quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

O desmoronamento da Lava Jato e da Elite brasileira


Artigo no Alerta Total - www.alertatotal.net

Por Thales Guaracy

A Operação Lava Jato vai sendo desmontada em Curitiba e perdeu credibilidade, com a revelação dos diálogos e meandros que permearam as ações do ex-ministro e ex-juiz Sérgio Moro e a tropa de procuradores –especialmente, mas não unicamente, no caso do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

Contudo, essa virtual falência da maior operação anticorrupção já vista no país, à altura da própria corrupção, não pode servir de pretexto ou escada para reabilitar corruptos, nem a corrupção, em si.

Em que pese a necessidade do julgamento justo, devido a todos, o desmoronamento da Lava Jato, sem trocadilho, mostra apenas que a Justiça brasileira precisa da mesma limpeza que o resto.

É o modus operandi nacional que precisa de uma Lava Jato ampla, geral e irrestrita. Aplica-se a boa parte da elite brasileira, na qual se incluem os nossos homens de Justiça.

Esse comportamento desviante começa pelo empresariado, que prefere não correr risco algum, vivendo à sombra do Estado, e acomodou-se a um sistema que passou a devorá-lo.

A degeneração contamina a classe política, que deturpou e adulterou os princípios da Constituição Cidadã de 1988. Subvertendo a ideia original, que era proteger a democracia contra ditadores de ocasião, entregou poderes ao Legislativo que o transformaram num chantagista do Executivo e um grande balcão de negócios.

A disfunção do comportamento se encontra também no Judiciário, de forma não menos importante. Ela começa pelo Supremo Tribunal Federal, que agora ordena a censura, abre inquéritos para perseguir pessoas e instituições, que não têm instância à qual recorrer, e mete-se onde quer. Cobra ações do Legislativo e do Executivo, como se fosse um superpoder, exigindo satisfação a respeito de tudo –das fake news à vacina da Covid-19.

Essas exorbitâncias criam um ambiente permissivo que desce em cascata  pelas várias instâncias, onde juízes dão e recolhem liminares a torto e a direito, fecham e reabrem o comércio, prendem e soltam com critérios aleatórios, promovendo um clima de instabilidade jurídica que vai beirando o terror.

Todo esse carnaval dá numa coisa só: a tragédia econômica e social do Brasil, um país que há pelo menos quinze anos não se governa direito e, portanto, não consegue andar para a frente.

Os artífices dessa crise só não serão as maiores vítimas do monstro que pariram porque há 14 milhões de desempregados oficiais e uma população famélica nas ruas, que têm mais razão de reclamar, e vêm recebendo de sobejo a munição que costuma dar nas explosões históricas.

O sistema Judiciário brasileiro, como o resto da nossa superestrutura política, legal e administrativa, está apodrecido. Quando o próprio ministro do STF, Alexandre Moraes, reconhece que o sistema “prende muito e prende mal”, deveria haver uma onda de indignação, seguida de alguma ação prática. Porém, não acontece uma coisa nem outra, porque nos acostumamos com as nossas teratologias políticas e institucionais, como se fosse algo comum.

Não dá mais. O Brasil precisa de uma ampla reforma, que não pode ser apenas educacional e de longo prazo, como dizem muitos, porque não haverá esse futuro para as crianças se não agirmos rápido.

Caso não queiramos que o Brasil vire o mar do lumpen proletariado, dominado por piratas milicianos e outros bandidos que assumem o poder do Estado em claro curso falimentar, com pendores totalitários, é preciso uma virada mais que urgente.

Não se pode retardar uma reforma constitucional, ou ao menos a extirpação dos penduricalhos constitucionais que deram aos nossos legisladores e à burocracia estatal poder não apenas de controlar o Executivo como manipular verbas para consolidar currais políticos, garantir privilégios e dominar um jogo eleitoral que não permite qualquer renovação democrática.

O desemprego, a exclusão social e a inapetência econômica são o resultado dessa infestação dos piratas, que se aproveitam da deturpação de instituições criadas para assegurar a democracia e a igualdade, justamente para atacá-la.

São eles, espalhados por todos os estamentos do Estado, a verdadeira fonte da nossa miséria –e não falo da miséria social. Um país não tem lugar no mundo da economia digital global sem uma elite progressista e capaz de trabalhar pelo bem coletivo. No Brasil, contudo, ela é minoria, e pula fora da água assustada por esse cardume de piranhas que devoram tudo, inclusive a elas mesmas.

É ilusão achar que teremos um bom futuro sem fazer nada, deixando que o destino nos devolva à condição de simples “celeiro do mundo”, enquanto nossas riquezas são dragadas para outros lugares. Isso tem nome (atraso) e causa (a incompetência e a iniquidade, que andam de braço dado).

O problema do fisiologismo crônico é que todos acabamos atolados juntos nessa coisa mal cheirosa. É preciso ter visão dos problemas e capacidade de ação construtiva. Não é apenas a economia que está em jogo. O desmanche ético, moral e educacional do país mina a própria essência da Nação.

Está na hora de as lideranças positivas e construtivas do país, que têm consciência dessa situação, unirem-se para evitar que saiamos dessa para pior. É preciso encarar as piranhas, ou não sobrará nada.

Não se trata de eleger nenhum salvador, e sim de construir um movimento político e social amplo, que una forças e remova os extremistas, que só levam a mais desagregação. Um movimento que coloque na frente um projeto sólido para o futuro, restabelecendo a ordem institucional de maneira pacífica e democrática.

Isso, se não quisermos ver revertidas dramaticamente as esperanças e esforços de muitas gerações.

Thales Guaracy é Jornalista. Originalmente publicado no site Poder 360, em 8 de Fevereiro de 2021.

Nenhum comentário: