sábado, 23 de novembro de 2019

República enguiçada pede revisão dos 30 mil Km


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Paulo Rabello de Castro

Carro novo que enguiça e exige socorro mecânico a toda hora certamente não é confiável, muito menos nas viagens longas. Mesma coisa com nossa Constituição federal que, em 31 anos desde que promulgada em 1988, tem sido objeto de constantes reparos, sob a forma de Emendas – um total de 103 PECs aprovadas até hoje, ou seja, quase quatro por ano, a última delas, dias atrás, alterando a Previdência – estatística reveladora de que algo está errado na flagrante desconexão entre os preceitos rígidos da Carta e as mudanças que a realidade brasileira veio impondo ao longo de três décadas. Não apostaria que o texto vigente da CF 88, como é conhecida, vai nos levar muito mais longe.

O País requer revisão constitucional, do mesmo jeito que um automóvel requer revisões, em períodos determinados. E os 30 anos da Constituição brasileira requerem uma revisão geral, como a dos 30 mil km. Especialmente havendo falhado a única revisão realizada aos 5 anos, ou 5 mil km, em 1993. Países como o Chile, que se aparentavam estáveis em suas bases constitucionais, estão sendo convocados a rever a Constituição com o povo nas ruas. No Brasil, uma revisão ampla é invocada pelo povo desde as manifestações de 2013. Os governantes fingem não entender mas a chapa continua a esquentar.

O que distingue uma Revisão constitucional de uma proposta de Emenda é o propósito e o processo. Ambas são atualizações do texto da Carta Magna. Numa Revisão, o legislador está imbuído do espírito constituinte. O propósito revisional é bem mais ambicioso do que o que inspira uma Emenda. A Revisão é multitemática. A Emenda é monotemática e tópica; não atenta ao conjunto da arquitetura jurídica da Nação. A Emenda corrige detalhes, até importantes, mas não pode corrigir rumos. No entanto, é de correção de rumos que estamos precisando. Bem lembrava o mais lúcido dos candidatos presidenciais em 2018, Senador Álvaro Dias, em seus discursos de campanha, ao propor ao povo a “refundação da República”. Seria só pela disseminada corrupção no País? Também, mas não principalmente. A máquina do governo está pedindo revisão ampla. As três PECs enviadas, este mês, pelo Executivo ao Senado, chamadas de “Emergencial”, “do Pacto Federativo” e “dos Fundos Públicos” são expressões nítidas da urgência de uma revisão mais ampla, sem subterfúgios. Refundar a República tem sentido abrangente: não se pode mais fugir de derrubar o manicômio tributário que sufoca as atividades produtivas e mata empregos, cuja mudança na CF 88 exige, por sua vez, ataque simultâneo ao controle da despesa pública e este, a seu turno, a rever as bases federativas e a atuação dos poderes.

O edifício da administração pública, com seus pisos federal, estaduais e municipais, é como um prédio prestes a desabar, não só pelo endividamento crescente mas, sobretudo, pelo estado de dependência financeira crônica de Estados e Municípios ao poder federal. Não basta que outra PEC preveja que “de 2026 em diante, a União não mais socorrerá os entes federados”. Antes é preciso reconstruir a arquitetura financeira para dar sustentação ao preceito de autonomia federativa na prática. Só uma revisão pode responder a isso.

No campo da cidadania e da ética, o povo também vem pedindo verdadeira refundação. Lembro, para não ir mais longe, o cumprimento da pena, após a segunda instância. A lógica desse comando chega a ser corriqueira. Mas o formalismo positivista do Supremo não ofereceu endosso ao senso comum, gerando desconfiança do povo e repúdio aos intérpretes da Constituição enguiçada. Isso não é bom para o País, nem ajuda a construir um futuro. Nos sábios dizeres de notável e saudoso jurista, Diogo de Figueiredo Moreira Neto, “...importante, enfim, é que a Constituição permaneça, mas sensível a seu “plebiscito quotidiano”...Se assim não for, ela poderá até continuar vigente, mas será uma mentira, será um convite ao descumprimento ... um empeço à liberdade, ... uma “folha de papel”...mais uma a ser rompida...”.

Paulo Rabello é autor de Rebeldia e Sonho, Edições de Janeiro, 2018, em que defende a urgente realização de uma revisão constitucional no País.

4 comentários:

Anônimo disse...

Em "rebeldia e sonho" são abordados detalhes descrevendo a luta do autor para publicizar os desvios monumentais de recursos quando de sua "espetacular" passagem pelo BNDES? Se eleito Presidente a divulgação dos desvios dos recursos do BNDES por Alvaro Dias seguiriam o mesmo padrão já aplicado pelo autor? O autor concorda com os dados daquelas contas do BNDES, só divulgados sob nova direção?

Loumari disse...

Joao o apostolo do amor

https://www.youtube.com/watch?v=nedbs_7XTAU

Loumari disse...

Recolher obrigatório em cidades colombianas sacudidas por tumultos e pilhagens

https://www.youtube.com/watch?v=FluUJ8Wnohs

Cidadãos colombianos criaram grupos de defesa em edifícios e condomínios para evitar a repetição das pilhagens que se verificaram durante o dia no sul de Bogotá. Apesar de o recolher obrigatório a partir das nove da noite, registaram-se tumultos e saques depois de um dia marcado por protestos.

"Há poucos minutos, como comandante supremo das forças armadas e da polícia e em coordenação com o presidente da Câmara de Bogotá, Enrique Penalosa, foi decretado um recolher obrigatório nas zonas de Kennedy, ciudad Bolívar e Bosa a partir das 8 da noite e na capital inteira a partir das nove da noite", anunciou Iván Duque, presidente da Colômbia.

Sexta-feira foi mais um dia de protestos em Bogotá, e também de pilhagens, depois de na quinta-feira três pessoas terem morrido durante uma manifestação que reuniu mais de 2 mil cidadãos descontentes com o que dizem ser corrupção, violação dos direitos humanos e alegados planos de austeridade por parte do governo.

euronews (em português)

23.11.2019

Anônimo disse...

A "correção de rumos" na Constituição segue roteiro planejado pela revolução socialista:
[Os jovens foram o instrumento da esquerda latino-americana para conduzir o Chile ao caos. Para resumir com mais concisão o que está acontecendo no país, diremos que se trata de um triunfo da esquerda internacional, que avança com sua agenda de ruptura contra a cultura cristã ocidental. O recente acordo firmado por todas as forças políticas no sentido de elaborar uma nova constituição política a partir do zero, sem considerações pelos valores contidos na atual constituição, é o testemunho mais eloquente disso. Nenhuma das demandas socioeconômicas dos cidadãos foi atendida e, no entanto, tornou-se impossível dar um passo atrás para proteger os princípios cristãos que, embora de maneira débil, até hoje constituiam o fundamento moral do Chile.]

Breve relato sobre o Chile (Sinais do Reino/Artigos)
https://www.sinaisdoreino.com.br/?cat=1&id=9950