quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Nossa Soberania é Inegociável


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jair Bolsonaro

O candidato à presidência dos EUA, Joe Biden, disse ontem que poderia nos pagar U$ 20 bilhões para pararmos de “destruir” a Amazônia ou nos imporia sérias restrições econômicas. O que alguns ainda não entenderam é que o Brasil mudou. Hoje, seu Presidente, diferentemente da esquerda, não mais aceita subornos, criminosas demarcações ou infundadas ameaças. NOSSA SOBERANIA É INEGOCIÁVEL.

Meu governo está realizando ações sem precedentes para proteger a Amazônia. Cooperação dos EUA é bem-vinda, inclusive para projetos de investimento sustentável que criem emprego digno para a população amazônica, tal como tenho conversado com o Presidente Trump. A cobiça de alguns países sobre a Amazônia é uma realidade. Contudo, a externação por alguém que disputa o comando de seu país sinaliza claramente abrir mão de uma convivência cordial e profícua.

Custo entender, como chefe de Estado que reabriu plenamente a sua diplomacia com os Estados Unidos, depois de décadas de governos hostis, tão desastrosa e gratuita declaração. – Lamentável, Sr. Joe Biden, sob todos os aspectos, lamentável.

Jair Messias Bolsonaro é o 38° Presidente da República Federativa do Brasil, eleito com 57.797.456 milhões de votos.

Um comentário:

Anônimo disse...

Um grande "imbroglio" para o presidente Bolsonaro destrinchar, inclusive pelo dinheiro do contribuinte e a soberania do Brasil.

[A maioria dos cientistas do mundo, sejam eles médicos, geneticistas, virologistas, epidemiologistas ou bioquímicos, incluindo ganhadores do Prêmio Nobel, são contra que isso seja uma pandemia e que o vírus seja letal. (...) Todos concordam que medidas de quarentena, máscaras e distância de segurança são desnecessárias e não salvaram vidas e, por unanimidade, acreditam que a vacina não é necessária. Quase todos concordam que são medidas políticas e não baseadas em critérios sanitários ou científicos. (...) essas vozes são sistematicamente censuradas, perseguidas e ameaçadas. O debate não interessa porque os organizadores desta farsa não podem permitir que a grande mentira seja exposta e a sociedade desperte. (...)
Mas como é uma organização quase privada, e são as multinacionais farmacêuticas que contribuem com grandes quantias para seu apoio e propaganda internacional, a OMS se tornou uma máfia da qual participa a "saúde pública global". (...) Muitos deles estão envolvidos, direta ou indiretamente, na fabricação de agroquímicos, transgênicos e medicamentos, justamente o que nos mantém cronicamente doentes e medicados, e africanos e asiáticos morrendo aos milhares ou nascendo com defeitos gravíssimos, para os efeitos colaterais de suas panaceias. O negócio é redondo. E fazem isso pressionando os países de maneiras diferentes. (...) E ali, numa espécie de indecente promiscuidade monetária, convergem os grandes empórios da Big Pharma, que, como já foi dito, não se contentam mais em fabricar e vender medicamentos e vacinas de que não precisamos, mas conseguiram, sob o pretexto da pandemia, fazer com que os países financiassem suas pesquisas. E não por um período limitado de tempo, mas para sempre! (...) Essas pessoas estão interessadas em dinheiro, mas estão ainda mais interessadas em roubar o nosso, porque assim os países são obrigados a se endividar e a depender de fundos internacionais, e também os cidadãos. Quanto mais vulneráveis somos, mais facilmente somos dirigidos e controlados.]

Covid, um negócio para máfias de poder (Sinais do Reino/Artigos)
https://www.sinaisdoreino.com.br/?cat=1&id=12319