quarta-feira, 13 de maio de 2020

Caímos na Real



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli

Ostentação, luxo, vida fácil, usos e costumes acima da média da população, ou como fora chamado Belíndia, parece que agora a pandemia será um freio de desarrumação ou de arrumação da casa brasileira? Carros importados, seguros, ipva, imóveis de alto padrão, viagens para o exterior, e gostos variados,cremos que a maioria não poderá mais se dar ao cometimento dessas circunstâncias,e literalmente o brasileiro cairá na real.

Não significa dizer que teremos dias fáceis, mas que todos, de uma forma geral, terão que compreender a situação e o poder econômico principalmente,e ainda o governo. Preços públicos que causam inflação, preços privados mais caros do que nos EUA e na Europa, este Brasil varonil agora desperta do berço esplendido e cai na realidade mais perversa desde o seu descobrimento há 5 séculos atrás.

A grande massa da população sem emprego, sem ocupação, vivendo de bico ou na informalização criada pela globalização. O sistema mundial falido por um microvirus invisível que atacou mais de 100 Nações e notadamente as economias mais ricas, uma coisa inimaginável e impensável, história de ficção.

Voltemos para o Brasil,pátria amada,doravante os empresários terão que cobrar não aquilo que desejam mas que a população pode pagar,o comércio eletrônico virá com força total, as relações serão modificadas e de forma radical, muitas profissões serão abaladas sofrerão um terremoto e o mundo um tsunami com a pandemia.
Aglomerações, ajuntamentos, e todas as demais festividades ficarão na lembrança uma vez que a higiene e saúde não permitirão exageros ou excessos colocando em risco a sociedade. Um novo amanhã surgirá e virá com ímpeto e força para mudar conceitos, hábitos, realidades, a pobreza se tornará miserabilidade, e classe alta será a média e menos de um por cento poderá ser classificado de rico e sem comparação com remunerações de fora, já que o dólar elevado e ainda o euro não possibilitam qualquer quadro harmônico nesta direção.

Com toda a engrenagem paralisada, as montadoras sofrerão muito, e ainda as construtoras e incorporadoras,empresas de seguro, de locação de carros, barcos, navios, cruzeiros, turismo, enfim, uma gama inacreditável de serviços, comércio e indústria,e a tributação terá que ser revista dentro dos parâmetros do possível e do cogitável.

O real como moeda corrente está morto ninguém hoje utiliza mais notas miúdas, aliás  a casa da moeda nem fabrica dinheiro novo. lLogo teremos notas de 200 e 500 reais, além é óbvio da moeda digital cada vez mais frequente e fluente.

A realidade nua e crua será perversa e dependerá da injeção de ânimo do governo eis que meras eleições municipais são desacreditadas e pouco econômicas,que o Brasil saiba planejar e encontrar na educação, saúde e pesquisa o caminho mais curto e melhor para o seu amanhã.

Carlos Henrique Abrão (ativa) e Laércio Laurelli (aposentado) são Desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo.

19 comentários:

Anônimo disse...

NÃO ESQUENTA,DEVIDO A SUA OOPERAÇÃO COM OS TIPOS MAIS VARIADOS DE CRIMES E CAMBALACHOS, OS SEUS SALARIOS E PREVILÉGIOS MILIONARIOS CONTINUARÃO CAINDO,E POR N.AO EXISTIR QUARENTENA NAS BIQUEIRAS E CRACOLANDIAS O EXTRA DENTRO DO ENVELOPE DE PROPINA CHEGARA TAMBÉM.

Anônimo disse...

E os funcionarios publicos do Poder Judiciario são os que mais viajam em razão dos supersalarios.

Rogerounielo disse...

Infelizmente, para os funcionários públicos e todas as demais categorias profissionais, o COVID-19 está derrubando vários esqueletos do armário.

Um desses grandes esqueletos que está caindo do armário, por causa do COVID-19, PARA OS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS, se refere ao custo de R$ 750,9 BILHÕES (R$ 820,983 BILHÕES, quando atualizado pelo IPCA), com 11,4 MILHÕES DE SERVIDORES, da ATIVA, das esferas federal, estadual e municipal, O QUE CORRESPONDIA A 10,5% DO PIB, em 2017.

Esse custo de R$ 750,9 BILHÕES consta do “O ESTUDO TRÊS DÉCADAS DE EVOLUÇÃO DO FUNCIONALISMO PÚBLICO NO BRASIL (1986-2017)”, divulgado hoje (06/12/2019), pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), citado na matéria intitulada “FUNCIONALISMO CUSTA R$ 750,9 BILHÕES COM 11,4 MILHÕES DE SERVIDORES”, divulgada em 06/12/2019, por UOL ECONOMIA, no link https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2019/12/06/funcionalismo-custa-r-7509-bilhoes-com-114-milhoes-de-servidores.htm, que analisamos conforme transcrição a seguir, "revela que, em 2017, foram gastos R$ 750,9 bilhões com os servidores públicos ativos, o que corresponde a 10,5% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país) brasileiro".

A causa da queda desse esqueleto de R$ 750,9 bilhões está na matéria intitulada "RECEITA LÍQUIDA FEDERAL TEM QUEDA REAL DE 30% EM ABRIL", segundo a qual "Tombo da economia e diferimento de impostos (postergação do momento do recolhimento do imposto) explicam recuo", divulgada pelo Valor Econômico, em 12/05/2020, segundo a qual:

"A crise econômica provocada pela pandemia da covid-19 já ATINGIU FORTEMENTE A RECEITA DO GOVERNO FEDERAL. EM ABRIL, A ARRECADAÇÃO LÍQUIDA DOS TRIBUTOS DIRETAMENTE ADMINISTRADOS PELA RECEITA FEDERAL (EXCLUÍDA A CONTRIBUIÇÃO À PREVIDÊNCIA SOCIAL) CAIU MAIS DE 28% EM TERMOS NOMINAIS E CERCA DE 30% EM TERMOS REAIS (DESCONTADA A INFLAÇÃO), na comparação com o mesmo mês do ano passado, de acordo com dados preliminares obtidos pelo Valor".

