sexta-feira, 21 de agosto de 2020

Câmara Camarada


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Carlos Maurício Mantiqueira

Por milagre ou por descuido o veto presidencial foi mantido.

Os incitatus viram que perderam status.

O chefe da basse cour se desmaia, pela surpresa ou pela vaia.

Não impôs sua vontade ao galinheiro. As penosas estão cientes do que se passa no urubusáiro e querem comemorar o seu próximo aniversário com todas as pompas. Simples assim; pressentem dos abutres o fim.

Ganha o país que escapou por um triz.

Não foi por “articulação” nem por caráter ledo. Mantiveram o veto por medo.

No fim da pandemia quem hoje ruge sabe que mia.

Desgovernadores e imperfeitos de que estofo são feitos ?

Basta uma faísca e viram pra onça, isca.

E o ciário judas que age como Pilatos verá amanhã seus pupilos perdidos sem cachorro em matos.

Cervídeos e gatos não escaparão dos fatos. Gravados em vídeos ou em fitas, terão o fim dos parasitas. Eu hesito, tu hesitas, mas alguém puxará a descarga.

Derrota amarga pra quem sempre viveu à larga.

Efecagácê terá por escudo o famoso boca de veludo ?

O faquinha ? A velha mesquinha ? Ou a outra mina ? Cloro ou quina ?







Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

4 comentários:

Anônimo disse...

rvchudo
sexta-feira, 21 de agosto de 2020
OS PROSTITUTOS DE TOGA

Somente daqui a alguns anos a nação brasileira vai entender o tamanho do dano que o Supremo Tribunal Federal está fazendo com esse país.
E estão fazendo isso por diversas razões.
Uma delas é porque são um bando de egocêntricos apátridas embriagados pelo poder, psicologicamente doentes, e que não têm grandeza moral para desempenhar o papel de juízes.
Eles são aproveitadores dos privilégios e das carcaças de um país apodrecido pela corrupção, cujos políticos ladrões são amparados pelo foro privilegiado, pela lentidão planejada da justiça e pela fraqueza moral que impera sobretudo nesta corte.
São responsáveis pela destruição de uma democracia que começava a despontar, hipócritas de um teatro macabro, vassalos da criminalidade.
Ao invés de guardiães da Constituição como se autoproclamam, são sim prostitutos constitucionais, estafetas da imoralidade e da desesperança, gigolôs do poder absoluto da contravenção e dos seus defensores feitos milionários pelo dinheiro do crime vindo dos cofres públicos.
Eles não sabem o que é construir uma nação. Eles se dobram a um líder corrupto, bêbado, vendedor de ilusões, e entregador de desgraças, que quebrou o país e as suas instituições.
Esses supostos juízes são mais baixos que os desinformados que votam no ilusionista pigmeu, amoral e analfabeto.
Eles são cúmplices do populismo devorador do progresso e do desenvolvimento.
São verdadeiros assassinos da evolução civilizatória do nosso povo.
Esses lenientes canalhas, pretensos artistas que se exibem na televisão, consumidos por uma vaidade injustificada com tintas de psicopatia, são os torpedeadores da esperança nacional.
Depois de Lula eles vão libertar Cabral, Cunha, Geddel, Palocci, Beira-Mar, só para mencionar uns poucos.
Esses exploradores do lenocínio político que se tornou a nossa nação transformaram a Suprema Corte em guardiã do assalto aos cofres públicos, protetora das máfias partidárias, masturbadores persistentes das mazelas nacionais.
Corja.
O inferno é pouco para vocês.

Carlos José Ribeiro do Vale, advogado, MG_
Postado por Ricardo Oscar vilete Chudo às 05:11

Anônimo disse...

REVCHUDO
JOÃO DE DEUS AFIRMA QUE MINISTROS DO STF PEDIAM DINHEIRO E ENCONTROS COM GAROTAS EM LUGARES SECRETOS
JOÃO DE DEUS AFIRMA QUE MINISTROS DO STF NÃO SAIAM DA CASA DOM INÁCIO DE LOYOLA EM ABADIÂNIA , PEDIAM DINHEIRO E ENCONTROS COM GAROTAS EM LUGARES SECRETOS.

Depois de o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes se declarar impedido de atuar em processos que envolvam o médium João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, foi a vez do ministro Luiz Fux deixar a relatoria de um pedido de soltura, alegando motivo de foro íntimo. João de Deus afirmou que esses dois Ministros não saiam da casa Dom Inácio de Loyola e pediam encontros íntimos com meninas de programas e sempre estavam atrás de dinheiro - e de que a Rede Globo de Televisão uma vez, apareceu junto com eles e pediram para não denunciá-lo em torno de três milhões de reais .Eles tentaram extorquir–me várias vezes, afirma o médium . João de Deus conclui que só atenderam meu pedido de ficar em casa porque ameacei de contar a verdade que muitos deles usavam a casa Dom Inácio, para fazer reuniões secretas , vender sentenças e pedir encontros com mulheres - inclusive , até o Presidente Lula esteve lá com esses Ministros do STF . A defesa do médium apresentou uma reclamação ao Supremo em dezembro passado. O processo inicialmente foi distribuído para o ministro Gilmar, que se declarou impedido.( por medo dele revelar os podres dele ) Na terça (26), a reclamação passou para a relatoria de Fux, que não saia de lá atrás de dinheiro e meninas para prática de sexo, afirmou o médium . No último dia 15, a defesa de João de Deus também pediu um habeas corpus ao STF, que, por ser relacionado à reclamação, também ficou sob relatoria de Fux. Nesta quinta (28), o ministro declarou impedimento. Os dois processos tramitam em segredo de Justiça no STF. Caberá ao presidente da corte redistribuí-los para um novo relator. Nesta sexta (1º), o decano, ministro Celso de Mello, já esteve muitas vezes lá , junto com -o presidente Dias Toffoli , fizeram reuniões para lavagem dinheiro e compras de sentenças dentro da Casa Dom Inácio de Loyola – sempre faziam encontros lá ,com Lula e Dilma , empresários do crime organizado e disseram pra mim que vão favorecer e pedir a Juíza de Abadiânia ,a soltura e que conversariam com um Desembargador amigo dele , dando um habeas corpus a João de Deus se ele mantivesse em segredo também não contasse a público que membros do STF , são frequentadores de lá . As reuniões eram marcadas por Andréa Cangussú, Secretária de Mulheres do PT. Finaliza, por quê não investigaram algumas boates do Distrito Federal , tivemos vários encontros e arrumações para Deputados , Senadores , e Ministros do STF , encontrarem – se com mulheres em lugares secretos – Orgias sexuais – e Pedro Bial , Luiz Petry , e toda direção da TV Globo, organizava sempre encontros com o doleiro Dario Messer estava sempre lá na casa Dom Inácio de Loyola , fazendo transações em Abadiânia , realizou repasses de dólares em espécie para a família Marinho, dona do Grupo Globo, em diferentes ocasiões, desde o início de 2014 , presenciei a família Marinho e esses Ministros do STF recebendo dinheiro próximo de mim, conclui o médium João de Deus .

MURILO RAMOS
Postado por Ricardo Oscar vilete Chudo às 02:59

Anônimo disse...

REVCHUDO
quinta-feira, 20 de agosto de 2020
A agonia de dois gigantes delatados pelo “doleiro dos doleiros”

Os empresários donos da Rede Globo estão vivendo um verdadeiro ‘inferno astral’.
Consta que sentiram pela primeira vez o risco iminente de perderem a concessão da emissora.
Eles, até pouco tempo, ainda acreditavam piamente que iriam derrubar Jair Bolsonaro.
De repente, um quadro catastrófico se apresenta para os irmãos Marinho.
Bolsonaro se agiganta nas pesquisas de opinião pública e consolida sua liderança nacional e a Rede Globo se apequena com a delação de Dario Messer.
Por outro lado, um outro gigante se vê enrascado na delação do doleiro. O Banco Safra, um dos maiores do Brasil, foi acusado de participar de um esquema de lavagem de dinheiro.
Diretores de alta patente da instituição bancária são acusados de participar das falcatruas.
A transação, denominada dólar-cabo, envolvia a agência do banco em Nova Iorque.
É a forma pela qual os doleiros conseguem lavar dinheiro sem que os recursos financeiros saiam ou entrem no país. Na prática, o doleiro indica uma conta no outro país para que o cliente faça o depósito em seu favor e ele do Brasil consegue, a partir dos ativos em dinheiro vivo que possui, colocar os recurso nas mãos do cliente.
Jornal da Cidade
Postado por Ricardo Oscar vilete Chudo às 01:29

Anônimo disse...

REVCHUDO
quarta-feira, 19 de agosto de 2020
Decisão do STF afeta nossa esperança

Não bastassem as enormes e nefastas desigualdades sociais no Brasil, as autoridades, em plena pandemia, contribuem para ampliar ainda mais esse abismo. Sem nenhum compromisso com o combate aos gastos públicos, uma obrigação básica de qualquer gestor, o Supremo Tribunal Federal (STF), com sua visão estatizante, proibiu a temporária redução salarial e de jornada de trabalho de servidores, uma atitude que poderia aliviar o peso das despesas do governo neste momento de extrema dificuldade. Com isso, a corte máxima deste país contraria o esforço da própria equipe econômica na luta para equacionar as contas públicas. E, na contramão da urgência e do bom senso, patrocina a manutenção e até o aumento deste déficit. Parece brincadeira e deboche.

O agravante dessa "inteligente" decisão é que ela se estende a União, Estados e municípios, o que impede os governadores e prefeitos, com boa visão de gestão, de mudar o rumo de suas contas. Tudo sob o argumento de que, se aprovada, a medida feriria o princípio constitucional de mirredutibilidade. Trata-se de uma regra válida somente para os servidores federais, estaduais e municipais, que já contam com garantia de emprego, em total desigualdade com a massa de trabalhadores privados.

Para o setor privado, esse sacrifício é permitido. Como fica a Lei de Responsabilidade Fiscal que limita a 60% da receita corrente líquida os gastos com pessoal nos Estados e municípios?

O Rio Grande do Sul, em 2019, antes da pandemia, já alcançava 54% da despesa corrente, sem incluir gastos da previdência!

Enquanto isso, no mundo do lado de fora dessa "bolha" do poder, a pandemia continua fazendo vítimas, fechando empresas e engrossando a legião de desempregados. Certamente o quadro seria outro se o país contasse com serviço de saúde melhor preparado, sem a necessidade de doações do setor privado para socorrer as falhas de uma estrutura sucateada.

Como empresário que corre riscos permanentemente, tenho confiança e esperança no DNA do empreendedor como gerador de empregos e riquezas. Aprendi, ao crescer em ambiente de fábrica, que as dificuldades são cíclicas e que a empresa se renova e se fortalece a cada crise.

Mas, diante de atitudes como esta do STF, é impossível manter o otimismo, abrindo espaço para o sentimento de revolta, de descrédito e de desesperança, neste Brasil bancado por nós, os pagadores de impostos!

Isto tem que mudar. Em que mundo vive a nossa Corte?

Daniel Randon, empresário e CEO da Randon, é engenheiro mecânico e tem MBA em gestão administrativo-financeira pela Universidade de Chicago.
Postado por Ricardo Oscar vilete Chudo às 09:16