sábado, 31 de agosto de 2019

E se o Moro for candidato a 2022?


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
Siga-nos no Twitter - @alertatotal

O maior pavor da esquerdalha e do Mecanismo é que Sérgio Fernando Moro se transforme (ou seja consolidado pela falta de alternativa mais forte) no candidato a suceder Jair Messias Bolsonaro na Presidência da República, na eleição de 2022. Bolsonaro dá todos os indicativos de que sua missão é cumprir seu mandato de Transição (promovendo reformas estruturantes e as medidas amargas que forem possíveis) para o Brasil se transformar em uma Nação viável, mais decente, próxima de um regime Capitalista Democrático.

Bolsonaro levou seus inimigos à loucura, na quinta-feira, quando desceu, quase abraçado com Sérgio Moro, a rampa interna do Palácio do Planalto. A simbologia do ato não apenas evidenciou que não passa de mentira deslavada qualquer notícia que especule uma briga fatal entre o Presidente e seu ministro da Justiça – considerado um “Herói Nacional” (imagem consolidada). Os idiotas deveriam saber que Bolsonaro não sabotaria seu maior trunfo político: o inimigo simbólico número 1 dos corruptos.  

Mudando de assunto, porém permanecendo na catástrofe brasileira: Gastos obrigatórios com 94% no orçamento federal do ano que vem, deixando uma margem mínima para investimentos, é uma prova de que o Brasil é um hospício a céu aberto. Os inimigos do País não são apenas os corruptos. São portentosos inimigos aqueles que abusam dos caríssimos privilégios na ocupação da máquina pública. Se a economia cresce, os gastadores perdulários acham maravilhoso. Afinal, terão mais recursos para extorquir da sociedade pagadora de impostos.

O projeto de Lei Orçamentária enviada pelo Governo Jair Bolsonaro ao Parlamento evidencia a dificuldade de mexer no desperdício e nos privilégios que a máquina pública concede aos seus membros. Gastos com salários, aposentadorias e outras despesas obrigatórias só aumentam. Desanima assistir que não é fácil mudar a eterna terra das capitanias hereditárias e seu regime filhotista (herança permanente que a zelite concede aos seus parentes).   

Nesse ritmo, pouco importa quem será o sucessor de Bolsonaro. A gastança e a corrupção, apesar de muitos esforços e da retórica oficial, continuam mais vivas que sempre na Republiqueta de Bruzundanga. A ironia da História? Morreu como louco o gênio Lima Barreto – que na década de 10 do século passado descreveu a essência tragicômica de um País que, de verdade, não deseja mudanças estruturais – a não ser nas conversas fiadas em tempos eleitoreiros.

O famoso Mecanismo segue rindo, virtualmente, da nossa cara... Sem querer ser pessimista – mas sendo indesejavelmente realista -, parece que a turma próxima de Bolsonaro, inteligente, preparada e bem intencionada, começa a ser engolida pelo Estado Ladrão - “leviatã leviano” que deita e rola com a ajuda de uma Constituição Vilã sustentada pelo regime Capimunista Rentista... #prontofalei...

Voltando ao começo... Moro deseja ser ministro do Supremo Tribunal Federal. Tomara que consiga... Se não conseguir, é porque os bandidos venceram... Aí, quem sabe, ele não se revolta e resolve aceitar a mordida da mosca azul do poder político? Até ser nomeado e conviver no Ministério da Justiça, ele era um aprendiz no mundo político... Agora, já não dá para dizer o mesmo... Vivência é uma vantagem estratégica na hora do vamos ver...

Tomara que os novatos ocupantes do poder federal descubram, depressa, que voluntarismo não é suficiente para mudar um País tão complicado e complexo como o Brasil. Sem profissionais na estratégia, Bolsonaro corre alto risco de não ir muito longe, nas declarações de portaria do Palácio da Alvorada e nas twittadas dele e de seus melhores colaboradores...








Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 31 de Agosto de 2019.

4 comentários:

Anônimo disse...

Eu sei que eu vou me arrepender; mas, cadê o loumari ? tem como dar uma afrouxada na coleira dele ?

Sérgio Alves de Oliveira disse...

Já gastei as mãos de tanto escrever insistindo sempre que a maldita Constituição de 1988 não passa de um "código" à luz do qual a esquerda e o "mecanismo" impõem as suas vontades. Por consequência, agem como imbecis todos aqueles que pretendem mudar o status quo moral,político,econômico e social,fazendo ao mesmo tempo "juras de amor" a esse "código". Essa constituição é a grande "trava" de todas as mudanças. Para que se compreenda o que quero dizer: seria "sagrada"alguma constituição escrita pelo sindicato dos bandidos ? Não dá no mesmo? Resumidamente,o Brasil é totalmente "irreformável" se ficar atrelado a essa carta. E uma das vantagens que poderia ser obtida com acionamento do artigo 142 da Constituição,talvez a maior, é que esse "código"escrito pelos bandidos da política lá em 1988 poderia ser rasgado e jogado na lata de lixo da história.

Anônimo disse...

Ainda vão chegar à conclusão que o melhor será um presidente ao estilo do General Pinochet e que não deverá cometer o erro desde de deixar os sucessores até a terceira geração vivos para pedir indenizações multimilionárias.

Anônimo disse...

Se a coisa continuar como está, o sucessor será alguém mais forte que o Pinochet e a canalha só vai se emendar quando muito sangue for derramado.