sexta-feira, 31 de julho de 2020

Deus vai cuidar dos censores!


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter - @alertatotal

O pandemônio do Kung Flu só será contido pelo ritmo da natureza, até que se tenha uma vacina eficaz. Enquanto isso, a economia terá de ser retomada pelo livre esforço dos empreendedores. A gente torce, inutilmente, para que os Mecanismos estatais não atrapalhem, nem sabotem. Mas não adianta: a maioria dos políticos não ajuda. Pior, atrapalha, sabota. Felizmente, alguns somem, já que não somam...

Uma hora o ex-Presidente reaparece nas redes sociais, sobretudo no Twitter. Talvez esteja muito ocupado, se divertindo, namorando ou curtindo a vida boa em Paris. Uma hora ele vem com um encantador artigo, defendendo o indefensável: a "onestidade" do tucanalhas. José Serra e Geraldo Alckmin, denunciados por corrupção, aguardam sua palavra de solidariedade. Abandonar os amigos em tempos de dificuldades é traição.

Enquanto isso, o Ministro Luís Roberto Barroso disse que tem mais medo da mediocridade do que do autoritarismoPois a coisa é bem mais grave: o Brasil vive tempos de mediocridade, autoritarismo, injustiça, impunidade, corrupção, covardia e extremismos burros. O fato grave é que membros da Corte Suprema do Brasil, colegas do Barroso, têm contribuído para o caos institucional. O STF “editor da sociedade” e “interpretador” da Constituição vilã de 1988 transformou-se em um problema.

Além do STF interventor, todos os radicalóides atrapalham. É burrice tática perseguir e difamar o Filipe Neto. O garotão é um ídolo progressista. Sem vivência para falar de política. Merece ser criticado por isso. Mas agredi-lo o transforma em vítima e, pelo prestígio que já tem, em super herói. Nada disso agrega à causa conservadora.

O senador Lasier Martins detona: “O STF abriu inquérito para investigar ataques ao próprio tribunal. É vítima, acusação e juiz do processo. Também fomos avisados de que o Supremo é o editor do Brasil, para evitar que circulem opiniões ‘erradas’. Estão exorbitando de suas funções. Isso é a suprema desmoralização”.

Uma magistrada crítica dos atos de abuso de poder no Judiciário, a juíza Ludmila Lins Grilo, traz uma boa novidade: “O livro O inquérito do fim do mundo trará artigos técnicos de vários juristas brasileiros, que analisarão o inquérito do STF à luz do Direito pátrio. O prefácio será de um grande escritor, com uma brilhante exposição sobre semelhantes processos da União Soviética de Stálin”.

O jogo bruto é de poder. O STF mostra quem segue mandando. Por Ordem suprema, o Twitter tirou do ar as contas abertas no exterior pelos censurados no inquérito secreto. Se isso não é ditatoga, nada é. A extrema mídia acha bonitinho. Até o dia em que ela for censurada pelo establishment.

Esquisito. Comentário meu “apagou” numa rede social? Sem problema. Eu repeti: O General Antônio Hamilton Mourão está certo ao criticar modus operandi do Mecanismo contra o governo Jair Bolsonaro. A jogada é manjada: Um parlamentar ou partido de oposição aciona o STF. E a Corte Suprema intervém em ato do Poder Executivo. Isso é Ditatoga!

 

Nem o Ato Institucional 5, de 1968, seria tão eficaz para praticar censura institucional como ocorre atualmente. A Constituição de 1988 e a jurisprudência do STF estão rasgadas pelo ato de censura cometido pelo ministro Alexandre de Moraes. Isto precisa ser denunciado internacionalmente.

Tenho nojo da censura. Canso de ser vítima dela, inclusive da econômica, que tenta impedir meu livre exercício do jornalismo desde 1983. Não me calarei. A internet nasceu para ser livre. Eu pratico a liberdade responsável. Censores, a Justiça de Deus será implacável com vocês. Nec plus ultra!



 

Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 


©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 31 de Julho de 2020.

SACOCHEIOL

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Carlos Maurício Mantiqueira

Está todo mundo farto. A montanha , um rato apenas terá por parto ?

Será que os coveiros do covid terão infarto ?

Há remédio pra tamanho tédio ?

Que falta faz ao vulgo o ludopédio !

Sofremos toda hora ilegal assédio.

Multa em multa o canalhinha enche a catapulta.

Menos mal que conhecemos sua face oculta.

Filhos da pauta que castigos não lhes falta.

Deixemos isso bem claro; falemos em voz alta.

Como os fogos Caramuru, na represália não há chabu.

Como o pirarucu quando cai na rede, modere seu afã e não vá ao pote com tanta sede.

Um idiota do partido da perda total, prometeu, se eleito, roubar “pouco”.

Será expulso da sigla por não saber pensar “grande” .

Afinal, como vemos no telejornal, são protegidos pelo cabeça de tênis.

Este papo já encheu. Cada um cuide do seu.

Se a Onça sair da toca, ninguém mais fará fofoca.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Inimigos do Povo

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Antônio José Ribas Paiva

O Estado existe para proteger as pessoas.

Política é o que fazer, por quem tem o poder necessário. 

O Estado não está protegendo os cidadãos, porque os governadores, que têm o poder necessário , estão protegendo o crime e enfraquecendo a polícia, com salários aviltantes, falta de meios, e desativando unidades.

As delegacias de polícia viraram meros cartórios de ocorrências, porque não têm como investigar os crimes, por falta de meios e pessoal.

As polícias militares são impedidas de combater o crime, com ameaças de processos e prisões de policiais , que atiram em bandidos, em legítima defesa da sociedade.

É preciso deixar claro, que submeter o povo ao crime, imobilizando a ação policial, é crime de responsabilidade, punível com a perda do mandato e outras sanções.

A ORDEM PÚBLICA É O PATRIMÔNIO JURÍDICO MAIS IMPORTANTE PARA A SOCIEDADE, cuja defesa é impossível sem polícias adequadamente remuneradas, treinadas e equipadas.

Senhores governadores, cumpram os seus deveres constitucionais, protejam as pessoas, ou serão rotulados como aliados do crime e, certamente responderão por isso!!!

Antônio José Ribas Paiva, Advogado e Presidente do Nacional Club, é pré-candidato a Prefeito de São Paulo pelo PTC.

quinta-feira, 30 de julho de 2020

Riscos para 27 mil pessoas físicas acionistas do IRB


2ª Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter - @alertatotal

A B3 (Bolsa de Valores de São Paulo) e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) devem reavaliar seus regramentos quanto ao aluguel de ações durante o aumento de capital de qualquer empresa listada. Os investidores pessoa física Romano Alegro e Júlio Souza enviaram um manifesto ao mercado, pedindo ao Instituto de Resseguros do Brasil (IRB Brasil-RE), à CVM e à B3 que suspendam, imediatamente, o aluguel de ações, para evitar a destruição artificial e injustificada do valor do IRB durante o processo de aumento de capital.

Os investidores Romano e Júlio lembram de reportagem de primeira página do Valor Econômico informando que o Banco do Brasil e a União Federal venderam, um ano atrás (18/07/2019), 27% de suas participações no ressegurador IRB, por R$ 7,5 bilhões. Os investidores ressaltam que os vendedores arrecadaram um valor maior do que a empresa vale hoje. Argumentam que, no dia 24/072020, o saldo acumulado de ações do IRB alugadas atingia 79.744.812. O valor correspondia a R$ 720.911.808,00. Isto corresponde a 12,60% do free float, 9,30% do valor de mercado e 8,50% da base acionária total.

Romano Allegro e Júlio Souza frisam que o valor de mercado do IRB, na quinta-feira, dia 23/07/2020 (data da precificação dos direitos de subscrição em R$ 0,85) era de exatamente R$ 7.347,6 BILHÕES. Em julho de 2019 conforme reportagem do Valor, BB Seguros e a União Federal venderam 83.900.000 ações do IRB a um preço que ajustado à atual base acionária da companhia, de R$ 30,00 por ação. Equivalente a exatos R$ 28 BILHÕES, valor total da empresa no dia 18/07/2019, dia da alienação das 83.900.000 ações. Ocorre que no dia 31/01/2020 o IRB valia R$ 40,248 Bilhões. Ou seja, essas ações teriam que se valorizar 448% (quatrocentos e quarenta e oito por cento) para alcançar o mesmo valor que ela tinha em janeiro de 2020.

Romano e Júlio prosseguem: “Então imagine por um instante se o investidor pudesse comprar 36% das ações que ele já possui do IRB por um preço ainda mais atrativo, a R$ 6,93? Fantástico não? É exatamente isso que IRB fez. O preço que a empresa definiu para os acionistas registrados até o dia 13/07/2020, foi absolutamente imperdível. Ou seja, ainda abaixo deste preço irrisório de R$ 7,85, referente ao fechamento das ações do IRB no dia 23/07/2020”.

Os investidores chamam atenção para o problema: “Todavia, observem a injustiça, a crueldade. As pessoas físicas que alugaram suas ações em sua esmagadora maioria, nem sabiam que as suas ações estavam alugadas, porque não perceberam que autorizaram isso quando do seu cadastramento nas suas respectivas corretoras. A partir do dia 14/07/2020 em diante, quem alugou as ações do IRB, pôde negociar os direitos de subscrição ao preço médio de R$ 2,27, preço médio do direito IRBR1 naquele dia. De lá, até o dia 23/07/2020, alguns destes locatários das ações podem ter atuado para derrubar o preço do IRB e consequentemente do direito de subscrição, até o dia 23/07/2020, dia da definição do valor de indenização do locatário ao locador (data da precificação dos direitos de subscrição)”.

Romano Allegro e Júlio Souza exemplificam: “Um locatário pode ter vendido um direito de subscrição por R$ 2,60 (preço máximo verificado no dia 15/07) e depois curiosamente o preço foi caindo, caindo, caindo, até R$ 0,85 (fechamento de IRBR1 no dia 23/07/2020). Porém, o locatário vai ter que pagar ao locador da ação, somente o valor de R$0,85. Ou seja, vendeu por R$ 2,60, mas só vai ter de pagar R$0,85, auferindo um ganho de capital de 205,88% em 9 dias”.

Os investidores chamam atenção para o risco de prejuízo: “A única conclusão plausível para esta situação é constatarmos que os investidores pessoa física foram vilipendiados! As pessoas físicas doadoras das ações perderão a chance de subscrever aproximadamente 36% da sua posição acionária, ao preço de R$ 6,93, se até o dia 27/07/2020 não receberem de volta o direito de subscrição e, impreterivelmente no dia 28/07/2020, e apenas nesse dia, confirmar e autorizar a subscrição. Se elas se lembrarem de que tem o direito de exercer o direito de subscrição até o dia 27/07, aproveitarão a oportunidade. Ocorre que no dia 27 a maioria esmagadora dos doadores além de não se lembrar que suas ações podem estar alugadas automaticamente, não se lembrarão de exercer o direito de subscrição com tanta antecedência e JAMAIS RECEBERÃO DE VOLTA SEUS DIREITOS”.

Romano e Júlio insistem: “Estamos diante de um verdadeiro absurdo! A esmagadora maioria dos acionistas pessoa física de IRB receberão R$ 085, por ação no dia 29/07, significando assim a sua total diluição pela perda da chance de participar desta imperdível subscrição a R$ 6,93. Essas mesmas ações foram vendidas há um ano atrás, por R$ 30,00 pela BB Seguros e pela União Federal (BNDES). O problema é que os tubarões do mercado, que são poucos, estão incomodados com a quantidade de sardinhas (investidores pessoas físicas) que detêm ações do IRB, a maior resseguradora da América Latina e que possui mais de 60% do mercado nacional de resseguros. Seguro! Aquele serviço que você paga para não usar, lembra? Pois é, as seguradoras também pagam para as resseguradoras para não precisar tirar do próprio bolso na hora de indenizar os segurados”.

Os investidores advertem: “Mesmo sendo um negócio onde qualquer cliente tem que pagar antes de usar, teve analista jurando de pé junto que o IRB dava prejuízo e que iria falir. No último dia 23/07/2020, o IRB publicou uma nova apresentação institucional que reforça o óbvio. Não existe seguro (ou resseguro) ruim. Existe seguro ou resseguro mal precificado! E o IRB com sua nova administração parece ter mitigado completamente a má precificação de seus prêmios. Então, como afugentar esse cardume colossal de sardinhas que detém ações do IRB? Simples! Devorando-as através do “short-selling.”

Romano e Júlio descrevem como ocorrerá o prejuízo: “Primeiro - com a queda vertiginosa, sistemática e regular do papel você incentiva e convence as sardinhas a alugarem as ações para receberem algum dinheiro pelo suposto “investimento errado ’’que fizeram. Para isso foram pagas taxas de até 40% ao ano, enquanto a Selic está 2% ao ano, com forte viés de queda. Segundo - a sardinha que recebe alguns farelos de ração de juros para que a ação fique alugada, não foi informada pelas corretoras que só terá o dia 27/07/2020 para dizer que vai exercer o direito de subscrição IRBR1 e transforma-lo em ações IRBR3. Se perder essa data a sardinha será diluída em 36% com o aumento de capital do IRB, recebendo R$0,85 por cada direito de subscrição. Mas quem alugaria uma ação cujo o preço só cai? Somente quem aposta ou sabe que ela vai cair mais ainda! Quem aluga uma ação, aluga para vender e depois quando estiver mais barata comprar novamente para devolver ao dono. Essa diferença é o lucro dos tomadores que alugam as ações. Dá pra imaginar sardinhas fazendo isso? Claro que não! Só tubarões nadam nessas águas turvas e revoltas”.

Os investidores chamam atenção para outro problema: “Ao que parece, não só os tubarões degustarão as sardinhas na brasa a moda lusitana, pois jamais poderemos esquecer que, no mundo inteiro a partir do final de fevereiro de 2020, quando o COVID19 se tornou pandemia, todas as bolsas de valores do mundo com alguma seriedade, cancelaram o aluguel de ações. Aqui no Brasil, ao contrário, o aluguel de ações aumentou tanto, mas tanto, que se tornou um verdadeiro FECALOMA no mercado de capitais brasileiro. Sem regras, sem limitação de taxas e de ofertas e sem interesse em incentivar a pessoa física, pois, quem deveria regrar e quem ganha com a intermediação do aluguel de ações só está preocupado em palitar os dentes, mesmo que isso se traduza em um risco sistêmico no mercado, fazendo as pessoas físicas desistirem de investir na bolsa de valores”.

Os investidores insistem: “É extremamente assustador e inaceitável que a quantidade de ações alugadas, atinja 12% da BASE ACIONÁRIA em plena pandemia do corona vírus e durante um aumento de capital de grandes proporções, que implica numa expansão de quase 40% da BASE ACIONÁRIA, mesmo a um preço extremamente convidativo para o acionista. Em outros países, as bolsas acionam mecanismos de proteção em casos semelhantes, cancelando ou suspendendo o aluguel de ações. Aqui a B3 deixa o mercado correr livre, pois além de ser fonte de renda, não há interesse em estimular o investidor pessoa física a investir diretamente. Todos querem a pessoa física cotista de fundos de investimento, não atrapalhando com ativismo, negócios rentáveis. Se coloque no lugar do acionista pessoa física iniciante, que comprou ações do IRB e ficou perplexo ao descobrir que seus direitos não lhe pertencem, e que a ele só restam receber R$ 0,85 em troca de seu direito de subscrição que lhe daria a oportunidade de comprar outras ações do IRB por R$ 6,93. Qual seria a sua reação?”.

Romano Allegro e Júlio Souza advertem: “Estamos diante de um problema sem solução pois o acionista minoritário pessoa física foi envolvido em uma armadilha onde ele será violentamente diluído, aparentemente por uma espiral perversa de desvalorização gradativa, crescente e supostamente artificial. Nessa corrida de obstáculos caso o acionista consiga superar as barreiras, ele não terá coragem de comprar a ação a R$ 6,93, porque ele só terá o dia 28/07 para decidir isto, 15 dias antes do dia 12, e com essa espiral de queda a incerteza só aumenta. Tudo o que os tubarões sempre quiseram, evitar que as pessoas físicas comprarem ações do IRB”.

Os investidores advertem: “Podemos afirmar com convicção que as ações do IRB estão engessadas pela magnitude do aluguel de ações, somadas à conjuntura adversa e o aumento de capital. Aliás, quando há um aumento de capital via oferta de ações o aluguel dos respectivos papeis aumenta consideravelmente, configurando manipulação de preços. Tanto é verdade que, a variação positiva de 48,24% do direito de subscrição IRBR1 na máxima do dia 24/07/2020, negociando um volume recorde de 18.435.900 direitos desde 14/07/2020; e o aumento de 6,5% na ação IRBR3, negociando 57.193.600 ações, só vem a confirmar a nossa tese aqui explicada”.

Romano e Júlio pontuam um fato grave: “O IRB não divulgou nenhum fato relevante que justificasse essa movimentação atípica em único dia. Além disso a Eleven Financial projetou um preço alvo das ações do IRB para R$ 20,00 no final do ano, em um estudo extremamente consistente e confiável”.

Os investidores sugerem a cronologia correta para que os acionistas pessoas físicas sejam devidamente informados e tomem suas decisões, depois de consultarem suas corretoras e assessores de investimentos: 23/07 - Precificação dos direitos de subscrição; 27/07 - Eventual devolução de direitos para aqueles que quiserem subscrever; 28/07 - Único dia possível para solicitar a subscrição de ações alugadas; 29/07 - Pagamento dos direitos não devolvidos a R$0,85 por direito; 07/08 - Último dia para negociação dos direitos; 10/08 - Ultimo dia avisar que vai subscrever; 12/08 - Data de débito na conta do acionista”.

Romano e Júlio citam um bom exemplo no mercado: “Recentemente, no dia 09/07/2020 a COGNA antiga KROTON divulgou em fato relevante que a gestora ALASKA INVESTIMENTOS passou a deter 10,05% de seu capital social total. A ALASKA INVESTIMENTOS, em atitude primorosa, apresentou ao mercado em carta que foi anexada à este fato relevante, não só o número total de ações detidas, mas também o número de opções de compra de ações (apostando na alta) e de opções de venda de ações (apostando na baixa), mostrando ao mercado qual a sua estratégia de investimento, já que com 10,05% de participação acionária, ela pode influenciar diretamente o preço das ações”.

Os investidores concluem: “Se quem apostou pública e insistentemente na queda do IRB, tivesse a mesma transparência e respeito com os investidores minoritários que a ALASKA teve ao tratar com o mercado sobre as ações da COGNA, com certeza os investidores pessoas físicas não teriam sido desinformadas como foram. Com a palavra o IRB, a Squadra Investimentos, B3 e CVM que recebem nosso manifesto”.

Romano e Júlio finalizam: “É muito importante considerar o comunicado ao mercado do IRB de 29/07 de que a companhia vai postergar para o dia 28 de agosto, sexta-feira, após o pregão, a publicação dos resultados do segundo trimestre. A teleconferência sobre os resultados ficou marcada para 31 de agosto. Em decorrência disto, os investidores irão pleitear na AGO e AGE do IRB nesta sexta (31 jul), a partir das 15h, que o aumento de capital seja prorrogado para o dia 4 de setembro. Assim, todos terão pleno conhecimento para a tomada de decisões adequadas, dentro da atual administração de Antônio Cássio dos Santos que revoluciona a empresa. Segundo ele, os três pilares desta nova empresa são: Transparência, prestação de serviços de qualidade e criação de valor. É o que todo mundo deseja”. 

Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 30 de Julho de 2020.

STF, como “Editor da Sociedade”, mostra quem manda

 

Edição do Alerta Total – 

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter - @alertatotal

O Brasil vai se consolidando como Manicômio Judiciário a céu aberto. Fora as decisões judiciais esquisitas, o presidente do Supremo Tribunal Federal ultrapassou todos os limites do bom senso ao afirmar que a Corte Suprema é “editora da sociedade”.

Sim, Toffoli falou: “Nós enquanto Judiciário, enquanto Suprema Corte, somos editores de um país inteiro, de uma nação inteira, de um povo inteiro”. 

Fala sério... Não é função do STF ser editor - muito menos censor - da sociedade. Toffoli erra ao tentar justificar o injustificável. O inquérito fake desmoraliza o Judiciário e corrompe o espírito das Leis. O Brasil ainda pagará muito caro por tamanho erro supremo.

O STF tem tomado decisões curiosas. Dias Toffoli deferiu habeas a condenado por furtar dois frascos de xampu. Na decisão, o presidente do STF determina a substituição da prisão preventiva por outras medidas cautelares. Medida correta? Pena alternativa para crime de “pequeno impacto”? Tem lógica.

Mas é correto e justo fazer o mesmo em casos de corrupção? O mesmo Dias Toffoli suspendeu a ação penal contra José Serra por lavagem de dinheiro (RCL 42355). Suspendeu também a investigação contra José Serra na Justiça Eleitoral (RCL 42389). O caso Serra só terá andamento quando o ministro Gilmar Mendes (relator sorteado para o caso Serra) desejar...

O mesmo Dias Toffoli já tinha aliviado a barra do governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel, atrasando o processo de impeachment na Assembléia Legislativa do RJ. O mesmo Dias Toffoli travou a delação premiada do Sérgio Cabral que denunciava corrupção no Judiciário. O ex-governador delatou que ministros do STJ e do TCU recebiam propina.

No caso do Cabralzinho, Dias Toffoli atendeu a um pedido do Procurador Geral da República. O mesmo Augusto aras que declarou guerra à Operação Lava Jato. Aras reclamou que a Lava Jato "bisbilhotou" 38 mil pessoas. Assustador é que poucos foram efetivamente denunciados, processador e punidos até agora. Tem muita gente solta. O crime compensa no Brasil.

Pelo visto, a Lava Jato tem muito a investigar e processar. Se for verdade que investigações levantaram nomes de 38 mil pessoas, muitos poderosos e familiares podem estar na lista-negra. A Turma Esplanada e a Turma do Mecanismo se borram de medo. Já pensou se as denúncias vêm à tona? Vai depender se o PGR Augusto Aras vai à luta ou à pizza?

Diante de tanta loucura institucional, será que a solução é pedir socorro aos oficiais do Exército Brasileiro que fizeram treinamento com o Exército da República Popular da China? Melhor nem perguntar. Melhor nem responder. O Editor da Sociedade pode não gostar da ironia.







Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 30 de Julho de 2020.

quarta-feira, 29 de julho de 2020

Dória, Huck, Moro e Mandetta? Que centro é este?


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
Siga-nos no Twitter - @alertatotal

Quando a esquerda perde uma eleição, ela tenta destruir o País. Quando ganha, consegue. Foi isso que se constatou não só nos 13 anos de petralhismo, mas também antes, nos oito anos de tucanagem. Aliás, para não cometer injustiça, a tragédia começou com a Nova República de 1985 e sua Constituição Vilã de 1988. Ainda é cedo para afirmar se a Era Bolsonaro será duradoura e se conseguirá fazer a transição do caos para um regime realmente democrático e com prosperidade econômica.

Por enquanto, reina a politicagem. A disputa insana para a vaga fictícia da "centro-esquerda" passa por Luciano Huck e Sérgio Moro. Só falta combinar com os russos do eleitorado. O problema é se serão candidatos viáveis. Favoritismo é do candidato de centro-direita. Bolsonaro ou quem ele indicar. Esquerda falsária ou centro-esquerda travestida tendem a ficar fora do jogo.

MDB e DEM, fora do Centrão? Querem recriar a velha "Aliança Liberal"? A jogada clara é fortalecer a base na eleição municipal, preparando para a presidencial. Insistimos: Complicado vai ser achar o tal "candidato de centro". A tendência do eleitorado é votar na centro direita, e não na esquerda ou sua variação enganosa.

Lamentável é o abuso de demagogia! Ontem, no Twitter, Henrique Mandetta faz dobradinha com Sérgio Moro para lamentar a morte do jornalista Rodrigo Rodrigues. Ele despontava como um dos melhores apresentadores do jornalismo esportivo. Perda prematura e irreparável. O luto é agora. Todo mundo está triste. Mas seria bom lembrar ao Mandetta que a eleição presidencial é só em 2022.

O Brasil segue insano. José Antônio Dias Toffoli defende inquérito das fake news: "Nós temos que ter Estado, nós temos que ter regulação”. Fala sério, Toffoili. A defesa do indefensável corrompe o Estado Democrático de Direito. Inquérito Secreto e Censura Prévia desmoralizam o Supremo Tribunal Federal perante o mundo civilizado. Temos Estado e regulação em demasia, no Brasil. Pior que isso foi o do Procurador-Geral da República, Augusto Aras, promover mais um ataque à Lava Jato.

Para quase finalizar, uma pergunta pertinente para profunda reflexão, que tem sido feita por muitos eleitores do Mito: “De que adiantou ternos eleito Bolsonaro, se estamos sendo governados pelos ministros do STF?”. Pois é... A Turma do Mecanismo nunca esteve para brincadeira...

No mais, é bom ficar atendo a uma observação do escritor Aguinaldo Silva: "Em junho, segundo dados obtidos pelo colunista Ricardo Feltrin, durante o horário das 7h às 0h de cada 100 TVs ligadas no Brasil 32 sintonizavam a Globo, 15 os serviços de streaming, 12 a Record, 11 o SBT e 3 a Band. Ou seja: a Netflix e congêneres partiram pra cima com tudo”.

Ou seja, principalmente os mais jovens começam a consumir entretenimento e informação de forma diferente. Muitas transformações podem em função dessa mudança de paradigma.

Até lá, o pandemônio segue. Kung Flu ainda matará muita gente, para êxtase editorial da extrema mídia de espírito soviético. Resta manter a sanidade para sobreviver pragmaticamente. O “novo normal” é insano. Agüentemos os radicalismos e polarizações. Haja psiquiatra!






Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas.

©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 29 de Julho de 2020.

Bolsonaro contra as tropelias do Dr Alexandre


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Percival Puggina
O presidente da República surpreendeu a todos ao ingressar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade, pedindo liminar, contra a ordem de cancelamento, pelas redes sociais, dos perfis de 16 cidadãos brasileiros. A determinação foi expedida pelo ministro do STF Alexandre de Moraes, no âmbito do conhecido “inquérito do fim do mundo”.
O extenso arrazoado é uma oportuna aula sobre as liberdades públicas, que aparentemente foi gazeteada pelo ministro em seu curso de Direito. Na longa história dos povos rumo ao constitucionalismo e à democracia, o Estado não foi concebido para servir a si mesmo, nem para proporcionar intangibilidade e veneração cívica sem limites a quem nele exerce poder. Antes, as liberdades cívicas evoluíram dessa condição original para seu oposto. Hoje, todas as nações democráticas se percebem integradas a estados nacionais em que o estado existe para assegurar os direitos e liberdades de seus cidadãos.
Foi saudável saber que o presidente, vendo atropelados direitos que os cidadãos brasileiros prezam, tomou a iniciativa de apelar aos colegas do ministro. Fez bem ao lembrá-lo de que nossa Constituição – e ela como tantas outras – não cria liberdades públicas. A liberdade é inerente à natureza humana. A Constituição simplesmente reconhece que essas liberdades são meros adjetivos de uma mesma e única liberdade, que é aviltada quando suprimida sem muito justa causa definida em lei. E é ela, a lei, que vai assegurar a legitimidade de qualquer coação.
Estas linhas registram minha alegria por ver o presidente defender, pelo modo certo, um bem de imenso valor, expressando respeito a algo que vem sendo vilipendiado por assomos autoritários e totalitários de um colegiado jurídico, poder de Estado, que se extraviou do bom serviço e perturba a nação. Como afirma a ADI presidencial, modernamente, cortar de alguém o acesso às redes sociais é o mesmo que lhe tomar a voz.
Percival Puggina (75), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor.

terça-feira, 28 de julho de 2020

CUNEGÚNDIA



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Santa Cunegundes que me perdoe se ainda houver urubu que voe.

Se moram em Penápolis ou Patópolis será que tomam mel com própolis ?

Amigo de Mefistófiles ou o próprio que perdeu o Mefis ?

A situação é broca pro mister brócolis !

Em breve o Capitão Cucumber será transferido para a Cúmbria.

Na rua Lombard da antiga Londinium há banco bom de briga; o banco Lombriga.

Entre quadrilha e quadriga, palhaço de uma figa e poltrão (há quem diga!).

Este artigo sem nexo é pra deixá-lo perplexo, sem rumo e sem amplexo.

Da Flor do Lácio a última sonoridade será fatal a sua vaidade.

Nas brumas de Avalon, será avalista de um Gardelon ?

E lo peor, eres argentino ? Para de cometer tanto desatino senão, de tanto bater na mesma tecla, meu piano desafino.

Estrebucho de vazio bucho. A fome de mim se afasta de tanto eu gritar basta.

Se fora o cara de Aosta, gritaria “chega de (rima)”.

Será seu eterno sepulcro se averiguam da questão o fulcro.

“To be or not. ”Tobias, já tiveste melhores dias.

No país da balbúrdia , só coisa estapafúrdia.

É Dura Lex ou Lex Luthor!

É censor ou Bedel?









Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

segunda-feira, 27 de julho de 2020

AGU x Moraes – Nec plus ultra!



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
Siga-nos no Twitter - @alertatotal

Censura prévia é inconstitucional. Abuso de autoridade é ilegal. Por isso, através da Advocacia-Geral da União, o Presidente Jair Messias Bolsonaro pediu, liminarmente, que seja determinada a suspensão monocrática, ad referendum do plenário do STF, das decisões judiciais de bloqueio, suspensão e interdição de perfis nas reses sociais.

A ação proposta pela AGU, a pedido do Presidente Jair Bolsonaro, foi para defender o princípio da Liberdade de Expressão. Tem caráter institucional mais que judicial. Alexandre de Moraes abusou da autoridade e praticou censura, o que é inconstitucional. Toffoli tem de acatar liminar o mais urgentemente possível.

A AGU pegou na veia. Foi certíssima ao defender que o bloqueio ou suspensão de perfil em rede social priva o cidadão de que sua própria opinião possa chegar ao grande público, ecoando sua voz de modo abrangente. Correta peça jurídica de 27 páginas escrita pelo AGU José Levi do Amaral Jr e sua assessora Izabel Nogueira, exigindo respeito aos direitos fundamentais dos brasileiros.

Vale insistir: Alexandre de Moraes agiu com abuso de autoridade, rigor seletivo, desrespeito à Constituição e contra a jurisprudência claramente definida pelo STF. Sim: o ministro corrompeu o STF. Merece reprovação e impeachment. O Senado Federal tem de agir!

Bolsonaro fez o que tinha de ser feito. Agiu de modo institucional ao acionar a AGU contra a decisão errada de Alexandre de Moraes. Assim a turma do Mecanismo fica cheia de medinho e solta gritaria. Contra golpistas o único remédio ético é a Lei. Nec plus ultra! Tradução Tabajara: “Para com isso, Lex Luthor”.

É hora de parar. Toffoli tem a chance de restabelecer a paz, se acatar, mesmo a contragosto, a liminar pedida pela AGU. Suprema Corte não pode permanecer como suprema chacota. Temos de reverter este quadro dantesco. Não dá para bater boca eternamente com ministro. A zona tem de parar, ou a merda vai se ampliar.

Dias Toffoli foi quem cometeu o erro originário ao designar Alexandre de Moraes para instaurar o inquérito fake secreto. Se Moraes abusou da autoridade praticando censura a culpa é do Presidente do STF. Por isso, só reata a Toffoli acatar liminar da AGU, a pedido de Bolsonaro.

A AGU colocou o STF em xeque-mate. Se Toffoli negar a liminar, a corte suprema sairá diminuída, como violadora do artigo 5º da Constituição. Se aceitar a liminar, quem fica mal na fita é Alexandre de Moraes. Bolsonaro e a AGU fizeram um movimento brilhante e legítimo de ganha-ganha.

Resumindo: STF sim! Nova composição de ministros, já! Ao praticar a inconstitucional censura prévia, com indícios de abuso de autoridade, fica insustentável a manutenção do ministro Alexandre de Moraes. Senado tem de agir. #FreedomOfSpeech

Laurinha em dois tempos




Duas fotos postadas por papai Jair. Na primeira, a filhota parece triste com Lex Luthor por ter praticado censura inconstitucional. Na segunda, Laurinha feliz ao saber que Papai chamou o Super Homem para resolver a pendenga. Laurinha deve ser fã da Mulher-Maravilha.

Releia o artigo de Domingo: Os próximos desafios para Bolsonaro






Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas.

©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 27 de Julho de 2020.