segunda-feira, 17 de agosto de 2020

OZÔNIO NO NOSOCÔMIO



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Carlos Maurício Mantiqueira

É digna de encômio a coerência da quasimina em não tomar a cloroquina.

Sob o risco de fritar seu último neurônio, pra opinião pública nem aí, corre até Itajaí.

Para desatar o nó górdio que criou na economia, será necessária medida que há muito não se via.

O relincho de um jumento, contra maré e vento, esconde o medicamento que provou ser um portento.

Do Reino da Baratária importaram a malária .

Manter as aparências após tantas flatulências?

Suas pretensões futuras, impediram muitas curas.

Andando por via escura, criou muita sinecura,

Enterrarão seus sonhos muitas covas, a começar por novembro, se de eleição ainda lembro.

Tripudia no povo noite e dia e só se sente aliviado quando alguém lhe diz alí!

Por moderno Ali Babá será lembrado, quando ouvir heróico brado.

Virá em seu auxílio um príncipe de Aosta (ou quase isso) ou irá para o exílio em vez de ajoelhar no milho.

O bocamolismo morreu. Agora só falta quem tanto nos f.(rima)

Dar socorro pro cê, nem o efecagácê.





Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Nenhum comentário: