sexta-feira, 25 de outubro de 2019

O Incrível mistério do óleo nas praias nordestinas


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Alves de Oliveira

A incapacidade das autoridades responsáveis em  identificar desde logo  a autoria do despejo de petróleo provavelmente em águas internacionais do Oceano Atlântico, que acabaram atingindo em cheio  a costa da Região Nordeste do Brasil, causando danos ambientais em dimensões ainda não bem avaliadas , numa extensão de cerca de 2 mil quilômetros, só pode ter sido produto de  uma conspiração terrorista mundial, com algum “apoio” interno.

Mas não deve ser por mera coincidência que “concomitantemente” a essa tragédia ambiental provocada na costa nordestina ,estejam acontecendo tumultos, revoltas ,depredações e violência de toda ordem  em vários países latino-americanos. A conexão entre todos  esses episódios salta aos olhos. O “cheiro” de esquerda está no  ar.

Ora, tanto quanto a navegação aérea,  a navegação marítima é monitorada durante as 24 horas de todos os dias. A qualquer momento  ,por exemplo, a “fotografia” da  navegação aérea das linhas comerciais no mapa do mundo pode ser acessada de qualquer computador.

Seria absolutamente impossível que a enorme quantidade de petróleo encontrada na costa nordestina tivesse sido despejada no oceano “acidentalmente” ,ou por alguma embarcação de pequeno porte. Com certeza o foi por um ou mais navio petroleiro de grande porte.

E como uma navio petroleiro de grande porte poderia ter passado despercebido, como  se fosse um “fantasma” ,”furtivamente”, pelos controles  de radar,  rádio,   satélites artificiais, e tantos outros controles de navegação  marítima ?  Como supor que  as tripulações  de outros navios e aviões de linha aérea que navegavam  por essa  região no momento “x”  não teriam visto  qualquer irregularidade na superfície do mar, como os enormes “rastros” e “manchas” de petróleo  boiando na superfície da água?  Como esse “quadro” não foi avistado  nos inúmeros controles marítimos e mesmo a “olho nú” por nenhum outro navegador aéreo ou marítimo? Que “raio” de mistério é esse?

Afinal de contas, o que foi derramado  no Oceano Atântico não foi nenhuma “tampinha de garrafa” de óleo, porém centenas de  milhares de toneladas de petróleo.

Algum oceanógrafo estaria contribuindo com as investigações? Não teria que se abrir essa “caixa-preta”?

O certo é que qualquer especialista na ciência do mar (correntes marítimas, ventos,marés, etc.) ,poderia apontar com certa  precisão o local e o momento  em que esse  óleo  teria sido  despejado no oceano, e os controladores da navegação marítima “qual” ou “quais”  eram  os navios que passavam naquele momento pelo local.

Ou teria sido algum “submarino petroleiro” misterioso?

A única informação “capenga” que se tem até agora é que os laboratórios da Petrobrás teriam apontado que pelas análises da  sua composição química ,o petróleo que poluiu as praias  do Nordeste seria originário da Venezuela. E isso já é um primeiro passo.

Seja como for, está tudo muito “estranho” !!!

Sérgio Alves de Oliveira é Advogado e Sociólogo.

Um comentário:

Anônimo disse...

Dois comentaristas no G1, que se dizem oceanografistas formados pela Universidade Federal de Caldas Novas, afirmam que a gordura das baleias está praticamente entupindo os oceanos; que esse "óleo" na verdade é banha de baleia, que estão cada vez mais gordas e pesadas, inclusive ajudando na elevação do nível dos oceanos; que algumas espécies de baleia que ficam tomando sol na praia também deixam muita gordura quando entram na água para respirar. Advogam morte às baleias. Dizem que Japão e Noruega adotam a prática de varrer do mapa as balofas baleias e por isso suas praias são extremamente limpas e sem gordura.

https://g1.globo.com/natureza/noticia/2019/09/30/sobe-para-113-o-numero-de-locais-com-manchas-de-oleo-em-praias-do-nordeste.ghtml