quarta-feira, 12 de junho de 2019

Muito além e por trás dos ataques à Lava Jato



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

As peças do Mecanismo do Crime Institucionalizado não querem apenas desestabilizar Sérgio Moro e prejudicar a Lava Jato. O objetivo bandido também é atrasar as reformas ao máximo, aprovando medidas capengas que não reverterão a estagnação econômica, forçando a desgraça dos planos de Paulo Guedes. A estratégia maior é desgastar o Presidente Jair Bolsonaro, inviabilizando o sucesso de seu governo.

Por isso, o Presidente não tem o direito de errar na escolha do novo Procurador Geral da República. O sucessor de Raquel Dodge precisa ser um membro do Ministério Público Federal absolutamente compromissado com o combate à corrupção sistêmica. Não pode ser um engavetador de processos, um sabotador de investigações, um promotor de rigor seletivo e, muito menos, alguém que seja transigente com personalidades criminosas da oligarquia capimunista tupiniquim.

O momento é crítico. Ou parte para cima do Crime, ou a sociedade será vencida por ele. A oligarquia bandida nunca esteve tão unida e articulada. Porém, embora pareça contraditório, a estrutura criminosa fica cada vez mais em posição de xeque-mate. Detalhe relevante deste “xadrez”, é que a maioria honesta da opinião pública precisa pressionar a máquina policial e judiciária para mandar canalhas para o xadrez. Claro, tudo depois do devido processo judicial, na garantia da lei e da ordem.

O Presidente Bolsonaro e seu ministro da Justiça, a quem está subordinada a Polícia Federal, devem levar muito a sério a declaração dada na segunda-feira (10 junho) pelo advogado Zanone Manuel de Oliveira à jornalista Roberta Lopes Alves, coordenadora do Movimento Direita Minas, na cidade de Juiz de Fora. Falando como um dos advogados do homem que quase assassinou Jair Bolsonaro, em 6 de setembro,  Zanone revelou que emissoras de televisão estão pagando defensores de Adélio Bispo dos Santos – que um esquisito laudo aponta como “maluco”.

O advogado Zanone foi explícito: “Tirando aquele primeiro contato em que a pessoa que me pagou, eu Zanone, no interior do meu escritório, a partir daí todas as despesas foram bancadas por algumas emissoras de televisão... Não vou citar o nome para você, nem para o Brasil”. Desta forma, o financiamento do bandido Adélio precisa ser mais bem investigado pela Polícia Federal. O atentado contra Bolsonaro não pode ser abafado – como deseja a mafiosa organização criminosa brasileira.


A conjuntura é apavorante. Imagine a vergonha de termos uma autarquia federal aparelhada pela esquerda radicalóide como a Ordem dos Advogados do Brasil. A OAB não pode ser sinônimo de “Organização de Apoio aos Bolcheviques”. O Conselho Federal da OAB cai em desmoralização ao deliberar, por burra unanimidade, que o juiz Sérgio Moro seja afastado do Ministério da Justiça, por causa do teor das mensagens vazadas criminosamente das mensagens trocadas por ele com o procurador Deltan Dallagnol, da Força Tarefa da Lava Jato. As opiniões destes conselheiros não representam o pensamento da maioria dos profissionais da advocacia brasileira.

Mais patética que a posição da OAB foi a declaração do mais polêmico ministro do Supremo Tribunal Federal. Gilmar Mendes defendeu que a eventual ilegalidade da forma como as mensagens foram obtidas do Telegram desativado de Sérgio Moro não necessariamente anula o seu uso como prova. Ou seja, Gilmar pregou que prova obtida de forma ilegal pode ser usada. Ele usou um exemplo esdrúxulo: “Se amanhã [uma pessoa] tiver sido alvo de uma condenação por exemplo por assassinato, e aí se descobrir por uma prova ilegal que ela não é autor do crime, se diz que em geral essa prova é válida".

Contraponto a Gilmar, o ministro Luís Roberto Barroso foi sensato ao comentar a polêmica, pregando que “é preciso ter cuidado para que o crime não compense”. Barroso declarou à GloboNews: “Eu sou juiz. Os fatos acabaram de ser divulgados, estão sendo apurados. Juiz fala ao final da apuração dos fatos e não no início da apuração, se tiver que falar e de preferência nos autos. Não é hora de formar juízos sobre isso ainda”.

Barroso acrescentou: ”A corrupção existiu, eu até tenho dificuldade de entender um pouco essa euforia que há em torno disso se houve algo pontualmente errado aqui ou ali. Porque todo mundo sabe, no caso da Lava Jato, que as diretorias da Petrobras foram loteadas entre partidos com metas percentuais de desvios. Isso é um fato demonstrado, tem confissão, devolução de dinheiro, balanço da Petrobras, tem acordo que a Petrobras teve que fazer com investidores de Nova York”.

Tocando indiretamente no caso do vazamento após grampo ilegal contra Moro e Dallagnol, em um painel sobre “fake news”, o presidente do STF, José Dias Toffoli, reclamou que as notícias falsas são ainda mais graves quando praticadas contra o Judiciário, que lida com temas de grande repercussão: “Ela (a desinformação) fomenta a polarização da sociedade, visto ser freqüente a disseminação e o compartilhamento de conteúdos falsos nos círculos que reúnem pessoas com as mesmas preferências e orientação política-ideológica”.  

No meio de tanta confusão, que na verdade é um ataque direto ao Governo Bolsonaro, felizmente, mais uma vez, os militares mandaram um recado institucional usando como porta-voz o ex-Comandante do Exército. Hoje assessor do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, o General de Exército Eduardo Villas-Bôas, em cadeira de rodas, postou um quadro no seu Twitter pessoal:

“Momento preocupante o que estamos vivendo, porque dá margem para que a insensatez e o oportunismo tentem esvaziar a Operação Lava Jato, que é a esperança para que a dinâmica das relações institucionais em nosso País venham a transcorrer no ambiente marcado pela ética e pelo respeito ao interesse público. Expresso o respeito e a confiança no Ministro Sérgio Moro”.   

Resumindo: Precisamos focar na solução – e não ficar refém de problemas (que a débil oposição criminosa cria, e o governo tem caído feito patinho otário). A gravidade do momento exige “treta zero”. Bastam de brigas internas. A paulada tem de ser crescente, constante e sem perdão nos integrantes do Crime Institucionalizado que aparelham todos os poderes republicanos.     

Para terminar, a Velhinha de Taubaté não acredita que o Supremo Tribunal Federal terá clima para aprovar, nesta quarta-feira, uma eventual libertação do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Zebras até podem acontecer no tapetão do Judiciário... Acontece que o recado do General Villas-Bôas, novamente, deve ter sido bem entendido pelos deuses olimpianos do supremo...

Colabore com o Alerta Total

Jorge Fernando B Serrão

Itaú - Ag 9155 cta 10694 2

Banco do Brasil - Ag 0722-6 cta 209.042-2

Caixa (poupança) - 2995 013 00008261-7




© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 12 de Junho de 2019.

9 comentários:

Anônimo disse...

The shot backfired, Mr. Cu-zão!!!!

Anônimo disse...


http://vindodospampas.blogspot.com/
12 /06/2019/06//

ratazanas-e-ratoeira-artigo-do-general.htmlRatazanas e ratoeira

✰ Artigo do general Carlos Augusto Fernandes dos Santos

Bombástica revelação sacudiu a principal rede de televisão do país. Segundo a reportagem, mensagens vazadas revelam que o ex-juiz Sérgio Moro orientou investigações da operação LAVA JATO ( ??? ). Uma série de reportagens publicadas pelo site “ The Intercept Brasil” mostram mensagens trocadas pelo aplicativo Telegram com o Procurador da República Deltan Dallagnol coordenador da equipe da força-tarefa de Curitiba. Com que objetivo os pregoeiros da discórdia engendraram ou liberaram semelhante acusação? Convém desconfiar. Repetidas sucessivamente em jornais falados da emissora, a notícia fez-me lembrar da distante infância, quando colegas mais velhos montavam arapucas e criativas ratoeiras para “caçar” RATAZANAS que infestavam os porões das velhas e quase centenárias residências do RIO ANTIGO. Naquela remota e afastada época, o importante era exterminar as RATAZANAS; ninguém perdia tempo ou se preocupava com o destino delas e, muito menos, daqueles que conseguiam pegá-las. As ratoeiras eram tão eficientes que dificilmente as vorazes roedoras escapavam e, depois de pegas e surpreendidas, eram exibidas como troféus e o destino era a degola ou a pena de morte!!!. Ninguém torcia pelas ratazanas e as crianças assustadas vibravam com a imaginação e as conquistas obtidas pelos justiceiros construtores das Ratoeiras. Semelhante atmosfera envolve, hoje, a maioria honrada do povo brasileiro:

SÉRGIO MORO e DELTAN DALLAGNOL desfrutam de merecido prestígio; afinal, com coragem, destemor e competência iniciaram a dura saga, a tarefa hercúlea de implodir as inúmeras quadrilhas que sustentaram a roubalheira descarada dos últimos governos, cujo passivo macabro é sentido, ainda hoje, por todo a nação, principalmente pelos mais pobres e desvalidos. É preciso destruir suas reputações. Diferentemente do passado, tudo sugere que manobras de variada e estranha natureza continuam a ser “bolados”, e conspiram contra os dois gigantes, com intenções escusas para livrar felpudas RATAZANAS POLÍTICAS do cárcere; durante década e meia, elas infestaram e aparelharam centenas de escaninhos do aparelho estatal. Tudo sugere, pela intensidade e o entusiasmo da acusação, que muitos torcem pelo time das RATAZANAS e contra os artesãos das ratoeiras; não fosse assim, não abririam espaços tão generosos para a divulgação de notícias envolvendo criminosos - HACKERS - que, sem autorização legal, invadiram terreno privativo de autoridades. “Quanto mais Ratoeiras e menos Ratazanas políticas, melhor para o país”.

Carlos Augusto Fernandes dos Santos – General Reformado - 10/06/2019

Anônimo disse...

Fusca Brasil

11.6.19
Não aceitam o voto do povo brasileiro, não querem deixar o poder. Conspiração internacional contra o Brasil

Hackers, ativistas, milícias a serviço da corrupção não aceitam o voto democrático.
Desde o segundo turno em outubro passado, os verdadeiros donos do Brasil estão em fúria contra o resultado das urnas, contra a Democracia e contra o Brasil.

Em ação coordenada, no melhor estilo do terrorismo inspirado em Cuba e atualizado com pitadas de gramscismo, hackearam o celular do ministro da Justiça Sérgio Moro e outras autoridades, agindo a partir de uma residência de Dirceu, o comissário-mor do lulopetismo.
Sem qualquer providência dos serviços de segurança e da Polícia Federal, criminosos acusados por autoridades do Reino Unido por terrorismo e investigados nos EUA e Europa por espionagem e divulgação de informações estratégicas ao crime internacional invadiram a comunicação pessoal e sigilosa de juízes, promotores e agentes da lei, ministros e sabe-se lá quem mais.
Impunemente, divulgaram versões, interpretações, cortes e montagens de áudios dos membros da Lava Jato através de blog imundo da extrema esquerda (The IntercePT).
A mídia dominante e dominada divulgou os suspeitos "vazamentos" como se fossem fatos, replicando os argumentos invertidos e a narrativa perversa dos criminosos, enquanto as milícias vermelhas de sangue saíram gritando no Congresso, nas mídias e redes sociais.
Em menos de uma hora, as hordas de advogados de Lula, já munidos de muitas páginas de argumentação baseadas nesses "vazamentos", entraram com pedido de cancelamento de todos os processos da Lava Jato.

Hoje, a Segunda Turma do STF se reúne mais uma vez para julgar mais um dos incessantes pedidos de soltura do Chefão, o mais corruPTo do mundo.
Até quando? Quantas dezenas de vezes já fizeram isso para Lula enquanto o Brasil está parado clamando por Justiça?

Hoje é a última data para o Congresso votar a liberação de verba de R$ 250 bilhões, parcela que vence neste mes, do rombo herdado dos governos anteriores. Sem essa verba, não haverá dinheiro para pagar aposentadorias, bolsas e auxílios para o povo necessitado.

O PT e seus asseclas do Mecanismo não se importam se o povo brasileiro sofrer como já fizeram sofrer o povo cubano, boliviano e venezuelano. Querem destruir a Democracia, culpar os poucos Homens da Lei que respeitam e seguem a lei, para implantarem definitivamente o Império do Crime e do Terror.
Ao povo, resta voltar às ruas, pressionar nas mídias sociais e mostrar ao mundo inteiro que continuamos 85% do lado do governo, da Justiça e do combate à corrupção e ao crime.

Com a palavra, a ABIN, os serviços de inteligência e as Forças Armadas do Brasil, pois o Brasil e seu Judiciário sofreram gravíssima violação de soberania por uma empresa de espionagem e desinformação estrangeira, conduzido por extremista procurado por crime de terrorismo e espionagem em outros países. Além disso, ele e seus associados políticos e a mídia amestrada pela mesma organização criminosa (Orcrim) de Lula e seus seguidores e/ou adoradores.
Nossas autoridades policiais e de segurança têm a obrigação de coibir, evitar e punir violações da soberania, dos direitos fundamentais de privacidade e o sigilo profissional e sensível de segurança nacional.

Assistam à brilhante, lúcida e muito pertinente análise de Alexandre Garcia sobre o tema:
https://www.youtube.com/watch?v=8qqL5vmAsn8
Postado por Fusca às 12:06 PM

Anônimo disse...

Descubra quem é PIERRE OMIDYAR, o multi-milionário criador do E-BAY e verdadeiro dono do IntercePT. Saiba também quais são seus reais interesses no Brasil.
https://www.youtube.com/watch?v=YYoIy_0Wulc&fbclid=IwAR0HJW9Dq1aoI5zkH8So3NER1gr3kx9LeqqdjnZLz7

Anônimo disse...

O principal objetivo dos supostos hackers foi minar o principal pilar do Bolsonaro, ou seja, a segurança, já que no plano econômico só temos promessas e empurrões de barriga. Foi gente de dentro do governo e, por isso, jamais serão encontrados.

Anônimo disse...

ORA, TEMOS A STF... SOCIEDADE DA TURMA DA FACADA, O QUAL FAZ PARTES OS RÁBULAS E, A OAB.... organização dos Aloprados Bandidos ...

Anônimo disse...

O lula tem continuar preso (NÃO EXISTE FATO NOVO). Ao darem entrada na "SEGUNDA instancia", os adevogados do lula já tinham alegado exatamente isto (o juiz foi imparcial, não deu ampla chance de defesa, bla, bla, bla, blablabla); e por isso foi conseguido um segundo julgamento (em segunda instancia), que deu um novo veredito.

Anônimo disse...

OAB por "BURRA UNANIMIDADE"??? A OAB em peso agradece e aplaude esta sua "abalizada" consideração!
Mais não estás sozinho nesta definição, Rolando Lero não o deixa só, nem os generais
que juram que juram que marxismo é lenda, é história da carochinha e logo jamais fez e poderá fazer parte de estudos acadêmicos das forças armadas conforme é de conhecimento geral.

Anônimo disse...

No caso Neymar-Najila, o processo não deveria ser aberto no país onde foi alegado que aconteceu o crime?