sexta-feira, 26 de março de 2021

Relação sonegada de dados e fatos: Covid-19, mortos, recuperados, vacinados, população, mundo


 Artigo no Alerta Total - www.alertatotal.net

Por Ernesto Caruso


Ficou célebre o episódio da parabólica, cuja conversa não faria parte da entrevista, mas por descuido, ecoou aos quatro ventos, a lembrar o seguinte texto: - “Eu não tenho escrúpulos. O que é bom a gente fatura, o que é ruim a gente esconde.”.

Tal expressão serve bem para ilustrar o quadro político atual, em especial a parte mais contundente “eu não tenho escrúpulos”; que não serve de adorno ao comportamento do homem público eleito/nomeado gestor dos bens produzidos pela sociedade, que tem a obrigação de esclarecer com profundidade a quem lhe paga o salário, como administra esses recursos.

A imprensa deveria ser, por princípio e generalidade, o elo independente, imparcial, entre o administrador público e o cidadão, transmitindo com fidelidade os fatos e as correlações presentes, que melhor esclareçam ao público expectador.

Não na linha da expressão “sem escrúpulo”, o que é bom, conveniente à política do governante parceiro, do proprietário da emissora, do empresário que paga publicidade, a gente fatura (divulga). Por outro lado, o que é ruim, a gente esconde (omite).

A pandemia da Covid 19 foi o meio encontrado para esse tipo de prática, face ao desgaste que proporcionaria, particularmente aos governos estaduais e municipais, inconteste sucata hospitalar que não atendia à população mais necessitada.

Causa fundamental, desvios de verbas públicas; abominável corrupção que matou muita gente nas portas dos hospitais.

Fatos e notícias sobre fraudes na Saúde:

- Fraude bilionária desviava dinheiro da Saúde e propina era escondida em caixas de vinho - desvio de mais de R$ 1,6 bilhão da Saúde, Verba era destinada à saúde em três estados, mas nunca chegou à população. (PB, RJ, RS)

- Força-tarefa do MP do Rio e da Polícia Civil deflagrou... a Operação Calvário, contra fraudes na Saúde no Rio de Janeiro... investigações apontam que houve desvio de R$ 15 milhões e prejuízo a várias unidades da rede pública no estado.

- Operação sanguessuga... Talha... Fratura exposta...

- 28/12/2015: “O Assunto é o caos na saúde pública em várias regiões do Brasil. Durante o fim de semana, as equipes do Bom Dia Brasil visitaram hospitais e constataram que está faltando de tudo: médico, remédio e equipamento. Além das já conhecidas, falta de leitos, de médicos, de medicamentos, de equipamentos e instrumentos para atender a população, tem hospital funcionando apenas dois dias da semana.”.

Uma amostra do ocorrido com o advento da Covid 19. – 09/08/2020 “Corrupção na pandemia: contratos sob suspeita somam R$ 1,4 bilhão. Levantamento do 'R7' mostra que má gestão pode ter desviado milhões de reais destinados ao combate à covid-19 em 26 das 27 unidades da federação.

A imprensa não precisa recordar, porque o caos da saúde não é de hoje e grande parte da população vive esse drama faz tempo.

Mas, contribuir com o caos, manipulando as informações é demais.

Os telejornais sistematicamente demonstram a falta de escrúpulos (escândalo da parabólica) quando só transmitem depoimentos gravados/estudados, dos que se pronunciam favoráveis ao “lockdown”, imposto por governantes, quando se sabe e, a população tem consciência, que o empregado com carteira assinada — apavorado na corda bamba — conta com o seu salário no fim do mês.

O mesmo e, em melhores condições os servidores públicos. Nessas condições, o “lockdown” não traz conseqüências maiores.

E o empregador como faz para comprar, vender, ter lucro, pagar salários e impostos.

E os desempregados, em números crescentes, que vivem de trabalhos eventuais, que vendem produtos nos sinais de trânsito, taxista, motorista de aplicativo, camelô?

Dias úteis seguidos com falsos feriados, quase tudo impedido de funcionar, sem passageiro para transportar...

Aos apresentadores de programas e tele-jornais é fácil esbravejar para que se aumente o auxílio emergencial ou que haja alguma forma de ajuda financeira aos empresários.

Mas, tirar da onde? Se a arrecadação, não consegue suprir em melhores condições o socorro médico urgente no país?

Todos sabem fazer as contas, mas cobrar o impossível não vai resolver. Sem consumo, não há produção, não há comércio, não há transporte, não há alimento, não há medicamento, não há vida.

Prevalece o “não tenho escrúpulo”. Mais pressão na geração da crise que tem sido a meta política visando as eleições de 2022.

No mesmo viés, a omissão de dados importantes, por grande parte da imprensa, na tentativa de apresentar o Brasil aos brasileiros de maneira depreciativa em relação ao mundo no combate à pandemia, quer destacando o número de mortos por dia relacionando-o com outros países, sem considerar os fatores fisiográficos, psicossociais e, econômicos, que em suma representam a capacidade de produzir internamente e/ou de importar.

Subdividindo-os em alguns aspectos que vão demonstrar uma apreciação isenta de interesses políticos e sensacionalismo rasteiro. Abominável expressão, “eu não tenho escrúpulo”.

Eis algumas características dos países comparados, sem precisar análises mais profundas, mas que apresentem os fatos como são: superfície, efetivos humanos, densidade populacional, circulação/elementos físicos dissociadores.

Considerando-se só o estado do Amazonas comparado a Israel, que tem sido citado com elevado índice de vacinação contra a Covid-19, dois aspectos sublinham essa apreciação, a superfície, o primeiro com 1,57 milhões de km² e o segundo com 22.145 km²; a população, o primeiro com 4,2 milhões de habitantes e o segundo com 9,2 milhões.

Ainda que se considere a maior parte da população habitante de Manaus, há uma outra parcela que precisa ser vacinada, como indígenas, disseminados por extensa área, com elementos dissociadores presentes na vasta bacia hidrográfica, com cheias presentes e exuberante vegetação florestal, que dificultam a acessibilidade a esses locais e, que exigem pletora de meios adequados e de custo elevado.

Um exemplo, para ir de Manaus a São Gabriel da Cachoeira, município distante 852 km da Capital, por via aérea, 4 horas, fluvial, mais de três dias.

Assim, só anunciar que Israel já aplicou as duas doses da vacina em mais da metade da população, enquanto no Amazonas, da ordem de 9%, não se tem uma visão do que se passa no Brasil em relação ao mundo.

De forma semelhante, não se mencionar o número de recuperados e o número de mortos em relação à população.

Ao se consultar o portal https://ourworldindata.org/ , se verifica que o Brasil está bem posicionado em relação ao mundo, considerando o número total de doses de vacinação administradas por cem pessoas na população total.

Só números absolutos não se aproximam da realidade.

Ernesto Caruso é Coronel de Artilharia e Estado-Maior, reformado.

Um comentário:

Almanakut Notícias - São Paulo - Brasil disse...

O PODER COM CHEIRO DE ENXOFRE, MOMEADO POR CORJAS E PARA CORJAS, PRECISA SER CONTIDO, MESMO QUE SE TENHA QUE COMEÇAR PELA CORJA DO CONGRESSO.

ATURAR ISSO ATÉ 2050 É IMPOSSÍVEL, MESMO QUE SE TENHA QUE ABDICAR DA PRÓPRIA VIDA, PELO BRASIL.