Fonte - Link https://valor.globo.com/brasil/noticia/2020/05/12/receita-liquida-federal-tem-queda-real-de-30-em-abril.ghtml

Segue a análise para suas respectivas considerações.

Rogerounielo disse...

Receita líquida federal tem queda real de 30% em abril (vide matéria constante do item 3 abaixo) - “O ESTUDO TRÊS DÉCADAS DE EVOLUÇÃO DO FUNCIONALISMO PÚBLICO NO BRASIL (1986-2017), divulgado hoje (06/12/2019), pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), REVELA QUE, EM 2017, FORAM GASTOS R$ 750,9 BILHÕES COM OS SERVIDORES PÚBLICOS ATIVOS, O QUE CORRESPONDE A 10,5% DO PRODUTO INTERNO BRUTO. Como continuar com GASTOS DE R$ 750,9 BILHÕES com servidores públicos da ativa crescendo ao longo do tempo, por meio de AUMENTOS AUTOMÁTICOS DOS SALÁRIOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA ATIVA DAS ESFERAS FEDERAL, ESTADUAIS E MUNICIPAIS, SE A ARRECADAÇÃO FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL VAI CONTINUAR CAINDO, abruptamente, ao longo do tempo, para se ESTABILIZAR EM UM PATAMAR MUITO, MAS MUITO INFERIOR AO PATAMAR DE ARRECADAÇÃO observado ANTES DO INÍCIO DA CRISE SANITÁRIA??? “CORONAVAUCHER” vai ser ampliado para os SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS DA ATIVA QUE VÃO SER DEMITIDOS, EM MASSA, EM BREVE, SE O BRASIL PASSAR DO PONTO PARA IMPEDIR O COLAPSO, GENERALIZADO DE TODA A ECONOMIA BRASILEIRA, ABRINDO PAULATINAMENTE, COM SEGURANÇA, A ECONOMIA, POR MEIO DA FLEXIBILIZAÇÃO DO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL???


Observação: esta análise consta do arquivo “Receita líquida federal tem queda real de 30% em abril” e está disponível no Google Drive, pasta pública (WEB) “ECONOMIA DIGITAL - DIGITAL ECONOMY”, conforme link https://drive.google.com/drive/folders/0B-FB-YQZiRk8SEdQb1BYUTRQLXc?usp=sharing e no link https://rogerounielo.blogspot.com/2020/05/receita-liquida-federal-tem-queda-real.html

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

1. A conta do ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL está começando a chegar. E vai ser muito, mas muito salgada. Queda de 30% na receita líquida federal é, apenas, o começo, conforme matéria constante do item 3 abaixo.

1.1 Além da DEMISSÃO EM MASSA DE FUNCIONÁRIOS DE EMPRESAS PRIVADAS e da QUEBRADEIRA, GENERALIZADA, DE EMPRESAS, que já estão em andamento, o Brasil, também, vai passar pela DEMISSÃO EM MASSA DE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DAS ESFERAS FEDERAL, ESTADUAIS E MUNICIPAIS, SE O PAÍS PASSAR DO PONTO PARA IMPEDIR O COLAPSO, GENERALIZADO, DE TODA A ECONOMIA BRASILEIRA, ABRINDO PAULATINAMENTE, COM SEGURANÇA, A ECONOMIA, POR MEIO DA FLEXIBILIZAÇÃO DO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL.

1.1.1 Temos de um lado, queda de 30% na receita líquida federal, conforme matéria constante do item 3 abaixo. Por outro lado, “ICMS cai 19% em abril e SP prevê perda maior para maio e junho”, título de matéria do Valor Econômico, divulgada em 12/05/2020, no link https://valor.globo.com/brasil/noticia/2020/05/12/icms-cai-19-em-abril-e-sp-preve-perda-maior-para-maio-e-junho.ghtml, segundo o qual:

“O GOVERNO DE SÃO PAULO ARRECADOU POUCO MAIS DE R$ 11 BILHÕES DE ICMS EM ABRIL, RESULTADO 19% (OU R$ 2,6 BILHÕES) INFERIOR AO ESPERADO COM BASE NO MESMO PERÍODO DO ANO ANTERIOR (que é o que constava na previsão orçamentária)”

1.1.2 BREVEMENTE, OS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DA ATIVA, DAS ESFERAS FEDERAL, ESTADUAIS E MUNICIPAIS, ESTARÃO SENDO ATINGIDOS PELA REDUÇÃO, GENERALIZADA DE JORNADA DE TRABALHO E DE SALÁRIO, MAS NA MEDIDA QUE EM QUE A CRISE ECONÔMICA E FINANCEIRA DOS ENTES PÚBLICOS SE APROFUNDAR, SE O BRASIL PASSAR DO PONTO PARA IMPEDIR O COLAPSO, GENERALIZADO DE TODA A ECONOMIA BRASILEIRA, ABRINDO PAULATINAMENTE, COM SEGURANÇA, A ECONOMIA, POR MEIO DA FLEXIBILIZAÇÃO DO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, A SITUAÇÃO VAI EVOLUIR PARA DEMISSÃO, EM MASSA, DE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DAS ESFERAS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL.

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

1.1.3 Ou seja, está havendo QUEDA SINCRONIZADA DA ARRECADAÇÃO FEDERAL, DA ARRECADAÇÃO ESTADUAL E DA ARRECADAÇÃO MUNICIPAL, na medida em que o ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, se prolonga indefinidamente.

1.1.3.1 Brevemente os Estados do país, apesar de toda a ajuda federal por meio do “Orçamento de Guerra” (“socorro de R$ 120 bilhões – fonte – link https://www.istoedinheiro.com.br/a-guerra-do-orcamento) e por meio da quitação, este ano, de 90% de débito de R$ 81 bi com fundo educacional que se arrasta há cinco anos, conforme matéria intitulada “União quer pagar dívida para aliviar Estados”, divulgada pelo Valor Econômico, em 11/05/2020, disponível no link https://valor.globo.com/brasil/noticia/2020/05/11/uniao-quer-pagar-divida-para-aliviar-estados.ghtml, parcialmente reproduzida a seguir, terão União, Estados e municípios, que partir para a DEMISSÃO, EM MASSA, DE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DAS ESFERAS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL. ESSAS AJUDAS CITADAS ANTERIORMENTE E OUTRAS QUE SE POSSA ARQUITETAR NO CONGRESSO NACIONAL, NÃO SERÃO SUFICIENTES PARA COBRIR O DUPLO ROMBO NAS CONTAS PÚBLICAS GERADOS PELO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL E PELA BRUTAL DESACELERAÇÃO ECONÔMICA BRASILEIRA E MUNDIAL, MESMO COM O TÉRMINO DO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL (um rombo nas contas públicas da União e outro rombo nas contas públicas dos Estados), rombos esses QUE VÃO CRESCER, EM ESCALA EXPONENCIAL, NA MEDIDA QUE QUE A ARRECADAÇÃO FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL CAEM, ABRUPTAMENTE, com custos fixos de R$ 820,983 BILHÕES (gastos com os servidores públicos ativos, conforme item 1.2.1.1.3), por exemplo, SE O BRASIL PASSAR DO PONTO PARA IMPEDIR O COLAPSO, GENERALIZADO DE TODA A ECONOMIA BRASILEIRA, ABRINDO PAULATINAMENTE, COM SEGURANÇA, A ECONOMIA, POR MEIO DA FLEXIBILIZAÇÃO DO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL:

“Os efeitos da pandemia no agravamento da crise fiscal dos Estados levaram a União a propor um acordo para lhes pagar, ainda no exercício de 2020, 90% de uma dívida de R$ 81,3 bilhões cuja quitação se arrasta há mais de cinco anos. O montante, relativo a precatórios do Fundo Nacional de Desenvolvimento do Ensino Fundamental (Fundef), SERIA REPASSADO AOS GOVERNADORES MEDIANTE ABERTURA DE CRÉDITO EXTRAORDINÁRIO NO ORÇAMENTO, PARA INVESTIMENTO IMEDIATO NO COMBATE AO CORONAVÍRUS. EM TROCA, SEGUNDO DOCUMENTO AO QUAL O VALOR TEVE ACESSO, O GOVERNO FEDERAL QUER DESÁGIO ENTRE 30% E 40% E O ARQUIVAMENTO DE AÇÕES JUDICIAIS”.

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

1.2 Por mais paradoxal que possa parecer e que VAI CONTRA O SENSO COMUM, O GOVERNO FEDERAL DEVERIA FAZER CONTROLE RIGOROSO DE DESPESAS, NÃO GASTAR COMO SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ, DANDO AUMENTOS DE SALÁRIOS AUTOMÁTICOS PARA O FUNCIONALISMO PÚBLICO, CONFORME PRETENDE A CATEGORIA, POIS SIMPLESMENTE O BRASIL NÃO TERÁ DINHEIRO PARA DAR CONTINUIDADE AOS GASTOS NECESSÁROS PARA MANTER TODAS AS DIMENSÕES DE GASTOS FEDERAIS, ESTADUAIS E MUNICIPAIS, AO MESMO TEMPO. Prova DISSO É A QUEDA REAL DE 30% EM ABRIL DA RECEITA LÍQUIDA FEDERAL E QUE VAI SE ACENTUAR NOS PRÓXIMOS MESES, JUNTO COM O APROFUNDAMENTO DA QUEDA NA ARRECADAÇAO ESTADUAL E MUNICIPAL, conforme matéria transcrita no item 3 abaixo, mas felizmente o Presidente já informou para toda a sociedade que vai vetar os aumentos automáticos dos funcionários públicos:

“'Vamos atender 100% o Guedes', diz Bolsonaro sobre veto a reajuste de salário de servidores” - Presidente sanciona na quarta-feira pacote de ajuda a estados - Manoel Ventura e Marcelo Ribeiro, do Valor - 11/05/2020 - 19:19 / Atualizado em 11/05/2020 - 23:21 – Fonte – Link https://oglobo.globo.com/economia/vamos-atender-100-guedes-diz-bolsonaro-sobre-veto-reajuste-de-salario-de-servidores-24421594

1.2.1 NÃO SE LIDA COM ESSAS ADVERSIDADES (COLAPSO ECONÔMICO, em andamento, COLAPSO FINANCEIRO, em andamento, COLAPSO DO SISTEMA PRIVADO DE SAÚDE, em andamento, COLAPSO DO SISTEMA PÚBLICO DE SAÚDE, em andamento, e COLAPSO SOCIAL, em andamento, com todos referidos colapsos, citados anteriormente, ocorrendo ao mesmo tempo, conforme amplamente analisado no item 1.2.1.1 abaixo), DANDO AUMENTOS SALARIAIS AUTOMÁTICOS GENERALIZADOS PARA TODO O FUNCIONALISMO PÚBLICO e realizando gastos públicos, exagerados, NO VALOR DE R$ 184 BILHÕES, pretendido pelo “Centrão”, ao melhor estilo do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) concebido no governo Dilma Rousseff, considerando que tais recursos são necessários para impedir a concretização do COLAPSO DO SISTEMA PRIVADO DE SAÚDE, em andamento, e para impedir a concretização do COLAPSO DO SISTEMA PÚBLICO DE SAÚDE, em andamento, por exemplo.

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

1.2.1.1 IMPACTO DOS NOVOS CASOS DE PESSOAS QUE BUSCAM ATENDIMENTO NOS HOSPITAIS PÚBLICOS, EM FUNÇÃO DA FALÊNCIA DO SISTEMA PRIVADO DE SAÚDE, QUE, POR VIA DE CONSEQÜÊNCIA, VAI SOBRECARREGAR, DE FORMA EXPONENCIAL, O SISTEMA PÚBLICO DE SÁUDE, ELEVANDO EXPONENCIALMENTE O NÚMERO DE PESSOAS QUE VÃO MORRER, NOS HOPITAIS PÚBLICOS, POR CAUSAS NÃO RELACIONADAS AO CORONAVIRUS, POR QUE O SISTEMA PRIVADO DE SAÚDE COMO UM TODO PERDEU 70% DE SUA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO, EM FUNÇÃO DA MORTE DO SISTEMA PRIVADO DE SAÚDE, DA MORTE DE HOSPITAIS PARTICULARES, DA MORTE DE LABORATÓRIOS DE EXAMES, DA MORTE DE CLÍNICAS DE EXAMES POR IMAGEM, ETC. ETC., NA MEDIDA EM QUE O ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL SE PROLONGA INDEFINIDAMENTE: temos, em potencial, que o SISTEMA PÚBLICO DE SAÚDE, que já teria 450.480 (50%) das pessoas que morreriam buscando atendimento nos próprios hospitais públicos, em 2020, vai receber cerca de 70% (315.406) do movimento de pessoas que deixariam de ser atendidas pelo sistema privado de saúde, falido, NA MEDIDA EM QUE O ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL SE PROLONGA INDEFINIDAMENTE, passando o sistema público de saúde a atender cerca de 765.986 (450.480 + 315.406) pessoas há mais (315.406), em 12 (doze) meses, conforme análises contidas nas letras “A.1.1.1.2.1”, “A.1.1.1.2.1.A)”, “A.1.1.1.2.1.B)”, “A.1.1.1.2.1.C)”, “A.1.1.1.2.1.C.1)”, “A.1.1.1.2.1.D)”, “A.1.1.1.2.1.E)” e “A.1.1.1.2.1.E.1)”, abaixo, e no item 1.3.1.2.1, letras “C)”, “C.1)”, “D)”, “E)”, “E.1)”, abaixo. Por mortes em hospitais temos todos os tipos de situações como, por exemplo, pessoas atropeladas nas ruas que morrem em hospitais, idosos passando mal que morrem nos hospitais, acidentados, na rua ou em casa, que morrem nos hospitais, infartados em casa ou na rua, que morrem nos hospitais, pessoas com problemas respiratórios que morrem nos hospitais, gestantes que, ao dar a luz, morrem nos hospitais, pessoas com dengue, que morrem nos hospitais, vítimas de tentativas de homicídio que morrem nos hospitais, por exemplo. O RESULTADO DO PROLONGAMENTO INDEFINIDO DO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL VAI SER UMA TRAGÉDIA HUMANITÁRIA, SEM PRECEDENTE, NO BRASIL, se A PRODUÇÃO BRASILEIRA SE DESORGANIZAR, SE HOUVER O COLAPSO DE TODA A ECONOMIA BRASILEIRA E, POR VIA DE CONSEQUÊNCIA, SE HOUVER O ROMPIMENTO DO TECIDO SOCIAL E O COLAPSO SOCIAL, COM O POVO TENDO DINHEIRO NA MÃO, DAQUI A 30 DIAS, conforme estão afirmando empresários, o Presidente Jair Messias Bolsonaro e o Ministro da Economia Paulo Guedes, nessa visita ao STF, com a imprensa nacional negando informação de qualidade para toda a sociedade brasileira, “vendendo” análises e visões parciais ou ideológicas da realidade para todo o país em uma “música de uma nota só”, de forma bastante irresponsável – Fonte – Link https://rogerounielo.blogspot.com/2020/05/japao-estuda-outro-pacote-de-estimulo.html

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

1.2.1.2 O Governo Federal vai ter que fazer economia para priorizar os gastos públicos em áreas estrategicamente definidas para serem salvas como, por exemplo, disponibilizar gastos públicos para impedir a concretização do COLAPSO DO SISTEMA PRIVADO DE SAÚDE, em andamento, e impedir a concretização do COLAPSO DO SISTEMA PÚBLICO DE SAÚDE, em andamento, por exemplo???

1.3 Por que o socorro de R$ 120 bilhões (fonte – link https://www.istoedinheiro.com.br/a-guerra-do-orcamento) e a quitação, este ano, de 90% de débito de R$ 81 bi com fundo educacional NÃO SERÃO SUFICIENTES PARA COBRIR O DUPLO ROMBO NAS CONTAS PÚBLICAS GERADOS PELO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL E PELA BRUTAL DESACELERAÇÃO ECONÔMICA BRASILEIRA E MUNDIAL, MESMO COM O TÉRMINO DO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL (um rombo nas contas públicas da União e outro rombo nas contas públicas dos Estados), SE O BRASIL PASSAR DO PONTO PARA IMPEDIR O COLAPSO, GENERALIZADO DE TODA A ECONOMIA BRASILEIRA, ABRINDO PAULATINAMENTE, COM SEGURANÇA, A ECONOMIA, POR MEIO DA FLEXIBILIZAÇÃO DO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL??? Façamos contas???

1.3.1 Conforme matéria transcrita no item 2 abaixo, intitulada “Funcionalismo custa R$ 750,9 bilhões com 11,4 milhões de servidores”, “EM 32 ANOS, O FUNCIONALISMO PÚBLICO FOI AMPLIADO EM 123%”.

1.3.1.1 “O ESTUDO TRÊS DÉCADAS DE EVOLUÇÃO DO FUNCIONALISMO PÚBLICO NO BRASIL (1986-2017)”, divulgado hoje (06/12/2019), pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), citado na matéria transcrita no item 2 abaixo, intitulada “Funcionalismo custa R$ 750,9 bilhões com 11,4 milhões de servidores”, REVELA QUE, EM 2017, FORAM GASTOS R$ 750,9 BILHÕES COM OS SERVIDORES PÚBLICOS ATIVOS, O QUE CORRESPONDE A 10,5% DO PRODUTO INTERNO BRUTO (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país) brasileiro”.

1.3.1.1.1 Atualizando os R$ 750,9 BILHÕES de gastos com os servidores públicos ativos, citado no item anterior, de 31/12/2017 a 03/2020, pelo IPCA, esse valor é de R$ 820.983.974.970,00 (R$ 820,983 BILHÕES).

1.3.1.1.2 Portanto, em 2017, o gasto com servidores públicos ativos foi de R$ 68.415.331.247,50 (R$ 68,415 BILHÕES), por mês. De 2017 para cá esse gasto, no mínimo, ficou igual ou aumentou. Muita gente pensa, assim como eu pensava, até ver esse estudo, que grande parte dos R$ 820,983 BILHÕES COM OS SERVIDORES PÚBLICOS ATIVOS (CORRESPONDE A 10,5% DO PRODUTO INTERNO BRUTO), em 2017, estava concentrado na União Federal. Ledo engano.

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

1.4 “O ESTUDO TRÊS DÉCADAS DE EVOLUÇÃO DO FUNCIONALISMO PÚBLICO NO BRASIL (1986-2017), divulgado hoje (06/12/2019), pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), conforme matéria transcrita no item 2 abaixo, intitulada “Funcionalismo custa R$ 750,9 bilhões com 11,4 milhões de servidores”, revela que “APENAS UM EM CADA DEZ SERVIDORES PÚBLICOS É DA ESFERA FEDERAL”:

A) “No entanto, APENAS UM EM CADA DEZ SERVIDORES PÚBLICOS É DA ESFERA FEDERAL. O AUMENTO NO FUNCIONALISMO PÚBLICO ESTÁ CONCENTRADO NOS MUNICÍPIOS. NO PERÍODO ANALISADO, O NÚMERO SERVIDORES MUNICIPAIS CRESCEU 276%, DE 1,7 MILHÃO PARA 6,5 MILHÕES, ENQUANTO O AUMENTO FOI DE 50% NA ESFERA ESTADUAL E DE 28% NA ESFERA FEDERAL, INCLUINDO CIVIS E MILITARES”;

B) “No caso dos municípios, diz o estudo, 40% das ocupações correspondem aos profissionais dos serviços de educação ou saúde como professores, médicos, enfermeiros e agentes de saúde”;

C) "De 1986 a 2017, o total de vínculos no Poder Executivo — somando todos os níveis federativos — passou de 5 milhões para 11,1 milhões, um aumento de 115%. No Poder Legislativo, o crescimento foi de 436%, de 51 mil para 275 mil vínculos de trabalho. No Poder Judiciário, houve a maior expansão relativa, de 512%. O total de vínculos passou de 59 mil para 363 mil", aponta o levantamento”.

1.5 Dessa forma, chegou o momento histórico em que o EXCESSO DE TAMANHO DO ESTADO, implementado por anos a fio, com base EM POLÍTICA DE ESTADO DESENVOLVIMENTISTA, IRRESPONSÁVEL A NOSSO VER, não mais poderá ser CUSTEADO PELOS COFRES PÚBLICOS E PELOS CONTRIBUINTES (pessoas físicas e pessoas jurídicas), que pagam impostos para manter uma ESTRUTURA INCHADA, INEFICIENTE E IMPRODUTIVA, que custou R$ 820,983 BILHÕES, apenas, em 2017, conforme itens 1.3.1, 1.3.1.1, 1.3.1.1.1 e 1.3.1.1.2, anteriores, muito “paparicada” pelo “mundo político”, em função do potencial de votos dos próprios servidores públicos ativos e de seus familiares, SE O BRASIL PASSAR DO PONTO PARA IMPEDIR O COLAPSO, GENERALIZADO DE TODA A ECONOMIA BRASILEIRA, ABRINDO PAULATINAMENTE, COM SEGURANÇA, A ECONOMIA, POR MEIO DA FLEXIBILIZAÇÃO DO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL???

Continua

Rogerounielo disse...

Continua

1.5.1 Infelizmente, o Brasil vai ter que implementar POLÍTICAS PÚBLICAS, NOS NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAIS e MUNICIPAIS, para DEMISSÃO, EM MASSA DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS, ESTADUAIS E MUNICIPAIS, colocando referidos servidores públicos federais, estaduais e municipais, para receber o “CORONAVAUCHER”, para que os próprios servidores públicos e suas famílias não passem fome, SE O BRASIL PASSAR DO PONTO PARA IMPEDIR O COLAPSO, GENERALIZADO DE TODA A ECONOMIA BRASILEIRA, ABRINDO PAULATINAMENTE, COM SEGURANÇA, A ECONOMIA, POR MEIO DA FLEXIBILIZAÇÃO DO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL. Seria um processo que não seria nada “bonito”.

1.5.1.1 Pelo contrário. Seria um processo de DEMISSÃO, EM MASSA DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS, ESTADUAIS E MUNICIPAIS bastante doloroso e conflituoso e muito longe do “sonho dourado” do funcionalismo público da ativa de receber aumentos automáticos, para sustentar o seu padrão de vida, ENQUANTO O RESTANTE DA SOCIEDADE DERRETE NO CAOS ECONÔMICO GERADO PELO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, SE O BRASIL PASSAR DO PONTO PARA IMPEDIR O COLAPSO, GENERALIZADO DE TODA A ECONOMIA BRASILEIRA, ABRINDO PAULATINAMENTE, COM SEGURANÇA, A ECONOMIA, POR MEIO DA FLEXIBILIZAÇÃO DO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL.

1.5.1.1.1 O “PÁSSARO” (SOBREVIVÊNCIA HUMANA) necessita de duas asas para voar. A “ASA DA SAÚDE” e a “ASA DA ECONOMIA”.

1.5.1.1.2 Infelizmente, no Brasil, as pessoas anda continuam pensando, iludidas pela realidade desconhecida que as aguarda, em pouco tempo, de que apenas, com a “ASA DA SAÚDE” vão conseguir sobreviver, se esquecendo de que se descuidando da “ASA DA ECONOMIA”, que está indo rapidamente para o COLAPSO TOTAL, vão conseguir sobreviver. Pois é. Ledo engado.

1.5.1.1.3 A conta da “ASA DA ECONOMIA” quebrada já está chegando para as pessoas físicas do setor privado, na forma de DESEMPREGO EM MASSA, para as pessoas jurídicas do setor privado, na forma de QUEBRADEIRA EM MASSA DE EMPRESAS e para o setor público das esferas federal, estaduais e municipais, na forma de DEMISSÃO EM MASSA DO FUNCIONALISMO PÚBLICO DAS ESFERAS FEDERAL, ESTADUAIS E MUNICIPAIS, SE O BRASIL PASSAR DO PONTO PARA IMPEDIR O COLAPSO, GENERALIZADO DE TODA A ECONOMIA BRASILEIRA, ABRINDO PAULATINAMENTE, COM SEGURANÇA, A ECONOMIA, POR MEIO DA FLEXIBILIZAÇÃO DO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL.

Continuação

Rogerounielo disse...

Continua

1.6 Não nos iludamos os que pensam que o Brasil pode “imprimir dinheiro” ou imprimir R$ 820,983 BILHÕES, por ano, para sustentar o EXCESSO DE TAMANHO DO ESTADO, implementado por anos a fio, com base EM POLÍTICA DE ESTADO DESENVOLVIMENTISTA, considerando que OS COFRES PÚBLICOS E OS CONTRIBUINTES (pessoas físicas e pessoas jurídicas), não seriam mais serão capazes de pagar impostos, no valor de R$ 820,983 BILHÕES para custear R$ 820,983 BILHÕES com funcionários públicos da ativa, conforme itens 1.3.1, 1.3.1.1, 1.3.1.1.1 e 1.3.1.1.2, anteriores, muito “paparicada” pelo “mundo político”, em função do potencial de votos dos próprios servidores públicos ativos e de seus familiares, pois tal processo de impressão, ANUAL, de dinheiro, no valor de R$ 820,983 BILHÕES, para custear R$ 820,983 BILHÕES com funcionários públicos da ativa, geraria HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE, que destruiria toda a economia brasileira em cerca de 20 (vinte) meses, conforme análise contida no item seguinte, SE O BRASIL PASSAR DO PONTO PARA IMPEDIR O COLAPSO, GENERALIZADO DE TODA A ECONOMIA BRASILEIRA, ABRINDO PAULATINAMENTE, COM SEGURANÇA, A ECONOMIA, POR MEIO DA FLEXIBILIZAÇÃO DO ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL.

1.6.1 Com uma hiperinflação, real, de 50% AO ANO, se houver o COLAPSO, generalizado, das empresas que GERAM OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS, gerando, por sua vez, ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS e com a ESCASSEZ DE PRODUTOS E SERVIÇOS a HIPERINFLAÇÃO GALOPANTE, no Brasil, DA ORDEM DE 50% AO ANO, essa hiperinflação, real, de 50% AO ANO, diminuiria o poder de compra do “CORONAVAUCHER” recebido pela população, em R$ 300,00 POR ANO e lá por agosto do ano seguinte, essa POPULAÇÃO DE 120 MILHÕES DE PESSOAS TERIA PERDIDO 100% EM PODER DE COMPRA DO “CORONAVAUCHER” de R$ 600,00;

Continuação

Rogerounielo disse...

Continuação

1.6.1.1 Mais detalhes sobre as considerações acima, obséquio consultar a análise “Diferentemente de outras crises, desta vez os bancos são parte da solução, diz presidente do Itaú - O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO não vai escapar do COLAPSO DA ECONOMIA BRASILEIRA E MUNDIAL, em função dos RESULTADOS ECONÔMICOS DEVASTADORES, descritos nos itens 3.1 a 3.19, do arquivo “DESCENTRALIZAÇÃO DA INTERNET no mundo - 02.05.2020.docx”, disponível no Google Drive, pasta pública (WEB) “ECONOMIA DIGITAL - DIGITAL ECONOMY”, conforme link https://drive.google.com/drive/folders/0B-FB-YQZiRk8SEdQb1BYUTRQLXc?usp=sharing e no link https://rogerounielo.blogspot.com/2020/05/esta-analise-esta-dividida-em-varios.html

2. Início da transcrição da matéria:

Funcionalismo custa R$ 750,9 bilhões com 11,4 milhões de servidores

Em 32 anos, o funcionalismo público foi ampliado em 123% Imagem: Shutterstock

O estudo Três Décadas de Evolução do Funcionalismo Público no Brasil (1986-2017), divulgado hoje (06/12/2019), pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), revela que, em 2017, foram gastos R$ 750,9 bilhões com os servidores públicos ativos, o que corresponde a 10,5% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país) brasileiro.

Agência Brasil 06/12/2019 17h40

Segundo a pesquisa, em 32 anos, o funcionalismo público ampliou-se em 123% e o número total de vínculos subiu de 5,1 milhões para 11,4 milhões. De acordo com o Ipea, o mercado de trabalho formal no setor privado teve crescimento de 95% no total de vínculos, no mesmo período.

No entanto, apenas um em cada dez servidores públicos é da esfera federal. O aumento no funcionalismo público está concentrado nos municípios. No período analisado, o número servidores municipais cresceu 276%, de 1,7 milhão para 6,5 milhões, enquanto o aumento foi de 50% na esfera estadual e de 28% na esfera federal, incluindo civis e militares.

No caso dos municípios, diz o estudo, 40% das ocupações correspondem aos profissionais dos serviços de educação ou saúde como professores, médicos, enfermeiros e agentes de saúde.

Continua

Rogerounielo disse...

Continua

"De 1986 a 2017, o total de vínculos no Poder Executivo — somando todos os níveis federativos — passou de 5 milhões para 11,1 milhões, um aumento de 115%. No Poder Legislativo, o crescimento foi de 436%, de 51 mil para 275 mil vínculos de trabalho. No Poder Judiciário, houve a maior expansão relativa, de 512%. O total de vínculos passou de 59 mil para 363 mil", aponta o levantamento.

Remuneração

Em 2017, os dados mostram que permanece grande a discrepância na remuneração dos três níveis federativos. Apesar de representarem 60% dos vínculos do setor público, os servidores municipais ganham, em média, três vezes menos que os federais.

No Executivo federal, a remuneração média foi de R$ 4,8 mil em 1986 para R$ 8,5 mil, em 2017. No Executivo estadual, a remuneração média passou de R$ 3,6 mil para R$ 4,6 mil. No Executivo municipal, a remuneração média passou de aproximadamente R$ 2 mil para R$ 2,8 mil.

Na comparação entre os Três Poderes, o Judiciário tem os maiores salários. Em 2017, a remuneração média do Judiciário foi de R$ 12.081; no Legislativo, de R$ R$ 6.025, e no Executivo, de R$ 3.895.

A remuneração do Judiciário federal passou de R$ 7,4 mil em 1986 para R$ 14,1 mil, em 2017. No Judiciário estadual, a remuneração mensal média passou de R$ 5,8 mil para R$ 10,8 mil.

Nos 32 anos de análise da série histórica, as mulheres continuam ganhando menos que os homens, em todos os níveis.

"Uma explicação possível para tal situação é que, provavelmente, elas estão predominantemente em ocupações com menor remuneração (uma vez que respondem pela maior parte das vagas nas áreas de saúde e educação). A média salarial dos homens era 17,1% superior à das mulheres em 1986, diferença que subiu para 24,2% em 2017", diz o estudo do Ipea.

Continuação

Rogerounielo disse...

Continuação

O levantamento mostrou também que houve aumento na escolaridade dos servidores públicos em todos os níveis da administração. Em 2017, 47% dos servidores públicos tinham nível superior completo, bem acima dos 19% com esse nível de escolaridade em 1986.

Atlas

A nova versão do Atlas do Estado Brasileiro também foi divulgada hoje. A plataforma interativa traz dados sobre a estrutura e a remuneração no serviço púbico federal, estadual e municipal do Executivo, Legislativo e Judiciário.

Fonte – Link https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2019/12/06/funcionalismo-custa-r-7509-bilhoes-com-114-milhoes-de-servidores.htm

3. Início de transcrição da matéria:

RECEITA LÍQUIDA FEDERAL TEM QUEDA REAL DE 30% EM ABRIL

Tombo da economia e diferimento de impostos (postergação do momento do recolhimento do imposto) explicam recuo

Por Ribamar Oliveira -- De Brasília 12/05/2020 05h00 · Atualizado

A crise econômica provocada pela pandemia da covid-19 já ATINGIU FORTEMENTE A RECEITA DO GOVERNO FEDERAL. EM ABRIL, A ARRECADAÇÃO LÍQUIDA DOS TRIBUTOS DIRETAMENTE ADMINISTRADOS PELA RECEITA FEDERAL (EXCLUÍDA A CONTRIBUIÇÃO À PREVIDÊNCIA SOCIAL) CAIU MAIS DE 28% EM TERMOS NOMINAIS E CERCA DE 30% EM TERMOS REAIS (DESCONTADA A INFLAÇÃO), na comparação com o mesmo mês do ano passado, de acordo com dados preliminares obtidos pelo Valor.

Fonte - Link https://valor.globo.com/brasil/noticia/2020/05/12/receita-liquida-federal-tem-queda-real-de-30-em-abril.ghtml

Continua

Rogerounielo disse...

Continuação

4. Observação: esta análise consta do arquivo “Receita líquida federal tem queda real de 30% em abril” e está disponível no Google Drive, pasta pública (WEB) “ECONOMIA DIGITAL - DIGITAL ECONOMY”, conforme link https://drive.google.com/drive/folders/0B-FB-YQZiRk8SEdQb1BYUTRQLXc?usp=sharing e no link https://rogerounielo.blogspot.com/2020/05/receita-liquida-federal-tem-queda-real.html

Fim

Rogerounielo disse...

1. Existe uma “GUERRA DE TODOS CONTRA TODOS”, envolvendo, apenas, no momento, os integrantes dos três poderes, com farta munição sendo fornecida pela imprensa para, apenas, um dos três grupos que guerreiam.

1.1 Observando a “GUERRA DE TODOS CONTRA TODOS”, envolvendo, apenas, no momento, os integrantes dos três poderes, vê-se, claramente, que o Poder Judiciário (STF, Sérgio Moro e a Polícia Federal), se uniram com a IMPRENSA, para atacar o PODER EXECUTIVO, de frente.

1.1.1 O PODER LEGISLATIVO, que estava unido, também, com o STF, para atacar o PODER EXECUTIVO, se dividiu em dois PELOTÕES e um desses PELOTÕES está defendendo o PODER EXECUTIVO DO ATAQUE DOS DEMAIS, por enquanto.

2. Entretanto, está em andamento a formação de outra guerra, silenciosa, com a aglomeração dos soldados podendo já ser vista não muito longo, logo ali.

2.1 São os “SOLDADOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DA ATIVA”, das esferas federal, estaduais e municipais, que, juntamente com os “MILHÕES DE SOLDADOS JÁ DESEMPREGADOS” E OS “OUTROS MILHÕES DE SOLDADOS QUE SERÃO DEMITIDOS”, nos próximos meses, em função do APROFUNDAMENTO DO COLAPSO DA ECONOMIA BRASILEIRA, gerado pelo ISOLAMENTO SOCIAL TOTAL, que vão se juntar em uma “ÚNICA MASSA SOCIAL DE SOLDADOS DESESPERADOS”, sem emprego, sem renda, sem sistema de saúde privada e/ou sem sistema de saúde pública, PROFUNDAMENTE INSATISFEITOS com os integrantes dos poderes legislativo, executivo e judiciário, “TURBA DE SOLDADOS” que não terá ideologia política de nenhuma espécie, para “PROMOVER UMA GUERRA DESSA ÚNICA MASSA SOCIAL DE SOLDADOS DESESPERADOS” contra os INTEGRANTES DOS TRÊS PODERES.

3. Essa “GUERRA DE TODOS CONTRA TODOS” envolvendo, apenas, no momento, os integrantes dos três poderes, SERIA MAIS OU MENOS COMO UM GRUPO DE PESSOAS QUE ESTÁ NO MEIO DE UMA FLORESTA DENSA, SECA, COM VÁRIOS FOCOS GRANDES DE INCÊNDIO AO REDOR, MAS AO INVÉS DOS INTEGRANTES DOS TRÊS PODERES COMBATEREM O FOGO, ESTÃO BRIGANDO ENTRE SI e, daqui a pouco, vão ser “TODOS QUEIMADOS VIVOS”, no meio da floresta, por labaredas que já se alastram ao redor de todos os integrantes dos três poderes, ao mesmo tempo:

a) foco de “FOGO DO COLAPSO ECONÔMICO, em andamento, prestes a se tornar, RAPIDAMENTE, uma LABAREDA ENORME e INCONTROLÁVEL;

b) foco de “FOGO DO COLAPSO FINANCEIRO”, em andamento, prestes a se tornar, RAPIDAMENTE, uma LABAREDA ENORME e INCONTROLÁVEL;

c) foco de FOGO DO COLAPSO DO SISTEMA PRIVADO DE SAÚDE”, em andamento, prestes a se tornar, RAPIDAMENTE, uma LABAREDA ENORME e INCONTROLÁVEL;

d) foco de “FOGO DO COLAPSO DO SISTEMA PÚBLICO DE SAÚDE”, em andamento, prestes a se tornar, RAPIDAMENTE, uma LABAREDA ENORME e INCONTROLÁVEL;

e) foco de “FOGO DO COLAPSO SOCIAL”, em andamento, prestes a se tornar, RAPIDAMENTE, uma LABAREDA ENORME e INCONTROLÁVEL.

Fim

Rogerounielo disse...

OS INTEGRANTES DOS TRÊS PODERES AINDA NÃO CAÍRAM NA REAL, mas vão cair na real já já.

Espero que os INTEGRANTES DOS TRÊS PODERES não sejam "AUTISTAS" e esperem a “ÚNICA MASSA SOCIAL DE SOLDADOS DESESPERADOS”, sem emprego, sem renda, sem sistema de saúde privada e/ou sem sistema de saúde pública, bater na porta das suas casas ou apartamentos de luxo, ameaçando de morte suas excelências e os familiares de suas excelências, para PEGAR COMIDA NA GELADEIRA, pegar o celular para pedir comida e fazerem um trabalho em casa com toda a tranquilidade daqueles que do conforto dos seus lares, PARA PERCEBEREM O GRAVE PERIGO QUE OS RONDA, por não terem, ainda, enquanto brigam por poder e mordomias, a mínima ideia do que suas decisões estão gerando e quais vão ser as consequências sociais, NEGRAS, que estão gestando no útero da imprevidência de visão do todo, para eles mesmos e para suas famílias.

Fim

Anônimo disse...

Que amanhã meu caro? Cai na real! Está tudo colapsando e as relações de consumo e pessoas estão muito ruins.