sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

Piano, Piano se arriva Lontano



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Confesso aos amáveis leitores que estou eufórico.

Nosso amado Mito vive seu momento “Jornada nas estrelas”!

Além dos ilustres generais Mourão, Heleno e Ramos, agora temos Braga Neto.

É mole ? Torço para que ele chame de volta o general Santa Rosa.

Com sua experiência e patriotismo darão um quinau nos traidores e/ou corruptos.

Chegaremos em 2022 com uma verdadeira galáxia?

Quero ver os noticiários da “grande” mídia dar a notícia!

Os âncoras, com voz embargada (ou embragada?) e um fundo musical de réquiem (ou requião?).

Chamarão urubu de meu louro?

Haverá outras giradoras de bolsinha para tentar seduzir os super-heróis com propostas tentadoras?

O recente episódio na pantomima das Fake News mostrou bem o significado do ditado “Foi em busca de lã e saiu tosquiado”.

O perguntador arruinou sua reputação de ave de presa; rebaixou-se a um simples vira-bosta!

Suas intenções maléficas bateram na trave; como os nomes quase-quase: bulhões, carvalho, aosta e um certo bosta!

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

4 comentários:

Loumari disse...

Sempre ouvi de meus amigos italianos pronunciar exactamente assim: Piano piano vai lontano. Esta expressão é abreviada desta: Chi va piano, va sano e va lontano. O que é traduzido como: De nada serve precipitar-se; Quem quer ir longe, prepare bem seu cavalo.

adilson disse...

Não seria vá divagar,com saúde e longe? Não dominó!

Anônimo disse...

E devagar nosso amado Mito vai formando o time vencedor. Pensam que é fácil tentar consertar a bagunça feita ao longo de mais de 30 anos com tantas marionetes trabalhando contra? Precisamos formar também um time no Senado e outro na Câmara dos Deputados e olha, ninguém segura esse Brasil se isso ocorrer. Pra consertar depressa, rapidinho, teria que ser como o Eduardo Bolsonaro disse "com um cabo e um soldado" à moda de 1964, mas sabe, né? Vem a turma da gritaria, as marionetes, os idiotas úteis que vão caminhando como gado para o matadouro porque só pensam em seus interesses pessoais.

adilson disse...

Somos uma geração intermediária.Vimos os militares no poder e de concreto,crescimento enorme,ordem e analtecimento do país.Figuras distintivas de autoridade.E havia os que se insurgiam e os meios de comunicação,que a despeito do alardeado,circulavam como nunca,nunca foi de fato efetivo a tal de censura,figura ironizada e gozada por todos os lados,literal e figurativamente.Houve repressão sim,mas meia bomba,deixaram espaço que foi logo ocupado por todos esses que estão ricos hoje e até com saudades falam em seus convescotes a beira mar,regados a champanhe,vinhos e lagostas.Vimos os dois lados em ação!E o quê sobrou na consciência digno de nota?Que a partir de 83 tudo se rebaixou.A inteligência nacional foi sendo empurrada para baixo na proporção exata do domínio dos vermelhos e seu enriquecimento explícito.Em nome da igualdade,fraternidade e liberdade e sempre um viva fidel! Aqui estamos,anestesiados,grogues do soco no fígado,querendo sair das cordas,com o algoz investindo para nós jogar definitivamente á lona!Se comparativa,lado á lado, verão que fora o ranço por indução e fatos concretos contra quem se insurgiu em armas,favorece em muito aquele período.Eu vi e vivi os dois períodos! Antes que digam,que por isso estou gagá, reintero que podendo errar,analiso assim!