sexta-feira, 25 de setembro de 2020

O supremo dilema do Capimunismo Tupiniquim


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter e Parler - @alertatotal

 

A Petrobras precisará de aprovação do Congresso Nacional para vender suas refinarias. Esta é tendência do julgamento que será retomado no próximo dia 30 no Supremo Tribunal Federal. O STF já tinha decidido, no ano passado, que é necessário o aval legislativo para a venda de ativos de uma empresa-matriz.

Coisas do Capimunismo tupiniquim. Aqui temos a jabuticaba chamada “estatal”. São as empresas de economia mista. Controladas pela União, estados ou municípios. Os maiores fundos de pensão – detentores de participação acionária nas principais companhias públicas e privadas do País – são formados, majoritariamente, por empregados das “estatais”.

Novamente, temos a atividade econômica judicializada. Nosso regime “estatal” (de economia mista) alimenta um festival de insegurança jurídica. Dependendo das conveniências políticas e econômicas, a empresa opera conforme as regras da administração pública ou alega que é uma companhia aberta – que não deveria ser obrigada a seguir o  regramento excessivo da burocracia estatal.

O negócio é uma bagunça. As decisões são tomadas ao puro sabor das conveniências. O estatuto da Petrobras, por exemplo, define que suas pendengas jurídicas devem ser resolvidas na Câmara de Arbitragem da Bolsa de Valores (B3). Só que quando a decisão é desfavorável à empresa, a petrolífera rasga o estatuto e apela ao tapetão do Judiciário.

No show de roubalheiras do Petrolão, a empresa posa de “vítima”. A turma da Lava Jato reforçou esta “tese” questionável. Contraditoriamente, a “estatal de economia mista” indenizou investidores estrangeiros que a processaram no Tribunal de Nova York. A petrolífera se recusa a fazer o mesmo com os acionistas “minorotários” no mercado brasileiro. As brigas estão em arbitragens que demoram a chegar a um resultado final.

Uma hora a embromação vai se resolver. Da mesma forma que o debate econômico e político. O Presidente Jair Bolsonaro foi eleito com a promessa de realizar privatizações. A metade do governo vem chegando, e pouca coisa acontece em termos de desestatização. Bolsonaro reluta em mexer nas maiores estatais. Sua única bronca é com os Correios – que desperta o interesse da turma da Magalu, do Grupo Silvio Santos e das Americanas.

Assim, vamos que não vamos no Brasil Capimunista. E, semana que vem, assistiremos a mais um espetáculo de demagogia no julgamento do STF. Depois, perguntam por que investidores fogem daqui ou querem distância do tacanho mercado brasileiro.

Ah, faltam três meses para o Natal.


Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 


©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 25 de Setembro de 2020.

Um comentário:

Loumari disse...

O DIVINO E O ETERNO!

Quem se deixa dominar pela cruz, destrói na alma três reinos maus que são: O mundo, o demónio e a carne, e estabelece outros três reinos bons que são: O reino espiritual, o divino e o eterno.

(1) Esta manhã, vendo que não vinha o bendito Jesus, me sentia toda opressa e cansada. E quando apareceu, disse-me:

(2) "Minha filha, não queiras cansar-te no que é sofrer, faz como se a cada instante apenas começas a sentir a dor, porque, quem se deixa dominar pela cruz, destrói na alma três reinos maus, que são: O mundo, o demónio e a carne, e estabelece outros três reinos bons que são: O reino espiritual, o divino e o eterno".

(3) Depois de dizer isso, desapareceu.

(Extracto do Livro do Céu, Vol. 6-41 Junho 3, 1904- Luisa Picarreta)


Quien se deja dominar por la cruz, destruye en el alma tres reinos malos que son: El mundo, el demonio y la carne, y establece otros tres reinos buenos que son: El reino espiritual, el divino y el eterno.

(1)Esta mañana, como no venía el bendito Jesús, me sentía toda oprimida y cansada. Después, al venir ha dicho:

(2) “Hija mía, no quieras cansarte en el sufrir, haz como si a cada instante comenzaras a sufrir, porque quien se deja dominar por la cruz destruye en el alma tres reinos malos, que son: El mundo, el demonio y la carne, y establece otros tres reinos buenos que son: El reino espiritual, el divino y el eterno”.

(3) Y ha desaparecido.

(Libro del Cielo, Vol. 6-41 Junio 3, 1904 - Luisa Picarreta