domingo, 19 de abril de 2020

Diagnóstico e remédio certeiros



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Se um médico não faz um diagnóstico real, o paciente corre grave risco.

Assim está o Brasil. Tratam câncer com aspirina.

Os estados produtores de riquezas estão nas regiões Sul, Sudeste, Centro Oeste e parte da Norte.

Os demais são parasitários. Há diversos em que setenta por cento da arrecadação paga salários de empregados públicos (que só criam burocracia contra os setores produtivos). Elegem-se de maneira desproporcional, deputados e senadores que só ouvem reclamos de aumento de salários.

O voto de um nordestino para deputado federal “vale” mais do que o dos eleitores de outras regiões que estão, portanto, sub-representadas.

Por serem muitos, os pequenos estados nordestinos elegem uma quantidade de senadores incompatível com a realidade nacional.

Por esse motivo, NUNCA farão uma reforma política que lhes corte os privilégios.

Falar em voto distrital ou voto facultativo é pior que lhes xingar a mãe.

Assim sendo, se não houver uma revisão geral do sistema eleitoral, o Brasil, cedo ou tarde se esfacelará. O que os Generais mais receiam é a perda de integridade e integração da federação e do território nacional.

Acrescentemos o triste fato de que não existe um poder judiciário independente. E ainda tem a Constituição feita sob medida para atender aos interesses e aos esquemas do Mecanismo que reúne os inimigos, oligarcas, parasitas, corruptos e ladrões do Brasil.

O Mecanismo usa a arma mortífera da Constituição para operar o Judasciário. Nada  de anormal, já que desde os tempos coloniais os juízes sempre julgam a favor do poderoso do dia que, por sua vez, os ceva com todas as benesses possíveis.

O tumor maligno do Mecanismo tem de ser neutralizado com doses de inteligência e dieta forçada de recursos que lhe sustentam.

Qualquer outra tentativa é tratar câncer com aspirina - como estamos fazendo.

Parabéns ao Exército por seu dia. Estamos prontos para, em breve, celebrar a mais importante vitória das Legiões brasileiras.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

22 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns ao glorioso Exército de Caxias. Sim, estamos prontos para celebrar nossa vitória sobre o mecanismo. Pelo amor de Deus! Queremos nossa Pátria de volta. Tirem a mão das sombras da nossa Pátria.

Rogerounielo disse...

============================================================
Análise sobre HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE e impressão de dinheiro, conforme sugeriu o EX-Presidente do BACEN Henrique Meirelles,
============================================================
Alteração no item “J” abaixo para aprofundamento da análise sobre HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE, a ser gerada no CURTO PRAZO, se houver o COLAPSO, generalizado, das empresas que GERAM OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS, gerando, por sua vez, ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS e com a ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS a HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE, no Brasil, no curto prazo, vai simplesmente ANIQUILAR O PODER DE COMPRA do CORONAVAUCHER de R$ 600,00 pagos por mês para a população mais fragilizada, em função do desemprego generalizado e a ser gerada (HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE), se houver impressão de dinheiro, conforme sugeriu o EX-Presidente do BACEN Henrique Meirelles.

J.2) Se 120 MILHÕES DE PESSOAS DA NOVA CLASSE MÉDIA -- “O jornal informa que dados inéditos da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) da Presidência da República mostram que a nova classe média brasileira, composta por 120 milhões de pessoas, já é o 17º mercado do mundo, consumindo mais do que a Holanda e tanto quanto a Coréia do Sul” (Fonte: link http://www.imil.org.br/blog/crescimento-governo-brasileiro-aposta-na-nova-classe-mdia -- ganharem, em média, R$ 600,00, por mês, de “CORONAVAUCHER”, recursos já totalmente comprometidos com o pagamento de elevadas e numerosas prestações do carro, geladeira, televisão, freezer, micro-ondas, novos, cheque especial, cartão de crédito etc. etc., com uma hiperinflação, real, de 50% AO ANO, se houver o COLAPSO, generalizado, das empresas que GERAM OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS, gerando, por sua vez, ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS e com a ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS a HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE, no Brasil, DA ORDEM DE 50% AO ANO, essa hiperinflação, real, de 50% AO ANO, diminuiria o poder de compra do “CORONAVAUCHER” recebido pela população, em R$ 300,00 POR ANO e lá por agosto do ano seguinte, essa POPULAÇÃO DE 120 MILHÕES DE PESSOAS TERIA PERDIDO 100% EM PODER DE COMPRA DO “CORONAVAUCHER” de R$ 600,00;

========================================================================================================================

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

Cada um fazendo sua parte, tenho certeza que vamos entender o problema (metade da solução) e saber agir com sabedoria nessa situação delicada para minimizar o "estrago econômico", inevitável, mas não agravá-lo, desnecessariamente, além do ponto para conter o avanço do CORONAVÍRUS ou colocarmos todo o país, por decisões de gestão equivocadas, no presente, que vão gerar, no futuro próximo, o rompimento do tecido social, no Brasil, com possibilidade de termos milhões de pessoas mortas, no futuro próximo, MUITO MAIORES DO QUE AS QUE JÁ ESTÃO SENDO GERADAS PELO CORONAVÍRUS, por que deixamos passar do ponto o AFROUXAMENTO DO ISOLAMENTO SOCIAL, no momento e na velocidade, corretas, ao longo do tempo, por "politicalhas" de baixo nível e alcance, totalmente desinteressadas do futuro do Brasil, ou por que deixamos passar do ponto, no momento, a RECOMPOSIÇÃO DA RECEITA DAS PESSOAS FÍSICAS E DAS EMPRESAS, VIA CRÉDITO DOS BANCOS, a ponto de a falta de entendimento das causas, da lentidão em entender os efeitos e da lentidão de entender os próprios problemas gerados pelas causas e pelos efeitos, da lentidão em conceber medidas adequadas, eficazes e efetivas, a partir das verdadeiras causas e dos verdadeiros efeitos, no tempo e na velocidade, adequados, para solucionar os problemas, gerarem o COLAPSO DE TODA A ECONOMIA, no futuro próximo.

Fonte - Link https://www.infomoney.com.br/negocios/diferente-de-outras-crises-desta-vez-os-bancos-sao-parte-da-solucao-diz-presidente-do-itau/

Fonte - Link https://rogerounielo.blogspot.com/2020/04/diferentemente-de-outras-crises-desta.html

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

Observações:

A) A CAUSA DESSA CRISE ECONÔMICA DE 2020 não é financeira. A CAUSA DESSA CRISE ECONÔMICA DE 2020 é SANITÁRIA e foi provocada pelo CORONAVÍRUS;

B) Essa CRISE ECONÔMICA DE 2020 é SANITÁRIA, foi provocada pelo CORONAVÍRUS, TEM COMO UM DE SEUS EFEITOS O COLAPSO DA DEMANDA POR PRODUTOS E SERVIÇOS, EM TODOS OS PAÍSES DO MUNDO, AO MESMO TEMPO, pois as pessoas estão em ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, PARA PRESERVAÇÃO DA VIDA, mas essa CRISE ECONÔMICA DE 2020, decorrente do ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, PARA PRESERVAÇÃO DA VIDA, gera os RESULTADOS ECONÔMICOS DEVASTADORES, descritos nos itens 3.1 a 3.19 abaixo;

C) O ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, PARA PRESERVAÇÃO DA VIDA, portanto, gerado pela crise SANITÁRIA que, por sua vez, foi provocado pelo CORONAVÍRUS, é a CAUSA dessa CRISE ECONÔMICA DE 2020, o que significa dizer que o ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, PARA PRESERVAÇÃO DA VIDA gerou uma espécie de MERGULHO DAS PESSOAS E DAS ECONOMIAS, DE TODOS OS PAÍSES DO MUNDO, AO MESMO TEMPO, PARA DEBAIXO DA ÁGUA, gerando, no caso do Brasil, os RESULTADOS ECONÔMICOS DEVASTADORES, descritos nos itens 3.1 a 3.19 abaixo, que tendem a ser aprofundar, na medida em que SE APROFUNDA o ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, PARA PRESERVAÇÃO DA VIDA;

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

D) Todos nós sabemos que o homem consegue RESPIRAR POR POUCO TEMPO DEBAIXO DA ÁGUA. Então, se o homem não consegue RESPIRAR POR MUITO TEMPO DEBAIXO DA ÁGUA, isto significa que o ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, PARA PRESERVAÇÃO DA VIDA começará a ser DESRESPEITADO PELAS PESSOAS, em uma espécie de “desobediência civil”, em busca de recursos financeiros para si próprias e para suas famílias, pois o ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, PARA PRESERVAÇÃO DA VIDA, em função dos seus RESULTADOS ECONÔMICOS DEVASTADORES, descritos nos itens 3.1 a 3.19 abaixo, colocará duas alternativas para as pessoas, descritas a seguir, decidirem por si mesmas, sem controle pelas autoridades, a não ser por meio da violência moral e, pior ainda, por meio da violência física e é aqui que começa a destruição do tecido social, tratada no item “2.1.2.1.c” abaixo;

D.1) morrer de fome, desempregado, sem recursos para comprar alimentos básicos, remédios etc., junto com o desespero próprio e vendo o desespero de pessoas que você ama, também, passando por dificuldades, privações e humilhações, em função dos RESULTADOS ECONÔMICOS DEVASTADORES, decorrentes do ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, PARA PRESERVAÇÃO DA VIDA, descritos nos itens 3.1 a 3.19 abaixo;

D.2) continuar trabalhando, empregado, gerando renda, se arriscando a pegar o CORONAVÍRUS e se tornar imune, a pegar o CORONAVÍRUS, sem saber se vai ou não morrer, por causa do CORONAVÍRUS, para que NÃO SEJAM GERADOS os RESULTADOS ECONÔMICOS DEVASTADORES, descritos nos itens 3.1 a 3.19 abaixo ou ainda que os RESULTADOS ECONÔMICOS DEVASTADORES, descritos nos itens 3.1 a 3.19 abaixo, forem GERADOS, sejam contidos ao mínimo possível de danos à economia brasileira como um todo;

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

D.3) Início da transcrição parcial da matéria, integralmente transcrita no item 6 abaixo:

O vírus que destrói o tecido social

Enquanto o mundo assiste atônito à parcial vitória do vírus, OS BANCOS CENTRAIS, DO BRASIL INCLUSO, PENSAM EM FORMAS DE PROTEGER O GRANDE CAPITAL, mas dão menos atenção do que deveriam a programas de transferência de renda que possam garantir que haja mercado consumidor no futuro próximo

Gregory Mankiw, da Universidade Harvard, defende que, ainda que governos estejam altamente endividados e sobrecarregado pelos passivos que se acumulam, É PRECISO PENSAR EM SOLUÇÕES NOVAS, E NÃO NAS VELHAS ORIENTAÇÕES DE PRIVATIZAR E ABRIR O MERCADO INTERNACIONAL. “Há momentos para se preocupar com a crescente dívida pública, mas este não é um deles”. O momento é de preocupação com o avanço da miséria

"A lei e a ordem virtualmente não existem, porque não há força policial ou Poder Judiciário. Em algumas regiões parece não existir mais nenhum sentido claro do que seja certo ou errado. As pessoas se servem do que querem sem respeitar o direito à propriedade – na verdade, o sentimento de propriedade em si praticamente desapareceu. Os bens pertencem apenas àqueles que são fortes o bastante para preservá-los e àqueles que se dispõem a guardá-los com as próprias vidas. Homens armados percorrem as ruas pegando o que desejam e ameaçando qualquer um que procure impedi-los. Mulheres de todas as classes se prostituem por comida e proteção. Não existe vergonha. Não existe moral. Existe apenas sobrevivência.”

E) Cada um fará sua escolha, mas eu não tenho dúvida nenhuma de que, COLETIVAMENTE, as pessoas vão escolher o item “D.2” abaixo (continuar trabalhando, empregado, gerando renda, se arriscando a pegar o CORONAVÍRUS e se tornar imune, a pegar o CORONAVÍRUS, sem saber se vai ou não morrer, por causa do CORONAVÍRUS);

F) Lembra que o ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, PARA PRESERVAÇÃO DA VIDA, gerado pela crise SANITÁRIA que, por sua vez, foi provocada pelo CORONAVÍRUS, CAUSA dessa CRISE ECONÔMICA DE 2020 (ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, PARA PRESERVAÇÃO DA VIDA), fez as economias, de todos os países do mundo, mergulharem para DEBAIXO DA ÁGUA, JUNTO COM O MERGULHO DAS PESSOAS, DE TODOS OS PAÍSES DO MUNDO, PARA DEBAIXO DA ÁGUA, o que está gerando o APROFUNDAMENTO dos RESULTADOS do ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, PARA PRESERVAÇÃO DA VIDA, descritos nos itens 3.1 a 3.19 abaixo?

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

G) Pois é, no momento em que, COLETIVAMENTE, as pessoas escolherem continuar trabalhando, empregado, gerando renda, APESAR DO MEDO OU SUPERANDO O MEDO, se arriscando a pegar o CORONAVÍRUS e se tornarem imunes pegando o CORONAVÍRUS, sem saber se vão ou não morrer, por causa do CORONAVÍRUS, para não morrerem de fome, desempregados, sem recursos para comprar alimentos básicos, remédios etc., diante do desespero próprio e de ver o desespero de pessoas que amam, também, passando por dificuldades, privações e humilhações, em função dos RESULTADOS ECONÔMICOS DEVASTADORES, descritos nos itens 3.1 a 3.19 abaixo, A ECONOMIA BRASILEIRA, JUNTO COM TODAS AS ATIVIDADES ECONÔMICAS, TERÃO MORRIDO, LITERALMENTE, AFOGADAS;

H) ESTAMOS DIZENDO QUE QUANDO O DESESPERO BATER NA PORTA, COLETIVAMENTE, de milhões de pessoas e que esses milhões de pessoas resolverem continuar trabalhando como estão fazendo enfermeiras, médicos, caminhoneiros, etc. etc., etc., para continuarem empregadas, gerando renda, SUPERANDO O MEDO DE MORRER PELO CORONAVÍRUS, MILHÕES DE EMPRESAS, NO BRASIL E NO MUNDO, TERÃO QUEBRADO;

I) ESTAMOS DIZENDO QUE COM A QUEBRA DE MILHÕES DE EMPRESAS, NO BRASIL E NO MUNDO, não haverá PRESTADORES DE SERVIÇOS SUFICIENTES PARA ATENDER A DEMANDA, INTERNA, POR PRODUTOS E SERVIÇOS, PARA PROVER A POPULAÇÃO OU ATÉ MESMO PARA EXPORTAÇÃO, quando milhões de pessoas resolverem continuar trabalhando como estão fazendo enfermeiras, médicos, caminhoneiros, etc. etc., etc., para continuarem empregadas, gerando renda, SUPERANDO O MEDO DE MORRER PELO CORONAVÍRUS;

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

J) Com a quebra de milhões de empresas, no Brasil e no mundo, toda a ajuda que os governos derem para as pessoas físicas, para que tenham um vale de R$ 600,00 por mês (CORONAVAUCHER) de nada adiantará, pois o COLAPSO, generalizado, das empresas que GERAM OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS, fará com que haja ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS e com a ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS, teremos HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE, no Brasil, e nos demais países do mundo;

J.1) Façamos contas para termos uma ideia aproximada do mecanismo que pode levar ao rompimento do tecido social, no Brasil e nos demais países do mundo, em função da HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE, a ser gerada no CURTO PRAZO, se houver o COLAPSO, generalizado, das empresas que GERAM OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS, gerando, por sua vez, ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS e com a ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS a HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE, no Brasil, no curto prazo, que vai simplesmente ANIQUILAR O PODER DE COMPRA do CORONAVAUCHER de R$ 600,00 pagos por mês para a população mais fragilizada, em função do desemprego generalizado;

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

J.2) Se 120 MILHÕES DE PESSOAS DA NOVA CLASSE MÉDIA -- “O jornal informa que dados inéditos da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) da Presidência da República mostram que a nova classe média brasileira, composta por 120 milhões de pessoas, já é o 17º mercado do mundo, consumindo mais do que a Holanda e tanto quanto a Coréia do Sul” (Fonte: link http://www.imil.org.br/blog/crescimento-governo-brasileiro-aposta-na-nova-classe-mdia -- ganharem, em média, R$ 600,00, por mês, de “CORONAVAUCHER”, recursos já totalmente comprometidos com o pagamento de elevadas e numerosas prestações do carro, geladeira, televisão, freezer, micro-ondas, novos, cheque especial, cartão de crédito etc. etc., com uma hiperinflação, real, de 50% AO ANO, se houver o COLAPSO, generalizado, das empresas que GERAM OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS, gerando, por sua vez, ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS e com a ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS a HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE, no Brasil, DA ORDEM DE 50% AO ANO, essa hiperinflação, real, de 50% AO ANO, diminuiria o poder de compra do “CORONAVAUCHER” recebido pela população, em R$ 300,00 POR ANO e lá por agosto do ano seguinte, essa POPULAÇÃO DE 120 MILHÕES DE PESSOAS TERIA PERDIDO 100% EM PODER DE COMPRA DO “CORONAVAUCHER” de R$ 600,00;

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

J.2.1) É necessário dizer, nos referindo à sugestão do Ex-Presidente do BACEN, Henrique Meirelles, conforme matéria do item a seguir, que a impressão de dinheiro não é a solução, mágica, dos problemas econômicos brasileiros, decorrentes do CORONAVÍRUS, SE HOUVER O COLAPSO, GENERALIZADO, DAS EMPRESAS QUE GERAM OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS, GERANDO, POR SUA VEZ, ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS E COM A ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS, teremos a HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE, no Brasil, no curto prazo, que vai simplesmente ANIQUILAR O PODER DE COMPRA do CORONAVAUCHER de R$ 600,00 pagos por mês, recebido pela população mais fragilizada, em função do desemprego generalizado, conforme análise do item acima. Só lembrando que os demais empregados formais, que ainda continuarem com os seus empregos, também, sofrerão com a perda de 50% do valor de compra de seus salários, em função da HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE, no Brasil, citada anteriormente;

J.2.1.1) “Meirelles defende 'imprimir dinheiro' contra crise do coronavírus: 'Risco nenhum de inflação” - Em entrevista à BBC News Brasil, ex-presidente do BC apoia medidas extraordinárias contra impacto da pandemia, mas diz que reservas internacionais devem ser preservadas”, divulgada por BBC, em 08/04/2020, disponível no link https://g1.globo.com/economia/noticia/2020/04/08/meirelles-defende-imprimir-dinheiro-contra-crise-do-coronavirus-risco-nenhum-de-inflacao.ghtml

J.2.1.2) É necessário dizer, nos referindo à sugestão do Ex-Presidente do BACEN, Henrique Meirelles, que a impressão de dinheiro, também, não é a solução, mágica, dos problemas econômicos brasileiros, decorrentes do CORONAVÍRUS, SE NÃO HOUVER O COLAPSO, GENERALIZADO, DAS EMPRESAS QUE GERAM OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS, GERANDO, POR SUA VEZ, ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS E COM A ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS, pois teremos a HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE, no Brasil, no curto prazo, que vai simplesmente ANIQUILAR O PODER DE COMPRA do vale de R$ 600,00 pagos por mês (CORONAVAUCHER) para a população mais fragilizada, em função do desemprego generalizado, conforme análises dos itens acima, pois a simples impressão de dinheiro, sem aumento da quantidade de bens disponíveis na economia, também, gera hiperinflação, e o Brasil conviveu com ela até 1.994, conforma análise a seguir;

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

J.2.1.2.a) “Por que o Brasil simplesmente não imprime mais dinheiro para sair da crise? - Inflação e dívida disparariam com impressão de dinheiro O descontrole da inflação ou mesmo uma crise hiperinflacionária é a consequência mais clássica de imprimir dinheiro. Perda de credibilidade, fuga de dólares e a necessidade de juros altíssimos para responder a tudo isso, além de desemprego e recessão, são outros efeitos que vêm a reboque”, matéria divulgada em 03/10/2018, por UOL, disponível no link https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2018/10/03/brasil-imprime-dinheiro-pagar-divida.htm?cmpid=copiaecola

J.2.1.3) O BACEN e o Tesouro Nacional estão corretíssimos quando desaconselharam a impressão de dinheiro pelo Brasil para a “solução” dos problemas econômicos e financeiros do país, pois as verdadeiras soluções passam pelo equilíbrio entre oferta e demanda, contenção do aumento exponencial dos gastos públicos, aumento da competitividade e da produtividade da economia, saúde, segurança e educação, diminuição da carga tributária ao novo ponto, rebaixado, do poder de geração de riqueza pelas empresas e pelas pessoas físicas, RIGOROSO CONTROLE INFLACIONÁRIO, etc., etc., etc., mas com essas afirmações não estamos querendo dizer que medidas excepcionais e extraordinárias, TEMPORÁRIAS, inclusive no que se refere ao , aumento da dívida pública, não tenham que ser adotadas, RAPIDAMENTE, NO MOMENTO, para combater a CRISE ECONÔMICA DE 2020, decorrente do ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, PARA PRESERVAÇÃO DA VIDA, que está gerando os RESULTADOS ECONÔMICOS DEVASTADORES, descritos nos itens 3.1 a 3.19 abaixo;

J.2.1.3.a) “Mansueto descarta problema de financiamento do Tesouro e critica impressão de dinheiro”, matéria divulgada em 16/04/2020, pelo UOL, disponível no link https://economia.uol.com.br/noticias/reuters/2020/04/16/mansueto-descarta-problema-de-financiamento-do-tesouro-e-critica-impressao-de-dinheiro.htm?cmpid=copiaecola

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

J.2.1.3.b) “Imprimir dinheiro não é a melhor saída para a crise, diz presidente do BC” - Campos Neto argumentou que a impressão de dinheiro pode causar efeitos nos juros”, matéria divulgada em 09/04/2020, pelo O Globo, disponível no link https://oglobo.globo.com/economia/imprimir-dinheiro-nao-a-melhor-saida-para-crise-diz-presidente-do-bc-1-24362465

J.2.1.3.c) “Gustavo Franco explica a magia do dinheiro - Entenda como governos e bancos de investimento emitem dinheiro ou títulos que possuem um valor reconhecido por convenções sociais – mas que podem não ter lastro nenhum”, divulgada pela Exame, em 08/11/2013, disponível no link https://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/gustavo-franco-explica-a-magia-do-dinheiro/, segundo a qual:

Impressão de dinheiro

J.2.1.3.c.1) “É importante lembrar que, muito antes dos bancos, os governos já usavam e abusavam do poder de imprimir dinheiro. A segunda versão do Fausto mostra que os soberanos chegavam a consultar alquimistas e astrólogos para tomar decisões que pudessem resolver problemas econômicos. Em dado momento, o rei percebe que mais fácil do que transformar chumbo em ouro lançando mão de encantamentos era utilizar economistas profissionais na organização de bancos de emissão de papel-moeda dotados de algum lastro de natureza imaginária. Em meio ao Carnaval, o rei assina um papel que passa a ter valor de dinheiro. O chanceler avisa o soberano que poderiam surgir problemas no futuro devido à falta de lastro do dinheiro. Mas o rei está encantado demais com a possibilidade de imprimir recursos, gastá-los o mais rápido possível e acabar com a crise”;

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

J.2.1.3.c.2) “No modelo fáustico, a obra máxima da economia é a criação de um valor monetário artificial. É quase uma magia ou bruxaria. É a imaginação quem transforma o papel em dinheiro. O problema é que a passagem da magia à economia real representa o início de inúmeros conflitos da vida moderna: INFLAÇÃO, DESIGUALDADE, EXUBERÂNCIA FINANCEIRA, CORRUPÇÃO E DESTRUIÇÃO DO MEIO AMBIENTE. Não que eu esteja propondo uma volta ao padrão-ouro [sistema monetário quer perdurou até o início do século passado e que estabelecia que a impressão de dinheiro deveria ser restrita às reservas de ouro de cada país]. Não há metal suficiente para isso no mundo e o dinheiro é algo extremamente útil na economia moderna”;

J.2.1.3.c.3) “O PROBLEMA DA EMISSÃO LIVRE DE MOEDA SÃO OS EXAGEROS. Parece uma pequena mágica aceitarmos um pedaço de papel como se fosse o ideal supremo de nossa existência. É uma espécie de bruxaria, que virou um paradigma da vida moderna. Não acho que isso seja espúrio nem fraudulento por si só. É problemático quando feito de maneira abusiva. É o mesmo com a energia nuclear, que foi inventada com um fim, mas também produziu tragédias”.

Os desenvolvimentistas

J.2.1.3.c.4) “É ilegal e imoral o desenvolvimentismo a partir da pura e simples impressão de dinheiro. O papel moeda parece dar aos governantes o poder de promover o bem. Se algum desenvolvimentista prestar um depoimento no Congresso, ele vai dizer muitas com as quais todos concordaremos. Mas a emissão desenfreada de moeda nunca foi fonte de real desenvolvimento. Isso só gera inflação. Getulio Vargas não sofreu com o problema da hiperinflação durante seus governos, mas foi o autor dos três decretos de 1933 que estabeleceram a saída do padrão-ouro e sua substituição pelo papel-moeda”;

J.2.1.3.c.5) “O primeiro governante brasileiro a se utilizar da deslavada mágica de criar dinheiro foi Juscelino Kubitschek. O patrono do desenvolvimentismo brasileiro construiu Brasília, que, para os europeus, é a cidade que Fausto teria feito se vivesse por aqui. Depois, veio José Sarney, que, sem dúvida nenhuma, foi o presidente brasileiro que mais criou inflação. Ele herdou um país com inflação de 100% ao ano e o entregou com uma inflação de 80% ao mês. Sarney é o campeão absoluto em descontrole de preços e planos fracassados de combate à inflação”;

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

Inimputabilidade

J.2.1.3.c.6) “A tragédia brasileira é que os promotores do desenvolvimentismo sempre acabam absolvidos pela sociedade da mesma forma como Fausto escapa do Inferno no final do livro de Goethe. Por natureza, a inflação não costuma ser imputável a ninguém. Processos inflacionários geralmente são longos e quase nunca podem ser atribuídos a uma só pessoa. Tanto isso é verdade que Juscelino e Getulio tiveram as próprias efígies estampadas em cédulas de dinheiro no Brasil. A tragédia do desenvolvimento brasileiro é que todos são absolvidos: colonizadores, escravocratas, responsáveis pela desigualdade e promotores da hiperinflação. Como dizia Sérgio Buarque de Holanda, o brasileiro é o homem cordial. Aqui as pessoas dispostas a trabalhar e a promover o progresso acabam vistas como um incômodo. Foi assim com o Barão de Mauá e com Percival Farquhar”.

J.2.2) Ou seja, na prática, as análises acima significam que, potencialmente, O BRASIL ATRAVESSARÁ SÉRIOS PROBLEMAS SOCIAIS, se houver o COLAPSO, generalizado, das empresas que GERAM OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS, gerando, por sua vez, ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS e com a ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS, caso as empresas não sejam salvas da quebradeira generalizada, já que 68% do PIB do Brasil é gerado pelos serviços, teremos a HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE, no Brasil, PELA ESCASSEZ DA OFERTA, apesar de 120 milhões de pessoas estarem recebendo o “CORONAVAUCHER” e, se houver a impressão de dinheiro, conforme sugere o Ex-Presidente do BACEN Henrique Meirelles, também, teremos a HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE, no Brasil;

K) Assisti ao Seminário “E Agora, Brasil?”, em 06/04/2020, encontro virtual transmitido pela internet para todo o país, com participação de Mansueto, Luiza Trajano e Zeina Latif, onde discutiram os impactos do coronavírus em evento do Valor, disponível no link https://valor.globo.com/brasil/noticia/2020/04/06/mansueto-luiza-trajano-e-zeina-latif-discutem-impactos-do-coronavirus-em-evento-do-valor-e-o-globo.ghtml

K.1) Em uma parte de referido Seminário “E Agora, Brasil?”, Zeina Latif refletia sobre a dificuldade em se ajudar setores ou pessoas em dificuldades, pois não se sabe se voltarão ou não a ter o mesmo patamar de receitas, em função de eventual mudança de comportamento dos consumidores, depois que a onda do CORONAVÍRUS passar, o que é um pensamento correto;

K.2) Estive pensando. Uma grande empresa, com recursos, profissionais contratados, que geram dados, conhecimentos, e inteligência, rapidamente, podem se adaptar, rapidamente, com o que está acontecendo com o mercado da Via Varejo;

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

K.2.1) Você pode consultar a matéria intitulada “Estamos com caixa sólido para enfrentar a crise”, diz CEO da Via Varejo”, divulgada em 16/04/2020, disponível no link https://www.infomoney.com.br/negocios/estamos-com-um-caixa-solido-para-enfrentar-a-crise-diz-ceo-da-via-varejo e assistir a live no YouTube, no link https://www.youtube.com/watch?v=joOYtoactdU&feature=emb_logo

K.2.2) Microempresários e pequenos empresários não são como uma grande empresa, tipo Via Varejo, com recursos, profissionais contratados, que geram dados, conhecimentos e inteligência, rapidamente, para poderem se adaptar, rapidamente, com o que está acontecendo no mercado de atuação dos microempresários e dos pequenos empresários.

K.2.2.1) Microempresários e pequenos empresários demandam mais tempo para se ajustar com o que está acontecendo nos seus respectivos mercados de atuação e, certamente, necessitarão de consultoria e capital, durante o lapso temporal necessário, para mudarem os seus modelos de negócios, e se ajustar ao que está acontecendo nos seus respectivos mercados de atuação e, dessa forma, a ajuda que esses microempresários e pequenos empresários podem contar para ter capital para fazer essa mudança deveria vir do Governo e da iniciativa privada, sem preocupação se sua atividade anterior vai retornar ou não retornar ao mesmo patamar de receitas, pois muitos vão retornar ao mesmo patamar de receitas e os que não retornarem ao mesmo patamar de receita, por que precisam mudar o seu modelo de negócios, vão utilizar esses recursos governamentais e da iniciativa privada, para mudarem o seu modelo de negócios, para que o mesmo volte a ser SUSTENTÁVEL AO LONGO DO TEMPO.

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

L) Se o ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL continuar, a DESAGREGAÇÃO DA ECONOMIA BRASILEIRA, cujo PIB é 68% gerado por serviços, será de tal ordem que em breve o BRASIL deve PARALISAR a venda de GÊNEROS ALIMENTÍCIOS para a CHINA e para todos os demais países do mundo, assim como esse processo já está acontecendo na Alemanha (vide item 4.1.1 abaixo) !!!

L.1) De onde tirei essa conclusão, citada no item 4.1 anterior???

L.2) Matemática de dois mais dois!

L.3) Com queda de 50,8% no faturamento, o setor mais impactado foi o de serviços, que inclui empresas de turismo e transporte, bares e restaurantes e autopeças - Fonte - Link https://exame.abril.com.br/economia/crise-do-coronavirus-faz-receita-do-varejo-cair-247-entre-marco-e-abril/

L.4) Mais de 600 mil pequenas empresas fecharam com pandemia, diz Sebrae - Fonte - Link https://www.oantagonista.com/economia/mais-de-600-mil-pequenas-empresas-fecharam-com-pandemia-diz-sebrae/

L.5) Em convulsões sociais, POR CAUSA DO COLAPSO DA ECONOMIA BRASILEIRA e POR CAUSA DO COLAPSO DE TODAS AS OUTRAS ECONOMIAS DOS DEMAIS PAÍSES DO MUNDO, vamos ter invasão, saques e depredação a supermercados, invasão, saques e depredação de residências onde moram as famílias, paralisação dos serviços em geral e do transporte, por que as pessoas estarão assustadas e com medo da violência de outras pessoas! As pessoas vão continuar em casa, por causa da violência de outras pessoas! Nos ataques às torres gêmeas nos EUA, o medo paralisou toda a economia dos EUA. Nada funcionava. Caminhoneiros e prestadores de serviços estavam com medo de sair de casa e serem atacados nas ruas ou terem suas casas invadidas com suas famílias dentro, enquanto estavam na rua trabalhando. O coronavírus será “esquecido”, quando tiverem início a invasão, saques e depredação a supermercados, invasão, saques e depredação de residências onde moram as famílias, POR CAUSA DO COLAPSO DA ECONOMIA BRASILEIRA e POR CAUSA DO COLAPSO DE TODAS AS OUTRAS ECONOMIAS DOS DEMAIS PAÍSES DO MUNDO!

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

L.6) O Brasil e demais países do mundo deixarão de exportar comida para a CHINA, EM POUCO TEMPO, o que deve acontecer com os demais países que exportam para a CHINA ou que importam comida de outros países do mundo, em função da análise contida no item seguinte! Serão BILHÕES DE CHINESES morrendo de fome TODOS AO MESMO TEMPO e bilhões de pessoas morrendo de fome em outros países do mundo.

L.7) Outros BILHÕES DE PESSOAS MORRERÃO DE FOME NA RÚSSIA, NOS EUA e na EUROPA, pois com a DIMINUIÇÃO GERAL DE COMIDA NO MUNDO, como já está acontecendo com a ALEMANHA, por exemplo, conforme item 1.1 anterior, OS PAÍSES, ALÉM DE NÃO TEREM CONDIÇÕES DE ADOTAREM PROVIDÊNCIAS PARA EXPORTAR COMIDA TAMBÉM ESTARÃO SOFRENDO COM A FALTA DE COMIDA PARA SUAS POPULAÇÕES E COM A BRUTAL ELEVAÇÃO DO PREÇO DA COMIDA POR CAUSA DA ESCASSEZ DE COMIDA, TUDO AO MESMO TEMPO, E ASSIM, OS GOVERNOS TENDEM A PROIBIR EXPORTAÇÃO DE COMIDA PARA OS DEMAIS PAÍSES DO MUNDO E OUTROS PAISES SIMPLESMENTE NÃO TERÃO DINHEIRO PARA COMPRAR COMIDA.

L.8) Todos estão com medo de MORRER, ao mesmo tempo, o medo da morte é uma pandemia que MATARÁ BILHÕES DE PESSOAS NO PLANETA TERRA e, certamente, as IMPRENSAS DE CADA PAÍS DO MUNDO e a IMPRENSA INTERNACIONAL, CONTROLADA PELOS CAPITALISTAS E PELO SISTEMA FINANCEIRO INTERNACIONAL, serão os responsáveis pela MORTE DE BILHÕES DE PESSOAS, nessas ações "fantasiosas", incentivando o medo da morte pelas populações ao redor do mundo, para privilegiar o Sistema Financeiro Internacional, infelizmente, com a participação do Papa, da ONU, da OMS, da Igreja Católica, etc.

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

L.9) Início da transcrição da matéria:

'O medo é uma segunda pandemia'

É o que afirma o professor adjunto aposentado da Unesp, em Bauru; ele pesquisa Ciências Sociais aplicadas à medicina

Fonte - Link https://www.jcnet.com.br/noticias/geral/entrevista_da_semana/2020/04/720442--o-medo-e-uma.html

por Cinthia Milanez
12/04/2020 - 06h00

Segundo o professor, o medo exerce um papel tão devastador quanto a doença em si, afinal, leva à irracionalidade

Pesquisador das Ciências Sociais aplicadas à medicina, o professor adjunto aposentado da Unesp, em Bauru, Claudio Bertolli Filho resolveu sair da "quarentena" que ele impôs à imprensa para contribuir com uma visão mais focada no comportamento humano diante da pandemia do novo coronavírus. SEGUNDO ELE, O MEDO EXERCE UM PAPEL TÃO DEVASTADOR QUANTO A DOENÇA EM SI, AFINAL, LEVA À IRRACIONALIDADE.

1. Conforme matéria transcrita no item 5 abaixo, em live do Credit Suisse, presidentes do Itaú, Bradesco e Santander mostraram suas visões da atual crise do coronavírus, onde se encontra registrada a “visão da crise”, na avaliação do presidente do Itaú Unibanco, Candido Bracher, que acredito seja a “visão da crise” do Sistema Financeiro Nacional-SFN e do próprio BACEN, acredito e, na minha opinião, é a “visão da crise” correta:

A visão da crise

a) “No início da conversa, Bracher comentou que cada vez que se vive uma crise, ela parece ser a pior que já se enfrentou, mas que desta vez a situação é realmente diferente e mais complexa”;

b) “Segundo ele, hoje existe uma crise do lado da oferta e da demanda. “Não é apenas [uma crise] financeira. Ela tem consequências graves no mundo financeiro, mas é uma crise que começa na saúde. Nesse sentido, é parecida com uma guerra”, disse”.

1.1 De fato, essa crise é diferente das anteriores, mais complexa e difícil de lidar, em função do cenário descrito nos itens 3.1 a 3.19 abaixo, muito mais difícil de gerir em um processo ONDE O TSUNAMI AINDA NÃO NOS ATINGIU COM TODA FORÇA, ENQUANTO AINDA ESTAMOS PERPLEXOS TENTANDO ENTENDER O QUE ESTÁ NOS ACONTECENDO E APRENDENDO, AO MESMO TEMPO, a lidar com os seus efeitos superficiais, INICIAIS, que se alteram rapidamente, razão pela qual, antes de continuar a análise, frisamos algumas informações importantes:

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

A) em função do cenário descrito nos itens 3.1 a 3.19 abaixo, combinado com o cenário dos itens 2.1.2 a 2.2.1.1, abaixo, haverá o COLAPSO TOTAL DA ECONOMIA BRASILEIRA, se o ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, para combater o coronavírus, não for equilibrado COM AS MEDIDAS PALIATIVAS, intermediárias, de INJEÇÃO DE CAPITAL NAS EMPRESAS, especialmente nas micro e pequenas empresas, para que estas tenham fôlego para suportar, por curto espaço de tempo, O MERGULHO PROFUNDO DA ECONOMIA BRASILEIRA E MUNDIAL NA ESCASSEZ DE RECEITAS GERADAS PELO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL;

B) Governo Federal, Congresso Nacional, Ministério da Economia, Conselho Monetário Nacional, BACEN e FEBRABAN tem apenas uma chance de evitar que a economia toda se afogue e tem UM CURTO ESPAÇO DE TEMPO PARA ADOTAR AS MEDIDAS ASSERTIVAS! Ainda há tempo, mas temos que ser rápidos;

C) Conforme matéria constante do item 9 abaixo “Senado adia a votação da PEC da orçamento de guerra para a semana que vem”, disponível no link https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2020/04/07/interna_politica,842834/senado-adia-a-votacao-da-pec-da-orcamento-de-guerra-para-a-semana-que.shtml, ou seja, trata-se da proposta do “ORÇAMENTO DE GUERRA”, no valor de R$ 400 BILHÕES;

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

D) Esse “ORÇAMENTO DE GUERRA”, no valor de R$ 400 BILHÕES, é insuficiente para capitalização das empresas, pois são necessários cerca de R$ 2,144 TRILHÕES para RECOMPOSIÇÃO DO FATURAMENTO DAS EMPRESAS, conforme item 4.6 abaixo, mas a PEC do “ORÇAMENTO DE GUERRA” em questão, ao permitir realização de operações pelo BACEN, permitiria ao BACEN realizar operações de RECOMPOSIÇÃO DO FATURAMENTO DAS EMPRESAS, diretamente pelo BACEN (80% risco tesouro), com participação das instituições financeiras (20% risco instituições financeiras), especialmente RECOMPOSIÇÃO DO FATURAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, PARA PAGAMENTO EM ATÉ 48 PARCELAS, COM INTERVENIÊNCIA DOS BANCOS NA FORMALIZAÇÃO DESSAS OPERAÇÕES, COM BASE EM DADOS SOBRE O HISTÓRICO DE FATURAMENTO DAS EMPRESAS PARA DEFINIR O VALOR DA RECOMPOSIÇÃO DO FATURAMENTO A SER CONCEDIDO PARA CADA EMPRESA, EM SUBSTITUIÇÃO AO FATURAMENTO INEXISTENTE, EM FUNÇÃO DO ISOLAMENTO SOCIAL TOTLA, MAS ESSE FATURAMENTO INEXISTENTE SERIA PROJETADO COM BASE NO HISTÓRICO DE FATURAMENTO A SER FORNECIDO PELA RECEITA FEDERAL, para evitar fraudes, pode suprir a insuficiência do “ORÇAMENTO DE GUERRA” em questão.

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

1.1.1 Em primeiro lugar, trata-se de uma crise econômica, de uma crise financeira e de uma crise social, profundas, agravadas pelo coronavírus.

1.1.1.1 Disse que a crise econômica, a crise financeira e a crise social, são profundas e foram agravadas pelo coronavírus, pois já estava em curso a DESACELERAÇÃO, SINCRONIZADA, DE TODOS OS PAÍSES, AO MESMO TEMPO, conforme matéria intitulada “A economia mundial: Desaceleração sincronizada, perspectivas precárias”, divulgada em 25/10/2019, disponível no link https://valor.globo.com/mundo/blog-do-fmi/post/2019/10/a-economia-mundial-desaceleracao-sincronizada-perspectivas-precarias.ghtml, processo de desaceleração sincronizada, de todos os países, ao mesmo tempo, que tem como seu marco histórico a crise de 2008.

1.1.2 “A crise financeira de 2008 é considerada a mais grave desde a quebra da Bolsa de Nova York em 1929. A crise que tem origem no setor imobiliário, de início, deixou 20 milhões de pessoas sem casa nos Estados Unidos. Mas suas consequências, amplificadas pelo mercado financeiro, foram ainda maiores” (Fonte – Link https://www.nexojornal.com.br/expresso/2018/09/13/Dez-anos-da-crise-de-2008-colapso-consequ%C3%AAncias-e-li%C3%A7%C3%B5es).

1.1.2 Na crise de 2008, o Brasil enfrentou uma crise, principalmente, de oferta e de demanda, por seus produtos e serviços, externas, mas “não havia linha de crédito para o comércio exterior, os bancos estavam travados, a liquidez empoçada nas grandes instituições e os pequenos e médios bancos tiveram que ser socorridos”, conforme matéria intitulada “2008 e 2011 são crises com impactos distintos sobre o Brasil”, divulgada pelo Valor Econômico, em 04/10/2011, no link https://www.valor.com.br/valor-investe/casa-das-caldeiras/1034948/2008-e-2011-sao-crises-com-impactos-distintos-sobre-o-brasi

1.1.2.1 Como decorrência da crise do crédito, no mundo, derivada da crise financeira de 2008, a economia como um todo, de todos os países do mundo, foi afetada, mas a CAUSA DESSA CRISE ECONÔMICA era, apenas, financeira, e os EFEITOS DESSA CRISE FINANCEIRA atingiram a economia de todos os países do mundo, ao mesmo tempo.

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

Continua no arquivo “Diferentemente de outras crises, desta vez os bancos são parte da solução, diz presidente do Itaú.docx”, em anexo, também, disponível no Google Drive, pasta pública (WEB) “ECONOMIA DIGITAL - DIGITAL ECONOMY”, conforme link https://drive.google.com/drive/folders/0B-FB-YQZiRk8SEdQb1BYUTRQLXc?usp=sharing ou no link https://rogerounielo.blogspot.com/2020/04/diferentemente-de-outras-crises-desta.html.

Fim