terça-feira, 4 de junho de 2019

Será que vai dar certo?



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Gaudêncio Torquato

A pergunta a este consultor é recorrente: o governo Bolsonaro chegará ao final? A questão é suscitada por causa das intempéries – tensões, idas e vindas – que têm caracterizado esses cinco meses de administração federal. Mexo com minhas bolas de cristal, mas não consigo vislumbrar resposta convincente. No limite, aponto o Senhor Imponderável dos Anjos como assíduo visitante ao nosso roçado político-institucional.
Mas a ciência política trabalha com instrumentos capazes de medir a viabilidade de um governo, a possibilidade de um mandatário sustentar seus vetores de força durante o mandato. Pinço, a propósito, alavancas que Carlos Matus, renomado cientista político chileno, usa em seus brilhantes ensaios sobre estratégias políticas. Na análise de viabilidade de um governo, ele aponta quatro eixos que ajudam a balizar respostas à pergunta acima colocada.
Os quatro eixos são: a) a viabilidade política; b) a viabilidade econômica; c) a viabilidade cognitiva e d) a viabilidade organizativa. A primeira diz respeito à índole dos políticos e sua inclinação para aprovar ou desaprovar a agenda que provém do Executivo. Essa possibilidade, como é sabido, depende muito da capacidade de articulação do governo. Eis um dos imbróglios que obscurece os horizontes. Sob o argumento de que não se submeterá às práticas da “velha política”, o presidente Bolsonaro coloca imensa barreira entre o governo e a esfera parlamentar.
Além disso, a articulação política é feita de maneira dispersa, com protagonistas múltiplos destacados para a tarefa – general Santos Cruz, Onyx Lorenzoni, o próprio presidente, além de líderes do governo nas duas Casas congressuais –, a ponto de não se saber quem efetivamente é o responsável pela costura junto aos deputados e senadores. A própria base governista, formada por parlamentares de partidos que apóiam o governo, mais se apresenta como um amontoado sem rumo. O PSL, partido principal da base, é cindido, com alas em querelas constantes. O governo não tem saída que a de convencer parlamentares, inclusive da oposição, a aprovar as reformas.
A segunda viabilidade diz respeito ao escopo de dados e contextos econômicos alinhados sob a tese que se quer demonstrar. Entremos no caso brasileiro. A recessão já dá sinais de que pode voltar. O PIB caiu 0,2% no primeiro trimestre e a projeção é de resultado medíocre para o ano. Se a reforma da Previdência não passar, não haverá dinheiro para pagar aposentadorias. Ao contrário, se as reformas passarem, inclusive a tributária, as projeções mudam de rumo. O país poderá crescer ainda este ano 2% a 3%, como garante o relator da PEC 293/2004, que trata da reforma tributária, o competente ex-deputado Luiz Carlos Hauly.
Os inputs de natureza econômica assentam sobre uma base racional, lógica, não dando margem a interpretações emotivas. Ou se faz isso e aquilo, ou o país voltará às brumas tenebrosas do passado.        
O terceiro eixo que mexe na roda das reformas é o cognitivo. Trata-se da área do conhecimento sobre as matérias pautadas. Se não houver amplo conhecimento por parte do corpo parlamentar sobre o que se debate, o compromisso com as matérias propostas será baixo. Da mesma forma, a sociedade carece ser bem informada sobre os temas a fim de que possa fazer pressão sobre os representantes. Conhecimento é uma carga transportada pelos meios de comunicação: interpessoais, grupais ou coletivos, usando a bateria da orquestra comunicativa: reuniões, conversas pessoais, debates, rádio, TV, redes sociais etc.
A comunicação do governo é falha. Há estruturas formais, um porta-voz general, redes usadas pelo presidente e seus filhos. A dispersão comunicativa desorienta. A ausência de um plano harmônico de comunicação é fator de balbúrdia.
Por último, a viabilidade organizativa, que diz respeito ao conjunto de meios e instrumentos - ministros, estruturas e articulação política -, que podem influir para fazer tramitar a ideia de maneira rápida, criativa e eficaz. Ou, ao contrário, sem coordenação, o fracasso ocorrerá.
Esses quatro tipos de viabilidade devem ser trabalhados de maneira ajustada, direcionados a alcançar metas e objetivos.
Analisando as molduras que cercam cada possibilidade, emerge um quadro mais claro de referências, do qual será possível extrair uma tentativa de resposta para a pergunta que encabeça este texto.
Gaudêncio Torquato, jornalista, é professor titular da USP, consultor político e de comunicação Twitter@gaudtorquato

3 comentários:

Loumari disse...

Longa vida a messias bolsobesta. Este é o homem que vai dar boa lição a todos estes arrogantes e prepotentes, que se julgam deuses sendo os mais míseros do mundo.
O dia que o Diabo fizer coisas para o bem do homem, ser salvador de uma nação, então, messias bolsobesta vai fazer muito bem ao Brasil e vai criar situação de conforto e de bem estar para o povo brasileiro. Este homem deve permanecer rei do Brasil para desmanchar o Brasil e criar um verdadeiro caos sem precedente, e todos estes arrogantes, prepotentes e megalómanos, perderem a face ao ponto de não suportar encarar outras pessoas pela vergonha da sua situação de miséria.
Que Satanás fortalece mais e mais ao messias bolsobesta.
Assim os brasileiros vão colher o fruto produzido do seu Repúdio ao Verdadeiro Deus.
Quando eles dizem "BRASIL ACIMA DE TUDO", vocês sabem o que é realmente isto? O que isto realmente significa? Este é o 666! o homem que se colocou acima de Deus o Criador.

A bíblia que têm os brasileiros serviu a estabelecer o reino de Satanás. Brasil é nação que foi construída na base da mentira.
Desde que os brasileiros estão assujeitados ao falso testamento, eles não pagam seu voto a Deus. Todas as orações feitas por brasileiros são sacramentadas com sangue derramado em sacrifício ao deus demónio. Deus da maçonaria. Os anjos de Satanás (os maçons) modificaram a palavra de Deus, reescreveram a bíblia inserindo nela todas as abominações que levam todos os brasileiros a consagrar e sacramentar votos ao demónio; para alcançar tal proeza de dominar comprometeram a nação, oferendaram ao Demónio sacrifícios humanos, e muito sangue foi derramado para eles receberem favores e poderes do deus demónio.
Todo brasileiro quando sacramenta sua oração com esta expressão criada pela besta negra amém, depositam voto em sacrifício ao deus demónio, que este demónio requer mais e mais sangue cada dia, o que explica por quê Brasil é a terra onde se executa maior taxa de homicídio do Globo.

Cada nove (9) minutos se regista morte por homicídio. E em cada hora são assassinadas 6 à 7 pessoas. Em 24 horas do dia, se somam no mínimo 160 casos de homicidas. Sangue derramado em sacrifício a Baal que é deus demónio, deus em forma de Bode. Também chamado pelos maçons de Gadu. Todo brasileiro diz sim a este deus demónio. Todos seus cultos religiosos sacramentam este Bode, ao que todos dizem amém.

Li um artigo recentemente onde vinha escrito que no ano de 2017 se registou no Brasil o número de 64.000 casos de homicídio. É toda a nação afectada pela peste espiritual, porque esta nação há mais de cem anos que deixou de ser de Deus Pai Criador e passou a pertencer a Baal.
Toda a nação vive no engano. Seus votos são desviados em favor do deus demónio. A partir do momento que o testamento a que eles estão sujeitos é testamento falso.
Jesus Cristo nunca pronunciou amém, nunca pronunciou Davi, Jacó , Ló... o demónio foi quem instituiu isso colocando na bíblia espíritos de demónios e estabeleceu seu trono dentro mesmo da igreja católica.
E temos notado que é dos próprios católicos do Brasil donde saem os ataques dos mais virulentos em contra do Papa Francisco.
Os filhos do dragão infernal contra o filho da mulher do Apocalipse 12

Loumari disse...

