priorizar questões relevantes para o País.

Santos Cruz esculachou: “Se você fizer uma análise das bobagens que se tem vivido, é um negócio impressionante. É um show de besteiras. Isso tira o foco daquilo que é importante. Tem muita besteira. Tem muita coisa importante que acaba não acontecendo porque todo dia tem uma bobagem ou outra para distrair a população, tirando a atenção das coisas importantes. Tem de parar de criar coisas artificiais que tiram o foco. Todo mundo tem de tomar consciência de que é preciso parar com bobagem”.

Problema e detalhe que Bolsonaro teria de levar em conta, mas provavelmente não levará: muitos militares no governo e na ativa das Forças Armadas concordam com a avaliação crítica de Santos Cruz... É por isso que Bolsonaro partiu para mudanças em seu núcleo próximo. Trocou, novamente, o titular da Secretaria-Geral da Presidência. Nesta sexta-feira deve definir o novo titular. O coerente seria promover o General Santa Rosa, atualmente na Secretaria de Assuntos Estratégicos...

Mas como a estratégia anda em baixa no governo, tudo pode acontecer. O General Floriano Peixoto migra da Secretaria-Geral para a presidência dos Correios. De lá fora defenestrado, recentemente, o General Juarez Cunha. O pecado dele foi se posicionar contra a privatização da empresa... Outra mudança ocorre em julho, com os novos rumos da Secretaria de Governo. O General Ramos exercerá novo papel, com sua capacidade de liderança e diálogo, além de contar com a amizade pessoal de Bolsonaro.

O melhor que Bolsonaro faz agora é cuidar da “Teoria do Antes”... Antes, governe bem... Antes, pare de fazer oposição a si mesmo... Antes, priorize a retomada urgente da economia, porque o desgaste social já é real, concreto e objetivo... Antes, não alimente mais tretas... Antes, tente ser mais racional que emocional, contanto até 17 antes de falar, ficar puto e tomar decisões, sem medir o impacto godzilliano delas...

O mais funesto, quando finalizo o texto, é ter a certeza da completa inutilidade da análise, pois o Presidente Bolsonaro parece não dar nenhuma bola para aconselhamento... Mas a gente insiste em cumprir a missão impossível, até quando não der mais... Transição é assim mesmo... O purgatório, também... 

Colabore com o Alerta Total

Jorge Fernando B Serrão

Itaú - Ag 9155 cta 10694 2

Banco do Brasil - Ag 0722-6 cta 209.042-2

Caixa (poupança) - 2995 013 00008261-7


   




Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 21 de Junho de 2019.

7 comentários:

Anônimo disse...

A fé não é desculpa para a inação dos acomodados. A fé sem obras é morta. (Tiago 2, 14-26)

jomabastos disse...


Carlos Alberto dos Santos Cruz - General de Divisão na reserva, que ficou famoso mundialmente por chefiar as tropas de paz da ONU no Congo.

https://www.bbc.com/portuguese/brasil-48403301

Leo Santos disse...

Recado foi dado. Missão quando dada a García o que lhe importava como soldado era atravessar no campo de batalhas e atingir o objetivo, não importava como.
Oxalá Garcia incorpore em Bolsonaro para não ser um Puro.

Anônimo disse...

Jorge, como és maçom, cite com toda a franqueza qual o general maçom que esculhambou, avacalhou em discurso público com o comunismo, tecendo criticas e propondo soluções concretas conhecidas para seu expurgo do Brasil. Vale para qualquer general de exército,desde os atuais com o Mourão maçom até os generais que foram presidentes de 1964 para diante,citando dentre eles quais os que foram maçons, Castelo Branco, Costa e Silva, Médici, Geisel e Figueiredo.

Anônimo disse...

Eu acredito que o governo vai melhorar muito. Período de adaptação numa casa desarrumada. Mas o alerta total está correto nas observações. Tem que governar bem.e chamar os empresários a criar o sonho brasileiro. Investir para fazer a economiao girar

Anônimo disse...

"Quem acha que é a economia, é estupido".
Graças ao presidente Bolsonaro, que é um presidente democrático, e não vai permitir que as esquerdas (do Lula) cometam o mesmos crimes que cometeram em cuba e venezuela. PONTO. Este ano o Bolsonaro vai permitir democraticamente, a maior passeata LGBT do mundo em todos os tempos. PS: Desde já, avisamos há todos os gays oprimidos de todos os países comunistas e muçulmanos, que no pais do Comandante em chefe das forças armadas Jair Messias Bolsonaro, vocês serão bem recebidos.

Chauke Stephan Filho disse...

Um general pode pertencer a organizações internacionais secretas?