terça-feira, 24 de março de 2020

A Imagem da China



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Maurício Loboda Fronzaglia

"Para todo problema humano há sempre uma explicação simples, plausível e errada". A frase é de Henry Louis Mencken, jornalista americano da primeira metade do século XX e é uma boa descrição de como funciona o senso comum quando se trata de explicar problemas com um pouco mais de complexidade. Quando resumimos todos os problemas em uma dicotomia de heróis e vilões, por exemplo, estamos seguindo esse padrão de dar uma explicação simples e errada.

Entre as versões mais difundidas sobre as origens e a transmissão do Covid-19 está aquela que afirma ser obra da China a pandemia, que o vírus teria sido criado em laboratório e cuidadosamente disseminado para fazer desabar as economias dos seus inimigos. Ainda que a explicação seja falsa e sem qualquer fundamento científico, é uma história amplamente aceita e difundida. Este fato é um exemplo de como a imagem do país pode ser prejudicada globalmente.

A imagem de um país (seja representando a forma como é visto pelos outros Estados e atores do sistema internacional, seja a sua autoimagem) é uma importante ferramenta na incessante disputa de poder político, econômico e cultural que caracteriza as relações internacionais. Os Estados Unidos se veem e são vistos como a terra das oportunidades, isso faz parte da sua identidade e legitima muitas das suas políticas. A Itália, hoje o epicentro da pandemia, tem utilizado da sua cozinha e sua criatividade no setor da moda como um importante elemento de Soft Power.

A China é a potência emergente que ameaça a potência hegemônica, os Estados Unidos. As recentes brigas comerciais são apenas um início de uma relação que, ao que tudo indica, continuará tensa por mais tempo. Se na economia, o PIB chinês se aproxima do americano e há uma presença cada vez maior da China no comercio mundial, sua influência política ainda não se aproxima da americana e nem seu poderio militar.

A China busca uma ascensão pacífica como caminho para ser a primeira potência mundial, e neste caminho, a imagem do país tem extrema importância. Os investimentos da China na pesquisa científica e em novas tecnologias tem servido para mudar a imagem do país, mais associada à produção de produtos mais baratos. 

A pandemia tem um efeito considerável na imagem do país no tempo presente. Muito deste efeito negativo tem a ver com a aceitação nas explicações erradas e simples, como citadas no início deste texto. Esta imagem negativa pode ser revertida, em parte, pela própria ação chinesa na cooperação técnica para o enfrentamento da doença.

Essas mudanças se dão em curto ou médio prazo. A longo prazo é mais provável que a imagem da China acabe mudando de acordo com as suas próprias diretrizes de ascensão pacífica.

Maurício Loboda Fronzaglia é doutor e mestre em Ciência Política e graduado em Ciências Sociais. É pesquisador do Centro Mackenzie de Liberdade Econômica e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

3 comentários:

aparecido disse...

Mais um comprado pela China.. Não podemos praticar comercio com pais que não cuida devidamente do saneamento do pais.. e que pratica trabalho escravo e vende suas mercadorias com dumping matando as industrias dos outros paises inclysive a brasileira... e ainda o comercio bilateral não pode vir acompanhado da submissão politica e emergencias sanitarias.. os xinglinga precisam ser enquadrados fortemente...O Brasil viveu 500 anos sem depender dos xinglings.. e podemos viver sem eles... que vão a m...

aparecido disse...

Os xinglings tem muitos amigos aqui no Brasil.. todos comprados..Eles tem muito dinheiro para fabricar bombas atomicas mandar naves a Lua , fazer e equipar tres porta aviões e gastar muito em armamentos... mas mantém seu pais como na idade média em suas condições sanitarias... e que isso também dá muito lucro a eles.. a cada emergencia sanitarias ao mundo ( e foram varias nos ultimos 20 anos) O PREÇO DAS MATERIAS PRIMAS ABAIXAM E COMPRAM TUDO MUITO MAIS BARATO...É BOM NEGPOCIO PARA ELES MANTER O MUNDO ASSUSTADO COM EMERGENCIAS SANITÁRIAS...mas desta vez erraram a mão.. e o que era para ser um grande susto acabou numa tragédia mundial muitas vezes superior ao 11/09 americanos praticamente atingindo todos os paises do mundo...levando o terror e a morte a todos os paises do mundo... e principalmente aos seus principais concorrentes...levando-os a ruina economica...e mesmo sem querer querendo vão ser acusados depois da tempestade passar de promotores do terror e da morte...e da ruina economica das nações... e não vai ficar barato...Não podemos manter negócios com nação que tira nossa soberania e promove tragédias sanitarias...vivemos 500 anos sem depender da China e podemos muito bem viver sem ela.. e os politicos "amigos" da China se insistirem poderão ser acusados de traidores da patria.. e todos sabem como terminam a vida de traidores numa crise braba

Maria Imaculada disse...

Me engana que eu gosto.