terça-feira, 20 de outubro de 2020

Hora e a vez das Startups


Edição
do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter e Parler - @alertatotal

O Presidente Jair Bolsonaro encaminhou ontem ao Congresso Nacional uma das mais importantes medidas econômicas de seu governo: o Marco Legal das Startups. O objetivo da proposta é simplificar a criação de empresas inovadoras fomentar a pesquisa, o desenvolvimento e a inovação e regulamentar o ambiente regulatório experimental. Tomara que deputados e senadores não avacalhem a proposta.

As Startups são o futuro do presente. São ideias que se tornam empresas focadas em soluções tecnológicas. Todas estão prontas para receberem investimentos produtivos. A explosão das Startups atende a uma demanda do momento do mercado. Em tempos de baixa no juro básico da economia (beirando o retorno zero), é mais inteligente investir em negócios promissores, com perspectiva real de rentabilidade produtiva, gerando renda, empregos e lucros.

A demanda é crescente nas soluções digitais. Por isso é fundamental que o Brasil foque no debate para a solução mais correta para a Internet 5G. Precisamos de qualidade e preço compatível de banda larga. O negócio é para ontem. Hoje somos hiper-super-mal-atendidos. Pagamos caríssimo por Internet e telefonia que funcionam muito mal. Temos muito a evoluir. E o assunto não é mais um desejo: é uma necessidade urgente. Por isso, não há margem para decisões erradas.

O desafio está lançado. Daqui a muito pouco tempo, nada será como é agora. A disrupção (ou disruptura) não poupará os ineficientes e improdutivos. O brasileiro – incluindo governos, empresários, investidores e trabalhadores terão de mudar, imediatamente, de mentalidade. Não há mais espaço para o atraso Capimunista Rentista e seu modelo de corrupção sistêmica.

É hora e a vez das Startups, puxando o ritmo Capitalista Produtivo. Eis o caminho sem volta. É vencer ou vencer! Pau nos corruptos e nos sofisticados patrocinadores do atraso!





Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 


©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 20 de Outubro de 2020.

XOMÍRDIA


Artigo no Alerta Totalwww.alertatotal.net

Por Carlos Maurício Mantiqueira

Não preciso dizer aos amáveis leitores que o país está uma bagunça. Melhor dizendo. Uma bagonça ! Por omissão desta (ou seria omicção)?

Teria a felina mijado na rabichola ?

Esta “gripezinha é pior que a espanhola ?

E uma mina de sovaco peludo, o beiçola encararia e se eleita deputada; deputaria ? O boca de veludo seria então o sortudo que veria tudo ?

“Ingual” o papacapim que vendo deu povo esmagado entra mudo e sai calado ?

Quem é contra aa tauromaquia receberá pernacchia ?

Tomando coca e comendo repolho soltará gazes até pelo olho ?

Pimenta ardida e suculento molho serão pro cão egresso como o povo, um escolho ?

Porfas e Pornefas, o gigante Adamastor impreca contra a vacina do alfacinha (quase mina) feita na cãochinchina ?

O cervídeo, cansado de purpurina e confétis, tenta arrebatar do gigante, Tétis ?

Trocaria a nereida seu tão grande amado por mequetrefe pedalante na ciclovia do inferno ?

Não usa sarongue nem elegante terno; só roupinhas de cara pós moderno.

Provará da vachina no cabo das Tormentas ou chupará apenas balinhas de ementas de supremos flagelos que com o mal têm elos ?

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

A Trama do Autoengano


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Renato Sant’Ana

É fácil praticar o autoengano: basta acreditar nas bajulações dos políticos treinados para dizer aquilo que você espera ouvir.

A candidata Manuela d'Ávila (em Porto Alegre), por exemplo, diz que, em média, 18% dos porto-alegrenses estão buscando emprego há dois anos.

É a introdução para apresentar soluções artesanais para problemas de macroeconomia, com aquele salvacionismo próprio da esquerda.

Claro, ela jamais dirá que o desemprego que assola o Brasil começou com a maior recessão da história do país, que teve sua culminância em 2015: foi o presente dado aos brasileiros pela esquerdista Dilma Rousseff (que

Manuela já elogiou, chamando de grande estadista).

 

Depois, ainda negando os fatos, ela jamais admitirá que o imenso buraco em que o governo petista de Dilma (continuação do "outro") enterrou o Brasil foi reduzido, lenta e continuamente, nos governos de Michel Temer e de Jair Bolsonaro, até chegar a maldita peste chinesa.

Atrás de cada candidato - da Manuela inclusive - há um marqueteiro que modula a linguagem da campanha: isso é marketing eleitoral, não é marketing político. Engole quem quer!

O papel do marqueteiro é ensinar a iludir. E tem político que aprende depressa. Como resultado, gente que não sabe o que é trabalhar, que professa os dogmas da religião marxista, que quer uma revolução para se tornar dirigente (não povo), segue a lição à risca.

Essa gente bajula o funcionalismo público, apresenta fórmulas mágicas de gerar emprego e renda, promete o paraíso aos mais pobres, diz-se capaz de garantir educação e saúde para todos e por aí vai...

Haverá emprego e renda sem crescimento econômico, oh sapiente?

Quando foi que o esquerdismo entendeu de crescimento econômico?

E quando foi que teve capacidade de pôr em ordem as finanças públicas?

Que o eleitor não venha queixar-se de ser enganado, mas que reflexione um pouco e tenha a grandeza de não praticar o autoengano.

Renato Sant'Ana é Advogado e Psicólogo. E-mail sentinela.rs@uol.com.br

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Força Psicológica é tudo


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter e Parler - @alertatotal

O senador Chico Rodrigues se transformou em mega-alvo de piadas, charges e memes, depois que uma operação da Polícia Federal que foi fundo e flagrou com dinheiro escondido em áreas mais escondidas que a própria cueca. O fato vergonhoso foi filmado, mas foi tão escroto que o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, preferiu impedir que as imagens constrangedoras fossem exibidas.

O senador Chico, de Rondônia, tinha papel de extrema relevância política. Era vice-líder do governo Bolsonaro no Senado. Mas tinha um papel estratégico mais importante que isso: era um dos maiores articuladores da inconstitucional tentativa de reeleição de Davi Alcolumbre à presidência do Senado e do Congresso Nacional. Graças ao eficaz trabalho da Controladoria Geral da União, indiretamente, foi David quem, no final das contas, realmente tomou no CGU...

Chico Rodrigues vai ter de renunciar ou acabará detonado por seus pares. A perda da condição moral é uma tragédia para qualquer um. Inclusive para os políticos que costumam ser ruins no quesito da moralidade. A desmoralização de corruptos tem sido uma boa novidade no cenário da politicagem tupiniquim. A tendência é que se intensifique a revolta popular contra a “roubalheira”. Vale insistir que no Brasil vivenciamos uma onda consolidada de bronca e insatisfação contra corrupção, discriminação, preconceito e abusos sexuais.

Na vida, na política e no futebol, a força psicológica é decisiva para a conquista de triunfos. A torcida do Flamengo está em êxtase depois da impressionante vitória de 5 a 1 sobre o Corinthians. Foi mais uma demonstração pública da importância da força psicológica – e por que não? – moral. O time treinado pelo catalão Domenec Torrent – que vinha até vencendo, mas não convencendo – recuperou a força mental e voltou a ganhar jogos de maneira impressionante. Ainda não há certeza de que esteja voltando ao patamar de quando era treinado por Jorge Jesus. A conferir...

