quarta-feira, 13 de maio de 2020

“Buffet” pode ser “ninho” de COVID-19



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Alves de Oliveira

Parece que mesmo a avalanche de informações diárias e  estudos científicos divulgados em todo o mundo sobre o novo coranavirus não conseguem esgotar essa discussão, que a todos “apavora”, e  sobre a qual a cada dia surgem  novidades, como descobertas de novos indícios ou sintomas dessa doença infernal, novos focos “contaminantes”, e  possíveis vacinas e remédios.

O pouco que se sabe com certeza é que qualquer objeto ou parte do corpo humano, principalmente mãos, que tiver contato com o “bicho”, vai ser um  abrigo ,durante certo tempo, para “acomodar” esse maldito  vírus, um “portador”, que pode contaminar as pessoas principalmente mediante contato com as portas de entrada da boca, nariz ou olhos, evidentemente não  podendo se  excluir outras “portas” do corpo humano, como através de relações sexuais, que também  pode ser um dos “focos”.

Não sou médico ,nem  profissional ligado à área da saúde. Mas como qualquer outro “burro” no assunto, me permito o direito de “observar” tudo o que se passa à nossa volta, e que envolva outros eventuais riscos relacionados a essa doença.
Em homenagem à minha mulher, mãe dos meus filhos, já que estávamos sozinhos, no dia das mães, domingo, 10 de maio, fomos almoçar numa restaurante  muito bom e prestigiado, no Litoral Norte do RS, que usa  o sistema tradicional do “buffet”, mais “grelhados”.

E essa questão dos “buffets” em restaurantes já andava me preocupando bastante, em relação a essa “praga” vinda lá da China do “Xi Jinping”. Como cheguei  tarde ao restaurante, depois das quatorze horas, só restavam ali umas 20 ou 30 pessoas.
É claro que tanto eu, quanto  a minha homenageada, chegamos à mesa do “buffet” devidamente “mascarados”.

Após  “servidos”, chegamos  à nossa mesa e iniciamos a “rotina” gastronômica. Como tinha pouca gente, pelo adiantado da hora, tive chance  de observar as pessoas que iam se servir no “buffet”. “Quase” todas chegavam ali  devidamente mascaradas, exceto  alguns poucos  que começaram  a se servir sem essa cautela, não usando a máscara.

Ora, não é preciso ter aparelhos sofisticados para perceber logo que durante a  fala ou, principalmente ,durante a “tosse”, ou um “espirro”, especialmente com o sol em posição mais “favorável”, as pessoas geralmente expelem uma “nuvem” densa de gotículas salivares, sem que elas mesmas percebam, somente visível aos  “outros”.
Nos caso dos “buffets”, e sobre ele, uma só “tossida”, “espirro”, ou “fala”, sem máscara, de uma pessoa  contaminada pelo Covid-19, mesmo sem saber, sem dúvida pode ser capaz de expelir  centenas de gotículas de saliva  “contaminada” sobre a comida. E ao que consta, uma só  gotícula de saliva  “envenenada” seria o suficiente para contaminar uma pessoa. Mas não é uma só, são “centenas” de gotículas,  de  uma só pessoa, ou  ”milhares” de gotículas, quando de várias pessoas, que podem acabar contaminando um “exército” de  gente.

Mas o problema não parece menos preocupante em relação às cozinhas dos restaurantes, onde  dificilmente a própria administração da casa, muito menos os clientes , conseguirão saber se algum(a) cozinheiro(a) está com o “danado”.

Apesar de acompanhar mais ou menos de perto esse assunto, não tive oportunidade de me deparar com esse tipo de discussão  nos órgãos da mídia. Com a palavra os “experts” !!!

Os “sabichões” do novo coronavírus , de todas as partes do mundo, parecem que não são tão “sabichões” assim, mesmo porque, a cada dia, surgem “surpresas” e “novidades”, sobre a doença ,inclusive  para eles próprios. Se a “sabedoria” dessa gente  fosse tão grande, certamente o mundo não teria chegado a essa dramática situação que está matando centenas de milhares de pessoas, e que tem precedentes no passado, como a “peste negra” (ou bubônica”), que liquidou a vida de 1/3 da população da Europa, no Século XIV.

Ora, se os “sábios” não estão dando conta do “recado” à altura do necessário, talvez fosse a hora dos “burros” também terem alguma oportunidade de dar a sua contribuição, desde que “também” saibam observar e pensar.

Na verdade, os remédios em estudo  poderão até curar a doença, mas o Covid-19 só poderá ser evitado com vacinas, que ainda não estão disponíveis, ou métodos preventivos contra a contaminação, que só poderão surgir, não dos laboratórios, porém  da “inteligência”, não necessariamente dos cientistas e das  autoridades em saúde pública.

Sérgio Alves de Oliveira é Advogado e Sociólogo.

2 comentários:

aparecido disse...

Self services vão desaparecer por segurança sanitaria.. já se sabia disso há tempos mas ninguém fazia nada...só vão sobrar o serviço a la carte, o tradicional comercial e o tradicional PF prato feito...como era ate a 30 anos atrás...O ocidente estava com frescuras demais.. de certa forma o bichinho vindo de Whuan nos jogou meio séciulo atrás...a vida vai se tornar mais simples e muitas frescuras vão desaparecer ou melhor já desaparecerem... e o que é pior provavelmente vai ter guerra e o trafego de navios serão interrompidos... vamos ter que produzir tudo aqui dentro de novo como era até 1990...o que para o Brasil é bom pois melhora a nossa economia...

Anônimo disse...

Pra que tanta aspa?