terça-feira, 21 de abril de 2020

“Donos do Brasil”



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Fábio Chazyn

Pedro Alvares Cabral descobriu o Brasil, mas quem o loteou foi Martinho. Com somente 30 e poucos anos, o jovem mostrou competência! Inaugurou o ciclo do açúcar no Brasil e conseguiu permitir acesso p’ra todo mundo à, até então, iguaria que era reservada aos nobres das côrtes européias.

Martinho Afonso de Sousa negociou muito bem com o rei de Portugal, D. João III. Cumpriu a sua missão de expulsar os franceses que estavam de olho na madeira vermelha que os portugueses achavam que era deles e pousou o seu próprio olho no que de fato era dos índios que, de donos da Terra de Santa Cruz, viraram os favelados do Brasil...

Para viabilizar o seu plano, Martinho usou astúcia e cooptou a “Turma de Viseu”. Berço de Afonso Henriques, conhecido como o Fundador de Portugal, lá nos idos 1100, foi em Viseu, um pequeno vilarejo do norte do país, que Martinho organizou a festança; a maior “ação-entre-amigos” de todos os tempos. Foi lá em Viseu que Martinho encontrou o que precisava: devotos do papa Nicolau V que, cem anos antes, pregava a escravidão como forma de cristianizar os negros africanos. Praticaram tanto a “boa-ação” que acabaram inundando o País com mais de três milhões deles.

A Turma de Viseu, na qualidade de “capitães-donatários”, ficou com o ‘filé’ das Capitanias Hereditárias, onde os escravos chegavam e recebiam o ‘privilégio’ de trabalhar para eles no cultivo da cana-de-açúcar. Do total dos catorze lotes, Martinho guardou p’ra ele próprio, em seu nome e no do irmão falecido, um terço deles: Santana, Santo Amaro, São Vicente e Itamaracá.

Mas o rei, que não era bobo, não permitiu que a melhor das áreas tivessem o mesmo destino! Puxa-p’ra-cá-puxa-p’ra-lá, foi preciso passar quase um século para designar a tal área, hoje compreendida entre são Luís e Belém, para mais um da turma-de-Viseu, os Araújo Costa.

Os antepassados do José Ribamar de Araújo Costa, vulgo José Sarney, foram devotos às suas origens e até fundaram o município de Viseu, hoje no Pará, encostado na fronteira com o Maranhão. Fizeram fortuna com o açúcar e escravos que exploraram  Mas tiveram que esperar mais 300 anos para ganhar a sorte-grande. Foi quando a crise do petróleo dos anos 1970 que, ainda que tivesse dado um fôlego ao regime militar com o programa Pro-Álcool, no final resultou também em poder político aos usineiros, catapultando o seu ponta-de-lança à presidência do País em 1985.

Daí foi um pulo para o ex-presidente conseguir consolidar as regras para o seu grupo passar a escritura-definitiva de seu poder: a Constituição Federal de 1988.
A nós, contemporâneos, cabe a escolha de um dos dois caminhos para seguir p’ro futuro: ou continuamos como espectadores da História ou promovemos uma nova Constituição que contenha as regras a seguir para colocar o País no rumo da prosperidade de todos. E não somente dos donos do Brasil!



Fabio Chazyn, autor dos livros “Consumo Já! Projeto Vale-Consumo” (2019) e “ O Brasil Tem Futuro?” (2020)   https://clubedeautores.com.br/livro/o-brasil-tem-futuro

Nenhum comentário: