quarta-feira, 10 de março de 2021

Supremo acaba de eleger Lula Presidente?


Artigo no Alerta Total - www.alertatotal.net

Por Sérgio Alves de Oliveira


Seria sem dúvida alguma uma ingenuidade sem precedentes duvidar da capacidade eleitoral de Lula da Silva eleger-se pela terceira vez Presidente da República do Brasil, mesmo após os desastrados e corruptos governos anteriores que patrocinou.

É claro que uma pessoa “normal”, cônscia dos seus deveres cívicos e políticos com a pátria  e com o povo brasileiro, jamais poderia cogitar dessa absurda hipótese, de uma possível nova vitória do encantador de burros.                                                                                                                         

Mas estamos falando de um eleitorado de milhões de pessoas, jamais se podendo garantir que dentre eles os idiotas, os “burros”, os esquerdistas, e os deficientes de caráter político de toda espécie não constituam a maioria decisiva dos eleitores, capazes de cometer um desatino  dessa envergadura, elegendo  qualquer “coisa”.

O Brasil é cheio desses “desatinos” no seu passado político mais recente, começando com o “destrambelhado” Jânio Quadros, que governou o país de 31 de janeiro de 1961 até 26 de agosto de 1961, quando  renunciou, e foi substituído pelo Vice-Presidente ,João Goulart, que acabou deposto pelo Regime Militar, em 31 de março de 1964.

Mas algo muito pior que Jânio Quadros estava reservado, na sequência,  para o desatento povo brasileiro, após o encerramento do Regime Militar, em 1985. Fruto das chamadas “diretas já”, tão reclamadas pelos políticos opositores dos militares, acabou sendo eleito Fernando Collor de Mello, que governou o país de 15 de março de 1990 a 29 de dezembro de 1992, quando foi impichado, e substituído pelo Vice-Presidente Itamar Franco.

E foi no Governo de Itamar Franco que criaram o “monstro” chamado Fernando Henrique Cardoso, ”onde tudo começou”, que às custas do Plano Real, na qualidade de então Ministro da Fazenda, conseguiu “faturar”, injustamante, os méritos da relativa estabilização da economia,o que lhe valeu a candidatura presidencial e a vitória em 1994, governando de 1995 até 2003, após ter conseguido, com muito “toma-lá-dá-cá” junto aos políticos, uma emenda constitucional que lhe garantiu a reeleição.

Foi exatamente nesse período de Ministro  da Fazenda  de Itamar Franco, ”responsável” pelo Plano Real, que FHC fechou um acordo com a esquerda, ele representando o “Diálogo Interamericano”, com Lula da Silva, pelo então Foro San Pablo, acordo esse denominado “Pacto de Princeton”, assinado em 1992, nos Estados Unidos, pelo qual a esquerda adotou a chamada “estratégia das tesouras”, com base nas ideias desenvolvidas por Hegel e adotadas por Karl Marx, pela qual a esquerda sempre competiria nas eleições com um candidato de esquerda  “radical”, e outro mais “moderado”, mas sempre assegurando a sua vitória, ao final.

E assim foi feito. FHC começou a “política das tesouras”, governando de 1995 até 2003, prosseguindo com Lula, de 2003 a 2010, e Dilma/Temer, de 2010 a 2018.

O Supremo Tribunal Federal, em habeas corpus deferido monocraticamente pelo Ministro Edson Fachin, no dia 08.03.21, e cuja maioria dos ministros sabidamente são “obra” do PT, ficou “cozinhando-em banho-maria” a soltura e a anulação completa dos processos contra Lula durante mais de 2 anos, de modo a permitir-lhe concorrer novamente à Presidência da República em outubro de 2022. Tudo feito às pressas, e praticamente na “última  hora”. E pelo visto nenhum recurso contra essa decisão que anulou os processos contra Lula terá oportunidade de ser julgado antes das eleições de 2022, ficando por conta das urnas eletrônicas “suspeitas” do TSE a indicação do vencedor das eleições.

Ora, depois de tanto “lixo” político que foi eleito a partir de Jánio Quadros/João Goulart, Collor de Mello/Itamar Franco, FHC (2 vezes), Lula (2 vezes), Dilma (1,5 mandatos), e Temer (0,5 mandato), teria alguma surpresa uma nova eleição de Lula em 2022? É claro que não !!!

Chega a me passar calafrios pela espinha dorsal quando recordo das sábias palavras de Nelson Rodrigues: (1) “A maior desgraça da democracia é que ela traz à tona a força numérica dos idiotaa, que são a maioria da humanidade”; e (2)”Os idiotas vão tomar conta do mundo,não pela capacidade, mas pela quantidade. Eles são muitos”.

Significa dizer que se não forem tomadas as medidas drásticas e urgentes que sejam requeridas, logo, talvez dentro do permissivo contido artigo 142 da Constituição, o desastre político novamente baterá às portas do país, com a possível eleição de Lula, e muitas gerações de brasileiros acabarão pagando essa conta por conta da corrupção que voltará a reinar sem freios. E infelizmente  tudo  se passará nas  “barbas” dos guardiões da pátria, segundo o citado artigo 142 da CF: as Forças Armadas.

Sérgio Alves de Oliveira é Advogado e Sociólogo.

4 comentários:

aparecido disse...

A unica maneira de provocar uma ruptura com as FFAA é jogar um melancia de 5 metros de altura...

Anônimo disse...

"""Ora, depois de tanto “lixo” político que foi eleito a partir de Jánio Quadros/João Goulart, Collor de Mello/Itamar Franco, FHC (2 vezes), Lula (2 vezes), Dilma (1,5 mandatos), e Temer (0,5 mandato), teria alguma surpresa uma nova eleição de Lula em 2022? É claro que não !!!"""

O duro, não é os pobres (e os trabalhadores) serem xingados e desqualificados por você. O pior, é a gente depender de "formadores de opinião" iguais á você.

Primeiro - Você está cometendo o erro primário (que a esquerda usa, só que no caso da esquerda, é uma tática correta), que é tentar eliminar adversários, para que o povo não tenha opções de escolha.

Segundo - Sua própria narrativa te desmente; prova que o burro não sou eu (nem o pobre eleitor); Ou seja: No seu texto você diz que que o "povo burro" elegeu o FHC duas vezes. O seu raciocínio, só esqueceu de dizer, quem era(m) o(s) outro candidato.

O lula pode se candidatar a vontade (desde que seja de dentro da cadeia); o importante, e que tenham candidatos SEM PARTIDO, e não só os que vocês permitem.

Almanakut Notícias - São Paulo - Brasil disse...

Aproxima-se o ponto de ruptura - CLUBE MILITAR - A Casa da República - 09/03/2021

General Luiz Eduardo Rocha Paiva

Em um conflito entre Poderes, a qual deles as FA se submeterão? Com certeza, ficarão unidas e ao lado da Nação, única detentora de sua lealdade. Que a liderança nacional tenha isso em mente.

https://clubemilitar.com.br/artigo/aproxima-se-o-ponto-de-ruptura



LOGO O CAPETA IRÁ ABRAÇAR O BELZEBU DE NOVE DEDOS E LEVARÁ A SUA CORJA MALDITA PARA O INFERNO.

Anônimo disse...

Argentina seremos nós amanhã.