sexta-feira, 25 de setembro de 2020

O risco para o futuro da Bolsa de Valores


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Carlos Maurício Mantiqueira

Nossa Bolsa de Valores está muito aquém da grandeza da economia do Brasil. Poucas empresas listadas; o órgão regulador mal situado numa cidade perigosa que nem mais bolsa tem; escolha de seus dirigentes mais por influência política que por capacidade técnica.

Autorizar Assembleias Gerais de acionista apenas por internet, parece contrariar o dispositivo constitucional de que ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer algo a não ser em virtude de Lei.

Por exemplo, um pequeno acionista individual (pessoa física) NÃO é obrigado a ter um computador e, portanto, estará alijado de comparecer à reunião virtual.

Mas o maior risco será quando a geração gramscizada chegar à alta administração das companhias abertas.

Vemos o presente caso de uma empresa discriminar candidatos a “traine” pela cor da pele.

Por coincidência, sua acionista controladora era (é ?) amiga da Anta fronteiriça.

O “aparelhamento” das empresas começou pelos setores de Recursos Humanos, que só contratam militantes de esquerda, “politicamente corretos, idiotas ou debiloides.

O cleptopartido político espera minar por dentro as elites empresariais do país para implantar a ditadura do proletariado.

Atônitos, políticos e urubus, viram a eleição de Bolsonaro como um duro revés que não conseguiram evitar nem com as urnas “batizadas”.

Surpresos estamos nós com a inação da Forças Armadas.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Um comentário:

Anônimo disse...

Dona Luiza Trajano, como prova, tem expertise comercial. Parece que assessorada por uma eclética empresa paulistana de RH, agora joga com a logística reversa do Politicamente Correto para faturar com seguidores alternativos, toda essa gente boazinha que milita no coitadismo generalizado e que, assim e por isso, o sustenta e mantém. Para uma ação ainda mais incisiva deveria estender essa campanha de acolhida a pretos jovens, também aos velhos pretos e de todas as cores, aos gordos, aos sem-teto e, last but not least - comme il faut ! - à fauna colorida dos LGBTxyz ... Tenho certeza de que seria indicada ao Guiness da Caridade! (lídia)