domingo, 19 de abril de 2020

Tecnologia e Cultura



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli

A situação grave da cultura brasileira agora pede passagem para ingressar definitivamente na unidade terapia intensiva e com grande probabilidade de um sono letárgico profundo.

As principais livrarias e editoras do Brasil em colapso com a revolução tecnológica, alunos não mais compram livros quando muito extratos ou pedaços de texto pelo ibook, editoras resolveram não mais pagar direitos autorais pela pandemia e a maioria já fazia obra coletiva sem direito aos minguados dez por cento dos autores.

E essa lástima de situação não foi gerada única e exclusivamente pela revolução da tecnologia, mas o ambiente fora propício com ausência de recursos financeiros e a cultura de pouca leitura geralmente espelhada em autores modernos os quais se limitam à prática de resumos e decorebas.

Eis o que estamos preparando para o amanhã, não foram os cientistas capazes de detectar o vírus. Muitos dizem que ele foi criado em laboratório, e depois de tanta notícia desagradável deveríamos pensar seriamente na criação de um fundo de apoio ao brasileiro segregado no exterior e outro para cobertura de catástrofes internacionais.

Vamos pormenorizar mais e melhor. O fundo de catástrofe englobaria os Países mais ricos do mundo e à medida em que tivermos um tsunami, terremoto ou qualquer circunstância danosa o País poderia referendar e sacar valores expressivos da mesma maneira na pandemia o fundo internacional teria um total de 10 trilhões de dólares com a presença das 30 maiores economias do planeta e com isso minimizaria as consequências de qualquer fortuito ou força maior.

No caso de fundo de resgaste de brasileiro no exterior, o governo
poderia gerar uma divisa em torno de mil dólares sendo que metade seria de responsabilidade do erário e a outra parte restituída em até dois anos pelo favorecido.

O dinheiro viria de loterias, fundos de participação do empregado e do fgts, além é claro da junção de esforços comuns para criamos um fundo especial gerido pelo banco central de 1 bilhão de reais. Todos os brasileiros em situação dificultosa e periclitante poderiam pelo portal ter acesso e preenchidos os requisitos legais em poucos dias teria a faculdade do saque de até mil reais ou mil dólares, fazendo com que não passasse vexame ou humilhação e ficasse até sem alimentos ou abrigo fora do seu próprio País.

Enquanto mantivermos a subcultura e o interesse perverso de grupos e de fortunas parasitas a governar o planeta, a assimetria será regra e a concentração de riqueza nas mãos de poucos uma triste realidade que não nos garante para o hoje e menos ainda amanhã.

Carlos Henrique Abrão (ativa) e Laércio Laurelli (aposentado) são Desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Nenhum comentário: