quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

ZBDU



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Na Era das Siglas, imagino que os amáveis leitores já identificaram o personagem do título.

Os puristas da língua chamam-no de José Bedeu.

Conhecido ateu, casou-se com atéia. Lambuzou-se de mel mais que Zé Colmeia. Não marca gol (cacófato proposital !), só joga pra platéia.

Seu primo Omar tem vários sobrenomes: Omar Mota, Omar Vado, Omar Mita, etc,

Dizem que na verdade, chama-se Omar Telo, mas atéia foi-se. Juntos, eram símbolo de incompetência e de maldade.

Só lhes restou a amizade de um cão. Munista (assim se dizia do cachorro de outra freguesia) . Ficou incãosolável com seu destino volúvel. De pouca fé, solúvel em crocodílicas lágrimas, cantava: “I'm not dog no ...!”

Tornou-se youtuber, abriu um blog, bebeu absinto e ficou grogue.

Contra o Mito, talvez até hoje praga rogue.

Da geração Nem, Nem, abandonou as convicções que tinha. Hoje vive apenas atrás de uma “boquinha”.

De sulfurosa prosa não mais se alimenta.

À Onça, olha com desdém. Clama a um certo bosta, da ideologia refém.

“Ned ei potea soccorrerti... ”
Alguém o aconselha a chamar o molusco. “Deh, non parlare al misero
del suo perduto bene...” (Rigoleto, Verdi)








Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

2 comentários:

Loumari disse...

Você delata os outros condenando-lhos de ser ateus sendo você pior que eles, porque você não é menos Satânico que eles, você é pior que eles, porque você é BLASFEMADOR. E quem blasfema do Espírito Santo não tem perdão. Não tem perdão nem nesta vida, neste século e nem jamais.

Anônimo disse...

Só gostaria de entender...