terça-feira, 4 de agosto de 2020

Tem eleição no meio do caminho...

 

Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter - @alertatotal

Falta pouco tempo para a eleição à qual se dá a maior importância do mundo: a complexa escolha indireta do Presidente dos Estados Unidos da América. Quatro anos atrás, Donald Trump foi eleito contra todos os prognósticos. A história se repete como farsa? Parece que sim. Pelo noticiário e pelas “pesquisas”, John Binden aparece como favorito. O Republicano não seria reeleito? O Democrata tem mais chances de vitória? Ou vai “dar zebra” igual no pleito passado? O tempo é o senhor da eleição.

Uma eventual derrota de Donald Trump atrapalha ou beneficia o Brasil? O triunfo dele representou uma vitória do discurso conservador republicano contra o progressismo democrata. A eleição inesperada de Jair Bolsonaro – que também não estava no roteiro do establishment -, guardando as devidas proporções, teve o mesmo efeito-surpresa. Bolsonaro promoveu uma aproximação imagética com Trump. Pelo menos na teoria, ambos são “parceiros”.

Os dois presidentes são muito diferentes, mas a marketagem tentou produzir uma semelhança, apenas por ambos defenderem uma cartilha conservadora. A ira da mídia contra ambos ajudou a fabricar uma noção de “identidade”. Parece que um depende do outro? Só parece... Por isso, surgiu a versão de que se Trump não se reeleger, com uma eventual vitória democrata, fica a impressão de que o Brasil “bolsonarista” será “distanciado” pela política norte-americana.

Por enquanto, tudo é chute. Mero palpite. Nada científico. Nem real geopoliticamente. Na propaganda, os EUA lutam para impedir a expansão da China. Os chineses, que já definiram, há várias décadas, seu projeto expansionista, corre velozmente para conquistar mercados. No meio da briga, fica o Brasil, uma histórica colônia de exploração subdesenvolvida, fornecedora de matéria-prima em alimento e minerais. Por enquanto, o projeto da “Pátria Amada” é “modernizar a economia”, com menos Estado, supostamente menos impostos, mais privatizações, concessões, empregos e renda.

A perspectiva vai se concretizar? Eis a questão que só o tempo responderá. O processo de retomada econômica é lerdo. A cultura (quase um vício) “estadodependente” do brasileiro atrapalha tudo. O debate para reduzir a carga pesada de impostos nunca começa normalmente. O Mecanismo estatal demanda cada vez mais recursos da sociedade para se manter o status quo de privilégios e parasitagem. Políticos até fingem, mas na realidade não aceitam e reagem contra perder recursos e vantagens geradas e bancadas pelo regime de extorsão fiscal/tributária.

O papo é cínico. Todo mundo concorda que é preciso e urgente reduzir a carga de impostos. No entanto, na hora de definir o “como fazer”, a burocracia estatal não aceita se enxugar, perder recursos e, muito menos, reduzir a carga tributária. Pelo contrário, a ideia mágica passa sempre sobre a “criação de um novo imposto” ou pela fusão de impostos, taxas e “contribuições” que deixam a situação do mesmo jeitinho ou pior do que estava.

Será que teremos o necessário debate sobre o poder público, revendo gastos e o modo de arrecadar dinheiro do cidadão para sustentar a máquina perdulária e sem real transparência? Vem aí mais uma eleição municipal no Brasil. A tendência é que o debate seja demagógico e paupérrimo – como sempre foi. Até agora, só se fala em prefeituras com problemas de caixa (como sempre). A maioria apresenta sinais “falimentares”. Este ano tem o agravante do Kung Flu.

Tem perspectiva real de mudança? Muito francamente, não tem. Os políticos só querem se eleger (ou reeleger). O povo é obrigado a votar. Governadores só querem criar ou fortalecer bases políticas de olho na próxima eleição presidencial brasileira – que já entrou, prematuramente, na ordem do dia. O Presidente Jair Bolsonaro toca o barco navegando contra a extrema mídia e uma oposição burra, irresponsável, sem projeto e com o desgaste de quem quase quebrou o País. Assim, tudo se resume a “narrativas” em torno da disputa de poder.

Os conservadores precisam lembrar que temos eleição no meio do caminho. Tanto a norte-americana quanto a próxima da gente, que vai escolher prefeitos e vereadores. Em vez de ficar batendo boca e cabeça com a oposição canalha e idiotizada, o momento exige que seja apresentada e exaustivamente debatida a agente positiva conservadora. É preciso investir na renovação, em pessoas honestas (que ainda existem), querendo melhorar a realidade.

É hora de reafirmar a luta pela Liberdade e pela Transparência – duramente atacadas nestes tempos de “pandemônio”. Será fundamental manter a sanidade para que se tente um debate político saudável. Aparentemente, o caos leva vantagem. Por isso, precisamos virar o jogo.

O Estado Cleptocrático continua aí, fungando no nosso cangote e roubando a sociedade. A economia está caótica. Só o agronegócio vai “bem”. O resto está na roça...







Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 


©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 04 de Agosto de 2020.

6 comentários:

Anônimo disse...



A eleição nos EUA não é Republicanos X Democratas. É candidato cristão x marionete dos parasitas, predadores satanistas.
Para o Presidente Trump perder só se roubarem a eleição. Essas pesquisas são tão verdadeiras quanto os parasitas, predadores que as pagam para fazê-las.




Anônimo disse...

Para que candidatos a prefeito e vereador conservadores possam ser conhecidos sem utilizarem o fundo eleitoral, seria útil fazer um levantamento dos candidatos comprovadamente defensores desses valores, para evitar os "traíras" que ocupam a vaga de um autêntico e paralisam a votação de medidas que auxiliem a administração conservadora na cidade, principalmente na área educacional e na gestão dos recursos públicos.

Anônimo disse...

[Você não vai poder subir em um avião sem ser injetado pelo seu governo com produtos de que você não possui o controle. A vacinação é uma das maiores ameaças à saúde humana neste planeta, e você não pode questionar isso. Você não tem permissão para questionar um produto farmacêutico, como foi feito, se passou por testes de segurança adequados, como foram os ensaios e se funcionam ou não para todos. Não há um único produto farmacêutico neste planeta a que alguém não seja alérgico. É realmente chocante alguém pensar que a vacina é diferente. (...) Quantas crianças estão sendo mortas, quantas ficam com doença autoimune ou com distúrbios neurológicos (que aumentaram muito) por causa da vacina? (...) porque a vacina deixa o sistema imunológico confuso. Sabendo-se que muitas doenças autoimunes como lúpus, diabete, esclerose múltipla podem demorar muito para se manifestar, como podem dizer que terão uma vacina segura para a Covid-19 em 12 ou 18 meses? Não haverá testes de segurança a longo prazo. E os testes são feitos em pessoas adultas sadias (não em crianças ou adultos com comorbidades que são o grupo de risco real da doença). E há agências governamentais dizendo que tornarão obrigatória essa vacina assim que estiver pronta, mesmo existindo 54% das pessoas (que têm problemas crônicos) que a vacina poderia matar,porque eles não estão fazendo testes de segurança a longo prazo. Estão tentando uma vacina para o coronavirus há décadas e falhou, e pode nunca ser encontrada. (...) Os animais vacinados, em contato com o coronavírus, desenvolveram reação alérgica grave com falência de órgãos em todas as tentativas (os anticorpos não estão parando a doença, mas sim aumentando os problemas com a doença, e levando à morte e lesões graves nos ensaios com animais). E AGORA ESTÃO PULANDO OS TESTES COM ANIMAIS E INDO PARA TESTES COM HUMANOS. Por isso, cientistas estão pedindo para desacelerar essa vacina. (...) Penso que haverá uma tentativa da indústria farmacêutica junto com o Vale do Silício para assumir o governo do mundo.]

Dell BigtreeTthe Coronavirus Vaccine Agenda - London Real (Ahmed Aero)
https://www.youtube.com/watch?v=E2y5v6vJCso







O pai de Bill Gates dirigiu a Planned Parenthood e se orgulhava de ideias eugenistas. A preocupação de Bill Gates com pesquisas médicas pode ser mais do que filantropia.

Meet Bill Gates (The Corbett Report Subscriber)
https://www.youtube.com/watch?v=Wfy7HiA-0wo







De artigos no site Sinais do Reino:
[Se as vacinas são tão seguras quanto a UE e a OMS afirmam sem oferecer qualquer evidência, por que então o governo dos EUA criou, já na década de 1980, uma agência chamada Programa Nacional de Compensação de Lesões de Vacinas (VICP)?
E a decisão histórica da Suprema Corte em 2010:
"A lei elimina a responsabilidade do fabricante pelos inevitáveis efeitos colaterais adversos de uma vacina." (após 1º de outubro de 1988)]

[Aliança Global para Vacinas e Imunização - GAVI: quando os bancos também querem vacinar a população!
Quando Bill Gates e os bancos propõem vacinar, não sei por quê, tenho uma dúvida. E você também, sabendo que Bill Gates quer reduzir a população mundial E SE RECUSOU A VACINAR SEUS FILHOS. Há algo escondido, claro!!! (...)
Sobre o medo da pandemia, cita Maquiavel: "Aquele que controla o medo das pessoas torna-se o mestre de suas almas.]

[Mais cedo, em um evento surpreendente, o presidente de Madagascar fez uma declaração sensacional em que a OMS lhe ofereceu um suborno de 20 milhões de dólares para envenenar a cura contra a Covid-19, chamado Covid-19 Organics, fabricado a partir da Artemísia.
O presidente da Tanzânia expulsou a OMS do país depois que as amostras de cabra e mamão deram positivo para Covid-19.]

E do Stateofthenation:
[Despachos da Guerra: Três dos chefes corporativos mais poderosos dos EUA têm conexões profundas com os principais hospitais, mega-empresas bancárias que estão perfeitamente bem com as paralisações da Covid.] Li que os ricos ficaram mais ricos no período da pandemia.

Loumari disse...

UM REINO SEM JUSTIÇA?

Pessoas modernas que vivem em desacordo com a sua própria consciência, rezam por uma religião que tenha estas características: uma religião sem Cruz, um Cristo sem Calvário, um reino sem Justiça e uma comunidade com um "tipo de eclesiástico" que nunca faz menção sobre o inferno, para não irritar seus delicados tímpanos.

(Beato Fulton J. Sheen)


I moderni che non vivono in accordo con la propria coscienza, hanno bisogno d’una religione che abbia questi caratteri: una religione senza Croce, un Cristo senza Calvario, un regno senza Giustizia e una comunità con un “gentile ecclesiastico" che non nomina mai l’inferno, per non urtare le orecchie delicate.

(Fulton J. Sheen, da "Vi presento la Religione")

Loumari disse...

AMOR INFINITO. AMOR ETERNO!

Em verdade te digo que morrer de amor é a morte mais cruel porque não se sofre por uma coisa só, mas por toda a criação. Se sofre pelo cuidado a Deus e pelo próximo. É a morte de teu Jesus, porque, saiba-o, a palavra mais apropriada sobre a minha morte não é: flagelos, tortura, cruz; é: Amor.

(Trecho extraído dos cadernos de Maria Valtorta, 30 de Julho de 1943)


CANTARES 8:14 Vem depressa, amado meu, e faze-te semelhante ao gamo ou ao filho dos veados sobre os montes de aroma.


En verdad te digo que morir de amor es la muerte más cruel porque se sufre no por una sola cosa, sino por toda la creación. Se sufre por la atención a Dios y al prójimo. Es la muerte de tu Jesús, porque, sábelo, la palabra más adecuada sobre mi muerte no es: flagelos, torturas, cruz; es: amor.
+Cuadernos de María Valtorta, 30 de julio de 1943.

Unknown disse...

Parabéns pelo texto.
Convido a visitar meu humilde blog: www.planetaprisao.wordpress.com