quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Perdas Irreparáveis



Motivo da saída do general reformado Maynard Santa Rosa não foi divulgado. Em 2010, ele foi exonerado do governoLula por criticar Comissão da Verdade. (O Globo, na Internet)

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

O Brasil amanheceu mais pobre, intelectual e eticamente.

Um patriota, ilustre General, deixou o governo de Bolsonaro.

Primeiro revés sério para nosso Mito.

Sugerimos ao excelentíssimo senhor Presidente da República, que reflita sobre as consequências de seus atos e/ou omissões.

Sabemos que ninguém é insubstituível, mas custará muito caro ao país ser privado dos conselhos de um homem brilhante e experiente.

Poderá sua excelência compensar a perda, livrando-se do ministro da Economia. Este sim, tem uma influência deletéria no governo. Está a serviço dos banqueiros e não do Brasil.

Governar não é apenas fazer atos populistas; de motocicleta ou patinete.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

6 comentários:

Vergilio disse...

Esse ato populista da moto, faz lembrar o Collor. Isso da azar.

Vergilio disse...

Esse ato populista da moto, faz lembrar o Collor. Isso da azar.

jomabastos disse...

O Paulo Guedes "Está a serviço dos banqueiros e não do Brasil" - sem qualquer dúvida!
E também está a serviço dos rentistas, de outros grandes investidores financeiros mundiais e de grandes multinacionais que acima de tudo querem sugar as riquezas do Brasil.

Q disse...

Eu quero saber das tais aproximações sucessivas que o general Mourão falava na campanha.
Cadê essa porcaria?
Não tô vendo aproximação nenhuma.

Anônimo disse...

Tutankamom disse:
Ele (Paulo Guedes) é amigo do peito de FHC,e o "mito" sabe muito bem...de tudo. Só para lembrar que o "mito" tem quase 20 anos de janela.

Eloy disse...

coisa de tenente...que vira capitão... Vejo aspectos positivos na tentativa de reformas...em muitas coisas... mas vejo com receio...cautela..medo...o afastamento com os militares que sempre foram fiéis à patria... oxal-á o Presidente saiba que eu nao sei