terça-feira, 5 de novembro de 2019

Chile


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por H. James Kutscka

Como definir o amor que se sente por um país?

Fronteiras não passam de constructos imaginários.

Onde acaba um e começa outro?

Creio que é um pouco de tudo.

O clima talvez; a clara distinção de temperaturas e folhagens de cada estação do ano, fazendo com que o cenário circunstante se reinvente. Um renovar de esperanças a cada três meses.

Um céu azul que enche nossa alma de alegria noventa por cento dos dias do ano, antecipando noites cheias de estrelas, naquele que é considerado pelos astrônomos, o céu mais limpo do mundo.

Já a comida, para ser honesto, definitivamente não o é, com a honrosa exceção das Machas a la Parmegiana e dos Ostiones gratinados com creme branco.

Seriam os Andes, com seus picos nevados que separam o país da proverbial prepotência Argentina, criando uma falsa sensação de segurança?

No meu entender, nada disso me fez amar o Chile.

O que realmente me fez amar o país, foi seu povo, os queridos amigos que fiz por lá durante os seis anos em que lá vivi, trabalhei, me diverti e vi nascer minha segunda filha. Amigos que me tiveram nas últimas semanas, preocupado com os acontecimentos.

Cabe porém, ressaltar que: quando me refiro ao povo amável, não estou englobando aquele bando de ignaros espíritos de porco, a serviço do globalismo que existe em todos os países sem exceção, nem os idiotas que seguem a onda

Buscando saber como estavam as coisas (já que a mídia  do país em que nasci e amo acima de tudo  não é mais confiável) falei com vários deles na semana que passou, e permitam-me fazer  uma breve contabilidade da baderna  desencadeada, após  Sebastian Piñera haver cedido às primeiras demandas da  turba organizada pelos esbirros  de Castro e Maduro, infiltrados no país.

Então vamos ao saldo da violência em um país cuja população caberia pelo menos uma vez e meia só na grande São Paulo:

Números da última quinta-feira:

Pelo menos duzentos ônibus do transporte coletivo, Incendiados.
Quarenta grandes supermercados saqueados, oito apenas na comuna de Renca (bairro classe média baixa de Santiago).

Hóspedes do hotel cinco estrelas Principado de Astúrias, na comuna de Providência (bairro de classe média alta, ponta de lança para os anarquistas na área mais rica da cidade) aterrorizados e expulsos de suas acomodações que assim como o saguão, foram depredadas.

Trinta estações de metrô vandalizadas, inúmeras composições incendiadas.

Mais de dez mil estabelecimentos comerciais de pequeno e médio porte saqueados.

Um dos amigos que me passou estas informações na quinta-feira, terminou nossa conversa dizendo: - Lo que necessitamos acá, es de un solo Bolsonaro, usteds tienen cuatro.

Isso me leva à declaração do Eduardo Bolsonaro sobre a possível utilização do AI 5 para manutenção da ordem, e a gritaria dos políticos daqui da Terra Brasilis, histéricos como galinhas em um galinheiro onde entrou uma águia “cheia de amor para dar”.

A esquerda segue com seus planos, atacando os países que nos fazem fronteira; é evidente que somos o prêmio maior.

Hora de fazer valer o artigo 1 da constituição: Todo Poder emana do Povo.

Vamos então, nós o povo, nos adiantar à escalada vermelha, começando por nós mesmos: salvar a América Latina exigindo: - Artigo 142 na veia e já.

Fuerza Piñera!

H. James Kutscka é Escritor e Publicitário.

6 comentários:

Anônimo disse...

Pelo que li, o presidente Piñera está cedendo às reivindicações da população de bem do país, que está tomando pé das manifestações, como aconteceu no Brasil no Movimento Passe Livre. O presidente parece ter entendido os excessos das medidas neoliberais aplicadas ao país.

Anônimo disse...

Militares medrosos, que permitem isso, não são militares, SÃO UNS MERDAS!
E não me venham com historinha de CF e o escambau, pois A NECESSIDADE IMEDIATA DO POVO está acima de leis escritas!
Se as forças militares do Chile permitem isso, PARA QUÊ o povo paga esses inúteis?

Anônimo disse...

Quem desvirtuou as medidas neoliberais no CHILE foi justamente a ESQUERDA. Dos 29 ANOS de governos democráticos no CHILE , a direita governou 5 anos e a ESQUERDA de BACHELET e outros ficaram 24 ANOS na Presidencia. E voce vem me falar em excessos do neoliberalismo ??? Vá estudar. !!

Q disse...

Leu errado. O presidente liberal esquerdista cedeu aos terroristas.

Q disse...

Caro autor do post, não se engane.
O presidente do Chile é uma espécie de João Amoedo, João dória, um liberal vagabundo que tá pouco se lixando para o povo.
O povo teve de se defender dos blackbocs chilenos e ele cedeu derrubando a intervenção militar e vai criar uma nova constituição socialista.
Aguarde e verá...

Anônimo disse...

Sempre que é implantada uma agenda liberal, os menos eficientes sofrem. Como a sociedade não pode eliminá-los, acumulam-se ressentimentos contra governos liberais. Em vídeos, entrevistados dizem que concordam com as reivindicações dos manifestantes, mas não com os atos de vandalismo. Isso deve ter determinado o recuo na política do presidente Piñera. Para implantar qualquer política, se o governo não levar em conta as necessidades do povo (inclusive do ineficiente), a equação não fecha.