Agora, mais que nunca, o Brasil necessita da força moral e psicológica do seu eleitorado. O cidadão precisa acertar bastante na dedada na urna eletrônica. Não dá mais para suportar guardadores de grana na cueca ou em lugares mais profundos e inconvenientes. Precisamos de políticos que se mostrem vencedores na correta gestão da coisa pública. Enquanto esse sonho não vira realidade, vamos batendo recordes de produção imagética na crítica implacável aos violadores da moral republicana. O senador Chico Rodrigues vai tomando goleadas de gozações. Ele merece sofrer nas implacáveis mãos dos proctologistas da imprensa... Haja dedada!   

















Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 


©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 19 de Outubro de 2020.

ALIVIADO

Artigo no Alerta Totalwww.alertatotal.net

Por Carlos Maurício Mantiqueira

Aqui estamos; na cidade de São Paulo. Como poetas, entre trovas e covas.

Ele está no de São Paulo estado; aliviado.

Quer nos tratar como gado mas por boi bravo será chifrado.

O Brasil além de todas as grandezas, tem a Bomba Alimentar.

Se os xing-ling não pararem de nos amolar, comida para eles não iremos mais mandar.

Após uma semana, a maioria já morreu de fome. Não há maior riqueza na vida que produzir alimentos. Ninguém come minérios !

Já os “açeçores” do querido Mito, deixam nosso povo aflito.

Só asneira; o dia todo, a semana inteira.

Hábeis como macaco em loja de louça, só fazem merda (que ninguém nos ouça !)

O heróico brado, pela pandemia foi quebrado.

“Mas a Economia nós vemos depois” era o mantra da gente pilantra.

Direi uma verdade que talvez não lhes contem :O hoje, amanhã será ontem.

Carpe diem é o mote das carpideiras e do herdeiro princeis.

“Salvemos os bancos e aqui pro ceis !”

Antes éramos seis, como no livro; hoje ainda “menas”, como galinhas perdendo as penas.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

domingo, 18 de outubro de 2020

Estelionatos Pandemônicos


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter e Parler - @alertatotal

A crise global do coronavírus veio acompanhada do espectro do autoritarismo e da mentira calculada. Foi um espetáculo de canalhice combinado com a marketagem da engenharia social. Depois do lockdown que arrasou a economia, a doença continua aí, contaminando, porém mais assustando que matando. Sobrevivemos em tempos de estelionatos pandemônicos.

A próxima jogada já está programada. É a historinha da vacina. Todo mundo está cabreiro com a impressionante rapidez com que se promete entregar o “remédio”. A dúvida básica é se vai funcionar tão depressa, em cerca de um ano de pesquisas, testes e desenvolvimento para fabricação em massa. Ignorando isso, já se começa uma campanha que sinaliza a obrigatoriedade da vacina, assim que a primeira grande leva estiver produzida.

Se o negócio vai realmente proteger as pessoas da COVID-19, aí é outra conversa. Nada é garantido. Tudo é promessa. Marketagem acima de tudo! O governador de São Paulo, João Dória, é um dos maiores craques no quesito. Dória já irrita muita gente com a imposição de tomar a vacina. Na verdade, quer apenas faturar política e economicamente com o negócio que fechou com os chineses, pouco antes da pandemia estourar.

A vacina vem aí? Claro que vem... Isto é tão certo quanto a previsão de que novos vírus, tão mortais perigosos quanto o Covid-19, também pintarão no pedaço. Mais que a capacidade letal, o vírus chinês conquistou o mundo pelo inédito marketing político do pavor. O medo expandido socialmente viabilizou os experimentos autoritários. Lockdown, distanciamento, uso obrigatório de máscaras (inclusive as com proteção duvidosa) e por aí vai...

Os estelionatos pandemônicos vieram para ficar...



Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 


©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 18 de Outubro de 2020.

DORIANA, UM ENVIADO ESPECIAL?


Artigo no Alerta Totalwww.alertatotal.net

Por Carlos Maurício Mantiqueira

Diante dos acontecimentos envolvendo um senador poupante na dita cuja, um importante banco europeu estaria inclinado a mudar seu nome para Caudabank.

Teria até contratado um tarado cuecanãousante para ser seu representante.

Doriavante, seria o grande aplicador do chinopurgante.

As sequelas não são nada belas.

Trombose e lordose em tamanho elefante.

Aplicada em velhinho ou infante, fabricada por empresa marca barbante, talvez só sirva pra quem usa colante.

Tenho mais raiva da Onça que do inventor da geringonça.

Tudo vê e tudo sabe (será) e fica a deixar que nossa Pátria acabe.

Usar máscara preta é homenagear o Vendeta (ou quase isso)?

Quem usou cloroquina não fala com voz fina.

O que fica em casa, sua saúde e família arrasa. Como fica a Economia ?

Girafa fantasiada de gato não mia!

Tem uma bruta dor de garganta e gargantuesca fome, maior que a ambição do dinheiro que some.

Por esperar não se perca. Baterás o rabo na cerca.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Omissões e conseqüências


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Renato Sant’Ana

Enquanto pessoas boas encontram justificativas para não agir, as más são más em tempo integral.

É bem útil observar o que ocorreu no Rio de Janeiro em 2016.

Na eleição para prefeito, 47,3% dos cariocas (quase a metade dos habilitados para fazê-lo) não votaram no 2º turno. Ou seja, mais de 2 milhões, somando 300 mil a mais do que os votos dados ao candidato eleito, omitiram-se, deixando que outros decidissem por eles.

No 2º turno, os cariocas tinham de eleger entre Marcelo Crivella, militante da Igreja Universal, e Marcelo Freixo, militante da esquerda: eram representantes de duas "religiões" disputando o poder.

Entre os que se omitiram, quantos terão aprendido? Os devotos da esquerda e os devotos da Universal sabidamente não ficariam em casa, mas iriam às urnas. Foram. Votaram. E se elegeu Marcelo Crivella.

Brasil afora, viu-se mais ou menos a mesma demonstração de desinteresse pela política, uma omissão que só favorece aventureiros.

As pessoas esquecem que, abandonando a política, tornam tudo mais fácil para os egoístas que só querem o poder.

Caberá deixar para outros a decisão de quem vai administrar a cidade?

Será válido o risco de que tudo se resolva num embate entre fanáticos?

Inclusive porque a omissão é uma forma de egoísmo, é melhor observar os erros dos outros e não os imitar.

Renato Sant'Ana é Advogado e Psicólogo. E-mail sentinela.rs@uol.com.br

A Morte Lenta das Instituições


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Percival Puggina

Instituições morrem. Se não sofrem de morte física, padecem os tormentos da morte moral. Em breve, o escorregador da desonra não permitirá mais a muitos de seus membros mesa no restaurante, abraço dos amigos, pé na calçada da rua. Também assim se evidencia a tragédia brasileira. Sem a mais tênue sintonia com a sociedade, salvo honradas exceções, seus membros afirmam em tom orgulhoso que as instituições “estão funcionando”. Que bolha pensam habitar?

A mais alta corte de Justiça do país, em duas inteiras e consecutivas sessões plenárias, decidiu, por nove votos contra um, que o líder de uma das duas maiores facções criminosas do país, condenado por tráfico internacional de cocaína, beneficiado por habeas corpus, deveria voltar para a cadeia... Ah! Se não houvesse tal decisão, quem prendesse o tal André do Rap por ordem de Luís Fux, teria que soltar pela ordem de Marco Aurélio? Note-se que André do Rap, nome de guerra do gajo, forneceu endereço falso e saiu da prisão diretamente para seu jatinho. Com ele, bateu asas e voou. Mas o STF brasileiro precisava confirmar que o habeas corpus concedido pelo insólito ministro Marco Aurélio não estava mais vigendo.

Ao cabo de dois dias de sessão, o Supremo concluiu que André, quando capturado, deve voltar para a prisão porque seu comportamento posterior à soltura violou as condições em que esta lhe foi concedida.

Enquanto assistia estupefato aos votos dos senhores ministros eu me perguntava o que estaria passando pela cabeça dos criminosos brasileiros perante aquela ridicularia, passarela de vaidades para a qual o ministro Marco Aurélio Mello, inevitavelmente, arrasta qualquer debate. Não lhe passa pela mente que o cidadão brasileiro, desafortunado pagador do show, é bastante inteligente para saber que se o ministro estivesse minimamente interessado na nação e não no conforto de seu arbítrio, deveria ter pedido informações? Usado o telefone? Em juízo criminal, o bom juiz deveria, sim, olhar quem é o sujeito do processo para identificar quem lhe pede habeas corpus.

Não sabe o ministro que o Brasil é um país inseguro porque há, nas ruas, centenas de milhares de indivíduos que deveriam estar presos porque são criminosos profissionais? Que existem mais de 300 mil mandados de prisão para serem cumpridos? Que o Brasil, por essas sutilezas de linguagem, trata como “presos provisórios” inclusive tipos de alta periculosidade, condenados em duas e até em três instâncias que jogam com as chicanas processuais enquanto buscam a prescrição?

O cidadão comum, cumpridor de suas obrigações, trabalhador responsável, sabe que apenas um número infinitesimal dentre os mais de 700 mil detentos nas prisões do país tem acesso expedito a um gabinete do STF. Menos ainda a deferência de duas sessões plenárias consecutivas para cuidar do seu caso. Chega a ser ridículo o ar solene com que algo tão burlesco é levado à plateia nacional.

Não, leitor, não olhe para o outro lado da praça. Lá funciona, solidário e majoritário, sem credo nem cor, ativo mecanismo de autoproteção. Ele exerce a prerrogativa de gerar uma legislação penal e processual para cuidar do passado, presente e futuro de todos os seus membros enquanto as instituições morrem na alma nacional.

Percival Puggina (75), membro da Academia Rio-Grandense de Letras e Cidadão de Porto Alegre, é arquiteto, empresário e escritor.

O ministro, o ongueiro e o traficante


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por José Maurício de Barcellos

A gente sabe que no Brasil, com a vinda da “Nova Ordem”, surgiu também uma oposição doentia, psicótica e irada que, tendo se convencido de que não teria jamais força para golpear em definitivo o governo eleito em 2018, passou a trabalhar para destruir a Nação internamente e para desmoralizá-la no exterior visando a voltar ao poder. Aqueles oposicionistas não têm escrúpulos, não têm sentimentos, não têm limites e, no geral, são bem iguais aos chefões que dirigem as muitas facções criminosas existentes no País.

 

As tropas oposicionistas de hoje se comportam exatamente como agem as muitas sociedades do crime organizado, quer as maiores e mais ferozes (CV, PCC, TC, ADA) quer as menores que controlam diretamente o tráfico nos guetos e nos morros. Em ambas atuam pessoas que não querem ceder um milímetro dos territórios dominados, que não querem negociar coisa alguma ou abrir mão dos seus ganhos e privilégios, não admitem que se discutam seus métodos ruinosos ou ultrapassados, nem muito menos que o Brasil tenha o direito de não as querer mais.

 

Dito assim pode parecer um exagero, mormente numa sociedade cujo desenvolvimento social e econômico não permitiu que o povo se conscientizasse de seu próprio poder porque até hoje não lhe foi permitido ter o mínimo necessário para viver com dignidade e avaliar as coisas com clareza, porém as consequências que resultam deste cenário são tão surpreendentes, terríveis e apavorantes que podem ser percebidas, no dia a dia, por qualquer do povo.

 

Quem neste País, por mais alienado que seja não se assustou ao ver um Ministro da Suprema Corte aliado e alinhado com os interesses de um dos mais perigosos Chefões da mais temida Organização Criminosa, o famigerado PCC? Quem dorme tranquilo sabendo que o tal Ministro e vários de seus pares, que integram a corrente dos “Mandarins Solta Bandidos” do STF, trabalham diuturnamente para manter impunes o crime organizado e a corrupção que desgraçou nossa Nação? Quem neste País pode trabalhar em paz vendo o que diariamente fazem as duas casas do Congresso Nacional tentando derrubar o governo eleito em 2018? Vejam como esses maus brasileiros procedem; atentem para seus métodos e para suas práticas; dimensionem sua petulância e ousadia tanto quanto as acintosas traições por eles perpetradas aqui e no exterior. Suas atitudes e procedimentos são ou não semelhantes aos dos líderes das associações narcotraficantes?

 

A única diferença que encontro entre a turma dos vermelhos e a dos facínoras das OCRIM's é que o campo de atuação destas últimas é, por assim dizer, mais restrito, se restringe ao negócio do tráfico e o de suas ramificações, enquanto que o campo da atual oposição ou da esquerda delinquente é mais abrangente atinge todos os segmentos da sociedade, principalmente a economia, a saúde, a educação e, evidentemente, a segurança publica, quiçá a segurança nacional.

 

Bem sei que deixo muita gente chocada quando prossigo nestas sendas para concluir que considero muito mais nocivos e perigosos para a Nação Verde e Amarela os FHC’s, os Lulas e as Dilmas da vida, do que o conhecido malfeitor “Fernandinho Beira Mar”, por exemplo, ou do que este tal assassino cruel, chamado de não sei o quê do RAP, que o Mandarim do esquizofrênico Collor, Marco Aurélio de Mello, sem pudor ou cerimônia alguma, botou na rua, além de premeditar sua fuga do País e isto tudo, diga-se com decepção e revolta, após decorrerem umas poucas horas que este povão sofrido pagou, pela milionésima vez, sua polpuda remuneração acrescida dos régios penduricalhos, com os quais sua excelência sangra mensalmente os cofres públicos. Por conta de uma tremenda reação da opinião pública o STF limpou a sujeira em seguida, mandando prender o facínora novamente, mas isto vai nos custar rios de dinheiro.

 

Neste mesmo diapasão falo em relação à oposição à “Nova Ordem” e aos que apoiam e prestigiam aquela gente sem patriotismo algum, homiziada nos Tribunais Superiores, no Congresso Nacional, na máquina governamental, nas famigeradas ONG's ou nas Associações da vermelhada que não querem conversar, ouvir e muito menos contribuir de alguma forma, sem quem antes lhe seja restabelecido o direito de voltar a roubar impunemente do erário público ou quanto mais não seja, de ver restabelecidas suas bocas e bocarras, concedidas nas três últimas décadas.

 

Vou dar um exemplo. Ainda outro dia assisti a um vídeo que transita no território livre da rede mundial de computadores, no qual um antigo “petralha” de Lula e Dilma – um “ongueiro” desses, que mamou muito nos cofres da área do meio ambiente, como assecla da “ET da Floresta”, Marina Silva, hoje mais conhecida como mulher e sócia de um dos maiores traficantes de madeira da Amazônia - ofendeu, menosprezou e tentou humilhar o elegante e competente Ministro Ricardo Salles do Meio Ambiente que veio para por fim a 30 anos de incompetência, de atraso e de integrismo por parte desta canalha de nefários ecologistas, que Bolsonaro varreu do Planalto e que, por conta de sua impecável atuação, um senador com cara e voz de baitola e o abominável PCCSOL tentaram sordidamente “impichar”. Quebraram a cara!

 

Enquanto o jovem e brilhante Ministro de Bolsonaro explicava, com cortesia, o que sua pasta estava realizando, justificando com humildade o quanto se estava evoluindo nesta área porque imprescindível para cumprir a lei e atender os novos tempos, o colérico “onguista”, João Capobianco, ao ver desmascaradas suas farsas gesticulava e se debatia como um possesso, chamando desrespeitosamente o Ministro de “garotão ignorante” e daí para baixo. Tanto fez que a jornalista mediadora interveio pedindo calma e, então, o Ministro acabou por sentenciar: “deixa ficar, quando sobrar algum dinheirinho para suas Ong’s ou para suas Consultorias” esses xiitas se calam. Tudo para aquela gente é grana e por grana muitos já morreram nas mãos dos “petralhas” ou dos vermelhos em geral.

