quinta-feira, 26 de março de 2020

Com máscara ou sem máscara?



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Ernesto Caruso

Eis mais uma questão, entre tantas, diante da ameaça contundente do coronavírus de origem chinesa a dizimar em especial os velhinhos.

Ouviram do Ipiranga e do mundo, nem sempre às margens plácidas, os gritos de socorro das populações acuadas e confinadas, aqui no “patropi”, em particular, pelas disputas políticas, via telejornais, alimentadas por jornalistas com perguntas aos entrevistados, normalmente de oposição ao governo central, perguntas essas, cujas respostas, sabidamente atendem aos propósitos desses interlocutores do contra.

Como o senhor viu o pronunciamento/decisão do governo?

Imaginar que um dia, com esse tipo gente, qualquer país pudesse enfrentar uma guerra de verdade. O inimigo invadindo o território e, os governos dos estados e o central, mais os legisladores, se digladiando e a Justiça a determinar isso pode, isso não pode.

À luz mínima de observação, um governador ou prefeito não pode exagerar ao ponto de legislar sobre o bloqueio dos limites dos territórios que lhes compete administrar, impedindo o trânsito de veículos entre estados ou municípios confrontantes.  

Do simples ao complexo na guerra contra o coronavírus, a decisão é retardada e a população correndo o risco de se ver em pior situação, com o risco de vida, bem comum antes da pandemia, nas portas dos hospitais e sem segurança na livre circulação. De quebra, a falta de emprego.

Ora, somadas às providências de higiene pessoal, o uso da máscara parece ser uma das mais simples a proteger o cidadão. Se é prática obrigatória aos operadores da saúde porque os protege e aos pacientes, vai proteger não só o idoso, preocupação atual, mas a todos jovens e adultos que precisam estudar e trabalhar, respeitadas as características de cada atividade.

Foi importante o alerta inicial para evitar corrida às farmácias para comprar máscara e provocar o desabastecimento do produto a prejudicar aos que usam por obrigação e imperiosa necessidade.

Mas, paralelamente incrementar a produção em massa, por mobilização da indústria, como em tempo de guerra. E, para produzir algo que deve ser muito mais simples do que, por exemplo, respiradores, testes e vacinas.   

Uma caixa, quando se encontrava nas farmácias, custava em torno de trinta reais, com 50 unidades e algumas características, máscara tripla descartável, duas externas de não tecido (TNT) e uma interna de filtro de retenção bacteriana, EBF 99%, Eficiência de filtragem 99% de partículas portadoras de microorganismos de acordo com a norma ABNT 15052, hipoalergênico, atóxico, validade cinco anos, para proteger profissionais de saúde.

Os especialistas propagam a todo instante que o veículo de propagação do vírus pode ser por secreção nasal e/ou por gotículas/partículas naturalmente expelidas pela boca. Daí manter a distância de um, dois metros, na interlocução e na fila, ajuda. E prioritariamente reforçam a recomendação de lavar as roupas trajadas, que possam, pela proximidade, ter recebido os invisíveis respingos infestados, que mesmo após secarem, os vírus sobrevivem por algum tempo, quer no tecido, papel, plástico, etc.

É válido admitir que o tecido comum da roupa detenha a partícula antes do contato com a pele por certo período.

Em tempos de crise, na falta da máscara cirúrgica produzida com os rigores das especificações, outro tecido, ou o mesmo que se usa nas máscaras, citado como Tecido Não Tecido, na gramatura que for recomendada, não vai deter a gotícula antes das narinas e boca?

Levando ao extremo da necessidade, nas hipóteses da pandemia crescente e aterradora, um lenço dobrado, com um guardanapo de papel não vai resultar em melhores resultados do que nada a cobrir as narinas e boca?

E para regiões de extrema pobreza, onde o habitante não tem lenço, nem guardanapo para improvisar, qualquer pedaço de pano não ajudará?

Não é o caso do Brasil que tem condições de produzir máscara em grande escala, seja pela indústria especializada ou convocada para cumprir tal missão.

Aos gestores públicos de todas as origens, reflitam sobre os debates inúteis de agressões recíprocas. Relatem as providências tomadas nas áreas de atuação. É isso, que o povo espera. Que cada um cumpra o seu dever.

Se por um lado o governador, nas suas exposições, ainda que de forma delicada, mesmo indiretamente, entra na área que corresponde ao governo central, do ter feito ou deixado de fazer, fatalmente haverá resposta e vice-versa.

O Brasil não está em período eleitoral, nem o clima aconselha em momentos de tragédia.

Que cada envolvido quebre o “espelho, espelho meu...”.

Mal, terminado o escrito acima, se noticia que o governador do Estado de São Paulo anunciou uma reunião de todos os governadores às 16 horas de hoje, 25.03.2020. "Reunião convocada dada a gravidade das circunstâncias do País e do comportamento do presidente da República."

Ou seja, não vão quebrar os espelhos, acirram os ânimos em desrespeito a todos que já faleceram no mundo e, no Brasil, que infelizmente vai aumentando o número em progressão rápida e crescente. Pretendem uma ruptura institucional?

O povo sem máscaras cirúrgicas e os governantes com aquelas do carnaval de Veneza, com pompa e circunstância na passarela da notícia.

Ernesto Caruso é Coronel de Artilharia e Estado Maior, reformado.

2 comentários:

Anônimo disse...

Caruso, imagine que PROPOSTAS FINANCEIRAS IRRECUSÁVEIS o PCC deve ter feito aos corruptos brasileiros, amplamente conhecidos e que existem em grandes números, desde jornalistas, donos de jornais, ministros dos tribunais superiores, deputados, senadores, governadores
e demais corruptos adjuntos!
Por ter muito dinheiro o PCC-partido comunista chinês deve ter feito uma lista dos corruptos brasileiros e apresentado a eles suas cotações ou "valor de mercado", adquirindo esta corruptalha toda por "lotes", aos moldes dos leilões de gado! Só assim, com MUITO DINHEIRO EM VISTA E NO BOLSO, que valha a pena e os riscos, os corruptos botariam suas caras para a opinião pública conhecer, pois esta os massacra com todas as razões do mundo!

Vox Populi disse...

Favor ler e levar ao nosso PRESIDENTE para que ouça o Dr Cicero Coimbra.
A UNIÃO faz a FORÇA

Vitamina D3 e Corona Vírus. Entrevista Dr. Cícero Coimbra, Salutis, TV Guarulhos.
Na sexta-feira, 20 de março, tivemos o prazer de receber a maior autoridade em vitamina D3 no Brasil e no Mundo, Dr. Cícero Galli Coimbra.
Ele defende uma dose de ataque de 600.000 UI e doses de manutenção após 30 dias como importante ferramenta para a manutenção de um sistema imunológico saudável.
Absolutamente imperdível.

Dr. Cícero Coimbra é médico pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, especialista em medicina interna e neurologia, mestre e doutor em Neurologia pela Universidade Federal de São Paulo e pós-doutorado (1993) pela Universidade de Lund, Suécia.
Professor do Departamento de Neurologia e Neurocirurgia da Universidade Federal de São Paulo, preside o Instituto de Investigação e Tratamento de Autoimunidade. Desenvolveu o Protocolo Coimbra para o Tratamento de Doenças Autoimunitárias utilizado atualmente por muitos médicos brasileiros e estrangeiros.

O vídeo e longo mas Vale cada minuto:
https://www.youtube.com/watch?v=clGkGWOwQ