quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

Gestão pública no Brasil é caixa de sacanagens


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter e Parler - @alertatotal

O Establishment ataca todo dia e sem parar. Uma das características mais perversas da administração pública - federal, estadual e municipal - é a falta real de transparência. Supostos órgãos de controle têm apenas a pretensão de controlar as despesas da burocracia. Na realidade, tudo é uma ilusão. Um show de gastança, desperdícios e superfaturamentos de preços. Geralmente, tais problemas vêm à tona por acidente, e com segundas intenções de sacanear o governante esbanjador.

Nestes tempos de farta narrativa para encontrar motivos para o impeachment do Presidente Jair Bolsonaro, a Turma do Mecanismo usa e abusa do arsenal de canalhices para produzir factóides ou criar notícias a partir dos absurdos que a máquina burocrática produz, diante dos olhos (nem sempre atentos) dos órgãos de controle e fiscalização. Por isso, é surpresa alguma que o Tribunal de Contas da União (órgão auxiliar do Poder Legislativo, e não uma repartição do judiciário) tenha recebido representação de parlamentares para investigar a Presidência da República por um aumento absurdo de gastos do Executivo com alimentação. 

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e os deputados Tabata Amaral (PDT-SP) e Felipe Rigoni (PSB-ES) pedem que o TCU se debruce sobre dados revelados pelo site "Metrópoles”. A denúncia é que, no último ano, todos os órgãos do executivo pagaram, juntos, mais de R$ 1,8 bilhão em alimentos. É um aumento de 20% em relação a 2019.

Na representação, os parlamentares alegam que, “em meio a uma grave crise econômica e sanitária, o aumento de gastos apontado pelas matérias é absolutamente preocupante, tanto pelo acréscimo de despesas como pelo caráter supérfluo de muitos dos gêneros alimentícios mencionados”. Em goma de mascar, foram R$ 2,2 milhões. Molho shoyo, molho inglês e molho de pimenta que somam mais de R$ 14 milhões. Em pizza e refrigerante, foram R$ 32,7 milhões dos cofres da União.

O assunto virou meme nas redes sociais, e a esquerdalha fez a festa com notícias que, maldosamente, sugerem má gestão e descontrole de gastos (supérfluos) e a preços super faturados - tudo sob suposto “domínio do fato” e “responsabilidade” de Jair Bolsonaro. A “denúncia” ironizou que, sem dinheiro para pagar novas parcelas de Auxílio emergencial e sem verba pública para comprar equipamentos e insumos no combate ao covidão, o governo federal esbanja R$ 32,7 milhões em despesas com alimentação do Executivo, sobretudo da Presidência da República.

Exagero ou sacanagem para manipular a narrativa a favor do impedimento de Bolsonaro, o fundamental é que a “denúncia” só reforça os argumentos de quem defende mudanças estruturais na máquina estatal tupiniquim. O Presidente é um refém da Turma do Mecanismo. A máquina gasta o que seus burocratas querem. Tem desperdício, gastos perdulários e muito superfaturamento de preços - beneficiando viciados esquemas de corrupção. Por isso, só resta a Bolsonaro aproveitar o oportunismo da “denúncia” para escancarar a máquina, dando transparência a despesas fora da realidade, muitas até “secretas” e eticamente indecentes.

A gestão pública no Brasil é uma caixinha de surpresas desagradáveis que precisa ser urgentemente escancarada e revista. Se o Presidente não tem controle sobre a situação caótica, algum aspone ou burrocrata próximo dele tem obrigação de ter. Já passou da hora de escancarar a sacanagem e rever todos os procedimentos de compra e consumo da máquina pública, em todos os poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário, além dos próprios e supostos órgãos fiscalizadores (que falham feio no controle e na fiscalização dos gastos absurdos).

Novamente, é fundamental repetir: tirar Bolsonaro prematuramente da Presidência não acabará com a putaria na administração pública brasileira, em todos os poderes, na União, Estados e municípios. A fiscalização e o controle só serão realmente eficientes, efetivos e eficazes quando for feito, diretamente, pelos cidadãos eleitores - e não por burocratas que, no final das contas, são omissos, incompetentes ou corruptos, coonestando as sacanagens sistêmicas.

Resumindo: O Brasil tem de ser reinventado. Bolsonaro não terá outra alternativa, senão mudar, profundamente, seu modo de governar. Só lhe restará partir para cima da Turma do Mecanismo ou será vergonhosamente defenestrado da Presidência. O caminho é sem volta. A ciclista Dilma Rousseff foi golpeada do poder por supostas pedaladas fiscais, e não pela incompetência e corrupção de sua gestão. Se der mole, Bolsonaro pode acabar detonado porque é um refém do Establishment. 

