sexta-feira, 11 de dezembro de 2020

Nacionalismo e Alienação


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Percival Puggina

A aparente contradição entre a fé e a razão suscita um debate que - mais do que recorrente - tem sido permanente nos últimos três séculos da história. Durante todo esse período, assim como houve quem lesse a Bíblia como um livro científico, houve quem lesse os livros da ciência como obra revelada e nesse teimoso engano abriram-se trincheiras que ainda persistem em mentes mais renitentes.

 Que a Bíblia não é um livro científico parece evidente. E que a razão e a observação - a testa e o tato - não são as vertentes exclusivas e definitivas do que é verdade ou verdadeiro, deveria ser igualmente óbvio. Conforme registra Karl Popper (um agnóstico que não pode ser apresentado como defensor da religiosidade), nossos sentidos costumam nos iludir, as verdades científicas são sempre hipóteses provisórias e acreditar que a razão produz a verdade é uma outra espécie de fideísmo (qualquer bom filósofo sabe a razão pode conduzir a paradoxos).

A dimensão religiosa é natural à pessoa humana, assim como o são, entre outras, as dimensões artística, moral, econômica e política. Qualquer uma delas pode ser desenvolvida ou não e o fato de perder impulso no transcurso da existência de algumas pessoas não significa que tenha deixado de existir. Por isso, o fenômeno religioso é presente em todos os povos e épocas. Há dezenove séculos, Plutarco já sustentava: “Podereis encontrar uma cidade sem muralhas, sem edifícios, sem ginásios, sem leis, sem moeda, sem cultura das letras. Mas um povo sem Deus, oração, juramentos, ritos, tal nunca se viu”. Todo conhecimento antropológico posterior veio corroborar essa observação, assim como veio comprovar a preeminente posição da religiosidade em todas as culturas.

Joachim Wash, em seu Estudo comparativo das religiões, ensina que a experiência religiosa é uma resposta do homem à realidade última das coisas, a qual se expressa num Ser superior, transcendente, todavia susceptível de se relacionar com ele; que orientar-se para esse Ser exige do homem uma resposta total; e que aproximar-se dele constitui uma experiência inigualável, criativa e transformadora.

A naturalidade da dimensão religiosa resiste aos totalitarismos. Jamais perece e ressurge, inclusive, nas explicações redutivas, de cunho científico, que a pretendem suprimir. Em todas há uma fé (ainda que na matéria, na natureza, no próprio homem, nas leis econômicas, no valor da sensualidade, na política) e, consequentemente, há em todas uma doutrina inquestionável e alguma forma de culto. Por isso, Max Scheler, não sem alguma ironia, afirma ser impossível se convencer alguém de que Deus existe pela mera razão. Mais fácil, constata ele, é mostrar que essa pessoa colocou algo no lugar de Deus: a si mesmo, a riqueza, o poder, o prazer, a beleza, a ciência, a arte. De fato, é curta a distância, mas há um abismo qualitativo entre o amor a Deus e a idolatria.

Dada a naturalidade do fenômeno religioso e da dimensão religiosa do ser humano, recusá-las é negar realidade ao próprio ser. E isso é uma forma de alienação. De fato, como a vida se encarrega de evidenciar, aceitar a Razão como única fonte da verdade deixa o homem sem possibilidade de resposta para equações inerentes à sua natureza - tais como o sofrimento, o amor, a esperança, a morte e a própria finalidade da vida - cujas incógnitas não se resolvem nesse plano ou no dos sentidos.

Percival Puggina (75), membro da Academia Rio-Grandense de Letras e Cidadão de Porto Alegre, é arquiteto, empresário e escritor.

3 comentários:

Lelé Chamma disse...

Prezado colega arquiteto. Por favor use espaço 2 na entrelinha.

Loumari disse...

ORAÇÃO INICIAL A RAINHA E MÃE DOS ÚLTIMOS TEMPOS

Amados filhos, lhes convido a orar:

Pai Divino, Eterno e Omnipotente,

Filho Santíssimo, Verbo Encarnado,

Paráclito Santo, Espírito Divino,

Três Pessoas em um só Deus Verdadeiro.

