segunda-feira, 3 de agosto de 2020

A Lava Jato foi parar em Irajá?

 

Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter - @alertatotal

Revolução à vista? Meio dia e meia, em teleconferência no Ninho do Urubu, o Flamengo apresenta seu novo técnico. O catalão Domènec Torrent chega para dar continuidade ao trabalho do português Jorge Jesus. Que mais um estrangeiro no decadente futebol brasileiro valorize a arte do toque de bola e o poder ofensivo da equipe. Que o time chute mais a gol – deficiência da Era do Mister.

Institucionalmente, seguimos em ritmo de gol contra ou ilegal. O fim do foro privilegiado segue parado há um ano e meio na Câmara dos Deputados. A prisão após segunda instância nem começou a andar na Câmara dos Deputados. No Senado, segue inercial o movimento para colocar na agenda de apreciação os vários e bem justificados pedidos de impedimento de ministros do Supremo Tribunal Federal. A maioria dos 513 deputados e 81 senadores prefere a impunidade.

A semana promete mais narrativas. Uma delas afirma que o Presidente Jair Bolsonaro e o Procurador-Geral da República, Augusto Aras. Desmontam a Lava Jato. Na realidade, a operação perdeu fôlego porque muitas investigações passaram do limite e denúncias não seriam aceitas pelo Judiciário. Também houve omissões esquisitas. Não foram investigados crimes societários. Muito peixe grande foi poupado, inclusive banqueiros. A delação do Palocci não avançou. A de Sérgio Cabral, também. Outras, idem...

Assim, vamos que não vamos... Passar o Brasil a limpo parece obra de ficção. Nada de anormal. Aguardemos pela próxima decisão esquisita de algum membro do Supremo Tribunal Federal. Agosto é sempre o mês do desgosto.

Releia o artigo de domingo: Equilíbrio emocional derrota a Ditatoga

 


Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 


©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 03 de Agosto de 2020.

Naufrágio da Nau dos Insensatos


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Carlos Maurício Mantiqueira

As últimas horas foram decisivas para o destino do Brasil.

 

A escalada insana de alguém que resolveu enfrentar tudo e todos causou avaria grossa em seu casco. O rombo foi de tal ordem que já se enchem d'água seus porões.

 

O façanhudo deve ter faltado, também, às aulas de Teoria Geral do Estado e de Direito Internacional. Tentar impor uma ordem a outro país soberano seria cômico não fora trágico.

 

Executivos de empresas estrangeiras que operam no país têm o dever de proteger seus colaboradores. Assim, não lhes recriminamos seu recuo estratégico.

 

In vim non argumentandi.

 

O fato expôs ao ridículo mundial a ignorância do “caporegime”.

 

Já, já o Don ou o Consigliere o descartarão por causa da estupidez cometida.

 

Foi a primeira “areia” grossa a emperrar o funcionamento do Mecanismo.

 

O próprio “Príncipe das Trevas” recolheu-se. Talvez tenha ido se esconder na PQParis (ou quase isso).

 

Sabemos, e temos confirmação, de que o judas ciário está todo “aparelhado” à serviço dos traidores e/ou ladrões.

 

Hoje as redes sociais são imparáveis.

 

Estamos como os leõeszinhos que provaram o gosto de sangue pela primeira vez. Não voltaremos a mamar na leoa.

 

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Vamos brincar na floresta enquanto seu Barroso não vem


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por H. James Kutscka

O nome deste artigo era para ser Carta Aberta aos jornalistas não comprados desse país, enquanto não a fecham.

Estaria endereçada à expoentes indiscutíveis do jornalismo independente que respeito e admiro, como: Alexandre Garcia, Ernesto Lacombe, Augusto Nunes, Caio Coppola, José Maria Trindade, Allan Santos (esse último refugiado com a família fora do Brasil em paradeiro desconhecido, temendo por sua vida devido às últimas denúncias feitas envolvendo o STF).

Diria o seguinte:

Enquanto a grande imprensa bate o bumbo para “Live” de Barroso e Felipe Neto, you tuber que segundo fofocas, possui  uma rede de inteligência própria, espécie de Pee Wee Herman do terceiro mundo, progressista , entre outras coisas defensor da “ideologia de gênero”  um retardado de mais de trinta anos que alega ter mais de 40 milhões de seguidores na faixa dos 12 anos  na internet (me pergunto qual a relevância para um ministro da Suprema Corte teria tal “irrelevância”?), deixa passar em brancas nuvens o fato de estatais, vítimas de roubo em governos passados que somente davam prejuízos bilionários, em um ano e meio de governo conservador voltam a dar lucros bilionários. 

Enquanto isso ,a que era a principal rede de TV do país, segue com a novela do assessor de Flávio Bolsonaro e a “rachadinha” (não se trata de um caso de amor)  ignora solenemente a proteção dada ao sigilo telefônico do quase assassino ( graças  a Deus pela incompetência do mesmo),  Adélio Bispo imposta pela OAB e abraçada pelo STF presidido pelo homem que declarou que eles seriam “Editores  da Sociedade”.

Segundo ele: “A mídia tem de educar o povo, impondo leis e controlando comportamentos”.

Jornais e revistas tem editores e tendências, o que não podemos aceitar na internet que é um território livre, e é exatamente isso que apavora os “deuses”.

Tenta-se manter à tona na rede uma “Live” da Bia Kiciss com Ryann Hartwig, (que apresentou denúncia no congresso Norte  Americano  contra  Zuckerberg, acusando-o de censurar posts  e sites de direita nos USA e no Brasil), Bernardo Kuster , Allan Santos  e outros defensores  do direito de expressão no nosso país, enquanto é torpedeada pelos dirigentes do facebook. 

Mais  de 7 mil advogados brasileiros  entram  com a assim chamada “ Maior Ação do Mundo” contra as arbitrariedades  e ações inconstitucionais do STF junto  à Comissão Inter Americana dos Direitos Humanos e outras entidades do gênero no momento em que um relator do órgão, justamente o encarregado da área da liberdade de expressão, posta  no twiter   sua preocupação com os desmandos  de nossa mais alta corte.

Se o Brasil (no caso o STF)  chegar  a ser julgado  pela Comissão Inter Americana dos Direitos  Humanos e for considerado culpado de cercear  o direito de expressão de seus cidadãos, qualquer sanção imposta pelo órgão deverá  ser assinada pelo presidente, incluindo destituir  os culpados de seus cargos sob pena de deixar de ser membro da Comissão, o que significaria ser rebaixado ao nível Venezuela de ditadura de opereta.

Allan Santos declarou ter informações de que três maletas com equipamento de espionagem eletrônica que simulam torres de transmissão telefônicas para interceptar ligações, estariam localizados em três  endereços em Brasília: Embaixada da China, Embaixada da Coréia do Norte (nem tinha conhecimento que abrigávamos em nosso território uma embaixada desse abjeto país) e na QL8, na moradia de Kakay, o asqueroso barbudo de bermudas advogado do PT

O objetivo de tais maletas? Espionar ligações telefônicas do presidente para buscar algo útil para um impeachment.

Segundo Allan, pelo menos três teriam conhecimento disso:  O Cabeça de Tênis, o Lulu Boca de Veludo e o Carmem Miranda ou Bandeja.

Se isso é verdade e não avisaram o presidente de tal fato, cometeram para dizer o mínimo o crime de prevaricação e atentado à segurança nacional, no máximo traição à pátria, pelo qual deveriam ser julgados por um tribunal militar e se considerados, culpados enfrentar um pelotão de fuzilamento

Devemos lembrar que convocado a uma audiência do senado americano em 2017, Zuckerberg admitiu que o Facebook tinha um “viés” na Internet, e complementou, o “Vale do Silício é liberal (leia-se de esquerda).

Já em 2018 sob juramento, mentiu ao Congresso norte americano, negando censura e perseguição internacional aos conservadores em sua plataforma. 

Nossas leis ambíguas dão a plataformas como o Fb, o direito de remover conteúdos considerados ofensivos, mas não especifica o que seria ofensivo.

