segunda-feira, 10 de junho de 2019

O silêncio da grande mídia na roubalheira do PT



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Sérgio Alves de Oliveira

Hoje se observa com clareza solar o descomunal esforço feito pela esquerda  para transformar o Brasil no  “tubo de ensaio” do  renascimento   da experiência socialista/comunista, mesmo após o seu “nocaute” - com  a queda do Muro de Berlim e a extinção da União das Repúblicas Socialistas da União Soviética - URSS, respectivamente, em 1989 e 1991 - na versão  concebida pelo filósofo marxista, membro fundador e ex-Secretário Geral  do Partido Comunista da Itália, Antonio Gramsci.

Sabidamente a doutrina de Gramsci tinha como método a implantação do comunismo pela via pacífica, descartado qualquer método violento, mais ou menos nos moldes antes defendidos  pela corrente revolucionária   russa “menchevique”, em contraposição à “bolchevique, liderada por Lenin, que ao final venceu com muito sangue derramado  a  Revolução Russa de outubro de 1917,derrubando  o regime dos “Czares”.

Gramsci queria chegar ao socialismo, pacificamente, criando assim o clima necessário para implantação definitiva do comunismo, ou marxismo, com alguns “temperos” de sua autoria, em relação à doutrina original de Marx.

Mas em toda a marcha da civilização jamais havia surgido no mundo uma população tão bem “moldada” para receber um programa socialista  “experimental”, testando na própria carne a doutrina do pensador italiano, o gramscismo. O Brasil da segunda metade do Séc. XX tinha o perfil ideal para que se implementasse essa experiência.

É claro que os grandes pensadores socialistas não iriam tomar  a frente dos trabalhos para convencer o povo brasileiro das “maravilhas” do socialismo.

Os líderes gramscistas vislumbraram esse “palco” ideal no Brasil. E não perderam tempo. Começaram a selecionar dentre os trabalhadores  semianalfabetos os que já tinham se infiltrado na política - e que nem possuía as condições intelectuais necessárias para saber ao certo o que significava essa “doutrina”- para que promovessem no Brasil os interesses da  esquerda. E foi justamente essa a “identificação” que os trabalhadores/candidatos tiveram com a maioria do povo brasileiro, e  que  propiciou a sua ascensão rápida na política, através do voto, especialmente de  2002 para a frente.                                                                                              

Esses trabalhadores ”novatos” na política partidária, geralmente saídos dos sindicatos, apesar da íntima “aversão” que tinham ao trabalho propriamente dito, souberam como ninguém fazer “política” e ascender  aos cargos eletivos nos Poderes Executivo e Legislativo. Elegeram-se, com facilidade, vereadores, prefeitos, deputados estaduais e federais, senadores, governadores e até presidentes da república, com Lula e Dilma.

Mas essa experiência do comando político da esquerda, do gramscismo, no Brasil ,deu pífios resultados. Foi um verdadeiro desastre. Nesse nefasto período em que a esquerda passou a participar da política, mandando, parcialmente, de 1985 a 2002, e quase  totalmente a partir daí,após a posse de Lula, nunca se roubou tanto do erário.                                                

Muitos garantem que o “roubo” nesse período teria sido em torno de 10 trilhões de reais, equivalente  a cerca 1,5 do PIB Brasileiro. Essa gigantesca quantia foi estimada pelo Juiz e hoje Ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Pois bem, durante todo esse período da roubalheira generalizada, tudo passou em “brancas nuvens” pela mídia. Embora sempre “atenta” a todos acontecimentos, para a roubalheira petista que praticamente “quebrou” o país, ela nada viu, ouviu, falou ou escreveu. Seu silêncio foi “sepulcral”.

Onde estava essa mídia durante toda a roubalheira do PT “et caterva”? Só tem uma resposta: quietinha, comprada e faturando muito alto!!!

Mais parece que nos poucos meses da Gestão Bolsonaro a mídia ficou “doente”. Não sei  se foi doença “mental”, ou “moral”. Mas tudo leva a crer  que  foi doença “moral”. Essa mídia começou a enxergar “miragens”. Mas foram “miragens” diferentes. Não se restringiram a ver malfeitos na política que não mais ocorriam desde 1.01.19. Foi uma “miragem” estapafúrdia. Que trouxe acontecimentos do passado como se estivessem acontecendo no presente. Lançou na conta de Bolsonaro o que era devido pelo PT, e que teve a sua cobertura midiática.

Resumidamente, o  relativo sucesso do gramscismo no Brasil se deve ao atingimento dos seus objetivos de tomada do poder político, iniciando pela ocupação dos principais espaços da mídia/meios de comunicação, do comando nas Escolas e Universidades, da infiltração na própria Igreja, onde logrou êxito na “doutrinação” de uma infinidade de religiosos, e na ocupação dos cargos mais relevantes da Política, da Administração Pública e do próprio Judiciário, onde conseguiu colocar uma grande quantidade   de “filhotes” do gramscismo, inclusive como juízes, desembargadores, e ministros de tribunais superiores. Não escaparam nem as Forças Armadas da sua infiltração. Nesse ponto, “Nota 10” ao gramscismo.

Deu para entender as razões do silêncio  da mídia e das diversas autoridades públicas  durante os longos anos da roubalheira do PT ? E por que alguns resolveram “acordar” somente após o surgimento do escândalo do “mensalão”, dos anos 2005 e 2006?

Mas surpreendentemente essa mídia, antes mancomunada com o PT,  resolveu romper com o seu silêncio. Mas “rompeu” no momento totalmente errado. Agiu como se estivesse com a “faísca atrasada”. Acordou só depois de muito tempo em que deveria ter visto e  denunciado o que se passava  de irregular na política, da roubalheira que acontecia.

Só “acordou” no Governo Bolsonaro,que  tomou posse em 1º de janeiro de 2019, fazendo um enorme esforço para criar irregularidades que não existem,fictícias. Como explicado antes ,foi pura “miragem”.

Mas esse fenômeno lamentavelmente não foi “privativo” da mídia. Ele aconteceu também nos de cargos preenchidos por concurso público, com “estabilidade”, dentre eles os  servidores públicos, e alguns “agentes políticos” concursados (juízes,por exemplo).

Hoje qualquer concursado com estabilidade se acha no direito de transformar o país na “Casa-da- Mãe-Joana”, onde todo  mundo manda e ninguém manda, ao mesmo tempo. Uns “metem o bedelho” onde não  deveriam, nem poderiam, inclusive invadindo competências da alçada  exclusiva  do Presidente da República.

Qualquer juiz da Comarca de “Cacimbinhas”, por exemplo, se acha no direito de ditar normas administrativas de repercussão NACIONAL para o Presidente da República cumprir. Como poderá funcionar um Governo se ele depender da “cabeça” individual de cada um dos milhares de juízes espalhados por todos os cantos do país?

Esse é verdadeiramente o típico reduto da “Casa-da-Mãe-Joana”. Como conceber, por exemplo, que um só juiz possa “determinar” políticas nacionais sobre radares em rodovias ou sobre verbas a serem distribuídas pelo Ministério da Educação para as Universidades?

Sérgio Alves de Oliveira/advogado e sociólogo.

2 comentários:

jomabastos disse...

O Silêncio da mídia em geral, dos políticos e dos rentistas deste país perante a CORRUPÇÃO PROTAGONIZADA POR POLÍTICOS - DE TODAS AS CORES PARTIDÁRIAS - e rentistas espalhados por este Brasil.
O crime institucionalizado está presente em todas as cores partidárias deste país. E quem afirmar o contrário, merece o Brasil que tem - corrupto e subdesenvolvido.

ALMANAKUT BRASIL disse...

Intervenção militar ou guerra civil? – quem decidirá será a Pátria que pariu

https://almanakut10.wordpress.com/2019/06/11/intervencao-militar-ou-guerra-civil-quem-decidira-sera-a-patria-que-pariu