A máquina pública tupiniquim faz o covidão parecer uma gripezinha inofensiva. Que merda! O Brasil só tem jeito se neutralizar e acabar com a raça da Turma do Mecanismo. Bolsonaro foi eleito para dar a grande canelada. Se não der, acabará demitido prematuramente ou deixará o governo, ao fim do mandato, como mais um refém feito de idiota pelo Crime Organizado que controla a Nação. Assim não dá! Os brasileiros de bem e do bem não aguentam...







Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Editor-chefe do Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. Secretário-Geral do Ibrasg - Instituto Brasileiro de Ativismo Societário e Governança.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 27 de Janeiro de 2021.

8 comentários:

Anonimo disse...

Lembre-se que, com a ascensão de Bolsonaro, a utilização do efetivo de militares em várias frentes de óbras e de apoio em catástrofes, aumentou significativamente, tendo impacto na logística de compra de produto e na produção de refeições.

Rodrigo Almeida disse...

A funcionária do Lehman quem fez a denúncia.

Anônimo disse...

Ué o chargista bolsonorista, não vai fazer charge com o leite condensado? Pimenta nos outros é um refresco.

aparecido disse...

Um presidente de um famoso hospital critica a demora da compra de vacinas......Gostaria que este abestado viesse a publico indicar onde se vendia vacinas de covid há onze meses atrás.... O unico que comprou vacinas antes do tempo foi o calça apertada, em set/19, seis meses antes do bichinho chino invadir o ocidente... e como os chinos já sabiam que a pandemia ia chegar e sairam a vender vacinas ao mundo ainda em 2019.......os lacaios chinos da OMS fizeram o serviço sujo de enganar os paises ocidentais dizendo sempre que o bichinho era manso..ficam tranquilo que o bichinho é manso.. sempre dizia o Tedros.. Espero que no futuro a corda lhe seja macia no pescoço..kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

aparecido disse...

EM Manaus consome-se 11 vezes mais oxigenio por paciente que em outras regiões do Brasil...Para quem conhece bem o Brasil isto e muito fácil de compreender....fato descrito em diversos videos do tube...falaram em até vazamentos do precioso gás...( o vazamento é de verbas publicas)...mas a verdade é uma só...Alguém se lembra daquelas listas de compras do bufê de palácios onde se pede toneladas de bebidas finas , muitas toneladas de carnes e outros alimentos, toneladas de crustáceo e lagostas , vinhos com 4 premiações e outras cositas más....Essa quantidades são faturadas mas nunca são entregues na totalidade.. boa parte disso são faturadas apenas nas notas fiscais.. pagas e depois se alguém quiser fiscalizar dizem que são produtos de consumo.. foram consumidas...o melhor negócio do planeta é vender agua no Nordeste brasileiro...entrega-se 5 mil caminhões de água.. fatura-se 50 mil camihões de água... como comprovar se a agua evapora ??? ,, o oxigenio é igual a agua.. escapa-se.. por isso usa-se 11 vezes mais...NA MERENDA escolar do Brasil faz se a mesmissima coisa...compra-se toneldas e toneladas de alimentos fatura-se tudo e entrega apenas uma pequena parte disso.. a criançada se comesse toda a merenda faturada no Brasil cada menino pesava 80 kilos...Um quitandeiro daqui da minha cidade faturou tanta banana em nome da prefeitura para a merenda que ao investigar isso um promotor inteligente, uma raridade um advogado entender de numeros, fez as contas : pegou a totalidade do peso anual e dividiu por 200 dias letivos... e depois dividiu pelo numero de alunos.. e chegou a conclusão que cada menino ou menina comia dois kilos de banana por dia.. todo dia...isto é Brasil...faturamento em excesso deste jeito se faz no Brasil desde a época dos governadores gerais nomeados pelo rei de portugal...é coisa antiga e muito arraigada.. e a maioria dos juizes e promotores fazem vista grossa....Veja que o problema é superfaturamento na quantidae e não no preço.. para que a fiscalização não perceba o roubo...o preço é o normal de mercado... Isto existe até na compra do cafezinho de uma repartição...

Anônimo disse...

O povo.eh.irrelevante nas equações políticas. exceto, enquanto pagador d impostos. O sonolento Temer terminou.o. mandato.tampão ( eolha q ele ateh foi bem institucionalmente falando, fora as om denúncias e tal... Então, tudo depende do João Bidê.

Anônimo disse...

Faz ztodo.o.ssenmtido. eh isso msm. Br eh soda.

Anônimo disse...

Por que faria charge com leite condensado se o próprio presidente, em uma viagem, apresentou aos brasileiros esse alimento como fonte rápida de energia para os militares?
A iniciativa privada não entende de governo para exigir que gastos secretos sejam declarados, como se fossem imorais. O exemplo mais recente é Donald Trump, que governou o país com ganho de eficiência, como se fosse uma empresa, e foi golpeado pelas intrigas e ciladas dos grupos de poder.