domingo, 17 de maio de 2020

Patologia e Desgoverno



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli

Fatos curiosos se sucedem no horizonte do País, com radicalização e polarizar de sentimentos influenciando a patologia do vírus e aumentando o descrédito no desgoverno. Nunca assistimos esses fatos antes, com tanto barulho e pouco glamour: o período de isolamento na casa de dois meses e sem a perspectiva de terminar para recomeçarmos a temperança de um novo mundo planetário.

A grande e sensacionalista mídia somente se ocupa e preocupa com estatísticas da civilização que empunha a bandeira da morte e da catástrofe, milhões de
empregos perdidos, além de uma sobrecarga enorme no Estado. Seria fundamental emissão de papel moeda, e a retirada de metade das reservas 159 bilhões de dólares para combatermos as mazelas do desaquecimento do parque industrial, e morte súbita de micro e pequenas empresas, além, é claro, da fuga em massa do capital estrangeiro,retirando mais de dez bilhões da bolsa nos últimos dois meses.

Somam-se desgovernos, críticas infundadas, tratamento, ministros da saúde colocando cargos à disposição e a saúde mental dos que dirigem o País
necessita ser avaliada o mais rapidamente possível, pois parece brincadeira o gasto imoral feito sem imediata consequência na redução do número de óbitos.

Qual será o futuro da Nação brasileira? Otimista ou pessimista a marcha da miserabilidade prosseguirá talvez apimentada com um pouco mais de realidade combinada com solidariedade. As poucas luzes acesas demonstram que nossos governantes, quase todos, estão despreparados, desconhecem mínimas regras de isolamento, atividades essenciais, e o revezamento de estabelecimentos, alguns abrem em determinadas semanas e outros funcionam como rodízio.

No entanto, e sempre confundido, criaram um funil de agonia, melancolia e total desprezo à população dando as costas à sociedade civil impregnada de indignação e sentimentos desesperanças. Ficarão os muitos brasileiros no exterior, o mercado estrangeiro se fechará, qual será o tratamento dispensado à China, teremos dinheiro em caixa para obras necessárias?

São questões fundamentais, além daquela do adiamento da eleição municipal já prejudicada pelo calendário e várias questões envolvendo os seus candidatos.
Cuidemos da patologia sem esquizofrenia e imbecilidades as mais deploráveis as quais participam de uma Nação sem civilização e muito pouca instrução intelectual e cultural daqueles que nos governam.

Carlos Henrique Abrão (ativa) e Laércio Laurelli (aposentado) são Desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Nenhum comentário: