domingo, 21 de julho de 2019

Clemenceau à brasileira



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

“A guerra! É uma coisa demasiada grave para ser confiada aos militares.”

O autor dessa frase, Georges Clemenceau, antecipou, em muito, o conceito de Guerra de Quinta Geração.

Assim sendo, fica patente a necessidade da contribuição multidisciplinar dos patriotas civis às suas Forças Armadas.

No Brasil de hoje, a definição mais importante para o debate sobre a reconstrução nacional, é o conceito de Democracia: “Democracia é a segurança do Direito”.

Isto posto, qualquer melhoria institucional desejada (ou desejável) começa pela reforma do Poder Judiciário.

Devem ser afastados todos os atuais juízes, desembargadores e ministros escolhidos por critérios NÃO democráticos.

A jurisdição não pode ser “permanente”, “vitalícia”, quase imperial.

A proposta que parece a mais adequada é escolher os magistrados por sorteio dentre o quadro dos advogados com mais de cinquenta anos de idade e vinte de militância forense, de ilibada reputação.

O cidadão “estará” juiz por certo tempo (cinco anos ?) NÃO renovável.

O salário deve ser condizente com suas responsabilidades, de elevado valor e sem descontos de nenhuma espécie.

Evitaremos deste modo, o “surgimento' de “deuses” e “semideuses”.

Molecotes de vinte e poucos anos, sem experiência de vida, não tem maturidade para julgar. Velhos, indicados por compadrio, não têm isenção.

E Clemenceau tem outra frase que é um conselho útil nos tempos atuais de guerra: “Os cemitérios estão cheios de pessoas insubstituíveis”.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

2 comentários:

Anônimo disse...

🇧🇷 Quanto a escolha de ministros de tribunais superiores é uma boa ideia, quanto a guerra se depender de nossos Generais será coisa impossível o conforto dos quartéis os agrada mais.

H. James Kutscka disse...

Clemanceau neles Mantiqueira! " Toda tolerância torna-se com o tempo direito adquirido".