sexta-feira, 25 de setembro de 2020

As Seiscentas e cinco pragas


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Aileda de Mattos Oliveira

Um desperdício de dinheiro para sustentar tantas inutilidades. Agem, em sinergia, todo o tempo, o tempo todo, para destruírem o Brasil e o seu povo, por meio de ações nefastas, em tentativas contínuas de impedi-los de crescer, de se desenvolver. O que importa para essas miseráveis pragas são o ouro e o poder.

Sim, miseráveis pragas! Façam as contas: 11, no STF; 513, na Câmara Federal; 81 no Senado. Resultado: 605 pragas. Sem incluir nesta soma os governadores e prefeitos da mesma espécie.

Não importa se há fiapos de exceção, pois se não aparecem em público, se não se mostram contrários e veementes às contínuas tentativas de destruição do país pelas infames aberrações dos Onze, é porque, então, são coniventes, e, portanto, cúmplices.

Por que a parte consciente do povo parou de protestar? O rugido de um ínfimo Supremo o assustou? As caras amarrotadas e maquiavélicas de seus membros fizeram-no empalidecer? Será que o povo ainda não entendeu que tem uma força descomunal que precisa ser posta em execução? Essas pragas são nossos empregados, nossos serviçais, caros demais para o nosso bolso, sendo assim, cabe-nos exigir deles o que desejamos, reduzirmos o que pagamos a eles, de acordo com o que quase nada produzem, ou fazê-los sair de onde estão.

O que não pode, é continuar a empáfia de indivíduos inescrupulosos dizerem o que temos que fazer, comandar as nossas vidas, como se fôssemos seus títeres. Não podemos aceitar que a inversão de valores da esquerda se perpetue por meio das determinações desses grotescos indivíduos, dentro de um governo que deseja trabalhar em favor dos valores tradicionais, do país e de sua população.

Somos nós, o povo, que temos que escolher o que desejamos, portanto, não podemos ficar alimentando essa hipocrisia de máscaras na cara, por tempo indeterminado e, para isso, temos que retirar, publicamente, as máscaras da hipocrisia política desses roteiristas que desejam um enredo de misérias para o Brasil.

Foram os 605, vendidos à corrupção, os protagonistas do filme de terror, no qual 100.000 pessoas foram levadas pelo Covid 19. Onze executores da ordem e da pena de morte, apoiados pelos demais 594. Extravasando de suas funções, determinaram o impedimento de o Presidente Bolsonaro agir contra a doença que já se agravava. Bolsonaro avisara em fevereiro, antes do carnaval, que os governadores e prefeitos deveriam tomar cuidado com a disseminação do mal.

Mas, os euros e dólares dos gringos que desceram, em massa, dos transatlânticos (25.000, num só dia), fizeram os olhos do ambicioso governador carioca (agora, afastado) e do prefeito saltarem das órbitas. São mais de 605 genocidas. São mais de 605 pragas. Não foi somente o coronavírus o responsável letal, há mais de 605 vírus que acabaram com a vida de tantos brasileiros, e que ainda estão em plena fase de destruição.

Precisamos de uma vacina brasileiríssima (esta, somente o povo pode aplicar) para acabar com as pragas que infestam o país! As vacinas russa, chinesa e de qualquer outra de origem comunista ficam, especialmente, reservadas àqueles que se ajoelharam, se venderam e pediram a bênção aos dirigentes desses países.

Aileda de Mattos Oliveira é Dr.ª em Língua Portuguesa. Acadêmica Fundadora da Academia Brasileira de Defesa (ABD); Membro do Centro Brasileiro de Estudos Estratégicos (CEBRES) e Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil (AHIMTB), Articulista do Jornal Inconfidência.

Nenhum comentário: