terça-feira, 20 de agosto de 2019

Cacarejos no Estado-Espetáculo



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Gaudêncio Torquato

Os estilos da galinha e da pata servem para comparar governantes, partidos e, de modo geral, os políticos. A primeira põe um ovo pequenino, mas cacareja e todo mundo vê, enquanto a segunda põe um ovo maior e ninguém nota. O ovo da pata, segundo os nutricionistas, é mais completo que o da galinha, mas é este que gera atenção, intenção, desejo e ação – a fór­mula AIDA – para estimular seu consumo. E o êxito se deve porque a fêmea do galo sabe alardear seu produto, cumprindo rigorosamente o preceito maquiavélico: “o vulgo só julga aquilo que vê.”
Pois bem, Bolsonaro adota o estilo de galinha. Lula, também. Ambos apreciam cacarejar em palanques, usando expressões acusatórias, símbolos populares, abordagens que primam pelo mau gosto e, em alguns casos, entrando no poço do “baixo-calão”. Há dias, indagado sobre se é possível preservar o meio ambiente, o presidente sugeriu ao repórter “fazer cocô dia sim, dia não, para reduzir a poluição ambiental”. Noutra feita, indignado, disse que basta “um cocozinho petrificado de índio para barrar licenciamento de obras”.
Lula também tinha das suas. No Rio Grande do Sul, em alusão a um túnel na BR-101, mandou: “Não podemos parar tudo por causa de uma perereca, como aconteceu com o túnel em Osório. O País não pode ficar a serviço de uma perereca....Nem que eu tiver que me atarracar com aquela perereca, vou andar nesse túnel. E peça para a perereca sair de perto, porque eu vou vir meio nervoso."
Para compreender como o cacarejo adquiriu importância central na política, é oportuno lembrar as tintas que desenham nossa iden­tidade. Os estudiosos do ethosnacional costumam apontar, entre os valores que o plasmam, a falta de precisão, a adjetivação excessiva, o individualismo, a propensão ao exagero. Somos um povo de lingua­gem destemperada e de pensar fluido, indeterminado, misterioso. Por isso, o Brasil passeia na gangorra, ora como o melhor dos mundos, ora como o pior.
Prezamos a verborragia. Sob ela, tem sido fácil aos nossos governantes pôr um aditivo no verbo e exagerar o tamanho de seus feitos administrativos.
Na era moderna, governantes e políticos sobem ao palco do Estado-Espetáculo, onde, com muita saliva, acrescentam palmos de altura ao seu tama­nho, elevando as benesses que praticam. No Estado Novo, o Brasil entrou na moldura do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) getulista. No ciclo militar, mergulhamos nas águas do Brasil-Potência.  Resgatamos os albores democráticos, a par­tir de 1986, com o governo Sarney, ouvindo mais uma vez cacarejos que vendiam as glórias de planos econômicos.
Falácias acabaram frustrando o povo. Perplexos, assistimos ao marketing exacerbado do furacão Collor, passamos pelas extravagâncias do estilo Itamar e seu topete, ouvimos as falas elaboradas do schollar Fernando Henrique, até subirmos ao palanque permanente armado nas ruas durante a era Lula. Sem esquecer o destampatório confuso da dona Dilma Rousseff. Cada qual teve seu modelo de entoar “causos”, soltar recursos e amarrar apoios.
Na antiguidade, conta-se sobre Temístocles, o altivo ateniense, que não era de cacarejar. Convidado para tocar citara numa festa, o general declinou: “Não sei tocar música, o que sei é fazer de uma pequena vila uma grande cidade.”
Já os governantes das nossas três esferas federativas afinam o tom, não hesitando em mane­jar cítara, clarineta ou trombone. Abandonam o foco. Veja-se Bolsonaro. Fala pelos cotovelos. Atira forte nos adversários, alguns com pesados xingamentos. Parece inebriado pelo poder. Gogol já dizia: “Não é por culpa do espelho que as pessoas têm uma cara errada.” A ruína provocada pelo mo­delo pirotécnico de administrar acaba inspirando a verve exagerada dos nossos governantes.
Não se questiona a necessidade do governante de comunicar ao povo as ações de governo. É dever dos mandatários prestar contas dos atos, o que exige boa comunicação. E não deve haver oposição à decisão de quem usa o canal legítimo, com mensagem apropriada, no momento propício e para atingir a públicos adequa­dos. O que é apropriado? Mostrar propostas e fatos. O que é desapropriado? O uso do palanque todo tempo, com venda de ilusões e apelos em direção aos aplausos. 
O Brasil precisa de menos Estado-Espetáculo e mais Estado-Cidadão.
Gaudêncio Torquato, jornalista, é professor titular da USP, consultor político e de comunicação Twitter@gaudtorquato

3 comentários:

Iguinácio disse...

Um mundo como acha querer, ou pensa que poderá querer.
Quando o ídolo dos palanques (agora preso por corrupção) falava besteiras, bravatas, grosserias, mentiras e outras impropéries sempre para público cativo, a imprensa amestrada o chamava de estadista e alguns da USP o idolatrava como perfume francês.
Diga-se de passagem que setores oriundos da USP muito, mas muito mesmo, contribuiram para a mediocrização de muitas pessoas de todo o Brasil, dentro de um programa já bastante conhecido, o de tornar a cultura em geral tão profunda como uma poça d'água em ladrilho, e agora reclamam das respostas do Presidente da República eleito por quase setenta milhões de votos (sem contar qualquer influência das urnas eletrônicas), dar respostar diretas aos perguntadores programados para ávidas fofocas primárias.
Parece que o digníssimo e querido articulista escuta apenas o que gosta, cacarejos em respostas aos seus pupilos.
Pronunciamentos relevantes o amável escritor pode até escutar, mas a respeito não se pronuncia. Será por razões que a própria razão desconhece ou há mesmo um temor de represálias da patrulha (aquela que tudo faz para parecer que não existe)?

Anônimo disse...

O texto é uma MERcadoria por completo; mas, "O ovo da pata, segundo os nutricionistas, é mais completo que o da galinha,".

Ovo não fazia mal ? Não dava colesterol ?

Minha veinha é dessa época; ela só quer contra file e file de pescada "branca".

Unknown disse...

AIDA - atenção, interesse, desejo, ação