sexta-feira, 1 de maio de 2020

Dia do Trabalho



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli

Enquanto sórdida mídia conta cadáveres mesmo insepultos, o mundo convive com novas regras fruto da pandemia que regrará o amanhã. É bem verdade que o trabalho não será fruto de relações permanentes mas a cada dia que passa o virtual ganhará força e o mundo uberiano será uma realidade.

Significa dizer que tal qual ocorre no serviço do fornecimento de mão de obra, as constatações estão a indicar que o trabalho somente produzirá remuneração quando for realizado, e assim também em relação ao período de benefícios trabalhistas,com simetria com o servidor público.

Pouco ou quase nada há para se comemorar. Saímos de uma reforma trabalhista recente, porém a pandemia deixará estatísticas jamais vistas no território brasileiro, com a possibilidade de desemprego chegar à casa de 20 milhões de brasileiros e a economia informal bater a casa de 35 milhões, o que resulta claro: o emprego será exceção à regra e o desemprego ou relação informal o domínio da maioria.

Marcharemos em direção à reconstrução da Nação e da luta da classe trabalhadora com especial atenção dos que menos tem e dos que mais precisam em habitações indignas, sem saneamento ou fornecimento dos serviços essenciais.

Quiçá esta pandemia diminua as distancias entre ricos e pobres e oportunize convívio ameno e menos polarizado entre esquerda e direita, já que nenhuma delas resolve ou indica solução para os graves problemas nacionais.

O mundo do trabalho não será mais o mesmo, distâncias, equipamentos de proteção, máscaras, uma guerra ainda não finalizada para se derrotar perigoso vírus e marcar o século da revolução tecnológica como sendo uma diretriz dedicada à saúde, higiene e hábitos mais adequados para o planeta contando com mais de 7 bilhões de habitantes.

O momento não é otimista mas também não será pessimista se vislumbrarmos no tema um grande desafio para que todos juntam solidariedade e confiem em distribuição melhor de renda e proporcionem benefícios sociais à altura da sociedade.

Emprego com carteira assinada será uma loteria e as grandes empresas preferirão o modelo sem vinculo e de terceirização com robótica e inteligência artificial, até para preservar a saúde e livrarmos de ambientes insalubres ou desgastes para o organismo fragilizado econômica e socialmente.

Aplaudamos as reformas e confiramos o prognóstico já que  o fim do emprego é um prenúncio de novas ferramentas para o empreendedorismo e nichos que faltam para o País sair da casta privilegiada de poucos e alcançar o justo e necessário padrão internacional de nivelamento humano.

Carlos Henrique Abrão (ativa) e Laércio Laurelli (aposentado) são Desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

3 comentários:

Loumari disse...

Esta vossa obsessão por Lula já prova claramente como vocês são gentes das mais obscenas. Esta vossa devassidão mostra claramente quão estão atormentados e o vosso tormento vos torna indivíduos tão atormentados por uma obsessão diabólica.

Loumari disse...

Sankara Thomas disse: "Meu pai sempre me disse: dependemos dos maiores, mas sempre precisamos dos pequenos. Quando o dilúvio chega, os peixes comem formigas e quando as inundações se dissipam, as formigas comem peixe, só o tempo importa. Para fazer sabão, o óleo é necessário, mas para limpar o óleo é preciso sabão."
É a ironia da vida. Ninguém é auto-suficiente. Todo mundo precisa de alguém a qualquer momento. Não despreze ou trate as pessoas de maneira ruim.
Ninguém sabe o que será feito amanhã.

Bom dia

Para meditar. ✍🏾

Anônimo disse...

O presidiário Lula já estaria no fundo do xilindró se Rodrigo Suíno votasse no Congresso a retificação da lei em segunda instância.Também existe obstinada decisão de Gilmar Mendes de anular o julgamento do #Luladrão,no momento esperando dia 5 o resultado dos embargos no STJ.Querem a distração, o deixar passar despercebido,Cunha em casa, passou sorrateiro.Moro servirá de isca??