domingo, 15 de dezembro de 2019

Trêzimo



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Aviso aos amáveis leitores que à falta de assunto mais trepidante, encheremos linguiça até o fim do ano.

Que Brexit que nada, quero ver um Mercosuxit!

A relação entre os hermanos e o Brasil até agora, está como a do recém separado. Diz aos amigos que a ex-esposa e ele fizeram uma joint venture: ela entrou com o pé e ele com a bunda.

Se fizermos uma reflexão mais profunda, veremos que milhares de fios liliputianos têm nos atado e quase imobilizado.

Saibam que a barreira linguística é quase intransponível.

Talvez somente a imbecilidade do futebol seja um denominador comum.

Como diria um filósofo português: ”Vinte e dois gajos a correr atrás de uma bola e quando a alcançam, metem-lhe o pé.”

Há muitos anos, um sábio me disse que devemos levar uma vida de gato: se for preciso brigar, briguemos; se, correr, corramos; caso contrário, repousemos sobre qualquer lugar confortável. Até em cima do saco.

No passado, professores do mais alto nível intelectual pregavam a Administração por Objetivos; hoje vivemos na Era da Administração por Sobressaltos.

Os urubus e os semideuses cada dia inventam uma nova regra.

Haja coração!

Salvar-nos-á o general japonês Massari Konoku?

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

3 comentários:

Anônimo disse...

Esse seu exemplo de comunismo está muito brando, está mais próximo do capitalismo de estado; comunismo é muito pior.

Anônimo disse...

1/2 Extraído. Isto é para pessoas inocentes, ignorantes e idiotas, principalmente os(as) universitários(as) que estão sofrendo lavagem cerebral dos petralhas.
“Professor reprova a turma inteira” Um professor de economia em uma universidade americana disse que nunca havia reprovado um só aluno, até que certa vez reprovou uma classe inteira. Essa classe em particular havia insistido que o socialismo realmente funcionava: com um governo assistencialista intermediando a riqueza ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e justo. O professor então disse, “Ok, vamos fazer um experimento socialista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas nas provas. “Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe, e portanto seriam ‘justas’. Todos receberão as mesmas notas, o que significa que em teoria, ninguém será reprovado, assim como também ninguém receberá um “10”. Após calculada a média da primeira prova todos receberam “7”. Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado. Quando a segunda prova foi aplicada, os preguiçosos estudaram ainda menos – eles esperavam tirar notas boas de qualquer forma. Já aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que eles também se aproveitariam do trem da alegria das notas. Como resultado, a segunda média das provas foi “4”. Ninguém gostou. Depois da terceira prova, a média geral foi um “1”. As notas não voltaram a patamares mais altos mas, as desavenças entre os alunos, a busca por culpados e palavrões passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela classe. A busca por ‘justiça’ dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e senso de injustiça que passaram a fazer parte daquela turma. No final das contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar o resto da sala. Portanto, todos os alunos repetiram aquela disciplina… Para sua total surpresa.

Anônimo disse...

2/2 - O professor explicou: “O experimento socialista falhou porque quando a recompensa é grande o esforço pelo sucesso individual é grande”. Mas quando o governo elimina todas as recompensas ao tirar coisas dos outros para dar aos que não batalharam por elas, então ninguém mais vai tentar ou querer fazer seu melhor. Tão simples quanto o exemplo de Cuba, Coréia do Norte, Venezuela. E o Brasil e a Argentina, que estão chegando lá..”
1. Você não pode levar o mais pobre à prosperidade apenas tirando a prosperidade do mais rico;
2. Para cada um recebendo sem ter que trabalhar, há uma pessoa trabalhando sem receber;
3. O governo não consegue dar nada a ninguém sem que tenha tomado de outra pessoa;
4. Ao contrário do conhecimento, é impossível multiplicar a riqueza tentando dividi-la;
5. Quando metade da população entende a ideia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação. É o mais puro retrato do Brasil. Não acabe com o nosso pais. Faça sua parte, repasse a informação. Ensine os ignorantes o que realmente é o socialismo…Um buraco sem volta.(True story).
É preciso que se divulgue isso por todos os meios para que ninguém caia nessa enganação satânica.