sábado, 19 de outubro de 2019

O Lata Velha da Globo tem a cara bem ao gosto da Oclocracia


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Alves de Oliveira

Depois que “elegeram” o rinoceronte “cacareco”, com impressionantes 100 mil votos, nas eleições municipais de São Paulo, em 1959, e o verdadeiro “museu” de esquisitices que tomou assento nos  governos e nos parlamentos, em todos os níveis da federação, não pode mais surpreender os esforços descomunais  que a Rede  Globo e seus comparsas estão fazendo, disfarçadamente, para  candidatar e eleger o próximo Presidente da República, na pessoa do seu  preposto e apresentador, Luciano Huck, que certamente, melhor que ninguém, administraria os interesses desses grupos, cedendo ao já tradicional “toma lá-dá-cá” político entre os Três Poderes, que inclusive tem resistido com relativo sucesso às restrições  opostas  a esse “troca-troca” pelo Presidente Bolsonaro.                                                                                  

Com Huck, tudo “ficaria em casa”, numa confraternização  delirante  da grande mídia com os bancos ,com a esquerda, com o centrão, com a corrupção,com o assistencialismo  exacerbado, etc. Como diriam os colonos alemães da  minha terra, ficaria ”tutu-chuntu-incluído”.

A experiência histórica na politica brasileira demonstra com clareza solar  que a eleição de Huck teria grande probabilidade de acontecer, bastando recordar que essas mesmas forças “políticas”  que apoiam essa possível candidatura já tiveram sucesso em outras ocasiões, como na eleição de  Collor de Mello, que sem dúvida  alguma venceu a eleição presidencial de 1989, levado nas “costas” pela  Globo, mesmo  que após algum tempo ter “traído” a sua “patrocinadora”, sendo por isso  “demitido” por ela, tudo “homologado ” pelo Congresso Nacional ,ao que chamaram de “impeachment”, em 1992. Resumidamente:  a Globo colocou e tirou Collor da Presidência da República.

Mas a força da Globo não se restringiu a Collor. Antes ela já havia “dado” força à “instalação” (1964), sustentação, e “desinstalação” (1985) do  Regime Militar, à famigerada “Nova República”, protagonista do  engodo do Plano Cruzado do  Sarney (o” começo de tudo”), à enganosa época dos   governos “fabianos” de FHC  (8 anos), e mesmo à ascensão do PT, que ficou 14 anos  ininterruptos na presidência da república (de 2003 a 2016). Essa “caminhada” vitoriosa da Globo só foi interrompida por motivos ainda não bem explicados com a eleição de Bolsonaro, em 2018. Por isso o desejo  da Globo de “retornar” chega às raias do “obsessivo”.

E com Luciano Huck essa “vitória” se repetiria? “This is a question”!!!
Por um lado , a democracia “ideal”, concebida por uma minoria , que tem a capacidade de pensar política e democracia  com mais exatidão, não  corresponde exatamente àquela democracia que vai às urnas, e elege os seus representantes, onde a “cabeça” das  massas sempre é dirigida por forças que corrompem a verdadeira democracia, dentre as quais a ignorância ,a lavagem cerebral da mídia, a reduzida  consciência política, a ingenuidade, a má fé, o interesse exclusivamente “próprio”, e diversos outros objetivos  mesquinhos , alheios ao bem coletivo.

E quando essa descaracterização da democracia acontece, o que surge é a OCLOCRACIA, concebida pelo geógrafo e historiador  POLÍBIO, da Antiga Grécia, que trocando em miúdos  significaria  a corrupção, a degeneração, o desvio de finalidade, mesmo a “inversão” de valores da verdadeira democracia, praticada pela massa ignara e ingênua ,em proveito do regime da patifaria que se adona da política, para onde é atraída a pior escória da sociedade.                                            

Mas antes é preciso que se sublinhe a errônea concepção que se tornou moda fazer hoje sobre  a descaracterização da democracia, ao que chamam de “cleptocracia”, cujo significado seria somente o “regime político dos ladrões”, mas que deveria  estar incluída, fazer parte, da “oclocracia”, bem mais abrangente que “cleptocracia”, por incluir, além da “ladroagem” política,  todos os outros vícios próprios à verdadeira democracia.                                                                                         

Além do mais, a “cleptocracia” atingiria tão somente os políticos eleitos , ”absolvendo” totalmente os seus eleitores, que estariam “lavando as mãos” pelas “besteiras” que fizeram  nas eleições, o que não é correto , nem justo. Na “oclocracia” , os culpados pelos   vícios da democracia são  não só os candidatos,  mas também os  seus eleitores. Não foi exatamente isso que escreveu  o filósofo francês  Joseph de Maistre, garantindo  que “CADA POVO TEM O GOVERNO QUE MERECE”?

O alto risco da eleição presidencial  de um  novo “cacareco”,no caso, do “Lava Velha” da Globo , viria da deturpada  concepção “oclocrática” da maioria do eleitorado de achar que  esse “Presidente” poderia fazer o “milagre” de atender a todos os desejos do povo brasileiro, ”gratuitamente”, sem qualquer  esforço, da mesma maneira que ele faz no seu programa de televisão ,em que transforma,gratuitamente, para um qualquer dos seus “eleitores”, um carro “lata-velha” em carro  “Zero Km”.

Ademais, Huck poderia entrar de forma fulminante na política, não teria “ficha suja”, e nada  que manchasse  a sua candidatura, o que nem  poderia, pela simples razão de nunca ter exercido qualquer mandato eletivo, nem de vereador de “Cacimbinhas” ,o que seria grande vantagem em relação aos demais competidores.

Sérgio Alves de Oliveira é Advogado e Sociólogo.

5 comentários:

Paulo Robson Ferreira disse...

Huck não tem nenhuma atividade política que o credencie à presidência, e ainda trata-se de representante do povo judeu. Não sou contra o povo judeu, nem contra ninguém, mas os judeus são profundamente corporativistas e portanto voltados para interesses da sua comunidade e nunca para interesses da coletividade. Um judeu seja em que pátria estiver, antes de ser um patriota, tem sua verdadeira pátria prioritariamente na comunidade semita. Para isso, proponho uma simples reflexão: porque são eles perseguidos desde o Egito antigo? Eles se vitimizam alegando que é pela sua inteligência. Isso é uma grande piada. Einstein, na sua carta recentemente leiloada manda um recado desmistificando essa "explicação", assegurando tratar-se de uma rematada bobagem que seu povo deveria esquecer. Aliás, não precisava ser o gênio da relatividade para concluir por essa mistificação.
Além disso, um outro judeu, muito mais inteligente que todos nós, um dia se manifestou dizendo: "minha mãe, quem é minha mãe? meus irmãos, quem são meus irmãos?" Para mim, ele quis dizer que, para quem tem olhos de ver e ouvidos de ouvir e não tem obtusidade para atrapalhar, que nem o corporativismo consanguíneo é fraterno, porque quando se forma uma corporação, a discriminação de quem a ela não pertence é automática, gerando uma sociedade ainda mais conflitante. É preciso que o judeu ponha na cabeça que seu povo não é "o escolhido por Deus", e somos todos irmãos. Enquanto isso não ocorrer judeus e não judeus continuarão sempre em confronto. Em suma, não são os judeus que são perseguidos é o seu corporativismo que os afastam de qualquer tipo de integração. E quem precisar de subsídios para entender melhor os efeitos do corporativismo, procure se informar sobre o poder da sinergia que muitas luzes se acenderão.
Um dia os palestinos pensaram que podiam conviver pacificamente com os semitas. Acho que hoje eles se arrependem disso. Existe ainda um princípio apregoado pela espiritualidade que prega: "ajudar sempre, trazer para sua casa nunca".

Anônimo disse...

É verdade, Sérgio Alves, mais esqueceste de dizer que HUCK já entrará com um grande HAND CAP a ser apresentado ao eleitorado nacional( que aliás até já sabe disso), que é ser "grande negociador" junto ao BNDES, tendo conseguido o "meu jatinho, minha vida" adquirido pela merreca de VINTE MILHÕES DE REAIS em suaves prestações e a juros de pais para filhos! Esqueceste de dizer que HUCK assim está credenciado a lançar a campanha nacional "quem tem padrinho, não morre pagão", aplicada com muita competência por ele ao "trovar seus amigos Lula ou Dilma" para abrir a ele os cofres do BNDES e assim adquirir seu desejado "meu jatinho, minha vida"!
Esta "façanha" do Huck deverá deixar o eleitorado brasileiro encantado! Em priscas eras esta "capacidade de convencimento" de sempre levar vantagem do Huck era conhecida, como a "LEI DE GÉRSON", lembram???

Anônimo disse...

Resumidamente, o governo deve decretar estado de calamidade pública e fechar o congresso, o senado e o STF, fazer um reforma política sem intervenção de ninguém reduzindo em três vezes o número de deputados e senadores, substituindo os ministros do STF por um colegiado provisório e, depois de arrumado a casa, convocar para eleições gerais.

Anônimo disse...

Só tem um (gigantesco!) problema para a Globo hoje: A internet!

Anônimo disse...

O comentarista das 12:10 PM não poderia ser contra os judeus, pois, pelo seu sobrenome, é cristão novo.