terça-feira, 10 de março de 2020

Decadência



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Peço que os amáveis leitores não se frustrem com o fato de eu não comentar a espetacular queda do índice da Bolsa.

Quem acompanha esse mercado há mais de cinquenta anos sabe que as oscilações ocorrem sempre. Há quem ganhe; há quem perca.

Tratarei da decadência dos costumes.

No shopping center mais elegante do país, o Iguatemi de São Paulo, fechou a engraxataria.

Sinal dos tempos. Poucos homens elegantes ainda usam sapatos de couro. A grande maioria dos cabeludos e/ou barbudinhos, só tênis e outros calçados de pano.

É verdade que as polainas também cairam em desuso há um século.

Perderam a utilidade as pinças para abotoá-las.

Talvez nos choque mais o abandono do fraque, da casaca, do smoking, do paletó, da gravata e, em breve, da calça comprida.

Bermudas e pernas peludas vieram para ficar.

O ditado reza: “O hábito não faz o monge mas ajuda a identificá-lo”.

Desapareceu recentemente uma revista espanhola denominada “Gentleman”. Resiste uma outra, italiana, de mesmo nome.

Os clubes de cavalheiros acabaram em São Paulo por falta de cavalheiros, não de instalações. Um deles ainda resiste.

Deus me livre de presenciar o abandono do desodorante e da escova dental.




Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Um comentário:

Anônimo disse...

Qual o clube que ainda resiste? Conheço 2 e que eu saiba nenhum está ativo mais (um em Higienópolis e outro no Pacaembu).