terça-feira, 5 de janeiro de 2021

Gesto autorracista e infame do vereador do PSOL em Porto Alegre

Luiz Marenco - Hino do Rio Grande do Sul

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Sérgio Alves de Oliveira

Se o objetivo do vereador afrodescendente Matheus Gomes, do PSOL, durante a cerimônia de posse dos novos vereadores de Porto Alegre, na 6ª feira, 1º de janeiro de 2021, era o de “aparecer”, esteja Sua Excelência seguro que conseguiu o seu objetivo plenamente, com “juros e correção monetária”, especialmente na grande mídia que está em plena lua de mel com a esquerda, na tentativa de recuperar as “perdas” que teve com o fechamento dos cofres governamentais que alimentavam a sua ganância, desde 1º de janeiro de 2019.                                                                                                                                                 

Não há grande jornal do Brasil que não tenha dado destaque ao seu estúpido, ignorante  e “antipratiótico“ gesto de menosprezo ao Hino Riograndense, um dos símbolos oficiais do Estado, que constava da programação da solenidade de posse, ao permanecer, acintosamente, “sentado” durante a sua  execução, juntamente com outros “colegas”.

Mas o que mais surpreende é que o dito vereador se intitula “historiador”, e no seu discurso  de “protesto” e revolta descabida  contra o Hino Riograndense cometeu uma “heresia” histórica sem precedentes na historiografia do Rio Grande do Sul e  da Revolução Farroupilha,de  1835.

O protesto “imbecil” do vereador esquerdista, ”historiador” de “meia tijela”, se  liga a um dos versos do Hino Riograndense, onde consta: “ POVO SEM VIRTUDE/ACABA POR SER ESCRAVO”.

Ridiculamente, ”Sua Excelência” dá a entender que esse trecho do Hino Riograndense  estaria se referindo especificamente à escravidão de negros no Brasil, e que  por serem estes na época os escravos, os negros não teriam “virtudes”.

Em primeiro lugar, como “historiador”, Sua Excelência deveria estudar melhor o Hino Riograndense,e perceberia então que os valores ali preconizados  são fundamentalmente valores e ideias universais,que só podem ser concebidos por grandes espíritos, jamais por políticos vulgares.

Parece que Sua Excelência não tem a mínima ideia,mesmo como “historiador”, que a escravidão não foi nenhuma invenção brasileira,muito menos gaúcha,e que nada tem a ver com a “propriedade” de negros, pelos “brancos”. No Egito Antigo ela já existia,mas o escravismo se resumia ao trabalho doméstico e militar. Também na Roma Antiga ele existiu,usado na produção das fazendas e nas obras públicas. No Oriente idem ,onde as concubinas do Grande Sultão,Xeque,ou Xá, eram escravas. Não havia nenhuma “etnia” envolvida.

A escravidão esteve presente na Ásia,na Europa,nas Américas e na África. E paradoxalmente neste último continente (África) foi a mais forte de todas. O comércio  de escravos era absolutamente normal e intenso  entre as diversas “nações” e  tribos.

Com os portugueses,o  tráfico de escravos se acentuou na África,calculando-se a “comercialização” entre 8 a 100 milhões de negros,para abastecer de “mão de obra”  escrava  as “colônias” da Espanha e Portugal,na América. Sabe-se que no início os portugueses “capturavam”, ”caçavam” os negros para vendê-los  como escravos. Mas depois passaram a comprá-los no mercado interno africano ,que saía “mais barato”,para depois revendê-los. Na Senengâmbia, os portugueses chegavam a trocar um cavalo por 15 ou 20  escravos.

Tudo leva a crer que o distinto vereador está apresentando toda a conta do escravismo negro do Brasil aos guerreiros  farroupilhas e ao seu hino. Além do mais,o trecho do hino considerado equivocadamente uma ofensa aos povos negros,prega uma verdade universal absolutamente incontestável. Nenhum povo dotado da virtude da liberdade permitiu-se escravizar durante toda a marcha da civilização, em qualquer tempo ou lugar. E a liberdade deve ser buscada com muita luta. Ela nunca vem “de graça”.

Mas por outro lado esse trecho do Hino Riograndense reproduz com absoluta fidelidade e pode ser considerado ,i-n-f-e-l-i-z-m-e-n-t-e , um AUTORRETRATO “moderno”  do Povo Gaúcho, que não teve a capacidade ,a coragem,nem  a “virtude” , de manter a sua independência, declarada em 11 de setembro de 1836, decorrente da Revolução Farroupilha,de 1835,através da famigerada “Convenção”,”Tratado”,ou “Acordo” de Poncho Verde,de 1845, assinado entre o representante  do “Império”, o então Barão de Caxias, e o “traidor” da Revolução  Farroupilha, o General David Canabarro, que assinou o pacto apesar de não ser o representante legal legítimo do então Estado Independente  República Riograndense.

É por isso  que Sua Excelência, o vereador  Matheus Gomes,do PSOL, acabou batendo na porta errada ao fazer a sua acintosa  crítica à escravidão. Não são os brancos ou negros farroupilhas dos anos 1835 a 1845 os “alvos” do  Hino Riograndense. Os alvos são os “sem virtude”, independentemente de etnia, raça, ou cor, que acabam ou permanecem  escravos. E isso em  todos os tempos e lugares.

Sérgio Alves de Oliveira, Advogado e Sociólogo, Presidente do Partido da República Farroupilha-PRF (proscrito pelas autoridades judiciárias)

2 comentários:

Loumari disse...

Não foi você que uma vez escreveu que no Brasil não existe racismo, Brasil é o país mais pacífico que existe no mundo???
Para denegrir os outros você está disposto a engolir seus próprios sapos podres que um dia você vomitou?

Anônimo disse...

A escravidão não pressupunha racismo, tanto que os africanos faziam escravos das constantes guerras entre as tribos.