quarta-feira, 15 de janeiro de 2020

Democracia em Vertigem: corrupção que compra documentário e Oscar



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Alves de Oliveira

A cineasta Petra Costa, Diretora do filme “Democracia em Vertigem”, um documentário original da Netflix, foi extremamente infeliz com o título escolhido para a sua obra. Mas na verdade a “democracia em vertigem” não seria exatamente o período pós-2014, a partir do impeachment de Dilma Rousseff, como o filme  pretende “enganar”, porém ANTES, de 1985 a 2014, a partir do Governo Sarney, mais fortemente na etapa governada pelo  PT (2003 a 2014), porém o próprio filme, que no fundo “inverte” os tempos, tentando  fazer do PIOR período da fragilizada democracia brasileira, o MELHOR.

Dar a entender que no período governado pelo PT, de 2003 a 2014, teria havido uma “melhor” democracia do que ANTES ou DEPOIS, é corromper a verdade. Não é possível confundir a “democracia” e a “liberdade” política existentes exclusivamente dentro dos Três Poderes - que no período petista funcionaram na plena “harmonia” da troca de favores, do “toma  lá-dá-cá” sem limites - com a verdadeira democracia que tem por fim último o bem comum do povo.                                                                                                                                                        

Nesse período de trevas da  democracia, da democracia deturpada, degenereda, que teria sido o melhor, na visão do filme, ela foi usada exclusivamente como um FIM para os políticos e  todas as demais autoridades públicas, usando para isso o povo  meramente como MEIO. O filme inverte os fins e os meios. Nessa ótica, evidentemente corrompida, os anos compreendidos entre 2003 a 2014, teriam sido o “melhor período da democracia”.

Mas não foi o melhor, e sim  o pior período da democracia. Pior até mesmo que no Regime Militar, que durou de 1964 até 1984, onde as limitações da democracia e das liberdades atingiram tão somente os agitadores e subversivos de esquerda, e mais fortemente ainda a criminalidade comum, à vista das leis penais, e que efetivamente perderam a “democracia” e as  “liberdades” para o crime, como passaram  a ser toleradas  mais tarde.                                                       

Nesse “nefasto” período (64 a 84),segundo a deturpada visão da esquerda, e do próprio filme, que “coincidem”, a democracia e as liberdades civis eram muito intensas  do que o “paraíso democrático” desenhado no documentário da Netflix.

Na visão corrompida do filme, a democracia brasileira verdadeira teria começado com a eleição de Lula da Silva, em 2003, entrando em colapso, em estado de “vertigem”, após o impedimento de Dilma, em 2014, quando o então vice-Presidente, Michel Temer, tomou o seu lugar.

A visão esquerdista do documentário é manifesta. Do início do filme  até mais ou menos 2/3 do seu tempo de exibição, ele tenta manter um certo distanciamento de favorecer um lado, ou outro, inclusive dando algumas “alfinetadas” nos governos do PT, mas sem jamais esconder alguma preferência pela esquerda.

Mas no “terço” final do documentário, a cineasta Petra Costa “desmunheca” pró- PT. As  filmagens reais “in loco” da despedida de Lula lá no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, para ser conduzido à prisão em Curitiba, foi na verdade uma obra de arte na escolha e manipulação das imagens. E se existisse  essa modalidade de competição cinematográfica para fins de “Oscar”, o filme realmente mereceria ser premiado. As filmagens reais  das pessoas, principalmente mulheres, chorando, ”churumingando”, gritando, tristes, e até entrando em desespero, pela prisão do “deus” Lula, numa dramaticidade jamais vista, podem explicar muito bem as razões que deram origem à concepção de que Lula teria sido na verdade um grande “encantador de burros”.

Ora, é evidente que tanto para a produção do documentário “Democracia em Vertigem”, quanto a sua praticamente  certa premiação ao “Oscar” de “melhor documentário”,nos próximos dias, custaram   muito dinheiro, alguns milhões de dólares, para quem “investiu” e “encomendou” essa produção e “premiação”. Mas  essa quantia seria absolutamente insignificante, uns  meros “trocadinhos”, para os grandes interesses da esquerda, principalmente de retorno ao poder  total , em 2022, que certamente estaria “investindo” somente uma pequena parcela  retirada da “poupança” que conseguiu  acumular com os 10 trilhões de reais, superior ao valor do PIB brasileiro,  que roubou do erário, durante o tempo em que governou.

Fora eu o detentor do direito de premiar o filme com algum “Oscar”, com certeza  eu concederia  essa “estatueta” pela filmagem real  que fizeram do impeachment de Dilma Rousseff, em 2014, no Congresso Nacional. Mas seria o OSCAR da “loucura”, uma nova modalidade. O Congresso mais parecia um “manicômio”, um “hospício”, tomado por “loucos” (furiosos) de toda espécie, com  mandatos eletivos, cada qual gritando e querendo “aparecer” mais que o outro. Mas infelizmente esses são os “representantes do povo”.



Sérgio Alves de Oliveira é Advogado e Sociólogo.

Nenhum comentário: