sexta-feira, 3 de janeiro de 2020

Quem tem medo de impeachment acaba impichado


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
Siga-nos no Twitter - @alertatotal

A maioria que elegeu Jair Bolsonaro de maneira surpreendente em 2018 apostou na coragem dele para enfrentar todos aqueles que destruíram a economia, abusaram da prática da corrupção institucionalizada e avacalharam a política. Completando um ano na cadeira elétrica do Palácio do Planalto, Bolsonaro poderia tudo, menos quebrar a confiança de quem votou nele.

No entanto, Bolsonaro se queima e compromete sua qualificação de “corajoso” quando vai para o Facebook dar uma desculpa esquisita para sinalizar que não irá vetar o escandaloso Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) - o "fundão eleitoral" que não deveria existir em um País que precisa rumar para o Capitalismo Democrático.

Estrategicamente, Bolsonaro jamais poderia demonstrar medo de ser afastado do poder, se fosse obrigado a tomar uma medida que desagradaria aos outros poderes republicanos, sobretudo o Legislativo. Só que o Presidente usou a rede social para alegar que poderia sofrer um processo de impeachment, depois de incorrer em “crime de responsabilidade”, conforme o artigo 85 da Constituição Federal, caso praticasse um “eventual veto ao escroto Fundao eleitoral.

O Presidente terminou sua postagem com uma pergunta que, estrategicamente, não deveria ter feito aos seus eleitores: "Pelo exposto você acha que devo VETAR o FEFEC, incorrer em Crime de responsabilidade (quase certo processo de impeachment) ou SANCIONAR?".

A resposta da maioria dos eleitores de Bolsonaro é bem clara e objetiva: Ninguém quer que ele corra risco de ser afastado da Presidência, porém nenhuma pessoa de bem aceita que o vergonhoso Fundo Partidário seja aprovado por um Presidente que prega combater a “velha política”. A maioria não deseja que Bolsonaro fique refém do Congresso Nacional, neste regime presidencialista de coalizão – que sempre acaba em colisão. Simples, assim...

Além disso, com o apoio popular que detém e diante de um cenário de franca melhora da economia, Bolsonaro jamais poderia demonstrar fraqueza diante de uma “oposição” absolutamente irresponsável, perdida e incompetente. Bolsonaro só pode ter sofrido um surto repentino de medo, fruto de quem foi, por 28 anos, um político do chamado “centrão” da política. O Presidente sabe muito bem que seus adversários e inimigos querem qualquer coisa, menos que Bolsonaro seja impedido e o vice Antônio Hamilton Mourão assuma o poder.

Mourão não é General da banda do Centrão. Se coubesse a ele decidir um veto a um fundo eleitoreiro indecente, com bastante possibilidade de certeza, Mourão vetaria tamanha excrescência. O General pagaria para ver... Dificilmente, os vagabundos do Congresso Nacional fariam algum movimento para derrubar Mourão.

Já Bolsonaro, acaba de passar o recibo de que teme o grupo canalha do Senado e da Câmara dos Deputados. Lamentável, Capitão. O Mito vai pagar Mico aprovando o Fundão. O custo político de ficar no poder, falando grosso, porém com medo, pode ser cobrado, de forma implacável, pelo eleitorado, já na eleição municipal desde ano.

O processo de mudança do Brasil para o Capitalismo Democrático depende de tolerância zero com a corrupção política. Bolsonaro não tem o direito de vacilar, nem dar mau exemplo. É vetar o Fundão ou correr o rico de terminar tomando no fundão... Simples, assim...    

 

Colabore com o Alerta Total

Jorge Fernando B Serrão

Itaú - Ag 9155 cta 10694 2

Banco do Brasil - Ag 0722-6 cta 209.042-2

Caixa (poupança) - 2995 013 00008261-7


Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 3 de Janeiro de 2020.

6 comentários:

Anônimo disse...

BOLSONARO ESTÁ MOSTRANDO QUE É UM TREMENDO VACILÃO PELAS DERROTAS PÍFIAS, QUE O CONGRESSO VEM
IMPONDO AO FALSO MITO QUE DEMONSTROU FRAQUEZA E VAI SER EMPICHADO PORQUE NÃO SE DEVE TER MEDO DO INIMIGO POR MAIS PODEROSO QUE SEJA MESMO PORQUE WINSTON CHURCHILL QUE ESTAVA SENDO MASSACRADO PELOS NAZISTAS DECLAROU PARA O MUNDO, "JAMAIS NOS RENDEREMOS E VENCEU A GUERRA COM SEUS ALIADOS. SE QUISER VENCER ESSA GUERRA CONTRA O CRIME ORGANIZADO, DEVERÁ NOMEAR O GENERAL MOURÃO COMANDANTE DAS FFAA, E BOTAR PRA QUEBRAR. O BRASIL QUE TEM VERGONHA NA CARA ESTÁ EXIGINDO ISSO.

Anônimo disse...

Penso que, prezado Serrão, o nosso Presidente sabe jogar o jogo. Este ano teremos reformas estruturais em votação. Afirmar que Bolsonaro está com medo depõe contra o senhor e os anos que tenho acompanhado seus escritos. Já li o Presidente ser chamado de tudo mas de estar com medo é a primeira, infelizmente no seu blog.

Vanderlei Lux disse...

Finalmente 'caíste tuas fichas' meu caro Jorge Serrão?

Pelo visto finalmente se deste conta do que está sentado lá, no 'trono do bananão'? Sim, só mais um mequetrefe falastrão, mas de rabo preso e com os filhos de C* na mão?

Só um adendo meu amigo Jorge: Bolsonaro MENTE quando apela para a falácia do tal 'crime de responsabilidade'. Bolsonaro já vetou, anteriormente, 2 pontos em projetos que mexeram no orçamento de 2019, e não foi 'impichado', como pode ser comprovado aqui:

https://g1.globo.com/economia/noticia/2019/01/16/bolsonaro-sanciona-orcamento-de-2019-com-dois-vetos-parciais.ghtml

Enfim meu caro Jorge Serrão, Bozo é só mais um dos inúmeros FDP´s que sentam naquele 'trono', prometendo mundos e fundos, para somente mostrarem o quanto são mentirosos.

Um parceiro me diz: 'A vitória de Bozo em 2018 foi só para tapar o buraco no qual o PT se esgueirava. O problema é que Bozo tapou esse buraco com a própria bunda'.

E é óbvio que essas atitudes traiçoeiras de Bozo vão causar uma tragédia em 2022. O tal Maurício Macri, na Argentina, já deu a letra do que acontece com FDP´s que traem seus leitores por essas terras...

D´uma coisa até analfabetos sabem: é DEVER do presidente VETAR. É DIREITO do congresso DERRUBAR VETOS.

Jayme Guedes disse...

Serrão, esse Congresso representa tanto a vontade do eleitor quanto o Bolsonaro. O Fundão é uma lei. O presidente pode vetar mas precisaria de motivos legais caso contrário seria só retaliação, irresponsabilidade que justificaria o impedimento do Bolsonaro. O presidente não é papel higiênico para limpar as cagadas do eleitor. O eleitor, esse sim, tem o dever de demonstrar sua insatisfação não reelegendo nenhum parlamentar que tenha aprovado o Fundão que então seria eliminado pelo novo congresso eleito. O dia em que o eleitor manifestar dessa forma a sua insatisfação o lado podre do congresso pensará duas vezes antes de desafiar o eleitor como está fazendo. Você está parecendo com os caras que vivem pedindo intervenção militar. O exército não é babá de eleitor irresponsável. Errou ao eleger o seu representante? Aguente e aprenda para não repetir o erro. Esse Congresso podre está louco para derrubar o Bolsonaro e você quer que o presidente dê a eles a munição letal que os corruPTo$ precisam. Como vetar uma lei apenas por uma questão de opinião? Amanhã o presidente veta uma lei proposta por um deputado que torce pelo Corintians alegando que vetou por ser torcedor do Palmeiras. É isso que você está querendo. Se liga.

Anônimo disse...

Mais um da isentosfera que se acha no papel de conselheiro de um Presidente que conhece como ninguém as entranhas do Legislativo e judiciário sujos. Primeiro, vá ser deputado e político experience para aconselhar o Capitão, sr. Serrão...o inferno tá cheio de "bem-intencionados"! Avante, Capitão, confiamos em vc!!

Anônimo disse...

Concordo que é responsabilidade do eleitor retirar o mandato do político que aprova o Fundão, principalmente o analfabeto, que se sentiu "empoderado" pela esquerda quando recebeu o direito de votar, mas que precisa tomar consciência de sua parcela de culpa pelo voto em político aprovador de legislação que criou a calamidade em que nos encontramos. Recriam incessantemente o erro do qual se sentem vítimas, devido à complexidade das situações da política para mentes despreparadas e facilmente ludibriáveis.