domingo, 12 de abril de 2020

Democracia do Ocidente derrotada pelo Imperialismo Comunista?



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Alves de Oliveira

Karl Marx deve estar se revirando no túmulo em face do que os seguidores da sua doutrina  fizeram com o  seu “socialismo científico” que, segundo o pensador alemão, seria o primeiro passo para chegar-se ao “comunismo”, à “vitória do proletariado”, à “abolição das classes sociais”, à superação  da “mais-valia”.

Apesar de Marx, os seus discípulos acabaram “multifurcando” (perdoem o neologismo) a sua teoria, fazendo uma verdadeira “salada-de-frutas” do socialismo/comunismo, originalmente concebido. É por isso que passados mais de um século da teoria de Marx, os socialistas/comunistas de todo o mundo estão divididos numa infinidade  de correntes, dentre as quais, o  “esquerdismo”, o “marxismo cultural”, o “gramscismo”, a “social democracia”, a “Escola de Frankfurt”, e outras de menor importância.

Mas ao que tudo indica o “gramscismo” estaria vencendo as demais correntes, especialmente no Brasil, adotando estratégias semelhantes ao que pregava a corrente “menchevique”, que num primeiro momento foi vencida pelos “bolcheviques”, liderados por Lenine, na vitória da Revolução russa de outubro de 1917. Tanto os mencheviques, quanto os gramscistas, sempre rejeitaram a tomada do poder por métodos violentos, pela força.

E tudo leva a crer que o estágio  mais avançado da experiência  gramscista  teria sido  alcançado justamente no Brasil, que a essa altura dos acontecimentos  poderia ser considerado   o principal “laboratório” político/social  dessa “experiência”, no mundo.                                          

Na terra “tupiniquim”, o gramscismo  se apossou, por vias pacíficas, inclusive “eleitoralmente”,  após o término do Regime Militar, em 1985,de praticamente todas as universidades públicas federais, de muitos outros estabelecimentos públicos de ensino, dos principais  veículos de comunicação de massa, das maiores instâncias  da Igreja Católica Apostólica Romana (CNBB,etc.), muito “chegadas” ao Papa Francisco, reconhecidamente  um esquerdista,  dos Tribunais Superiores da Justiça Brasileira, e do Ministério Público, ”fincando pé” em quase todas as demais organizações públicas e privadas. Só “pouparam” se instalar no “fiofó” da cachorrada criada nas suas  em virtude dos seus rabos  “atrapalharem” essa manobra.

Modernamente, o socialismo/comunismo, por todas as suas vertentes, se converteu numa nova modalidade IMPERIALISTA. Imperialismo  esse, aliás, considerado  o “inimigo número 1”, do comunismo, conforme Marx, no que pertine às  relações  entre os diversos  países.

Mas enquanto o chamado “mundo livre”, ”ocidental”, ”democrático”, ou”capitalista”, se dedicou a produzir a maior parte das suas riquezas para satisfazer às necessidades dos seus  povos, colocando o Estado a serviço da  Sociedade, pelo  contrário, os países que optaram  pelo  socialismo/comunismo INVERTERAM essa correlação, colocando o HOMEM A SERVIÇO DO ESTADO, num novo e mais cruel regime “escravista”. Isso significa, trocando em miúdos, que em relação ao problema finalístico do Estado, no socialismo/comunismo, É  O HOMEM QUE SERVE AO  ESTADO, enquanto, inversamente, no mundo livre, O FIM ÚLTIMO DO ESTADO É  SERVIR AO HOMEM. É o Estado que serve ao homem, não o contrário.                                                                                                                                   

Dessa maneira, o “crime” da “mais-valia”, na visão de  Marx, que seria a apropriação “indevida” que o patrão faz de parte do salário do trabalhador, pela qual ele não é remunerado, se  torna absolutamente irrelevante, mesmo “brinquedinho-de-criança”, perto da apropriação TOTAL,ABSOLUTA, SEM LIMITES, dos esforços produtivos do trabalhador pelo Estado-Patrão.                                                                                                                                      

Portanto, essa “mais-valia” estatal que vai a extremos jamais concebidos nem praticados  no regime capitalista, é totalmente “embolsada” pelo Estado-Explorador. E nessas condições o trabalhador deixa de ser considerado um ser humano, e passa a ser “coisa”,mero  instrumento da produção, uma “ferramenta”, só mantido vivo e com a saúde necessários  para poder trabalhar e produzir para o Estado, como “coisa” sua, sem NENHUM DIREITO  correspondente aos seus esforços.

Nessas condições, a extraordinária “poupança” que foi feita através do tempo pela República Popular da China, um dos  países comunistas mais importantes da atualidade, ”ombreando” com a Rússia, por exemplo, às custas dos seus oprimidos trabalhadores, permitiu-lhe montar um dos  aparatos bélicos mais expressivos do mundo,além de obter os recursos  necessários para adquirir uma infinidade de bens de capital, de produção, nos países a serem conquistados pelos “capitais” chineses, o que está fazendo com bastante  competência e celeridade, especialmente  na África e América Latina.                                                              

Particularmente no Brasil ,a China entrou de “sola”. Já comprou quase metade das terras brasileiras, investindo pesado em “capital fundiário”, provavelmente para abastecer de alimentos a “matriz”. Inúmeras outras empresas foram incorporadas ao “patrimônio chinês”. Além disso, os “chinas” deverão preponderar na aquisição  dos ativos, das mais importantes e lucrativas empresas estatais do Brasil, que brevemente serão privatizadas, provavelmente num novo ciclo de  “privataria”, a partir de subavaliações, como já foi antes.

Preocupados em fazer a “cabeça” do povo brasileiro, os chineses tiveram a cautela de adquirir grande parte dos direitos sobre duas das principais redes de televisão do Brasil: a Globo e a Bandeirantes. Preparem-se, meu povo, para a lavagem cerebral que breve estará no ar!!!

O ânimo de conquista mundial dos comunistas chineses pode ser resumido nas palavras do seu Presidente, Xi Jinping, do Partido Comunista da China, que a partir de Mao Tsé-Tung, desde 1949, governa o país, ininterruptamente, e que declarou para todo o mundo ouvir, em 2017: “Chegou a hora da China liderar o mundo”.
Essas novas conquistas almejadas pelos chineses certamente partem de um plano de AMPLIAÇÃO “geográfica” ambiciosa, a partir  da antiga ROTA DA  SEDA, que consistia numa série de rotas interligadas para comercialização da seda produzida com exclusividade  pelos chineses, entre o Oriente e a Europa, usada desde 200 a.C, e que foi percorrida por Marco  Polo, no Século XIII, aventura essa  narrada no seu livro “As Viagens de Marco Polo”,  que inclusive teria inspirado o explorador/navegador Cristovão  Colombo, na sua viagem à América, em 12 de outubro de 1492.

Sérgio Alves de Oliveira é Advogado e Sociólogo.

2 comentários:

Silvio Friederichs disse...

Saudações Sr. Sergio Alves de Oliveira.

A parte inicial do seu texto ajuda a consolidar a minha teoria de que

MARX NÃO TEM NADA A VER COM MARXISMO.

Karl Marx (e suas ambiguidades) teria se tornado "chorume" na história SE após a sua morte, ele não tivesse sido promovido a divindade, de onde se originou várias seitas.

Chauke Stephan Filho disse...

Perdoá-lo pelo neologismo? Não, esse não é o caso, Sérgio. Ao contrário, dou-lhe os meus parabéns pela nova palavra que o Amigo acaba de dar à língua portuguesa.

Agora, além de "Bifurcar", temos "Multifurcar". E "Trifurcar", "Tetrafurcar", "Pentafurcar"... por que não?

Sua criação fez-me lembrar daqueles idiotas que dizem "Startar" ou "Link".

Esses, sim, são imperdoáveis.