segunda-feira, 10 de agosto de 2020

A perigosa ilusão da vitória antecipada

 

Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter e Parler - @alertatotal

O esporte nos ensina, todo dia, que a presunção da vitória antecipada é uma perigosa ilusão. Domingo, Dia dos Pais, dois exemplos didáticos. Em tese um melhor time, campeão, o Flamengo perdeu para o Atlético Mineiro em pleno Maracanã. No GP de 70 anos da Fórmula 1, a “imbatível” Mercedes tomou pau da Red Bull (que a Globo só chama de RBR). Vencer não é fácil. Muito menos garantido.

Na política, a mesma coisa. Favoritos costumam experimentar dissabores. A objetividade às vezes é burra e pode ser injusta. O eleitor opera em alto grau de subjetividade. Mas o pior é o “salto alto” dos políticos, muito parecido e arriscado como o dos esportistas. Vitória certa? Só depois de contabilizados os votos – física ou eletronicamente. Por isso, é recomendável tomar cuidado com “pesquisas” que, tão prematuramente, indicam o triunfo reeleitoral do Presidente Jair Bolsonaro em 2022.

O jogo é jogado. De forma muito bruta. A esquerda golpeia Bolsonaro desde a facada do Adélio. Não aceita o resultado da eleição. Na falta de argumentos políticos inteligentes, apela para a ignorância. A extrema mídia não dá trégua. Espanca Bolsonaro por qualquer motivo. No julgamento implacável do jornalixo, Bolsonaro está sempre errado. O Presidente compensa os ataques com um bom desempenho nas redes sociais. Mas a censura aos conservadores e a grana oculta dos esquerdistas financiam violentos contrataques dos “inimigos” (ops, oposicionistas).

Bolsonaro é favorito para 2022? Muito cedo para embarcar nesta “tese”. Só é inegável que a maioria da população já percebeu a covardia radicalóide contra o Presidente Conservador. Se sobreviver a tanto ataque covarde, Bolsonaro tende a sair de “vítima” no fim das contas. O eleitorado, que age mais com emoção que razão, tende a ficar do lado do “perseguido”. A esquerda sempre se deu bem posando de “perseguida”. Desde a facada, Bolsonaro também se beneficia do fenômeno. Assumiu a dimensão de “mártir”, de “herói que resiste”. Quanto mais apanha mais conquista adesões favoráveis.

O Presidente só não pode cair na perigosa ilusão da vitória antecipada. Há muito a ser feito, em um ambiente político e econômico mais de sabotagem que de colaboração. Bolsonaro é favorecido pela necessidade que os agentes econômicos têm de melhorar, a partir de uma situação conjuntural e estrutural bastante caótica. A maioria do eleitorado anseia pela melhora. A esquerda (ou sua estelionatária versão centro-esquerda) não são referência para melhora. Portanto, tem mais chance de derrota que vitória. O jogo tende a favor de Bolsonaro, por inércia. Ele só não pode cometer um grande erro. Os inimigos tentam induzi-lo à falha. Terão sucesso? Tudo indica, por enquanto, que não...

Red Bull e Atlético podem ganhar de novo? Claro que sim. Mas o Flamengo, a Mercedes e o Bolsonaro seguem favoritos a vencer os campeonatos. Só não convém cantar vitória antecipada. Dá azar...

Releia o artigo de Domingo: Quem é o Pai do Kung Flu?



Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 


©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 10 de Agosto de 2020.

4 comentários:

Anônimo disse...



Bom dia, Serrão, bom dia, sr Carlos Maurício, bom dia aos leitores, que Jesus esteja com vocês.


"Se sobreviver a tanto ataque covarde, Bolsonaro tende a sair de “vítima” no fim das contas."


Apesar de char uma covardia muito grande o que a tucanada de alta plumagem e et caterva faz ao Presidente Bolsonaro, não apoiamos ele exatamente por causa disso. O apoiamos porque depois de mais de trinta anos, ele é o único que se preocupa com nossa liberdade, ele que se preocupa com o bem estar do povo, ele que se preocupa com nosso país, defendendo como um leão nossa soberania. Ele é honesto, verdadeiro, sincero. Não está preocupado com a próxima eleição, se vai ganhar ou não. Apoiamos ele porque ele é o autêntico brasileiro que ama de verdade o seu país e seu povo.
Ele não conduz o povo como gado na base da manipulação e da enganação como por exemplo, os tucanos que nos chamam de bolsopetistas. Isso é de um cinismo sem limites, pois quem está na lista de propinas da Odebrecht e JBS, juntamente com os petistas, são os tucanos e não o Presidente Bolsonaro. E se utilizando de um argumento ridículo que os tucanos não estavam no governo, como se no congresso, não tivessem grandes ladrões. Então, os tucanos que são tucanopetistas e tomem vergonha e deixem de usar um argumento mentiroso para qualificar os eleitores do Presidente Bolsonaro.
O argumento dos tucanos são tão contraditórios. Se para roubar os cofres públicos precisa estar no governo executivo, então porque não temos roubalheira agora que o Presidente Bolsonaro está governando? E como podem nos chamar de bolsopetistas?

Acreditamos que a maioria do povo brasileiro vota no Presidente Bolsonaro por essas e outras razões.




Anônimo disse...



Para quem não entendeu ainda, o Presidente Bolsonaro é um estrategista e estamos gostando de ver ele jogando com as estratégias.

Anônimo disse...

O Pres. da Câmara, Rodrigo Maia é mesmo uma gracinha!
Vide o artigo de hoje do Claudio Humberto.

Aqui:
https://diariodopoder.com.br/coluna-claudio-humberto

Loumari disse...

Brasil brinda ayuda a Líbano para la reconstrucción

https://www.youtube.com/watch?v=4LPRt2qcHpI&pbjreload=101

Este domingo se realizó una conferencia virtual para la donación de ayuda a el Líbano. El presidente de Brasil, Jair Bolsonaro, prometió cuatro toneladas de arroz y ayuda médica, además nombró al ex presidente Michel Temer como el jefe de la misión humanitaria. De acuerdo a la Organización de la Naciones Unidas (ONU), se necesitaran unos 117 millones de dólares en los próximos tres meses para la reconstrucción. teleSUR.

10.08.2020