domingo, 20 de outubro de 2019

A Geração da Escola Mixa chega ao topo das empresas



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

O verdadeiro perigo é ter pessoas inteligentes e despreparadas nos cargos da alta direção.

Voluntariosos, mimados, sem noção e arrogantes, os novos CEOs destruirão em pouco tempo empresas centenárias (ou quase) existentes no país.

Vejam que não estou falando de bancos. Esses mastodontes já entraram em extinção em razão das mudanças tecnológicas (fintechs).

Preocupo-me com indústrias de grandes dimensões, que empregam milhares de trabalhadores, em ramos essenciais à vida humana (alimentício, têxtil, farmacêutico).

Sem base educacional sólida e sem a humildade de contratar “velhinhos” experientes como conselheiros, os novos “reizinhos” meterão os pés pelas mãos e serão forçados a vender na bacia das almas, o controle acionário de suas empresas a investidores estrangeiros.

Só os mais brilhantes conseguirão sobreviver. Entramos numa fase neo darwiniana. Os hábitos de lazer podem mudar; não os de consumo alimentar e de proteção contra o frio e/ou calor.

Não há nada melhor que roupas de lã ou de algodão.

A música “moderna” deixará surdos todos os jovens.

Essa geração do videoclip não consegue prestar atenção em nada por mais de quinze segundos.

Seu paladar voltou ao do tempo das cavernas e seu olfato, destruído por desodorantes ou falta de higiene.

Venezia puzza.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

3 comentários:

Q disse...

Essa geração não criou nada, só são herdeiros.
Vão detonar as empresas no ocidente, principalmente as mulheres.

Anônimo disse...

Sobre roupas de fibras naturais, os empresários conservadores precisam investir no barateamento desses tecidos, para garantir que as mulheres de todas as classe sociais consigam se vestir decentemente no calor tropical.
Li que 25% da população não tem paladar, o que deve explicar o sucesso de cadeias como o McDonalds.

CaioB disse...

Amável articulista. foi postado um comentário no artigo de serrão que cabe perfeitamente em seu artigo, com complementos:

"Louvável proposição exposta no artigo.
Existem instituições já formadas e de gratas lembranças que podem ser rapidamente e melhor "reativadas" em contexto de abrangência nacional.
Uma dessas é a Escola Superior de Guerra, uma luminosa instituição com brilhantes pessoas.
Escutei memoráveis palestras gravadas na década de 1970 proferidas por conferencistas participantes da ADESG, o braço irradiador da ESG.
Ambas instituições atingidas pela ideologia esquerdista, tem agora a possibilidade de expansão e levar a todos os recantos do Brasil ensinamentos e atualizações, inclusive geopolítica."

Como complemento pode-se mencionar que muitos dirigentes, tanto antigos como novos, estão ansiosos por esclarecimentos com pontos de vista de melhores iluminamentos de horizontes com luzes não agredidas pela ideologia das trevas.
Eventos de entidades de classe corroboram o desejo por mais palestrantes.