Derrama Tua Santíssima Bênção sobre esta criatura que suplica ante Vossa Majestade Divina.
Sujeita a minha mão para que não me separe de Tua Protecção, dá-me esperança inabalável do encontro com a Tua Glória.

Por Teu Santo Espírito seja esculpida a minha alma e ache eu o discernimento que me conduz assim a Verdade de Tua Palavra e não me desvie do Caminho Santo.

Santíssima Trindade, legaste a Teu Povo a bênção de ter a Rainha e Mãe dos Últimos Tempos, para que interceda e defenda a Teu Povo.

Acolho a tão excelsa Rainha e Mãe, sujeito-me a Sua Mão bendita e me submeto a Sua Instrução Materna para que, junto a Ela, seja cumpridor de Tua Vontade.

Mãe que guias, Mãe que intercedes, Mãe que amparas a esta Humanidade sem rumo, seja o meu timão em este instante, para que, ante as garras do mal, não sucumba minha alma por debilidade.

Dá-me a força de vontade para não temer ante a espera, mas de temer cair nas insinuações do mal e não permitas que a minha alma se perca nas trevas malignas.

Rainha e Mãe dos Últimos Tempos, vem, acolhe-me e ensina-me a esperar pelo instante Trinitário, não seja eu quem deseje adiantar a hora, mas sob Teu amparo e fidelidade, seja eu
Teu reflexo e não me espante nenhum momento diante do qual pareça que vou sucumbir.

Rainha e Mãe dos Últimos Tempos, faz renascer em mim o Amor, a Fé, a Esperança e o valor para viver como Tu, alimentando-me da Vontade Trinitária e continuar com a fervente fé de que me conduzirás assim ao encontro anelado com o Pai, o Filho e o Espírito Santo, renascendo a nova vida junto a Santíssima Trindade. Ámen.


ORAÇÃOA SANTÍSSIMA MÃE E RAINHA DOS ÚLTIMOS TEMPOS  

Rainhae Mãe dos Últimos Tempos, sou teu filho/a, recebe-me, a Ti confio minha vida e coloco em Tuas Mãos minha vontade, quanto tenho e quanto sou, minhas aspirações, desejos e projectos. 

Retira de mim o apego ao material para que eu busque os bens não visíveis porque são espirituais.  

Te consagro hoje a minha vida, Rainha e Mãe, de minha livre vontade me entrego a Tua Protecção; em tão difíceis instantes em que vivo, seja Tu a Arca que me sustém para não naufragar no meio da purificação. 

Os Raios de Tuas Mãos iluminem minha mente, meus pensamentos e minhas memórias para que sejam sarados, minhas dores como oferta e minhas caídas para que Tu me levantes.  

Ilumina minha razão para que não entre em competição com a minha fé, senão que seja uma a luz da outra.  Me consagro a Ti e me entrego a Ti dentro da liberdade dos filhos de Deus. Ámen.


ORAÇÃO FINAL

Unidos a Santíssima Virgem Maria imploramos o Dom do Espírito Santo:
Vem Espírito Divino, vem com Teu Poder, renova todo meu ser e faz que, como criatura nova em Ti, minha mente e meu pensamento sejam renovados e meu coração palpite constantemente por manter-me sendo um só Contigo,
Oh Santíssima Trindade.

(Oração dada por Virgem Maria a Luz de María em 8 de Agosto de 2012)


APOCALIPSE 22:15,17 Ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira.
EU, JESUS, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas. Eu sou a raiz e a geração de DAVID, a resplandecente estrela da manhã.
E O Espírito (Deus) e a Esposa (a Virgem) dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida.


Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Ámen. Ora vem, Senhor Jesus!
A graça do nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós! Ámen.
(APOCALIPSE 22:20,21)


Apocalypsis 22 Biblia Sacra Vulgata (VULGATE)

20 dicit qui testimonium perhibet istorum. Etiam venio cito: amen. Veni, Domine Jesu.
21 Gratia Domini nostri Jesu Christi cum omnibus vobis. Amen.


Anônimo disse...

Religiões agregam pouco. Divisão e arma d amansamento das massas. Mas compreendo a necessidade de se apoiar em "algo maior", mais perene. Talvez Um dia seja vista como a explicação tampão q eh. Eh uma muletae um taco d beisebal TB.