 

Pois é isto mesmo. Com exceção dos poucos, muito poucos mesmo, que criticam para colaborar ou para discutir o Brasil, a oposição atual procede tal qual a bandidagem de um modo geral, briga para ver restabelecidas suas “bocas no poder”, luta entre si para melhor a posição de seus postos de controle de onde, por muitas décadas, mantiveram seus domínios, sobretudo nas áreas da saúde, dos direitos humanos, do meio ambiente, da educação, da infraestrutura, da segurança pública etc.

 

A rigor, depois que desgraçaram a vida de 25 milhões de brasileiros, realmente pouco se lhe dá quantos mais serão ainda os atingidos ou os infelicitados. Penso que se a trupe da oposição à “Nova Ordem” abandonasse seus nichos e bunkers no cenário nacional para chefiar diretamente as associações do crime organizado seria ela muito mais perversa e letal e talvez nem mesmos as migalhas que os traficantes costumam atirar para os que os cercam seriam ainda distribuídas. No fundo, como ensina o velho ditado, esses ministros, esses “ongueiros” e esses traficantes do pedaço “tudo é farinha do mesmo saco”.

 

 

José Mauricio de Barcellos ex Consultor Jurídico da CPRM-MME é advogado – E-mail: bppconsultores@uol.com.br

Na boca do Fogareiro


Poesia no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Miguezim de Princesa

I

Antes era no colchão

Que se guardava dinheiro,

Depois usaram a cueca

Como novo mealheiro

E agora escondem a grana

Na boca do fogareiro.

 

II

Quando bateram na porta,

O senador se tremeu,

Olhou pra achar um buraco,

Não achou e resolveu

Por três maços de 200

Na porta do camafeu.

 

III

Arrumou os três pacotes

Dentro do samba-canção,

Em seguida abriu a porta

Pro Delegado Sansão

E disse: "Aqui é limpeza,

Não temos corrupção!".

 

IV

Começou por toda a casa

A busca e apreensão:

Acharam um cofre escondido,

Lá por detrás do fogão,

Todo socado, entupido,

Com mais de meio milhão.

 

V

Lá pras tantas, o senador

Disse que ia urinar,

O Agente Zeferino

Resolveu o acompanhar

E achou um pouco estranho

Aquele jeito de andar.

 

VI

Me responda, senador:

Você tá entiriçado?

O passo está bem miúdo,

Parece um pinto piado,

Ou o senhor se assou

Ou está todo cagado.

 

VII

Foi então que o delegado

Resolveu o quiproquó:

- Senador, tire essa roupa,

Para um exame melhor!

Aí acharam os três maços

Na boca do fiofó.

 

VIII

Em Brasília, Bolsonaro

Se sentindo pressionado,

Retirou da liderança

Seu cumpade enrolado

Disse: "Cabou corrupção

Se não olhar do meu lado!"

 

IX

A Direção do BC

Ficou muito indignada:

- Uma nota tão novinha,

Bonita, recém-lançada,

Agora volta pra cá

Amarela e desbotada.

 

X

Fizeram o exame da goma

No nobre parlamentar:

Ele sentou numa bacia

E começou a bufar,

Mas não restou nenhuma prega

Pro perito apreciar.

 

XI

A coisa ficou ruim

Pra quem gosta de contar

Dinheiro passando a mão,

Indicador e polegar,

Na língua velha estirada

Com cheiro de vá lavar.

 

XII

Inda ontem no Senado,

O líder da oposição

Se  mostrava impressionado

Com a força do Chicão:

Ou a nota era pequena

Ou ele tem o Centrão!

Miguezim de Priuncesa é Poeta.