GÁLATAS 1:3 Graça e paz da parte de Deus Pai e da do nosso Senhor Jesus Cristo,
4 O qual se deu a si mesmo pelos nossos pecados, para nos livrar do presente século mau, segundo a vontade de Deus, nosso Pai,
5 Ao qual seja dada glória, para todo o sempre! Ámen.


Gálatas 1 Biblia Sacra Vulgata (VULGATE)

3 Gratia vobis, et pax a Deo Patre, et Domino nostro Jesu Christo,
4 qui dedit semetipsum pro peccatis nostris, ut eriperet nos de praesenti saeculo nequam, secundum voluntatem Dei et Patris nostri,
5 cui est gloria in saecula saeculorum. Amen.


GÁLATAS 1:6 Maravilho-me de que, tão depressa, passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo, para outro evangelho;
7 O qual não é outro, mas há alguns que vos inquietam e querem transformar o evangelho de Cristo.
8 Mas, ainda que nós mesmos, ou um anjo do céu, vos anuncie outro evangelho, além do que já vos tenho anunciado, seja ANÁTEMA.
9 Assim como já vo-lo dissemos, agora de novo, também, vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho, além do que já recebestes, seja ANÁTEMA.
10 Porque, persuado eu agora a homens ou a Deus? ou procuro agradar a homens? se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo.
11 Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho, que por mim foi anunciado, não é segundo os homens.
12 Porque não o recebi, nem aprendi, de homem algum, mas pela revelação de Jesus Cristo.


2 JOÃO 1:8 Olhai por vós mesmos, para que não percamos o que temos ganho, antes recebamos o inteiro galardão.
9 Todo aquele que prevarica, e não persevera na doutrina de Cristo, não tem Deus; quem persevera na doutrina de Cristo, esse tem tanto o Pai como o Filho.
10 Se alguém vem ter convosco, e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem tão-pouco o saudeis.
11 Porque, quem o saúda tem parte nas suas más obras.


1 TIMÓTEO 6:3 Se alguém ensina outra doutrina, e se não conforma com as sãs palavras do nosso Senhor Jesus Cristo, e com a doutrina que é segundo a piedade,
4 É soberbo e nada sabe, mas delira acerca de questões e contendas de palavras, das quais nascem inveja, porfias, blasfémias, ruins suspeitas,
5 Contenda de homens corruptos de entendimento e privado da verdade, que cuidam que a piedade seja causa de ganho: aparta-te dos tais.


APOCALIPSE 3 E AO anjo da Igreja que está em Sardo, escreve: Isto diz o que tem os sete Espíritos de Deus e as sete estrelas: Eu se as tua obras, que tens nome de que vives, e estás morto.
Sê vigilante, e confirma os restantes, que estavam para morrer, porque não achei as tuas obras perfeitas diante de Deus.
Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, e arrepende-te. E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei.
Mas também tens, em Sardo, algumas pessoas que não contaminaram os seus vestidos, e comigo andarão de branco, porquanto são dignas disso.
O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida, e confessarei o seu nome diante do meu Pai e diante dos seus anjos.
Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz as igrejas.


OBS: Agora consultem a bíblia que é dos brasileiros para ver se a palavra que Jesus Cristo consagrou e sacremtou com seu sangue derramado na Sua Dolorosa Paixão soma igual? A bíblia dos brasileiros é uma impostura, uma fraude, verdadeira farsa que reflecte o satanismo daquele povo. País de Sodoma e Gomorra. Nação cujo deus é MOLOCH.

Anônimo disse...

Vou contar uma piada (não é piada não, é vero). Ao ver de quem era o texto, fui para os comentários, ao começar a ler os comentários, voltei para o texto (do cara que comete INFRAÇÃO triplamente qualificadA: Jornalista, professor, e mais outras 2 tetas), li mais um paragrafo, voltei para os psicopáticos comentários, mais 3 segundos, voltei para o texto. PONTO. Depois de 20 minutos, pus o lixo pra fora (sem trocadilho, minha sogra já TAVA falando que o lixeiro iria passar), não tive "capacidade intelectual" para terminar nenhum dos 2 (dois) textos escritos por quem vive do estado (sem precisar, e/ou não dar o devido retorno).