quarta-feira, 10 de julho de 2019

Baralho Velho


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Antônio José Ribas Paiva

O poder oculto que manobrava a “Nova República“ está sem cartas. Teve que sacar um velho coringa, para defender o crime da tal intercept.

Trata-se do banqueiro Nelson Jobim, o coringa gasto do poder defenestrado pela eleição do Bolsonaro.

Ao atacar a Lavajato e o Ministro Moro, em entrevista faz -de - conta para a Folha/ UOL, Jobim demonstrou, que não entende nada de ação penal.

De fato, ao contrário do que reza professoralmente, Jobim, prova ilegal deve ser desentranhada dos autos e qualquer quebra de sigilo, tem que ser apreciada e deferida pelo juiz da causa.

Assim, é da essência do processo penal, que o juiz prevento  julgue a ação penal, porque conheceu e autorizou as provas na fase investigatória. Caso contrário, as provas são imprestáveis.

Jobim foi convocado a defender sua turma, com a peneira rota.

Tudo isso demonstra, que o baralho do crime político acabou!

Dr. Jobim é melhor calar do que falar mentiras!

Moro, não se moleste com o latido dos cães, a sua missão mal começou.

DEMOCRACIA JÁ!!!

Antônio José Ribas Paiva, Advogado, é Presidente do Nacional Club.

4 comentários:

Anônimo disse...

Esse senhor é aquele que enxertou sorrateiramente alguns artigos na Constituição após a mesma já ter sido promulgada? Agora vem falar da Lava Jato? Continua o mesmo oportunista. Tornou-se banqueiro.

Anônimo disse...

Esse senhor é aquele que enxertou por conta própria alguns artigos na nossa Constituição, após a mesma ter sido promulgada? Vem querer criticar o Moro defendendo o Lula? Hoje virou banqueiro...

Anônimo disse...

Jobim só anda em boas companhias e defendendo "boas causas". Mais também é extremamente sentimental, como atestam as imagens onde Lula berra mais do que bezerro desmamado ao ser diplomado presidente e amparado,carinhosamente consolado e amparado no ombro amigo de Jobim. Depois daquele ato, Lula e Jobim tornaram-se unha e carne. E Jobim seguiu adiante apoiando o PT, confirmando aquela trilha descrita por sua avó, a de que ele "tem mais sorte do que juízo"! Mais de acordo com o velho adágio "água mole em pedra dura, tanto bate até que fura", parece que os ventos estão virando para ele. Por "ter muita sorte", Jobim juntou-se a Esteves, figura carimbada no judiciário e tornou-se "banqueiro"!
Mais como dizia Carlos Drummond de Andrade "no meio do caminho tinha um sortudo, tinha um sortudo no meio do caminho". Drummond só não previu a existência de dois sortudos ao mesmo tempo e para surpresa estes dois se encontraram, o sortudo Jobim e o sortudo Bolsonaro, sortudo por motivos amplamente conhecidos do Brasil. E agora o sortudo Jobim, para não variar, está fazendo todas as suas apostas na queda do sortudo Bolsonaro. O Brasil do bem torce para que aquele presságio da avózinha do Jobim tenha se transformado
numa mera previsão da velhinha de Taubaté!

Anônimo disse...

Como visto pela foto, Jobim é um perito "amansador de cobra". E para chegar a este título,
o de perito, o cabra tem que ter muita, mais muita persistência mesmo, daquelas onde "não pode ver uma cobra e já vai logo agarrando", pois para ser perito tem que pegar todo o tipo de cobra que pinte no pedaço!