quarta-feira, 30 de setembro de 2020

A jogada ideológica do Racismo


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter e Parler - @alertatotal

Como o apoio de dirigentes empresariais “jênios” e “jestores” (com Jota de Jegue), muitos profissionais de jornalismo e de marketing estão se deixando levar tanto pela ideologia que acabam transformando suas atividades em jornalixo e marketagem. A mais recente jogada foi a decisão do CEO de uma grande empresa de cosméticos (ela merece o descrédito pela burrada) ter extinguido a “Black Friday”, sob a alegação idiota de que o termo é “racista”.

É hora de acabar com a estupidez. Os conceitos corretos devem se impor para restabelecer a Verdade – que é a Realidade Universal Permanente. O Racismo é uma invenção meramente ideológica. Só existe a Raça Humana e a Raça Animal. Admite-se até a Raça Alienígena ou a Raça de Cachorro. O negócio de Raça Branca, Raça Amarela e Raça Preta é mera safadeza ideológica. Não tem base científica. Portanto, o “racismo” é mero instrumento de dominação, puro jogo sujo de poder, com o objetivo de provocar permanente divisão entre as pessoas, com fins de controle social.

Motivadas por essa onda artificial de “racismo”, empresas estão destinando muito dinheiro para se proclamarem “antirracistas”. As organizações firmam compromissos públicos demagógicos. Inventam programas sociais de efeito prático duvidoso. Promovem até a contratação de “negros” (cometendo uma baita injustiça com os brancos, pardos, amarelos, orientais, indígenas e por aí vai). Agora, até a famosa data de promoções em vendas entra na linha da marketagem por causa do termo “black” (preto ou negro).

Inegável que o termo Black Friday é uma porcaria para designar promoções de queima de estoques de produtos. Com certeza, é muito melhor a expressão “Beauty Friday” (Sexta Bonita, em com português de Bruzundanga). O problema é, mais uma vez, a jogada marketeira em torno de um “racismo” que atende a um perverso instrumento de dominação, que estigmatiza divisões e fraturas sociais.

Resumindo: Racismo é o Cacete!

Releia o artigo de André Luís Vieira: Democracia e fragmentos da realidade






Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 


©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 30 de Setembro de 2020.

4 comentários:

Ramiro Diego Staudinger disse...

Uma jogadora de vôlei, que saiu em defesa da que xingou Bolsonaro, disse que a CBV usou termos racistas como: DENEGRIR!!!!
É para rir ou chorar???

Anônimo disse...

Votei para deputado em candidato novo e tive a satisfação de vê-lo pedir o impeachment de Dória.

Anônimo disse...

A menos que tenha a mesma postura de Bill Gates que defende a vacinação compulsória universal mas nunca permitiu que seus próprios filhos fossem vacinados, o candidato Levy Fidelix, como autodenominado conservador (mas apoiou Dilma e Marta Suplicy!), precisa refletir sobre os riscos à liberdade humana representados pela tecnologia. É essencial para os conservadores entenderem que seus valores representam mais que busca de eficiência na vida cotidiana, sob pena de se tornarem apenas bons organizadores nazistas da fila para o forno crematório. O desconhecimento das descobertas científicas faz o homem comum relaxar sobre essa questão como se fosse teoria da conspiração. Um cartão, como sugerido no vídeo entre 21:00 e 22:00, com os dados do munícipe, inclusive tipo sanguíneo e DNA (!) parece ideia inovadora e eficiente, mas já foi pensada por muitos anteriormente que hesitaram em contribuir para o totalitarismo estatal. O candidato reflita sobre ser usado pelo dragão militar globalista, que deu a senha, no caminho seguro para o controle, na fala de Lula de que a esquerda deveria eleger o maior número de prefeitos possível. Agora compreendi que a função do prefeito não é a de simples zeladoria, mas a ponta inicial do polvo estatal controlador; é no município que as necessidades básicas do cidadão são conhecidas pelo poder público e onde os dados desse cidadão são coletados. Fidelix quer sobrepor o cadastro municipal de saúde ao do SUS, ampliando os dados (como o DNA) que facilitarão a inclusão das pessoas em vários nichos para uso em regimes totalitários (os dados coletados por governo honestos estarão igualmente disponíveis para governos ou metacapitalistas criminosos). O que é feito em metrópoles acaba replicado em cidades menores; por isso a grande responsabilidade dos prefeitos desses locais. Se for para seguir no aumento do controle do Grande Irmão, não precisamos de governantes conservadores: os revolucionários cumprem com entusiasmo essa função. O desafio para os "inovadores" é garantir que o crime não vença a sociedade, sem que as soluções nos levem ao governo do anticristo.


Eleições 2020 | Levy Fidelix (Money Report)
https://www.youtube.com/watch?v=TjZCAPNnts0

Anônimo disse...

[O que o "professor" do vídeo que expõe os scanners está nos dizendo é que um vírus vai inativar o gene que permite, dentro do cérebro, comunicação com Deus, pensamento crítico, oração. Esse vírus que ele chama, curiosamente, de coronavírus sugere que poderia se espalhar maciçamente na população, ele não diz como, talvez com chemtrails.
Mas no início da aula ele diz que é por meio das vacinas que os fanáticos religiosos podem ser mortos, o que indica que o vírus também pode entrar em qualquer vacina, e não se deve descartar que vacinas contra a gripe "inofensivas" ou que as crianças carreguem esse vírus de contrabando. (...)
As pesquisas mostram que os americanos estão cada vez mais cautelosos em aceitar uma vacina contra o coronavírus. (...) Os especialistas estão particularmente preocupados com os testes da vacina AstraZeneca, que começaram em abril na Grã-Bretanha, devido à recusa da empresa em fornecer detalhes sobre as doenças neurológicas graves de duas participantes, ambas mulheres, que receberam a vacina experimental.]

Uma pessoa vacinada fala: "Agora não sinto Deus" (Sinais do Reino/Diversos/Final dos Tempos) https://www.sinaisdoreino.com.br/?cat=4&id=12336