Chega de brincar na floresta na versão verde amarela da Chapeuzinho Vermelho, o lobo, tenha ou não boca de veludo, não dorme de touca.

Aos jornalistas citados nessa disfarçada carta aberta, rogo que não esmoreçam, o que está acontecendo é grave, o inimigo começa abatendo os mais fracos, cabe a vocês alçarem suas vozes antes que os calem também e escravizem nosso povo.

Para cima deles sem medo, na vossa retaguarda estão quase sessenta milhões de eleitores que elegeram o atual presidente.

“Ita sit”         

Quanto a mim, humilde e modestamente, sigo fazendo a minha parte.

Continuo querendo saber: quem mandou matar Bolsonaro.

Por que quatro processos contra o Nhônho e outros quatro contra o Batoré por corrupção e lavagem de dinheiro não andam no STF?

Por que inúmeros pedidos de impeachment de ministros do STF, inclusive do presidente da casa, não andam no Congresso?

De onde vem esta súbita admiração pela ditadura chinesa, por grande parte dos governadores e prefeitos de nossos estados e cidades?

Todas estas perguntas claramente são retóricas, todos sabemos as respostas ou as intuímos.

Resta expô-las na grande mídia, todos os culpados como vampiros, morrerão ao se deparar com a luz do sol.

H. James Kutscka é Escritor e Publicitário.

domingo, 2 de agosto de 2020

Equilíbrio emocional derrota a Ditatoga


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter - @alertatotal

Não tem a menor chance de se tornar realidade o “Plano do Cebolinha” que tem a pretensão de caçar a chapa vencedora da eleição presidencial de 2018. Os derrotados armam o golpe, fazem muito barulho, mas eles mesmos sabem que a sabotagem tem pouco chance de prosperar. Os canalhas só insistem com a narrativa para produzir desgaste. Mas os tiros têm saído pela culatra, pois a popularidade do Presidente Jair Bolsonaro sobe, em vez de cair.

O fenômeno tem explicações. Na percepção da maioria da população, Bolsonaro é infinitamente melhor (ou menos pior) que seus antecessores. A tendência política, no mundo, é a favor do conservadorismo, mesmo que o progressismo siga fazendo o barulho (e os estragos) de sempre. Além disso, no Brasil, temos a perspectiva econômica muito boa. E a percepção foi ainda mais turbinada pelo “lockdown do pandemônio” (que piorou tudo, facilitando o desejo e a perspectiva de melhora).

Os “editores da sociedade” tentam, mas a sabotagem real não acontece como os golpistas desejam. A extrema mídia, outrora amestrada por verbas oficiais, só demonstra sua faceta abestada. O ataque sistemático ao Presidente Bolsonaro o transforma em “vítima”. O eleitorado enxerga e constata que ele dá umas “mitadas” de vez em quando. Só que nenhuma vacilada dele é carimbada como um gesto de desonestidade, de corrupção ou até de suposto abuso de poder (para um cara que a mídia e os inimigos classificaram, falsamente, como “fascista”, “genocida” e por aí vai). Tudo narrativa...

A tendência tem sido bem definida: Bolsonaro parece massa de bolo: quanto mais se bate nele, mais ele cresce. A canalhice da oposição burra e perdida serve de fermento para o “bolsonarismo”. O aspecto nem tão positivo é que os ataques covardes a Bolsonaro só ampliam o radicalismo e o extremismo vigente há algumas décadas na sociedade brasileira. Isto dificulta qualquer trabalho de união nacional. Nada de anormal, pois a Turma do Mecanismo trabalha para o caos que mantém a sobrevida do establishment.    

A canalhada faz a parte dela. Por isso, os conservadores não podem dar mole. Devem fugir de polêmicas inúteis, baseadas em guerras de narrativas, que só beneficiam os inimigos pretensamente progressistas. A esquerda desmoralizou a honradez: mentiu, corrompeu, mal geriu, se fragilizou e acabou retirada do poder pelo voto. Não voltará tão cedo ao status de hegemonia, porque a tendência conservadora já está consolidada. Portanto, não vale a pena bater boca com idiota, maluco ou canalha. O negócio é reafirmar uma agenda conservadora positiva, sem cair na armadilha radical/extremista.

O equilíbrio emocional funciona como kriptonita para a canhota canalha. Os esquerdopatas só operam bem na base da ignorância, da truculência e da narrativa fantasiosa. Quem quiser derrotá-los, facilmente, é só praticar o comportamento inverso. Os seguidores mais fanáticos do Presidente Bolsonaro vão aprendendo isto devagarzinho. A fúria dos inimigos tem colaborado para a mudança de percepção e atuação.

O momento é de resistência, resiliência e muita fé que a guinada conservadora vai se ampliar e trazer benefícios para a maioria dos cidadãos de bem. Os apoiadores sinceros do governo Jair Bolsonaro – que desejam e apostam na melhora política e econômica do Brasil – precisam manter a sanidade, a seriedade e a serenidade. O conselho mais útil é não embarcar no discurso de ódio, porque a polarização beneficia os infratores, opositores e criminosos.

Os canalhas vão se destruindo pela autofagia. A “Gestapo” está se matando. A Turma do Mecanismo começa a se matar, em meio à guerra institucional de todos contra todos. Os conservadores precisam persistir e demonstrar o comportamento errado ou criminoso dos “poderosos de plantão”. Os inimigos da Democracia não resistem à verdade. Por isso, fabricam narrativas e interpretações falsamente legais para calar os conservadores. Perderão o jogo, brevemente.

Resumindo: Segura a onda, galera conservadora! A narrativa é golpista. Só que não há clima, nem razão legal objetiva para justificar o golpe. A boa perspectiva econômica consolida Bolsonaro. É só manter uma razoável articulação política com o Congresso nacional. Nada de espalhar ódio inutilmente. O segredo é Agenda Positiva. A esquerdalha alopra. A Ditatoga agoniza. Os “editores da sociedade” acabarão forçados pela realidade a mudar a “linha editorial”. Nec plus ultra!

Releia o artigo: Deus vai cuidar dos censores!





Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 


©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 02 de Agosto de 2020.

REPÚBLICA PALÍNDROMA (ACILBÚPER AMORDNÍLAP)


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Carlos Maurício Mantiqueira

As instituiCães brasileiras estão com a síndrome do rabo que abana o cão.

Só grita “Salve-se quem puder !” quem já está a salvo.

Nosotros, pobres mortais, continuamos a ralar o traseiro nas pedras.

Um urubu do tipo Stucka decidiu fazer um bombardeiro de mergulho alhures. Como não foi acatado, ficou injuriado com seu orgulho ferido (ou fedido?).

Já não bastasse o apelido, do que violenta Thêmis, agora bate cabeça diante de qualquer obstáculo que apareça.

Desafiar Águia Careca leva-lo-á à breca.

Talvez não entenda de jurisdiCão.

Faltou às aulas de Latim ? Tornou-se ditadorzinho chinfrim.

E na hora em que a porca torcer o rabo ?

Sofrerá de todos, menoscabo ?

Do jeito que a coisa vai, pode esperar pelo soldado e o cabo!

Em seus vôos delirantes verá das bruxas, vassoura e cabo ?

Hoje está prosa como o visconde de Sabugosa.

Amanhã, depois da rebordosa, não sabe se se esconde só ou com o marquês de Rabicó.

Está sem cachorro no mato, em reino de Lobato.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Enfim, a Confissão


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Percival Puggina

“Todo órgão de imprensa tem censura interna. Em que sentido? O seu acionista ou o seu editor, se ele verifica ali uma matéria que ele acha que não deve ir ao ar porque ela não é correta, ela não está devidamente checada, ele diz: ‘Não vai ao ar’. Aí o jornalista dele diz: ‘Mas eu tenho a liberdade de expressão de colocar isso ao ar?’. Entendeu? Não é à toa que todas as empresas de comunicação têm códigos de ética, códigos de conduta, de compromisso. Nós, enquanto Judiciário, enquanto Suprema Corte, somos editores de um país inteiro, de uma nação inteira, de um povo inteiro”. (Ministro Dias Toffoli, em vídeo conferência promovida pelo site Poder 360 e pelo Observatório de Liberdade de Imprensa do Conselho Federal da OAB).

 Nos três dias que se seguiram a essa mal costurada fala do ministro, procurei no Google matérias a respeito que tivessem sido publicadas em grandes meios de comunicação. Praticamente nada! O presidente da Suprema Corte de um país que se declara Estado democrático de direito, afirma serem, cada um e todos os seus 11 ministros, “editores de um povo inteiro”, e o dito passa batido? Nenhum nos grandes jornais exclamou um “Epa!” sequer?

Chamou-me a atenção matéria do site Conexão Política, com o título “Toffoli diz que STF atua como editor da sociedade e recebe críticas da Internet”. Sim, é fato. Essencialmente na Internet, nas redes sociais tão antagonizadas pelos veículos da mídia militante, verdadeira multidão de brasileiros registrou seu estupor perante a presunção do ministro ao formular tal disparate em presença de tantas testemunhas.

Não fiquei surpreso. Reiteradas vezes tenho expressado, ao conhecer certas decisões de nosso Supremo e ao presenciar certos votos de alguns senhores ministros, minha percepção de que pretendem ser, ou agem como se fossem, reitores da sociedade, pedagogos da nação. Essa tendência se revela exatamente nos momentos em que as percepções, as concepções e as visões de mundo dos membros do pretório excelso transbordam além das gélidas linhas dos votos lidos. Houve quem julgasse exagerada minha observação. Agora não resta dúvida: o ministro presidente faz uso de outra palavra para definir a mesma ousada tarefa. Para ele, os membros da Corte não são reitores nem pedagogos da sociedade. São editores. E o são com agrado geral da Corte porque não apareceu um só para dizer diferente.

A orientação “editorial” do STF está em consonância ou fornece regência à linha dos grandes veículos da mídia militante e a ela não escandalizou. Sabe por quê? Porque esta só receia o fantasma da censura da direita; censura da esquerda, real e evidente, é feita dentro de casa mesmo, ora essa. Daí o silêncio ante a analogia formulada pelo ministro. Note-se que para não deixar dúvida sobre o sentido dessa simetria, o ministro falou que tais jornalistas editores, cada um no seu quadrado, atuam como censores do trabalho dos colegas.

O “inquérito do fim do mundo”, dito inquérito das fake news, o eterno compadrio com o Senado Federal, a fala do ministro e a indulgência plenária concedida pela mídia militante são sinais de uma rejeição ao resultado das urnas de 2018. Ele afetou o juízo de muita gente.

Percival Puggina (75), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor. 

sábado, 1 de agosto de 2020

Praga de Urubu não mata cavalo gordo

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Carlos Maurício Mantiqueira

Apesar do título irreverente, falaremos de coisas sérias.

 

É verdade que nossos urubus são maionesoviajantes.

 

Então, paradoxalmente, deles não esperemos nada. Ou tudo ?

 

O certo é que vivemos a undécima hora.

 

O recente episódio do barrento conversar com um youtuber de cabelo azul, mostra bem a degradação da entidade e dos costumes.

 

Antes havia varões de Plutarco. Hoje, estrumes.

 

Mas, pela Graça Divina, nada arranha ou impede a grandeza do Brasil.

 

Já melhoramos demais ! O povo de bem politizou-se. As redes sociais estão aí para expressar sua aprovação ou repúdio aos fatos.

 

Não obstante ao “envenenamento” das urnas eletrônicas, Bolsonaro venceu a eleição presidencial. Teria vencido no primeiro turno se não tivesse havido a intenção de evitar a vergonha ao partido dos celerados.

 

De tropeço em tropeço, de desilusão em desilusão o brasileiro está aprendendo a votar.

 

No dia que tivermos o sistema do voto distrital puro, será dado o passo definitivo no saneamento político.

 

Hoje o voto dos eleitores de outras regiões do país “vale” mais que o voto paulista.

 

Isso, além de inconstitucional é vergonhoso. Somos todos iguais perante a Lei; ou não ?


Rei morto, rei posto, começa o mês do desgosto.







Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.