quarta-feira, 24 de julho de 2019

O Bezerro de Ouro!



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

“A compra de ouro dos bancos centrais nos primeiros cinco meses deste ano é 73% maior do que um ano antes, com a Turquia e o Cazaquistão também se unindo a China e a Rússia como os quatro maiores compradores. É possível constatar que 2018 foi o ano em que bancos nacionais / centrais adquiriram mais ouro desde 1968 e estes volumes atuais estão ultrapassando o volume do ano passado em 73%, tornando possível, se a tendência continuar, prever que 2019 será o maior ano para aquisições de ouro na história.” Luiz Antonio Peixoto Valle, Professor e Administrador de Empresas. Publicado no www.alertatotal.net em 22 de julho de 2.019

Se desdouro ao ilustre professor Valle, penso que o mesmo está equivocado.

O ouro não vale mais nada. É apenas objeto de adoração por parte de sociedades primitivas. Não é alimento, nem insumo farmacêutico.

Difícil de guardar e de vender. Um eventual comprador tem dúvidas sobre sua autenticidade e teor [quilates].

A moeda moderna (e a do futuro) é a confiança no garantidor (público ou privado). Um pedaço de papel (ou de polímero) emitido pelo Bank of England vale ! Um impulso eletrônico e pedacinho de papel gerado nas maquininhas de cartões (débito ou crédito) de prestigiosas empresas emissoras (v.g. Mastercard e Visa) também vale !

Ouro perdeu sua função odontológica para resinas mais aptas; perdeu sua importância na fabricação de válvulas (quem se lembra). Hoje praticamente só é utilizado na fabricação de jóias (pura vaidade) prontinhas para serem roubadas em países tercermundistas ou sob invasão de imigrantes.

Como qualquer outro objeto ou serviço, o ouro perde sua relevância pelo avanço tecnológico e hoje tem apenas “valor de estima”.

Os grandes bancos tradicionais já estão feridos de morte. As fintechs Revolut (inglesa) e N26 (alemã) estão prestes a iniciar suas operações no Brasil.

Quem vende ouro é melhor informado que o comprador.






Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

2 comentários:

Anônimo disse...

No caso de guerra o ouro é melhor, mais valioso, papeis e cartões passam a não valer nada, crypto moedas, essas nem se sabe de onde vêm e não tem lastro algum nem quem possa honra-las.

Anônimo disse...

Algum valor o ouro ainda tem, porque os revolucionários continuam a procurá-lo.