sábado, 31 de outubro de 2020

Camaleões e a Arte de Enganar


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Renato Sant’Ana

Os camaleões são répteis notáveis por mudarem de cor. Em sua pele há células que contêm nanocristais flutuantes, os quais refletem a luz em comprimentos de onda e cores conforme a posição e o espaço entre si: à medida que os cristais se reorganizam, altera-se a cor do animal.

É incrível, mas eles trocam a cor de propósito, ocultando a identidade para enganar adversários e para despistar predadores. Também o fazem para... conquistar: quando um camaleão pantera macho encontra uma fêmea, por exemplo, sua pele muda do verde para o amarelo.

É o maravilhoso espetáculo da natureza!

Nada de maravilhoso há, porém, quando,  em defesa do autointeresse, humanos agem como camaleões, enganando para conquistar a confiança alheia: o que há é cinismo, malandragem egoísta e trapaça vulgar.

E é sabido que, no dito "mundo da política", o comportamento camaleônico está muito presente. Convém que nos perguntemos por quê.

Um dos mais repulsivos exemplos é o dos militantes de ideologias materialistas que se fazem passar por cristãos.

Lula propôs ao PT, como estratégia de retomar o poder, criar "núcleos evangélicos", ideia que lhe surgiu durante os 580 dias em que esteve preso por corrupção e teve tempo para ver pastores evangélicos na TV.

Foi em tom de deboche, falando a uma tal TV do Trabalhador, que Lula disse querer "entrar nessa". E que até tem "jeitão de pastor".

Neste 2020, o cinismo está solto. Em sua coluna, Cláudio Humberto registra: "Campanhas do PT Brasil afora evitam usar a tradicional simbologia partidária, como a estrela petista. Jilmar Tatto, em São Paulo, não evitou a cor vermelha, mas trocou a estrela por um coração."

A comunista Manuela d'Ávila, candidata à prefeitura de Porto Alegre, além de adotar um discurso que esconde suas crenças materialistas e seu combate ao cristianismo, mudou a forma de vestir-se para ficar parecida com uma recatada mulher evangélica - puro marketing eleitoreiro.

Em 2018, Fernando Haddad e Manuela d'Ávila, em campanha eleitoral, foram a uma igreja católica, ouviram missa e fingiram rezar.

Mas talvez a melhor síntese da reptiliana ética da esquerda esteja na fala do então deputado petista Wadih Damous, em 2018, ao referir-se ao ministro Gilmar Mendes (STF): "O Gilmar hoje é nosso aliado, amanhã volta a ser o nosso inimigo, mas hoje ele é nosso aliado."

Como disse Lula, a esquerda "faz o diabo" para tomar o poder: dissimula intenções, muda a forma de se vestir, troca a cor da gravata, faz alianças de ocasião e fala só o que as pessoas querem ouvir.

É o fenômeno do mimetismo, pelo qual, para enganar adversários, certos animais, como camaleões (e alguns animais políticos), tomam a cor e a configuração dos objetos ou de outros seres do meio em que vivem.

Pois o mimetismo é o truque do momento na política. E só o é porque são muitas as pessoas de boa inclinação moral que se deixam iludir pelas aparências, gente que ignora a máxima de Schopenhauer: "Quem espera que o diabo ande pelo mundo com chifres será sempre sua presa."

Renato Sant'Ana é Advogado e Psicólogo. E-mail sentinela.rs@uol.com.br

FAQUEBOOK


Artigo no Alerta Totalwww.alertatotal.net

Por Carlos Maurício Mantiqueira

O Orkut acabou!

Pelo andar da carruagem, seus substitutos também acabarão.

Não contentes em ganhar rios de dinheiro, seus donos agora querem o poder. Passam a censurar quem emite opiniões contrárias aos seus interesses . Parece que se “venderam” aos implantadores da Nova Ordem Mundial.

Esse grupo de várias faces, quer nos reduzir à escravidão total e eliminar grande parte da população da Terra.

Um deles, muito “bonzinho”, criou uma vacina tipo talidomida, para alterar o DNA das vítimas que a tomarem e injetar-lhes um microchip; perecerão em seguida.

Clube Bilderberg, Illuminati, Diálogo Interamericano, Foro de São Paulo, etc. são as várias caras que assumem para nos iludir.

Peço aos amáveis leitores que se informem pessoalmente.“Nullius in verba”.

Indicações de links para pesquisas:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Clube_de_Bilderberg

https://pt.wikipedia.org/wiki/Illuminati

https://pt.wikipedia.org/wiki/Di%C3%A1logo_Interamericano

Pessoas e/ou instituições são cooptadas em todo o mundo, para trairem suas Pátrias, seus princípios, sua honra e sua fé.

Alguns estados já sucumbiram. Verbi gratia: Cidade Estado do Vaticano, França e Venezuela. Outros estão quase: Espanha e Argentina.

O Brasil , Terra da Santa Cruz, se opõe ao anti-cristo.









Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

sexta-feira, 30 de outubro de 2020

Chapa Ciro-Lula? Golpe eleitoral


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter e Parler - @alertatotal

A esquerdalha pensa que todo mundo é idiota. Ficou completamente manjado o movimento para criar um factóide prematuro para a campanha presidencial de 2022. O marketeiro João Santana deu uma entrevista ao Roda Viva para especular sobre uma chapa presidencial encabeçada por Ciro Gomes com Lula da Silva de vice. Aí se anuncia que a dupla, que sempre viveu entre tapas e beijos, fez uma reunião de conciliação. Pura ficção política.

A chapa Ciro-Lula já nasce morta. Trata-se de um estelionato político antecipado. Todo mundo sabe que o companheiro $talinácio, condenado várias vezes por corrupção, não tem direitos políticos para disputar eleição. Portanto, na prática, Lula é candidato a nada. Assim, a jogada é pura farsa. Para piorar, dificilmente, o PT aceitaria indicar algum candidato a vice. A gula petralha pelo poder exige sempre estar na cabeça de chapa. Por isso, a parceria com o PDT já nasce mais morta que Inês.

A esquerda sabe que a eleição de 2022 será quase impossível de vencer. Não é só por causa da popularidade persistente de Jair Bolsonaro – a cada dia mais candidato à reeleição. Pesquisas criteriosas indicam que a tendência do eleitorado é pelo voto conservador, mais à direita. Deste modo, será bem complicado emplacar uma candidatura esquerdista. Até um nome de centro-esquerda pode não ser viável.

O “Centrão” está no poder com Bolsonaro. Dificilmente, a base fisiológica do Congresso Nacional vai dar mole para largar o poder. Não vai ser a gritaria desesperada da esquerda, com mentiras, oposição irresponsável e falta de propostas honestas, que vai alterar o jogo. A tucanalha, que é a esquerda envergonhada, tende a embarcar na aventura de uma candidatura light, como a de Luciano Huck. Todo um trabalho de marketing é feito para que Angélica seja primeira-dama. Mas o andar da carruagem indica que é mais fácil a Michele ficar onda está...

A antipatia arrasa, antecipadamente, com a candidatura Ciro Gomes. O cearense é uma mala pesada. A vaidade de Lula, Presidente em dois mandatos, impediria que aceitasse uma posição subalterna a Ciro. Assim, cogitar uma união Ciro-Lula é um baita golpe eleitoreiro. Nem a Velhinha de Taubaté, inteiramente bêbada ou drogada, apostaria em tamanha mentira. Ciro será candidato presidencial pelo PDT. Lula é candidato ao ostracismo. O resto é conversa fiada.





Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 


©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 30 de Outubro de 2020.

SACOLÃO & SACOLEJO


Artigo no Alerta Totalwww.alertatotal.net

Por Carlos Maurício Mantiqueira

Devo dizer aos amáveis leitores que está cada dia mais difícil escrever estes artigos.

O nosso compromisso é com a VERDADE.

Infelizmente a grande mídia, irremediavelmente corrompida, não noticia mais ! Publica apenas o que interessa aos seus patrões.

Já pedi, reiterei e implorei a indicação de um canal de notícias críveis.

No momento, garimpo nas redes sociais informações postadas de forma espontânea, por pessoas que conheço ou tenho boas referências sobre sua idoneidade.

O ditado que me vem à mente é: “Fulano cuspiu no prato em que comeu “.

Ex-ministros e outros altos assessores que deixaram seus cargos, têm nos dado um triste espetáculo de falta de educação e respeito.

Isso nos indica uma total orfandade do senhor Presidente da República no quesito conselheiros. Bando de idiotas.

Os casos dos sucessivos ministros da Educação e da Saúde, demonstram que nosso querido Mito merece o troféu Barata Tonta.

Sua excelência precisa ouvir pessoas com multidisciplinariedade de formações e que tenham sobrevivido aos tarados e/ou ladrões que nos desgovernaram de 1.985 até 31 de dezembro de 2.018 .

Nós, brasileiros, tivemos SEIS moedas diferentes e apenas oito anos.

Esperamos, em vão, pelo trem bala.

Até quando irá essa farsa da pandemia plantada pelo chineses ?




Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

quinta-feira, 29 de outubro de 2020

Eleger honestos é a prioridade


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter e Parler - @alertatotal

 

O eleitor brasileiro precisa aproveitar a eleição de 15 de novembro para eleger os melhores candidatos possíveis. Seria maravilhosa uma renovação profunda das Câmaras de Vereadores. Reeleições deveriam ser exceções – apenas para quem cumpriu um excelente mandato. A rotatividade de poder é salutar. Estes desejos são óbvios... Porém não são fáceis de realizar.

O Crime Organizado continua fortíssimo e é um fantasma que ronda mais uma eleição de Prefeitos e Vereadores. Quadrilhas especializar em “roubar” a coisa pública, junto com milicianos e traficantes de drogas trabalham, ativamente, para eleger seus representantes. Nada de anormal. Bandidos dominam feudos. Na verdade, sobrevivemos em uma anarquia feudal – e não em uma república democrática.

Qual o nosso maior desafio – difícil de ser realizado nesta eleição 2020? O fundamental seria reorganizar a estruturação decisória nos municípios. O ideal seria reduzir ou redimensionar o poder central das cidades, criando um poder difuso local. Na prática, seria dar mais força aos bairros. Principalmente, através da redução da burocracia local. Essa missão seria facilitada se operássemos no sistema de voto distrital.

Em tese, o eleitor escolheria representantes bem próximos de sua realidade de vida, e não aventureiros de outras regiões. A proposta é bacana, mas tem o famoso porém... O problema é que, se o crime continuar hegemônico, existe o perigo concreto dele forçar o eleitorado a votar nos representantes criminosos. Assim, o poder local corre risco de ser “corrompido”. Portanto, a luta contra o crime precisa ser uma prioridade da maioria das pessoas.

Parodiando o imortal Machado de Assis, “não matamos o crime, então o crime nos enterra”. Apesar do discurso oficial em contrário, a corrupção estrutural e sistêmica continua fortíssima. Infelizmente, ainda estamos muito longe de um Brasil Honesto, pautado pelo respeito consciente e irrestrito às leis. Aliás, o excesso de leis, conhecido como “regramento excessivo”, colabora, muito, para o vício criminoso de desrespeitar a legislação em vigor.

Eleger mais honestos é a prioridade máxima e imediata. Eis o sonho programado para 15 de novembro – dia da proclamação da República que não foi efetivamente implantada no Brasil. Vamos tentar acertar na dedada na urna eletrônica. Que a Santa Velhinha de Taubaté nos abençoe e proteja!





Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 


©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 29 de Outubro de 2020.

Andorinhas ou Doritos? Novos apelidos para os flangos flitos


Artigo no Alerta Totalwww.alertatotal.net

Por Carlos Maurício Mantiqueira

Quando um pascácio deixa duzentos milhões aflitos, relembremos a história do que buscando glória, tornou-se a escória.

Não é todo o dia que se acham Mitos.

Elegê-los é mais difícil que em ovo procurar pelos.

Enquanto a esquerdalha berra e se puxa os cabelos, Bolsonaro mostra sua ética e, pelo dinheiro público, zelos.

Existentes na máquina mais que pulgas em mil camelos, os sabotadores sentem depois de décadas, seus dissabores.

Passam a integrar o Movimento dos Sem Tetas; perderam seus padrinhos, a Anta e o Jumento, sob o condescendente olhar da Onça perjura, que se aproveita das pompas da sinecura.

Maria mole é bom pra de abelha picadura ?

E água que tanto bate um dia fura a pedra dura ?

