terça-feira, 27 de agosto de 2019

O Recado do Povo Brasileiro nas Eleições de 2018



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Tasso Vásquez de Aquino

O Brasil é um país tão fabulosamente rico, graças à bravura, ao sacrifício e à dedicação dos nossos heróicos ancestrais lusobrasileiros, que verteram sangue, suor e lágrimas e realizaram ciclópicos trabalhos para construir o colosso que nos legaram e do qual nos orgulhamos de ser filhos, que mesmo que medianamente administrado, desde que com honradez, espírito público e patriotismo, seria uma das nações mais prósperas do mundo. É um verdadeiro absurdo, que tenhamos sido relegados ao estado de penúria em que ainda nos encontramos!

Infelizmente, o Estado Nacional caracterizou-se pelo predomínio de figuras nefastas, prejudiciais, corruptas em maioria, nos Três Poderes e nas três esferas administrativas, desde a chamada redemocratização de 1985, com agravamento exponencial, pelo entreguismo explícito e pela predominância simultânea da orientação socialista no governo federal, no consulado FHC, acentuado pela deliberada ação contra as bases democráticas, para substituí-la pela ditadura vermelha, apoiada na mais ampla corrupção institucionalizada jamais vista em qualquer parte, durante os desgovernos lulopetistas, de Lula e Dilma.

Grandes mazelas, com ativa participação de políticos corruptos de todos os partidos e de todas as matizes ideológicas, infelizmente continuaram sendo observadas depois do impeachment de Dilma, que se esperava ser o fim do ciclo de agressões programadas ao Bem Comum, durante o período Temer e ainda nos dias atuais, com seguidas  tentativas dos pervertidos aproveitadores de antanho, ainda com reservas de poder, de nos fazer, como nação, voltar ao “status quo ante”.

Apático, inerte até então, apesar das espoliações, explorações, traições de que vinha sendo vítima, nosso povo finalmente despertou e, a partir de 2013, com acentuado crescendo desde 2015, saiu às ruas, em multidões, para manifestar seu desejo de mudanças radicais e profundas, contra a corrupção e contra a revolução esquerdista radical patrocinada pelo PT e aliados, pela volta da ética e da moralidade na gestão da coisa pública, pelo respeito à família, aos bons costumes e aos valores e crenças históricos e positivos da nossa herança nacional, pela liberdade, pela democracia, pela soberania e pela independência do Brasil em face de quaisquer ameaças externas ou internas de as limitar ou eliminar.

Manifestou-se enfaticamente nas urnas, em outubro de 2018, numa verdadeira e avassaladora revolução pelo Bem, pela Virtude e pela Democracia, que levou de roldão os agentes do mal que nos queriam destruir e escravizar. Mas escutar é preciso, ter muita atenção à voz do povo e implantar o que clama e reclama, sem cessar! Há muita semelhança do ingente apelo popular de hoje, do segmento bom, esclarecido e comprometido com o Bem da Pátria da população, com o ideário da Revolução Democrática de 1964, que livrou o Brasil da segunda tentativa de implantação do comunismo em nossa terra: jugular a subversão, controlar a corrupção e promover a gente comum, melhorando suas condições de vida.

Em suma, é preciso afastar, definitivamente e sem mais delongas, das funções oficiais todos os remanescentes do PT e aliados, que aparelharam o Estado, sabotaram seus esforços em prol de Desenvolvimento e Segurança, e desviaram os recursos dos impostos pagos pelos brasileiros para os próprios bolsos e as algibeiras do partido, para fomentar a revolução vermelha interna e subsidiar regimes totalitários aliados, com os meios do BNDES, na América Latina e na África, especialmente, com recebimentos de vultosas propinas pelos chefões partidários, criadores e gestores do esquema corrupto.

Levar às barras dos tribunais, sem postergações, e punir com as mais duras penas da Lei, todos os responsáveis pelo assalto ao Brasil e ao seu patrimônio nacional (fazendo-os devolver ao Erário tudo o que roubaram), bem como pelas ações atentatórias contra a democracia, perpetrados nos recentes anos de caos nacional. Tornar mais expedita a aplicação da justiça, terminando com as chicanas e recursos protelatórios atualmente de uso comum, bem como oficializando definitivamente a privação da liberdade dos malfeitores, após o veredito condenatório de segunda instância.

Reformular o critério de designação dos ministros do STF e das cortes superiores, prestigiando a escolha objetiva pelo mérito, medido em prova obrigatória de conhecimento jurídico e de títulos, além da exigência “sine qua non” de comprovada ilibada postura de vida, a fim de eliminar a atual distorção da escolha política, autocrática do Presidente da República de turno, que vem gerando indesejáveis e descabidos decisões e julgamentos baseados em influências políticas, ideológicas e de fidelidade a quem nomeou, com profundo e negativo impacto na segurança jurídica e na própria vida nacional.

Erradicação das absurdas vantagens remuneratórias e de benesses de toda natureza, concedidas aos integrantes do Legislativo, do Judiciário e das carreiras privilegiadas do Executivo, que constituem deboche, escárnio contra a enorme parcela pobre e miserável da população, que vive em palafitas e favelas sem água e esgoto tratados e outras condições mínimas de habitação, Brasil afora, ou dorme ao léu, abandonada e sem rumo, nas ruas das grandes cidades.

Afastar a influência deletéria dos reitores, diretores e professores caudatários do comunismo no controle das universidades e das escolas de todos os níveis, em que vêm semeando o abastardamento do ensino e a destruição dos valores no seio da nossa juventude/infância estudantil, e a simultânea vandalização das instalações físicas dos centros de ensino, muitas vezes transformados em antros de militância política de esquerda extremada e de práticas sexuais nocivas e de consumo de drogas.

Enfrentamento firme da imprensa vendida aos interesses não-nacionais, por ideologia ou pelos trinta dinheiros de Judas, promovendo a cobrança imediata das dívidas fiscais, tributárias dos órgãos de comunicação venais e apátridas, negando-lhes quaisquer verbas de comunicação/propaganda do governo.
Não permitir interferências externas, de Estados estrangeiros, ONGS, centros de difusão da ideologia comunista nos assuntos nacionais, que devem ser tratados com exclusiva obediência aos Objetivos Nacionais Brasileiros, com estrita observância da Independência, da Soberania e da Integridade do Patrimônio Nacional, com ênfase para Amazônia e Amazônia Azul.

Para tanto, fortalecer a Expressão Militar do Poder, concedendo recursos às Forças Armadas para reequiparem-se, atualizarem-se, como forma de exercerem eficaz dissuasão contra qualquer agressor em potencial. Tratar com respeito e justiça os militares, o maior patrimônio para a defesa do Brasil, retirando-os da situação secundária, de inferioridade perante todas as carreiras do Estado, a que têm sido relegados premeditadamente pelos sucessivos governos desde 1990, quanto à remuneração e a outros requisitos necessários à adequada dignidade funcional e às exigências da existência pessoal e familiar, e combater e neutralizar todas as tentativas de enxovalhar e amesquinhar a honra militar, pelas permanentes práticas e propaganda revanchistas, mentirosas, de livre curso.

Exercer judicioso controle sobre as despesas do Estado, aplicando os recursos disponíveis prioritariamente para melhorar Segurança Nacional e prover Desenvolvimento, na infraestrutura de transportes, comunicações, energia, na geração de empregos, na saúde e no saneamento, na educação, na segurança pública, nos projetos de habitação digna. Evitar quaisquer obras e/ou gastos supérfluos, e paulatinamente trazer as pessoas que recebem das diversas bolsas, família,etc, para as atividades produtivas, que as dignifiquem e façam com que se mantenham, e às respectivas famílias, não por esmolas, mas pelo trabalho que eleva o ser humana. Preliminarmente, passar rigoroso pente-fino em todas as benesses “assistenciais’’ concedidas pelos governos anteriores, certamente eivadas de erros e de favorecimentos custosos e indevidos. “Ensinar a pescar, e não dar o peixe antes de cada refeição”!

Como regra geral, aplicar o critério do mérito, do conhecimento, da experiência acumulada durante a vida, e de provas objetivas de saber, quando e onde couber, para o preenchimento de todo e qualquer cargo público. Realizar o Planejamento Estratégico, que não se fixe na busca de resultados puntiformes, restritos, mas que vise o Brasil como um todo, em todas as Expressões do Poder Nacional, em todos os Setores de Atividades e em todas as Regiões do País. A Escola Superior de Guerra, que estuda permanentemente os problemas nacionais e soluções correlatas, poderia ser de grande valia, se consultada habitualmente e trabalhasse em conjunto e como auxiliar prestigiada do governo federal.

É este, ao correr da pena, um resumo de algumas aspirações, desejos profundos da alma, da mente e do coração, que, creio, fizeram o povo mobilizar-se e ganhar milagrosamente as eleições de 2018 para o lado do Bem. A grande, majoritária parcela de brasileiros patriotas, honrados, de elevados padrões éticos e morais, comprometidos visceralmente com a grandeza e o futuro radioso da Pátria, com a Liberdade, a Democracia, o Progresso, a Paz Social, a Integração Nacional, a Independência, a Soberania e a Integridade do Patrimônio Nacional, a Justiça e o Bem Comum, declaramos confiança na atuação e muito esperamos daqueles que foram ungidos por nossos votos e pela vontade de Deus, para devolver a Terra de Santa Cruz aos seus grandes destinos.

PRO PATRIA SEMPER!

Sérgio Tasso Vásquez de Aquino é Vice-Almirante, Reformado.

2 comentários:

Anônimo disse...

Cleonice I Ferreira disse:

Excelentíssimo Vice-Almirante Sérgio T. V. de Aquino, as mudanças propostas em seu artigo estão de acordo com os anseios do povo brasileiro. O povo vive dizendo que já não suporta mais tanta insegurança pública e jurídica a qual causa um estado de terrorismo na população.

Hoje, nesse mesmo blog, foi publicado um artigo do professor Torquato descrevendo um quadro atemorizante vivido pelo povo brasileiro e do estado de angústia em que este se encontra. O holocausto em que os brasileiros sobrevivem é acompanhado em todo o mundo.

O filme “A queda do Império Romano”, estrelado por Sophia Loren e Stephen Boyd, é uma lição de que um Estado somente é destruído por forças externas quando sua destruição já ocorreu por dentro.

Todas as medidas sugeridas pelo Senhor requerem emergência. Se tivessem sido tomadas há mais de trinta anos não estaríamos nesse estado de guerra infame.

Nós o povo brasileiro que geramos todo o dinheiro do Erário Público repudiamos a reforma da Previdência naquilo que prejudica os direitos dos soldados, pois ela enfraquece a defesa do Estado e baixa a moral da tropa, o que é inaceitável e insano. Ainda solicitamos revisão do soldo deles para elevá-los a salários dignos, remuneração não inferior a de um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), porque nós precisamos dos nossos soldados, com eles podemos encontrar riqueza e comida, já com o STF somente despesas, despesas, despesas...

Reduzam a remuneração dos congressistas para 2 (dois) salários mínimos, caso eles não aceitem esta generosa oferta que eles procurem emprego na iniciativa privada.

O dinheiro que foi saqueado do território brasileiro e recuperado - e o que está pendente de recuperação - deve ser dividido em lotes para o benefício da tropa. Foi o que Napoleão fez ao assumir o comando do exército em solo italiano, e, hoje em dia, empresas bem-sucedidas distribuem um percentual dos lucros entre seus funcionários.

De um livro de história transcrevo a lição de um general em busca de ordem: por volta de 1335 a.C, o Egito não era tão fulgurante quanto fora durante a maior parte daquele período. Uma sucessão de reis fracos deixou o estado profundamente desarranjado, com problemas de toda ordem por tudo quanto é lado e uma corrupção generalizada entre os fiscais do governo e juízes. Foi quando o general Haremhab subiu ao trono. Apoiado no exército - o qual, sem dúvida, parece ter comandado com extrema eficiência - e nos sacerdotes de Amon. Para acabar com a corrupção, promoveu duras mudanças no código penal do Egito. Os fiscais que roubavam do governo tinham o nariz cortado, e os juízes corruptos recebiam cem golpes de bastão e eram exilados. Mas o general Haremhab também soube controlar a situação, deixando as pessoas mais felizes e seguras com suas funções. Melhorou os salários dos altos funcionários administrativos, evitando que precisassem roubar; proibiu que os meios de trabalho dos pobres (ferramentas, instrumentos, barcos, etc) fossem confiscados e assegurou o salário dos operários. Confiscou o que foi roubado e distribuiu aos soldados que garantiram o restabelecimento, a ordem e a paz, tornando a profissão de soldado respeitada e valiosa. Recuperaram o valor da carreira militar. Ao fim de seu governo, que durou cerca de 25 anos, Haremhab havia deixado o Egito seguro, em paz com os hititas e organizado internamente. Morreu já bem velho e foi sepultado no vale dos reis em 1308 a.C.

“Ou nós encontramos um caminho ou abriremos um” – general e estrategista cartaginês Aníbal Barca.

Anônimo disse...

A situação hoje é bem pior do que a da Revolução de 1964 porque os comunistas tiveram mais de cinquenta anos para inocular seu veneno nas jovens gerações, sob o olhar complacente do general Golbery. Então, ao menos por uma geração, não resolverá fazer escolha de juízes do STF por concurso, porque as cabeças dos bacharéis foi lavada pelo marxismo cultural e darão as mesmas interpretações revolucionárias para as dúvidas na Constituição (que já é socialista) que chegarem ao tribunal.
Agora são os professores, vítimas dessa inconsequência passada (e da antiga campanha contra a Guerra do Vietnã), que destroem a imagem dos militares, ensinando serem eles dispensáveis, porque a guerra física moderna é inexequível.