O atual cenário nos causa paúra !

Enquanto farta distribuição de medalhas for beleza pura, viveremos de batina e máscara como um sacripanta cura ?

O boizinho castrado pensa que é touro miura.

O pilantra sem cueca levar-nos-á à breca ?

Será que de tanto uso seu esfíncter dinheiro defeca ?

Vá ! Sina triste que infectar-nos de dedo em riste procura. Seu mau caráter não tem cura. Viverás de renda ou de usura ?



Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Um Poder Intrometido


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Percival Puggina

Eu não queria acreditar quando me contaram que sete partidos já recorreram ao STF para que a Corte determine ao presidente da República como deve agir em relação à CoronaVac. Parece uma questão tipicamente judicializável, não? Os ministros devem saber tudo sobre esse assunto, instruídos em algum curso pós doc...

 Em nome do convívio independente e harmônico entre os poderes de Estado, as manifestações do STF em questões do Executivo e do Legislativo deveriam ser raras e muito bem justificadas. É fácil entender que pequenos partidos, ou o bloco minoritário da oposição, sem votos suficientes para impor suas opiniões, recorram ao STF, num claro abuso do direito de peticionar. Mas é difícil entender que os “supremos” se prestem para a instrumentalização do poder que têm.

Malgré tout, nosso STF é o próprio poder xereta, dando causa a desnecessárias tensões políticas. A maioria dos senhores ministros vê o presidente da República com as lentes do partido ao qual devem suas nomeações para o posto que ocupam. Sob essas lentes, Bolsonaro é um tirano que precisa ser contido e, para contê-lo, foi instituída uma informal ditadura do judiciário. Um caso típico de projeção: projetam em Bolsonaro o que, na prática, eles mesmos se comprazem com ser. Puxe pela memória, leitor, e me diga quando, nas últimas décadas, vivemos período de tanta intromissão do Supremo e de seus ministros na vida nacional?

PT, PCdoB, PSOL PSB e Cidadania querem que o STF impeça o governo de se contrapor a qualquer providência referente a vacinas e vacinações; a Rede quer que o governo apresente um plano de vacinação; o PDT quer que o Supremo reconheça a competência dos estados e municípios para tornar compulsória ou não a vacinação, e o PTB pede que essa possibilidade seja declarada inconstitucional.

A questão de fundo aqui é a seguinte: por que esse surto de judicializações, que não dá sinais de esmorecer, esvaziando o debate político, descaracterizando as funções do parlamento e comprometendo as ações do governo? São três as respostas a essa indagação. Elas interferem cumulativamente para darem causa a esse surto.

• Resposta 1 – o único intuito da oposição é atrapalhar o governo;

• Resposta 2 – o plenário do STF é, hoje, o mais ativo partido político brasileiro;

• Resposta 3 – há notória sintonia entre a oposição e a maioria do STF.

De todos esses pleitos, o único que tem jeito de matéria constitucional é exatamente aquele em que se confrontam os pedidos de PDT e PTB: é legítimo tornar a vacinação obrigatória? Parece bem nítida, aqui, no pedido do PDT, a afronta a liberdade individual, mormente quando, a cada dia, aumentam as incertezas sobre a segurança dessas vacinas. Sem esquecer, por fim, que a CoronaVac é mercadoria que o Partido Comunista da China põe à venda dizendo que vai imunizar a população contra o vírus que veio de lá.

Percival Puggina (75), membro da Academia Rio-Grandense de Letras e Cidadão de Porto Alegre, é arquiteto, empresário e escritor.

quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Erros graves: Não votar e não tomar vacina


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter e Parler - @alertatotal

Melhor não pagar mico, no Brasil pandêmico (ou pandemônico, termo que parece mais adequado a nossa realidade). O brasileiro não pode deixar de cumprir suas obrigações, enquanto luta para ter seus direitos respeitados. Os pais precisam atender às campanhas de vacinação. Os eleitores devem comparecer para votar. As duas omissões são armadilhas e omissões perigosas.

O brasileiro parece mais confuso que nunca. A crise do coronavírus, que viabilizou todas as maldades previstas nos esquemas de Engenharia Social, gerou medo, acirrou a covardia e alimentou a inação. Em resumo, além de mortes em números acima do normal, o Kung Flu causou traumas psicológicos na sociedade. Todos aguardam uma “volta ao normal” que não vai acontecer.

A espera ansiosa pela vacina milagrosa acontece em ritmo de polêmicas – principalmente políticas. Será que a confusão está afetando o comportamento das famílias? Por que os pais não estão levando seus filhos na campanha nacional de vacinação? Qual a causa desta perigosa omissão irresponsável? O fenômeno é contraditório com uma sociedade que aderiu ao uso paranóico de máscaras de proteção duvidosa... Não vacinar as crianças é uma idiotice criminosa.

Outra omissão socialmente perigosa é não aparecer para votar. Nas últimas eleições, já tem sido bastante elevado o número de votos nulos ou em branco. Também é alto – e ameaça ser ainda maior este ano – o índice de abstenção. Muita gente pensa em não aparecer para a dedada na urna eletrônica. É um sinal de revolta do eleitorado. Só que a omissão cidadã pode piorar, ainda mais, a qualidade da política brasileira. O mais racional é votar naquele que se considera o candidato mais qualificado. Não votar é comodismo irresponsável.

Vamos votar e vacinar as crianças!


Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 


©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 28 de Outubro de 2020.

Gota D’água


Artigo no Alerta Totalwww.alertatotal.net

Por Carlos Maurício Mantiqueira

Os comedores de lagosta e bebedores de premiados vinhos, para saber o futuro, não precisam de adivinhos.

Em breve os travesseiros de luxo não serão os recheados com penas de ganso (como tenho alardeado e não me canso) e sim com penas de urubu, mais levianas.

Foi tão grande a causada mágoa que a revolta começará com uma gota d'água.

A vingança contra os que não nos dão trégua será tremenda; de lavar a égua.

Se num esconderijo de um cara micho (de quinto escalão) foram achados em dinheiro “vivo” cinquenta e um milhões de reais, quanto esconderão sob a capa preta do crime, os maiorais ?

Tristeza é ver a Dona Onça acovardada. Vê tudo e não faz nada !

Mas de repente, não mais que de repente, teremos o careca usando pente?

O motociclista entrar na da zebra negra lista ?

O beiçola mijar na rabichola ?

O peruca tomar um tapa na nuca ?

As bruxas de fealdade sem fim, andando de vassouras no Halloween ?

O que levava uísque trazer a cachaça ?

O caçador virar caça ?

A faquinha chinfrim, comer capim ?







Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

terça-feira, 27 de outubro de 2020

Pesquisa turbina reeleição de Bolsonaro


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter e Parler - @alertatotal

A tendência conservadora do eleitorado brasileiro permanece consolidada. A esquerda sem-noção, que se desmoralizou nas gestões de Lula, Dilma e Temer conta com apoio de parcela pouco expressiva da população. Embora muitos sejam céticos – principalmente aqueles que se julgam “mais intelectuais que os outros” -, é bastante provável uma expressiva renovação dos escolhidos na eleição municipal pandemônica de 15 de novembro. A conferir...

O presidente Jair Bolsonaro deve estar mais feliz que comunista-raiz dentro do Memorial do Lênin. A avaliação positiva (ótimo + bom): 41,2%. Avaliação regular: 30,3%. Avaliação negativa (ruim + péssimo): 27,2%. Não souberam opinar ou não responderam: 1,3%. O desempenho pessoal do presidente é ainda melhor. Tem aprovação: 52,0% Desaprovação: 43,2% Não souberam opinar ou não responderam: 4,8%.

O dado que mais importa para o Presidente: 41,4% disseram que já perceberam melhorias no governo de Jair Bolsonaro em relação aos governos anteriores. Para 30,4%, continua de forma semelhante aos governos anteriores e 26,2% percebem pioras em relação aos governos anteriores. Resumindo: Bolsonaro será um candidato viável, se quiser disputar a reeleição. Seus adversários tradicionais estão com o filme queimado.

Outros dados interessantes: Sobre a preferência política, 27,7% se declaram de direita; 4,3% de centrodireita; 17,1% de centro; 2,7% de centro-esquerda; 11,0% de esquerda.  Em relação ao grau de interesse em política, 12,8% afirmam ter interesse elevado; 33,4% interesse moderado; 21,7% interesse baixo; e 31,6% nenhum interesse. Consultados sobre a isenção da mídia ao noticiar fatos da política no Brasil, 38,2% consideram que a mídia não é isenta; 38,2%, isenta em alguns momentos; 17,9% consideram que ela é sempre isenta.

Em relação à percepção da corrupção nos últimos 2 anos, 39,3% acreditam que aumentou; 36,6% que permaneceu igual; 21,7%, que ela reduziu. Sobre um possível encerramento da Operação Lava Jato, 84,0% a consideram como importante e que deve continuar, enquanto 10,9% avaliam que já pode ser encerrada porque ela já fez o que era necessário.

Estes foram os principais resultados da 147ª Pesquisa CNT de Opinião, realizada em parceria com o Instituto MDA, de 21 a 24 de outubro de 2020. Foram 2.002 entrevistas presenciais, em 137 municípios de 25 Unidades da Federação. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais. O levantamento pode ser acessado na íntegra, clicando no link:

https://cdn.cnt.org.br/diretorioVirtualPrd/31867232-a15a-448e-b064-b538a34f9256.pdf



Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 


©
Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 27 de Outubro de 2020.

Erramos


Artigo no Alerta Totalwww.alertatotal.net

Por Carlos Maurício Mantiqueira

Amáveis leitores, erramos quando tentávamos identificar uma briguinha entre os ministros do Mito.

Por mais notícias que tenhamos visto sobre o entrevero, mesmo os comentários de pessoas de pessoas inteligentes devem ser tomados “cum grano salis”.

Quanto mais um personagem do primeiro escalão do governo federal é atacado pela mídia canalha, mais devemos acreditar que ele faz um bom trabalho.

Não sei nada sobre as atitudes de um ou outro “beligerante”.

Parecem serem ambos homens de bem.

Assim sendo, o excelentíssimo senhor Presidente da República NÃO deve interferir na disputa. Se a coisa se agravar, deve demitir um deles. Se exonerar ambos, perderá o Brasil.

Nossos inimigos, internos e externos, comemorarão as baixas.

Por mais doloroso que possa ser demitir um estrelado, será menos grave que abrir mão de um jovem brilhante que consegue enfurecer os poderosos daqui e de além mar.

Muitos dos cobiçosos de nossas riquezas minerais subjacentes na Amazônia, tomarão soros nas veias em razão da raiva que estão sentindo e as próximas que sofrerão.

Terroristas que incendeiam a floresta são menos perigosos que os urubus, torquemadas e cervídeos que tacam fogo no parquinho do planalto central.

Prima pars est mea quia sunt leo.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Votar ou não votar: por que votar?


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Renato Sant’Ana

Se alguém lhe pedir o título eleitoral emprestado para votar em seu nome, você empresta? Não é provável. Quem praticaria tal ato que, além de ilícito, é uma tremenda burrice?

Pois desperdiçar o voto, anulando ou apenas não comparecendo, tem efeito parecido com o de emprestar o título a outra pessoa.

Vejam-se duas coisas. Uma é que sempre haverá políticos, a menos que se instale a completa barbárie e passe a vigorar a lei do mais forte.

Outra é que a vida de todo mundo é inevitavelmente afetada pela administração da cidade e do país, que é conduzida por políticos aprovados nas urnas - com ou sem sua participação.

É bom que haja políticos. E é ainda melhor que haja políticos bons, o que requer eleitorado responsável e criterioso.

Se nenhum candidato tem o perfil que gostaríamos, a saída é votar no "menos pior". Mas, votar! Para, nem que seja, "despiorar" a política!

O que não vale é pecar por omissão.

Também não vale curvar-se à "ideologia do vitimismo" e só se queixar dos políticos que abusam da coisa pública (crias de nossa omissão).

A sociedade é fruto da soma das atitudes de todos, boas ou más. E não há como esquivar-se. Só há como escolher entre a omissão e a colaboração.

Portanto, em vez de reclamar, é melhor votar e ter por critério eleger o candidato que mais se presta a afirmar os valores necessários à paz social, que, aliás, em nossos dias, vêm sendo duramente atacados.

Votar é, sim, uma ocasião de mandar um recado aos políticos, rejeitando aqueles candidatos que não defendem os valores que nos são caros.

E não votar e não influir na escolha dos futuros administradores da vida social equivale a entregar a própria sorte a mãos alheias.

E como tudo começa pelo município, as eleições municipais merecem o mesmo rigor e mesma responsabilidade das demais eleições.

Votemos, pois. E que o voto seja guiado por um critério amadurecido.

Renato Sant'Ana é Advogado e Psicólogo. E-mail sentinela.rs@uol.com.br

Vacina Chinesa, não!


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Percival Puggina

Discute-se se o Brasil deve, efetivamente, comprar milhões de doses da vacina chinesa. Sem a menor intenção de magoar a sensibilidade do governador João Doria, que tem revelado particular afeição pelos interesses chineses no Brasil, quero proclamar minha completa aversão a esse negócio. Aplica-se a ele a regra segundo a qual jamais compre mercadoria que venha empacotado por algum partido comunista.

Ao que se sabe, há duas hipóteses para a origem do coronavírus. Ou ele – em suposta teoria da conspiração - é produto de algum laboratório chinês, ou ele surgiu daqueles hábitos alimentares em que seres humanos acabam metabolizando insetos e animais silvestres com constante risco de trazer à humanidade doenças para as quais não temos imunidade.

A origem desses péssimos costumes é conhecida. Eles foram adquiridos nos tétricos episódios de fome impostos pelo Partido Comunista da China ao povo chinês. Ainda que seja motivo de pesar, é imperdoável que, sabido o alto risco que eles representam, nada tenha sido feito para extingui-los. Num mundo globalizado, não há limites para a expansão de novas pandemias. Portanto, a responsabilidade do PCC é indiscutível, como indiscutível é sua condição de soberano senhor do povo de seu país. Pode-se discutir a maior ou menor responsabilidade moral do Partido numa e noutra hipótese. Mas não se pode pôr em dúvida a responsabilidade.

As suspeitas se foram tornando mais incisivas quando a revista Exame, em matéria do dia 1de setembro, constatou que dezenas de economias nacionais estavam acusando quedas drásticas do PIB. Entre elas, Índia, Brasil, Estados Unidos, Japão e praticamente toda a Zona do Euro. Enquanto isso acontecia no mundo das vítimas, a China, “por haver controlado rapidamente a epidemia”, logo voltou a crescer. Em abril, o jornal El País, sobre cuja posição política não pairam incertezas, publicou matéria listando reações de governos europeus, notadamente França e Reino Unido, cobrando responsabilidades do governo chinês:

“Esperamos que a China nos respeite, como ela deseja ser respeitada”, declarou na segunda-feira o ministro francês de Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian. “Nada pode voltar a ser como antes” enquanto a China não esclarecer de forma cabal tudo o que está relacionado com o vírus, observou na semana passada seu homólogo britânico, Dominic Raab.

A interessante matéria destaca, ainda, uma guerra de narrativas, com a qual, propagandisticamente, a China exibe suas remessas de material médico e de enfermagem ao Ocidente, enquanto silencia o fato de haver o Ocidente feito o mesmo quando o problema se manifestou em Wuhan. A BBC, em 28 de julho, divulgou matéria em que médico chinês afirma haver, em 12 de janeiro, informado as autoridades chinesas sobre a transmissão humana do vírus. O alerta, contudo, só foi levado ao público em 19 de janeiro.

Por isso, penso que o PCC, soberano senhor do povo chinês, repito, deveria oferecer sua vacina de graça à humanidade. E a humanidade deveria devolver a mercadoria. Alias, gostaria que o presidente da República enviasse uma dose dela para os jornalistas que o recriminam por sua atitude de resistência. Quantos realmente iriam usá-la?

Enfim, a China deveria indenizar a humanidade pelo estrago que fez, deveria usar seu aparelho tecnológico para extinguir os riscos que provenientes dos maus hábitos alimentares de alguns de seus cidadãos, ou dos ensaios empreendidos por eventuais “doutores Nirvana” de seus laboratórios. Jamais, jamais, ganhar dinheiro vendendo vacina às vítimas do vírus que veio de lá.

Percival Puggina (75), membro da Academia Rio-Grandense de Letras e Cidadão de Porto Alegre, é arquiteto, empresário e escritor.